Diário de Justiça do Estado do Paraná 20/01/2022 | DJPR

Diário de Justiça Eletrônico Nacional (DJEN)

Processo 0003734-16.2020.8.16.0202

Sigla Tribunal: TJPR

Órgão: Vara da Fazenda Pública de São José dos Pinhais

Data de disponibilização: 20/01/2022

Tipo de comunicação: Conclusão

Classe: EXECUÇÃO FISCAL

Meio: Diário Eletrônico de Justiça Nacional

Inteiro Teor: https://projudi.tjpr.jus.br/projudi/processo/validacaoDocumentos.do?_tj=8a6c53f8698c7ff7826b4c776d71316d1925abc508bbf0c37395a1a6705262335b698d5fbfb0300724e0f9ec6137cfc003b4a1902208d91f

Envolvido:

JESSICA CAROLINE DE PAULO (POLO: Polo passivo)

Advogados:

CARLOS AUGUSTO SILVA MOREIRA LIMA (OAB: 180624/RJ)

ENILSON LUIZ WILLE (OAB: 17842/PR)

MARCUS VINICIUS SPOSITO (OAB: 21173/PR)

LINA CLARICE DA ROCHA LOEWENSTEIN (OAB: 16771/PR)

CLAUDIO SOCCOLOSKI (OAB: 26228/PR)

KLEBER ANTONIO TOFFALINI FERREIRA (OAB: 14598/PR)

NELSON CASTANHO MAFALDA (OAB: 24388/PR)

CAROLINE PEREIRA DE CARVALHO (OAB: 105514/PR)

GLAUCIA LOURENCO STENCEL BOZZI (OAB: 28792/PR)

Envolvido:

MUNICIPIO DE SAO JOSE DOS PINHAIS (POLO: Polo ativo)

Advogados:

CARLOS AUGUSTO SILVA MOREIRA LIMA (OAB: 180624/RJ)

ENILSON LUIZ WILLE (OAB: 17842/PR)

MARCUS VINICIUS SPOSITO (OAB: 21173/PR)

LINA CLARICE DA ROCHA LOEWENSTEIN (OAB: 16771/PR)

CLAUDIO SOCCOLOSKI (OAB: 26228/PR)

KLEBER ANTONIO TOFFALINI FERREIRA (OAB: 14598/PR)

NELSON CASTANHO MAFALDA (OAB: 24388/PR)

CAROLINE PEREIRA DE CARVALHO (OAB: 105514/PR)

GLAUCIA LOURENCO STENCEL BOZZI (OAB: 28792/PR)

Conteúdo:

