Expansor endoluminal

  • Número do pedido da patente:
  • PI 9901744-0 A2
  • Data do depósito:
  • 20/05/1999
  • Data da publicação:
  • 11/07/2000
Inventores:
  • Classificação:
  • A61F 2/01
    Filtros implant?veis nos vasos sangu?neos; Pr?teses, i.e. substitutos artificiais ou substitui??es de partes do corpo; Mecanismos para conect?-los ao corpo; Dispositivos que promovem desobstru??o ou previnem colapso de estruturas tubulares do corpo, p. ex. stents; / Filtros implant?veis nos vasos sangu?neos;
    ;

O pedido de privilégio de invenção trata de um expansor endoluminal constituído por anéis (5) ou por uma esteira na orma de espiral construída com um fio de material biocompatível flexível (3), dobrando no formato de "Z" ou "X". Salienta-se, ainda, que a forma de união entre dois anéis adjacentes (3) ou entre os braços de uma esteira compreende a introdução de suas extremidades em forma de setas (1), no interior de capilares (4) de mesmo material do fio e a posterior deformação das paredes opostas (2) dos mesmo para criar uma limitação física ao deslocamento dos braços. Com isso, existe a possibildade de movimentação longitudinal de todo o expansor, além de se conseguir uma melhor flexibilidade no mesmos e pode-se fazer o acompanhamento do expansor no interior do corpo do paciente, pois os mesmo são aparentes em radiografias. O material do fio e dos capilares é geralmente de aço inoxidável, nitinol, elgiloy ou polímero.

Página de 1

Documento

"Expansor Endoluminal"

Endopróteses ou expansores são dispositivos médicos implantáveis também conhecidos pela sua denominação em inglês, “stents”. Tecnicamente, são dispositivos artificiais feitos de material biocompatível, flexível e de fino calibre, podendo apresentar 5 algum tipo de revestimento, externo ou interno.

O número de patologias em que recomenda-se a utilização de endopróteses é bastante grande. Com os avanços tecnológicos nas áreas de materiais, dos processos de cónstrução e dos métodos cirúrgicos os campos de aplicação para estes dispositivos crescem a cada dia. Neste pedido de privilégio, apresenta-se endopróteses utilizáveis no 10 tratamento de patologias relacionadas às especialidades vasculares, gastroenterológicas, proctológicas e pneumológicas.

De um modo geral, a aplicação de endopróteses é recomendada em casos de estenose, aneurisma, fístula ou oclusão do segmento deficiente. O tratamento consiste em implantar uma endoprótese em uma região que apresente uma das patologias citadas 15 acima, com o auxílio de um mecanismo denominado cateter. A utilização deste aparato tetrí apresentado bons resultados no tratamento e correção dessas anomalias. Com um lòrmato tubular, o expansor se ajusta intemamente ao local de aplicação dando suporte à parede do mesmo e corrigindo, com isso, sua deformação.

Neste método, cateteres especiais conduzem o conjunto expansor/cateter sob visão 20 fluoroscópica até a posição pretendida, onde a prótese é então posicionada e expandida por meio de um balão que a desenrola. Existem outros grupos que utilizam “stents” auto-expansíveis ou com “ganchos” de fixação com a mesma finalidade,

O sucesso de um expansor depende essencialmente de suas características funcionais. Sejam elas:

-    implantabilidade, ou seja, ser confiável quanto ao procedimento de implante, ter um pequeno calibre quando comprimido e ser flexível o bastante para permitir uma fácil e segura passagem por todos os segmentos percorridos;

-    ter uma boa visibilidade ao raio X e radioscopia, importante tanto no 5 procedimento de implante, quanto no acompanhamento posterior do paciente;

-    biocompatibilidade, ou seja, a endoprótese não deve ocasionar o surgimento de trombos e a reação intimai deve ser mínima;

-    versatilidade, ou seja, expansão incrementai, servindo para diferentes locais de aplicação;

10    - taxa de expansão elevada para permitir o uso de cateteres de pequeno diâmetro;

-    possibilidade de retirada do expansor em caso de insucesso do procedimento cirúrgico.

Os expansores utilizados atualmente, são constituídos por um fio de material biocompatível flexível dobrado em diversos formatos e são formados por uma composição 15 de anéis ou por uma esteira enrolada sob a forma de espiral. Estes expansores têm terminações circulares nas extremidades de seus braços que são conectadas a um fio. As desvantagens deste método são que neste tipo de conexão ocorre a formação de extremidades pontiagudas e o movimento axial do expansor fica impedido. Entre outras configurações possíveis de expansores, conforme a patente européia EP 0 749 729, está a 20 que utiliza loops ou dobramentos circulares nas extremidades dos braços para realizar a conexão. Essa configuração, entretanto, permite que somente pequenos movimentos axiais possam ser realizados pelo expansor.

O objetivo desta patente é possibilitar a produção de expansores endoluminais que possuam uma maior movimentação axial, uma maior flexibilidade e que não apresentem


*«»• • t *


extremidades pontiagudas em sua superfície que poderíam causar danos às paredes internas do local de aplicação,

O expansor descrito nesta patente, tem como característica principal, a colocação das extremidades de braços distintos e concorrentes de anéis adjacentes ou de uma esteira, 5 conformados na forma de seta, dentro de lados opostos de capilares de material biocompatívei. No espaço existente entre os dois fios componentes da seta, realiza-se a deformação das paredes opostas do capilar visando criar uma limitação física à saída da seta de dentro do mesmo e, ao mesmo tempo, permitindo que esta seta possa deslizar no interior deste capilar. No processo de deformação das paredes opostas do capilar, há a 10 convergência destas paredes contrárias para um ponto, o qual situa-se no espaço existente entre os fios componentes da seta. Esta deformação pode ser realizada com o auxílio de alicates especiais e, posteriormente, complementada com fusão à laser ou penetração por plasma.

