Informações do processo 0024035-49.2014.5.24.0031

Movimentações 2021 2020 2019 2017 2016 2015 2014

30/08/2021

Movimentação bloqueada

Seção: xxxx xx xxxxxxxx xx xxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxx: xxxxxxxx(x)/xxxxxx(x): - xxxxxx xxxxxx xx xxxxxxxx - xxxxxx xxxxxx xx xxxxxxxx - xx xxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxx xx xxxxxxxxx xxxx x. xx. xxxxxxxx xxxx xxxxx xxxxxxx xx xxxxxxxx xx xxxxxxx xxxxxxxxx xxx xxxxx. xxxxxx, xxx. xx xxxxxxxx xxxxx x xxxxxxxx xx xxxxxxx xxxxxxxxx xxxxxx xxxxx xxxxxxxxxxx xx xxxxxxx, xxxx xxx xxxxxxxxx x xxxxxxxxxxx xx xxx xxxxxxxxx: xxxxxx xxxxxxxxxx xx xxxxxx xx xxxxx xxxxxx, x xxx xxxxxx x. xx, xxxxxxxx xxxxxxxxx xx x. xx.xxx (xxx. xx xx x xxxxxxx, xxxxxxx x x x), xxxxxxxx xxxxxxxxxxxx xxxxxxxx xxxxx xx xxxxxxxxx x. xxx xx xxx, xxxxxxxxxxxxx xxxx xxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxx x. xx/xxxx xx xxxxxxx xxxxxxxx, x xxxxxxxx xx xxxxxxxxxx xxxxxxxx xxxxxx xxxxxxxx x xxx xxxxxxxx xxxxxx xx xxxxxxx xxxxx xxxxxxx xxxxxxxxxxxxx xxx xxxxxxx xx xxxxxxx xxxxxxx xxx xxxxxxxxx xx xxxxxxxx. xxxxxxxx, xxxx xxxx xx xxxxxxxxxxx x xxxxxx xx xxxxxxx x xxx xxxxxxxxx xxxxxxxxx, xxxxxx x xxxxxxxxxx xx xxxx xxxxxxxx x xxxxxxxxx xx xxxxxxxxxxxxx xxx xxxxxxxxxx xxxxxxxx. xxxx xxxxx,xxxxxxxxxxxx x xxxxxxxxxxxxx xx xxxxxxx xxxxxxxx xxxxxx xxx xxxxx xx xxxxxxxxx xx xxx, x xxx xxxxxxx xx xxxxxxxxxx xx xxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxx, xxxxxx x xxxxxxxxxx xx xxxx, xxxxxxxxxxx,xxxxxx xxxxxxx xxx x xxxxxxxxx x xxx xxxxxxx, xx xxxxxxx xx xxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxx xxxxx xx xxxx x xxxxx xxxxxxxxx, xxxxx x xxxx xx xxxxxx, xxxxxx xxxxxxxxxxxx xxx xxxxxxxx xxxxxx xx xxxxxxxx xxxxxxxxx, xxxx xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxx xxxxx, xx xxxxxxxx xx xxx xxxx xx xxxxxx xx xxxxxxx x xx xxxxxxxx xx xxxxxxxxx xxxxxxxx xx xxxxxx. xxxx xxxxxxx xx xxxxxxxxxxxxx x xxxxxxxxxxx xxx xxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx, x xxxxxxxxxx xxxxxx xxxxxx, xx xxxxxxx xxxxxxx, xxxxxx xx xxxx xxxxxxx xx xxxxx xxx xxxxxxxxxx xxxxxxxx, xxx xxxx xxx xxxxxxxxxx xxx xxxxxxxxx xxxxxxxxx x xx xxxxxxxxx xxxxxxx. xxxxxxxxxxxx x xxxxxxxxx xxxxxxx x xxx xxxxxxxx xx xxxxxx xxx x xxxxxx, x xxxxxxxx x xxxx xxxx x xxxxxx, xxxxxxxx xx xxxxx xxxx xxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxx. xxxxxxx-xx xx xxxxxx. xxxxxxxxxx/xx, xx xx xxxxxx xx xxxx. xxxxxx xx xxxxx xxxxxxx xxxx xx xxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxx: xxxxxxxx(x)/xxxxxx(x): - xxxxxxx xxxxxx xx xxxxxxx xxxxxxxxx xxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxx xx xxxxxxxxx xxxx x. xx. xxxxxxxx xxxx xxxxx xxxxxxx xx xxxxxxxx xx xxxxxxx xxxxxxxxx xxx xxxxx. xxxxxx, xxx. xx xxxxxxxx xxxxx x xxxxxxxx xx xxxxxxx xxxxxxxxx xxxxxx xxxxx xxxxxxxxxxx xx xxxxxxx, xxxx xxx xxxxxxxxx x xxxxxxxxxxx xx xxx xxxxxxxxx: xxxxxx xxxxxxxxxx xx xxxxxx xx xxxxx xxxxxx, x xxx xxxxxx x. xx, xxxxxxxx xxxxxxxxx xx x. xx.xxx (xxx. xx xx x xxxxxxx, xxxxxxx x x x), xxxxxxxx xxxxxxxxxxxx xxxxxxxx xxxxx xx xxxxxxxxx x. xxx xx xxx, xxxxxxxxxxxxx xxxx xxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxx x. xx/xxxx xx xxxxxxx xxxxxxxx, x xxxxxxxx xx xxxxxxxxxx xxxxxxxx xxxxxx xxxxxxxx x xxx xxxxxxxx xxxxxx xx xxxxxxx xxxxx xxxxxxx xxxxxxxxxxxxx xxx xxxxxxx xx xxxxxxx xxxxxxx xxx xxxxxxxxx xx xxxxxxxx. xxxxxxxx, xxxx xxxx xx xxxxxxxxxxx x xxxxxx xx xxxxxxx x xxx xxxxxxxxx xxxxxxxxx, xxxxxx x xxxxxxxxxx xx xxxx xxxxxxxx x xxxxxxxxx xx xxxxxxxxxxxxx xxx xxxxxxxxxx xxxxxxxx. xxxx xxxxx,xxxxxxxxxxxx x xxxxxxxxxxxxx xx xxxxxxx xxxxxxxx xxxxxx xxx xxxxx xx xxxxxxxxx xx xxx, x xxx xxxxxxx xx xxxxxxxxxx xx xxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxx, xxxxxx x xxxxxxxxxx xx xxxx, xxxxxxxxxxx,xxxxxx xxxxxxx xxx x xxxxxxxxx x xxx xxxxxxx, xx xxxxxxx xx xxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxx xxxxx xx xxxx x xxxxx xxxxxxxxx, xxxxx x xxxx xx xxxxxx, xxxxxx xxxxxxxxxxxx xxx xxxxxxxx xxxxxx xx xxxxxxxx xxxxxxxxx, xxxx xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxx xxxxx, xx xxxxxxxx xx xxx xxxx xx xxxxxx xx xxxxxxx x xx xxxxxxxx xx xxxxxxxxx xxxxxxxx xx xxxxxx. xxxx xxxxxxx xx xxxxxxxxxxxxx x xxxxxxxxxxx xxx xxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx, x xxxxxxxxxx xxxxxx xxxxxx, xx xxxxxxx xxxxxxx, xxxxxx xx xxxx xxxxxxx xx xxxxx xxx xxxxxxxxxx xxxxxxxx, xxx xxxx xxx xxxxxxxxxx xxx xxxxxxxxx xxxxxxxxx x xx xxxxxxxxx xxxxxxx. xxxxxxxxxxxx x xxxxxxxxx xxxxxxx x xxx xxxxxxxx xx xxxxxx xxx x xxxxxx, x xxxxxxxx x xxxx xxxx x xxxxxx, xxxxxxxx xx xxxxx xxxx xxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxx. xxxxxxx-xx xx xxxxxx. xxxxxxxxxx/xx, xx xx xxxxxx xx xxxx. xxxxxx xx xxxxx xxxxxxx xxxx xx xxxxxxxx xxxxxxx