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO PARANÁ COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - FORO REGIONAL DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS VARA DA FAZENDA PÚBLICA DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS - PROJUDI Rua Mendes Leitão, 2835 - Sobreloja - Centro - São José dos Pinhais/PR - CEP: 83.005-150 - Fone: (41)3312-6970 - E-mail: SJP-8VJ-S@tjpr.jus.br Autos nº. 0003734-16.2020.8.16.0202 Processo: 0003734-16.2020.8.16.0202 Classe Processual: Execução Fiscal Assunto Principal: Dívida Ativa (Execução Fiscal) Valor da Causa: R$1.741,53 Exequente(s): MUNICIPIO DE SAO JOSE DOS PINHAIS Executado(s): JESSICA CAROLINE DE PAULO 1. Jessica Carolina de Paulo opôs impugnação ao bloqueio de ref. 41.1 aduzindo, em síntese, a impenhorabilidade dos valores atingidos, pois derivados de salário e conta poupança. Requereu, assim, a liberação dos valores constritos. É o breve relatório. Vieram os autos conclusos. Dispõe o artigo 833, IV do CPC que: Art. 833. São impenhoráveis: IV - os vencimentos, os subsídios, os soldos, os salários, as remunerações, os proventos de aposentadoria, as pensões, os pecúlios e os montepios, bem como as quantias recebidas por liberalidade de terceiro e destinadas ao sustento do devedor e de sua família, os ganhos de trabalhador autônomo e os honorários de profissional liberal, ressalvado o § 2º ; X - a quantia depositada em caderneta de poupança, até o limite de 40 (quarenta) salários-mínimos; A impenhorabilidade da conta poupança até o limite supra indicado somente se mantém quando o titular a utiliza como forma de poupar rendimento; Nestes termos: AGRAVO INTERNO NO RECURSO ESPECIAL. CUMPRIMENTO DE SENTENÇA. PENHORA EM CONTA-CORRENTE. INCIDÊNCIA SOBRE INDENIZAÇÃO TRABALHISTA. NATUREZA ALIMENTAR VISLUMBRADA, PORÉM, NÃO DE MANEIRA ABSOLUTA. APLICAÇÃO EXTENSIVA DO ART. 649, X, DO CPC/1973. IMPENHORABILIDADE ASSEGURADA ATÉ O LIMITE DE 40 SALÁRIOS MÍNIMOS. ACÓRDÃO RECORRIDO MANTIDO SOB PENA DE REFORMATIO IN PEJUS. RECURSO DESPROVIDO. 1. A Segunda Seção firmou o entendimento de que a remuneração protegida pela regra da impenhorabilidade é a última percebida - a do último mês vencido - e, mesmo assim, sem poder ultrapassar o teto constitucional referente à remuneração Documento assinado digitalmente, conforme MP nº 2.200-2/2001, Lei nº 11.419/2006, resolução do Projudi, do TJPR/OE Validação deste em https://projudi.tjpr.jus.br/projudi/ - Identificador: PJTCU NFQNW DM7K3 Q5PEB PROJUDI - Processo: 0018735-09.2010.8.16.0035 - Ref. mov. 86.1 - Assinado digitalmente por Carolina Delduque Sennes Basso 04/02/2021: DEFERIDO O PEDIDO. Arq: DECISÃO de Ministro do Supremo Tribunal Federal. Após esse período, eventuais sobras perdem tal proteção (REsp n. 1.230.060/PR, Relatora a Ministra Maria Isabel Gallotti, Segunda Seção, DJe de 29/8/2014). 2. Sob esse enfoque, a regra da impenhorabilidade pode ser relativizada quando a hipótese concreta dos autos permitir que se bloqueie parte da verba remuneratória, preservando-se o suficiente para garantir a manutenção do devedor e de sua família. 3. Em relação a valor obtido a título de indenização trabalhista, dentro da qual se inclui o FGTS, ficou decidido, também, no precedente acima mencionado, que a interpretação a ser dada ao art. 649, X, do CPC/1973 deve ser extensiva, de modo a assegurar a impenhorabilidade sobre a quantia de até quarenta salários mínimos, seja ela mantida em conta-corrente, aplicada em caderneta de poupança propriamente dita ou em fundo de investimentos, ressalvado eventual abuso, má-fé, ou fraude, a ser verificado caso a caso, de acordo com as circunstâncias da situação concreta em julgamento. 