Movimentação do processo 0005613-89.2011.8.26.0236 do dia 22/02/2016

    • Estado
    • São Paulo
    • Tipo
    • Reintegração / Manutenção de Posse
    Considere tipo e seção apenas como indicativos, pois podem ocorrer erros no processo de extração automática.
    • Subtipo
    • Posse
    • Seção
    • IBITINGA
    Considere tipo e seção apenas como indicativos, pois podem ocorrer erros no processo de extração automática.

Conteúdo da movimentação

Trata-se de ação de reintegração de posse ajuizada por AES TIÊTE S/A em face de JOAQUIM DELICATO PEREIRA.Segundo narrou, em suma síntese, é concessionária exploradora de energia elétrica, e nessa condição possui o direito de uso nas áreas marginais nos reservatórios hidrelétricos sob sua concessão, desapropriadas para possibilitar a construção da usina e consideradas tanto área de segurança, quanto de preservação permanente. No caso aqui versado, a propriedade é aquela transcrita sob n° 33.761 do CRI de Ibitinga, a qual foi invadida pelo requerido, razão pela qual pretende, inclusive liminarmente, a reintegração na posse e a demolição e remoção das intervenções irregulares. Juntou documentos, fls. 16/64.O Ministério Público aduziu desinteresse no feito, fls. 65. A antecipação foi indeferida, fls. 66/8.O Réu foi citado, fls. 88, e apresentou contestação, fls. 99/111, na qual suscitou preliminar de inépcia da inicial, por falta de especificação da área, e de falta de interesse de agir, diante da pendência de ação civil pública versada sobre os mesmos fatos, donde as figuras da litispendência ou conexão, inclusive. No mérito, anotou a regularidade da ocupação, pugnando pela improcedência. Juntou documentos, fls. 100/9. Réplica às fls. 114/21.Determinada a produção de prova pericial, fls. 164, aportou aos autos o laudo de fls. 186/9 e complementação de fls. 223/9, sobre o qual as partes tiveram oportunidade de manifestação.Os autos vieram remetidos para julgamento em sede de auxílio-sentença, fls. 250.É O RELATÓRIO. FUNDAMENTO E DECIDO. Nas circunstâncias dos autos, e diante da atuação processual das partes, uma vez produzida a única prova deferida às fls. 164 (anotado que a documental possui momentos próprios arts. 283, 396 e 397 do CPC) o imediato julgamento é impositivo, art. 330, I, do CPC.A propósito, o infindável número de ações judiciais em trâmite, exige do Judiciário uma postura destinada à otimização dos atos processuais, evitando-se protelações desnecessárias e realização de atos inúteis, os quais provocam um indevido dispêndio de energias, em detrimento de situações que demandam pronta intervenção, prejudicando o universo de jurisdicionados. As preliminares não merecem acolhida, anotado que o Réu admite estar na posse da propriedade aqui versada, a qual vinha indicada nos documentos juntados com a inicial, fato que permitiu o exercício da defesa, e restou devidamente caracterizada em laudo pericial. Ademais, ninguém melhor do que o próprio Réu para ter a exata dimensão da área que ocupa. No que atine à preexistência de ação civil pública versada sobre os mesmos fatos, não se dignou o Réu a acostar qualquer documento que comprove a circunstância alegada, especialmente a tríplice identidade, de modo que não há que se falar sequer em conexão. A questão do interesse processual, por sua vez, se confunde com o mérito e sob esse prisma deve ser analisada, mormente diante do avançado estágio. No mérito, a ação procede.Incontroverso nos autos, e inclusive comprovado pelos documentos acostados com a inicial, que a Autora é concessionária de serviços públicos de geração de energia, fls. 23/42. Prosseguindo, os documentos juntados às fls. 43/60 sugerem que o Réu ocupa indevidamente e inclusive levantou construções em área afeta à exploração da concessão, além de considerada de preservação permanente. Nessa esteira, o substancioso laudo encartado às fls. 186/9 (e complementação de fls. 223/9), elaborado por perito de confiança do juízo, e não impugnado tecnicamente pelas partes, concluiu que a área pretendida (e na qual erigidas benfeitorias diversas) está abrangida pela cota 407,5m da Usina Hidrelétrica e pertence à Autora, porque abrangida na descrição contida na matrícula 33.761 do CRI de Ibitinga, encartada às fls. 56 destes autos.Ademais, conforme estabelecido no citado laudo pericial, a construção do Réu, irregular, encontra-se situada em área de APP, sendo que além de obviamente inaproveitável, a sua remoção causará prejuízos à Autora. Não há dúvidas, pois, de que deverá se demolida, a bem do interesse público ao meio ambiente sadio, bem indisponível e imprescritível, bem como em respeito ao direito do legítimo possuidor, de bem de natureza pública.Ressalte-se que não é dado ao Judiciário admitir a espécie de ocupação clandestina, ocasionadora de inimagináveis tumultos, comprometedora do regular ordenamento do espaço e, inclusive, ensejadora de danos ambientais e riscos diversos à segurança de um sem número de pessoas. Embora não suscitado em contestação, saliento que não haveria que se falar, em absoluto, em indenização em favor do Réu que construiu irregularmente e de forma clandestina, comprometendo a APP naquele local.Ante o exposto, sem maiores digressões, JULGO PROCEDENTE a ação movida por AES TIÊTE S/A em face de JOAQUIM DELICATO PEREIRA e o faço para, nos termos da fundamentação supra, determinar ao Réu providencie a demolição da construção erigida sobre área pertencente à Autora, inserta na matricula 33.761 do CRI de Ibitinga, conforme mapa e memorial de fls. 188/9, no prazo máximo de 10 dias após o trânsito em julgado, então desocupando definitivamente o local (devendo haver intimação pessoal para tanto Súmula 410 do Colendo STJ), sob pena de multa diária de R$500,00, a qual poderá ser majorada ou limitada oportunamente nos termos do art. 461, § 6°, do CPC, sem prejuízo da adoção de medidas outras de apoio, tais como autorização para demolição direta por parte da Autora. Sucumbente, arcará o Réu com as custas, despesas processuais e honorários advocatícios, fixados estes, por equidade, em R$ 1.576,00, atualizados monetariamente segundo depre/tj a partir desta sentença, porque adotado o valor da moeda, e com juros de 1% ao mês após o trânsito em julgado.PRI.