24/08/2021 Visualizar PDF

Seção: Vara do Trabalho de Aquidauana

complemento:

Intimado(s)/Citado(s):

- IDAURI CARLOS DE AZAMBUJA
- IDAURI CARLOS DE AZAMBUJA - ME

PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO

INTIMAÇÃO

Fica V. Sa. intimado para tomar ciência do Despacho ID 901df49
proferido nos autos.

Vistos, etc.

Tendo em vista o teor da Certidão retro, intime-se a Exequente para
requerer, no prazo de 10 (dez) dias, o que entender direito.

AQUIDAUANA/MS, 24 de agosto de 2021.

ADEMAR DE SOUZA FREITAS

Juiz do Trabalho Titular


Retirado da página 1224 do TRT da 24ª Região (Mato Grosso do Sul) - Judiciário

24/08/2021 Visualizar PDF

Seção: Vara do Trabalho de Aquidauana

complemento:

Intimado(s)/Citado(s):

- BEATRIZ HELENA DE ALMEIDA RODRIGUES

PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO

INTIMAÇÃO

Fica V. Sa. intimado para tomar ciência do Despacho ID 901df49
proferido nos autos.

Vistos, etc.

Tendo em vista o teor da Certidão retro, intime-se a Exequente para
requerer, no prazo de 10 (dez) dias, o que entender direito.

AQUIDAUANA/MS, 24 de agosto de 2021.

ADEMAR DE SOUZA FREITAS

Juiz do Trabalho Titular


Retirado da página 1225 do TRT da 24ª Região (Mato Grosso do Sul) - Judiciário

03/08/2021 Visualizar PDF

Esconder envolvidos Mais envolvidos
Seção: Gabinete da Presidência

complemento:

Intimado(s)/Citado(s):

- BEATRIZ HELENA DE ALMEIDA RODRIGUES

PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO

INTIMAÇÃO

Fica V. Sa. intimado para tomar ciência da Decisão ID c1071d9
proferida nos autos.