A deformação acima referida, resulta em uma limitação física, ou uma espécie de 15 pino miniaturizado, cujo diâmetro é menor do que o espaço interno entre os fios componentes da seta. Isto faz com que se mantenham as condições de movimentação destas setas e, como conseqiiência, o movimento dos anéis ou da esteira sob forma de espiral constituintes do expansor. Desta forma, obtém-se uma conexão que permite tanto o movimento axial dos anéis ou da esteira, quanto o movimento de rotação da seta em tomo 20 do micro pino criado. Outra vantagem desta solução, é que as extremidades pontiagudas dos braços do expansor são recobertas pelos capilares, fazendo com que a superfície do mesmo fique lisa, sem imperfeições que poderíam afetar a parede interna do local de aplicação e facilitando o movimento de flexão para acompanhar os contornos da mesma parede. Além disso, não ocorre o encurtamento do expansor durante sua colocação no 25 sistema introdutor, nem durante seu implante no corpo do paciente, operações estas que

• »• » » * *


ficam facilitadas pela forma de transmissão de força através da estrutura do expansor que se dá de maneira contínua. O acompanhamento do paciente também fica facilitado, pois os capilares são aparentes em radiografias.

O desenho n.° 1, mostra esquematicamente o expansor endoluminal, conforme se 5 refere a patente, no item acima, com a utilização de capilares de conexão.

O desenho n.° 2, reflete o corte do capilar com a seta inserida no mesmo. Mostra, além disso, o resultado do processo de deformação das paredes opostas do capilar, visando deixar as setas limitadas no interior do mesmo.

O desenho n.° 3 mostra detalhadamente a conexão conforme descrita nesta patente. 10    Conforme é mostrado no desenho n.° 1, o expansor endoluminal é constituído por

anéis (5), feitos a partir de ura fio de material biocompatível flexível (3), conectados entre si por meio de capilares do mesmo material do fio, ou não (4). Estes anéis (5) podem apresentar a configuração de “Z’” ou “X” e, nas extremidades de seus braços, encontram-se as setas (1) que são inseridas nos capilares (4). Nota-se nos desenhos n.° 2 e n.° 3, que a 15 deformação das paredes opostas (2) dos capilares (4) é feita no espaço existente entre os dois fios (3) componentes da seta (1). O material do fio e dos capilares é geralmente de aço inoxidável, nitinol, elgiloy ou polímero.

O expansor, de acordo com a invenção, é usualmente inserido no corpo do paciente através de um cateter introdutor. O movimento axial dos fios (3) é possibilitado pelo 20 deslizamento das setas (1) no interior dos capilares (4), movimento este limitado pelos pontos deformados (2) nas paredes do capilar em um sentido, e pelo próprio fio (3) em outro.

Geralmente, a deformação das paredes opostas do capilar (2) é feita com o auxílio de alicates especiais e complementada através de fusão à laser ou penetração por plasma, nos pontos desejados. Todas as deformações (2) feitas, ocorrem nos espaços entre os fios

(3) componentes da seta (1). O diâmetro do ponto de contato resultante destas deformações é menor do que a largura do espaço existente entre os fios componentes da seta.

1/1


I* #•    *♦

»*«»»•* +

•    #    ««» ■    s

•    « • ♦    •

«»• *• #• + *


fr#t* « «


% % % * *

*    «#*«    9+*+

#    •    •

r    #    *


Reivindicações

1. "Expansor Endoluminal" caracterizado por ser constituído por um fio de material biocompatível flexível (3) dobrado no formato de “Z” ou “X” e formado ou por uma composição de anéis (5) ou uma esteira enrolada sob a forma de espiral, apresentando as 5 extremidades dos braços, tanto dos anéis quanto da esteira, em forma de seta (1), com ligação entre dois anéis adjacentes ou os braços da esteira realizada através de um capilar do mesmo material do fío, deformado de forma conveniente (2), formando um micro pino no espaço existente entre os dois fios componentes da seta (1), o que proporciona a limitação externa ao movimento do fio (3).

10    2. "Expansor Endoluminal", de acordo com a reivindicação 1, caracterizado pelo fato

da deformação realizada nas paredes opostas do capilar (2) ser feita com o auxílio de um alicate especial, formando um micro pino, que é complementado por fusão à laser ou penetração por plasma.

II    M    **

*« + *

*

*

»•»


t    ♦ #    » «

•    • t    * »

f    *♦* *

* * <

»•    ••    *


Desenho

2/2


2

\

4


Desenho 2

2


Desenho 3

t *


1/1


«H

4

»


« t*

4 t â

« «•

*


4»


I    #    •

* •

f    f    I

*    «    i


«    ♦    I

«•    I I t

e

I *

» t    í

*44    4    4


Resumo

O pedido de privilégio de invenção trata de um expansor endoluminal constituído por anéis (5) ou por uma esteira na forma de espiral construída com um fio de material biocompatível flexível (3), dobrado no formato de “Z” ou “X”. Salienta-se, ainda, que a 5 forma de união entre dois anéis adjacentes (3) ou entre os braços de uma esteira compreende a introdução de suas extremidades em forma de setas (1), no interior de capilares (4) de mesmo material do fio e a posterior deformação das paredes opostas (2) dos mesmos para criar uma limitação física ao deslocamento dos braços. Com isso, existe a possibilidade de movimentação longitudinal de todo o expansor, além de se conseguir 10 uma melhor flexibilidade no mesmo e pode-se fazer o acompanhamento do expansor no interior do corpo do paciente, pois os mesmos são aparentes em radiografias. O material do fio e dos capilares é geralmente de aço inoxidável, nitinol, elgiloy ou polímero.