4. No caso em tela, o acórdão recorrido reformou a sentença para permitir que o executado, ora recorrente, pudesse levantar o equivalente a 30% (trinta por cento) do valor penhorado de R$ 167.693,69 (cento e sessenta e sete mil, seiscentos e noventa e três reais e sessenta e nove centavos), proveniente do pagamento de verbas trabalhistas, que já se encontravam depositadas em conta-corrente a um longo período. 5. Desse modo, embora o critério utilizado pelo Tribunal estadual não reflita, literalmente, a atual jurisprudência desta Corte sobre a matéria, na hipótese, a sua substituição para assegurar a impenhorabilidade sobre a quantia de quarenta 40 (quarenta) salários mínimos, nos termos dos precedentes mencionados, configuraria reformatio in pejus, a qual não pode ser admitida. 6. Agravo interno desprovido. (AgInt no REsp 1540155/SP, Rel. Ministro MARCO AURÉLIO BELLIZZE, TERCEIRA TURMA, julgado em 19/08/2019, DJe 22/08/2019) Contudo, conforme orientação do Superior Tribunal de Justiça a movimentação atípica da conta poupança não é suficiente a comprovação da má-fé de seu titular: PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO INTERNO EM RECURSO ESPECIAL. EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL. VALORES DEPOSITADOS EM CONTAS BANCÁRIAS. MONTANTE INFERIOR A QUARENTA SALÁRIOS MÍNIMOS. IMPENHORABILIDADE. 1. Cuida-se, na origem, de execução de título extrajudicial. 2. São impenhoráveis os valores poupados pelo devedor, seja em caderneta de poupança, conta-corrente, fundo de investimentos ou em papel-moeda, até o limite de 40 salários mínimos. Precedente da 2ª Seção. 3. A simples movimentação atípica apurada pelas instâncias ordinárias, por si só, não constitui má-fé ou fraude a ensejar a mitigação da impenhorabilidade do art. 833, X, do NCPC. 4. Agravo interno no recurso especial não provido. (AgInt no REsp 1795956/SP, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 13/05/2019, REPDJe 29/05/2019, DJe 15/05/2019) Portanto, acolho a impugnação a fim de determinar a imediata liberação dos valores constritos a conta poupança 013.00022502-4, agência 0372. Expeça-se o respectivo alvará. 2. Quanto ao prosseguimento do feito, se manifeste o exequente em 15 dias. 3. Por fim, conclusos. Intimações e diligências necessárias. No caso vertente, intimada, a executada deixou de comprovar o bloqueio de valores em conta poupança. Observa-se que a executada apenas junta extratos (evento 52.2 a 52.5) de conta corrente. Entretanto, dos extratos da conta bancária constato que há diversos depósitos e transferências referentes aos pagamentos que a autora recebe como autônoma, sendo verossímil que aufere renda mensal na média de R$ 2.500,00. Em 24/02/2021 houve o bloqueio do importe de R$ R$ 2.656,66 na conta corrente da devedora (evento 41.1). Conclui-se, nesta toada, que o valor bloqueado efetivamente corresponde à verba proveniente das remunerações da executada. Por conseguinte, com base no artigo 833, IV, CPC reconheço a impenhorabilidade alegada e determino a imediata liberação dos valores constritos. Se o valor já houver sido transferido para conta judicial, expeça-se alvará de levantamento/transferência em favor da devedora. 2. No mais, após levantamento dos valores, cumpra-se a decisão de evento 47.11 Intimem-se. D.N. São José dos Pinhais, data e hora da inserção no sistema. (assinado digitalmente) SIDERLEI OSTRUFKA CORDEIRO JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO

Processo 0000051-15.2022.8.16.0100

Sigla Tribunal: TJPR

Órgão: Vara Cível de Jaguariaíva

Data de disponibilização: 20/01/2022

Tipo de comunicação: Conclusão

Classe: BUSCA E APREENSÃO EM ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA

Meio: Diário Eletrônico de Justiça Nacional

Inteiro Teor: https://projudi.tjpr.jus.br/projudi/processo/validacaoDocumentos.do?_tj=8a6c53f8698c7ff7826b4c776d71316d1925abc508bbf0c37395a1a6705262333a6618d6caf1a62223df298f946da51c9bc2968e306716cf

Envolvido:

AYMORE CREDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A. (POLO: Polo ativo)

Advogado:

SERGIO SCHULZE (OAB: 31034/PR)

Envolvido:

RONALDO PEREIRA FRANçA JUNIOR (POLO: Polo passivo)

Advogado:

SERGIO SCHULZE (OAB: 31034/PR)

Conteúdo:

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO PARANÁ COMARCA DE JAGUARIAÍVA VARA CÍVEL DE JAGUARIAÍVA - PROJUDI Rua Pref. Aldo Sampaio Ribas, 16 - Cidade Alta - Jaguariaíva/PR - CEP: 84.200-000 - Fone: (43) 3535-1256 Autos nº. 0000051-15.2022.8.16.0100 Processo: 0000051-15.2022.8.16.0100 Classe Processual: Busca e Apreensão em Alienação Fiduciária Assunto Principal: Alienação Fiduciária Valor da Causa: R$13.690,97 Autor(s): AYMORE CREDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A. Réu(s): RONALDO PEREIRA FRANÇA JUNIOR DECISÃO Trata-se de ação de busca e apreensão ajuizada por AYMORÉ CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A em face de RONALDO Pereira França Junior, em que o autor alega ter firmado com o requerido contrato no qual foi dado como garantia, sob alienação fiduciária, conforme definição do Decreto-Lei nº 911/69, o seguinte veículo: “Marca/Modelo: HONDA/CG 160 START, ano: 2020/2020, CHASSI: 9C2KC2500LR068519, placa: BEI2B90, cor: VERMELHA RENAVAM: 1238165742”. Aduz que a parte requerida não efetuou o pagamento a partir da parcela vencida em 05/09/2021 e que, embora notificada, não cumpriu com sua obrigação, estando em mora. É o relatório. Decido. De início, indefiro o pedido de tramitação do feito em segredo de justiça, pois não se justifica excepcionar a regra de publicidade dos atos processuais com fundamento na eventual possibilidade de insucesso da medida liminar. Além disso, o caso em tela não se enquadra em nenhuma das hipóteses previstas no art. 189 do Código de Processo Civil. Tratando-se de alienação fiduciária, provado o inadimplemento e a mora do devedor, deverá ser assegurado ao credor, por ordem judicial, o direito de perseguir a coisa que estava sob posse direta do inadimplente, no intuito de tornar definitivo o seu domínio, antes resolúvel. Denoto que a constituição em mora realizou-se com a notificação remetida ao mesmo endereço constante no contrato (movs. 1.10 e 1.7). Portanto, diante de bem alienado fiduciariamente, estando comprovada a mora, defiro, liminarmente, a medida pleiteada (artigo 3º do Decreto-Lei nº 911/69, com alteração da Lei nº 10.931/2004). Expeça-se mandado de busca e apreensão, depositando-se o bem antes referido nas mãos de preposto indicado pelo credor, mediante termo, no qual deverá constar a especificação do bem apreendido, com todas as suas características, tais como marca, estado de conservação, acessórios, funcionamento, quilometragem, entre outras que se mostrarem relevantes. Cite-se a parte requerida para: (a) em 5 (cinco) dias, querendo, pagar a integralidade da dívida pendente, segundo os valores apresentados na inicial, hipótese em que o bem lhe será restituído livre de ônus; (b) em 15 (quinze) dias, querendo, apresentar resposta, sob pena de revelia (artigo 3º, § 2º e 3º do Decreto nº 911/69, alterando pela Lei nº 10.931/2004). Deve constar do mandado que a contestação poderá ser apresentada ainda que o(s) devedor(es) tenha(m) optado por pagar a integralidade da dívida, caso entenda(m) ter havido pagamento a maior e desejar (em) restituição (artigo 3°, § 4° da lei respectiva). Fixo os honorários advocatícios em 10% sobre o valor da causa, para o caso de pagamento da dívida. Caso haja consolidação da posse e da propriedade do veículo no patrimônio do proprietário fiduciário, autorizo, desde já, a expedição de ofício ao DETRAN para que seja lavrado novo certificado de registro de propriedade em nome do credor ou de terceiro indicado, livre de ônus da propriedade fiduciária. Expeçam-se mandados necessários. Concedo os benefícios previstos no artigo 212, §2º, do Código de Processo Civil, bem como autorizo o reforço policial, se necessário. À Escrivania para que proceda à restrição total do veículo junto ao Sistema RENAJUD, imediatamente, juntando comprovante nos autos (art. 3º, § 9º, do Decreto-Lei 911/69, com redação dada pela Lei 13.043/2014). Certificada a apreensão do veículo nos autos, proceda a Escrivania, incontinenti, à retirada da restrição no Sistema RENAJUD, independente de pedido e conclusão, juntando comprovante nos autos (art. 3º, § 9º, do Decreto-Lei 911/69, com redação dada pela Lei 13.043/2014). Intimem-se. Diligências necessárias. Jaguariaíva, data e hora de inserção no sistema. Paula Maria Torres Monfardini Juíza de Direito

Processos na página

0003734-16.2020.8.16.0202 0000051-15.2022.8.16.0100