RR-AP 0024035-49.2014.5.24.0031

Recurso de Revista

Recorrente: IDAURI CARLOS DE AZAMBUJA

Advogada: Elayne Silva Viana

Recorrida: BEATRIZ HELENA DE ALMEIDA RODRIGUES
Advogada: Andrea Claudia Viegas de Araujo

Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade
serão analisados de acordo com os novos parâmetros
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal
Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.
13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir
de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

Registre-se, ainda, que os presentes recursos foram interpostos em
face de decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.
13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme
solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do
OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de
2018.

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 03.5.2021 - f. 979 - Lei
11.419/2006, art. 4º, § 3º; interposto em 13.5.2021 - f. 968-975, por
meio do Sistema PJe).

Regular a representação (f. 976).

A parte recorrente pleiteia a concessão dos benefícios da justiça
gratuita .

Considerando que o benefício da justiça gratuita pode ser requerido
em qualquer tempo ou grau de jurisdição (Súmula 269 do Colendo
TST) e que o recorrente (pessoa física) anexou aos autos
declaração de situação econômica e informou o seu rendimento na
condição de aposentado, (f. 977-978), comprovando sua
insuficiência de recursos (artigo 790, § 4º, da CLT), defiro-lhe os
benefícios da justiça gratuita.

- IMPENHORABILIDADE DE BEM DE FAMÍLIA

Alegações:

- Violação do artigo 5º, II, XXII, XXXV, LV, da Constituição Federal;

- Violação dos artigos 373 e 393 do CPC e 818 da CLT;

- Dissenso jurisprudencial

O recorrente alega: a) ser o legítimo possuidor de um único imóvel,
o qual foi penhorado, devendo ser reconhecido como bem de
família; b) não lhe ter sido oportunizado o direito à instrução
processual como meio de prova, baseando o juízo sua decisão em
prova documental; c) haver prova da existência de entidade familiar

residindo no local, circunstância suficiente para garantir a
impenhorabilidade de bem imóvel.

Registro, de plano, que ante a restrição contida no artigo 896, § 2º,
da CLT, descabe análise de violação à legislação
infraconstitucional, contrariedade à Súmula do TST e divergência
jurisprudencial.

Por outro lado na hipótese em apreço, a 1ª Turma confirmou a
sentença que reputou penhorável o imóvel constrito por não
considerá-lo bem de família, sob os seguintes fundamentos:
Conforme bem assinalado pelo magistrado de origem, o próprio
recorrente já se manifestou nos autos, conforme petição de ID n.
8653ca6 de 04.05.2017, no sentido de que referido imóvel não lhe
pertence e de que não foi retirado de suas Declarações de
Rendimento por equívoco de seu contador .

Nesse sentido, o juízo da execução também destacou que "o
mesmo executado, quando teve penhorado o imóvel sito à Rua
Abiruena n. 288, Bairro Coophatrabalho, manejou Embargos à
Execução (doc. de ID n. 178af85) onde, curiosamente, após negar
nos autos a propriedade do imóvel, argumentou ser, também ,
"imóvel único e bem de família ".

A propósito, a discussão acerca da propriedade e condição de bem
de família do bem imóvel em apreço já foi objeto de análise nos
autos de Embargos de Terceiro nº 0024905-48.2018.5.24.0001
movidos por seu filho, Idomedes Barriento de Azambuja, e julgados
em grau de recurso por esta 1ª Turma, de Relatoria do Des. Marcio
Vasques Thibau de Almeida.

Na ocasião, a Turma deliberou pela não caracterização de bem de
família, identificando, ainda, o fato de que o "na DIRPF do 4º
embargado (Idauri Carlos de Azambuja) a existência de três bens
imóveis sem registro nos CRI's, sendo duas casas residenciais".
Aduzidos fatos revelam praxe adotada pelo recorrente, segundo a
qual usualmente não transfere para seu nome os imóveis que
adquire, buscando valer-se do instituto do bem de família para se
esquivar das diligências executórias que lhes são dirigidas (grifo
nosso, f. 929).

Em primeiro eito, para o acolhimento da pretensão recursal seria
necessário o reexame de fatos e provas, sobretudo quanto à
titularidade do suposto imóvel, o que encontra óbice na Súmula 126
do TST e inviabiliza o seguimento do recurso.

Outrossim, a afronta a dispositivo da Constituição Federal,
autorizadora do conhecimento do recurso de revista, é aquela que
se verifica de forma direta e literal, nos termos do artigo 896, § 2º,
da Consolidação das Leis do Trabalho, sendo indispensável, pois,
que se trate especificamente da matéria discutida.

No caso em tela, a questão controvertida exaure-se na
interpretação de legislação infraconstitucional que regulamenta a

matéria (impenhorabilidade do bem de família), à medida que o v.
acórdão deixou explícito que o próprio recorrente afirmou que
referido imóvel não mais lhe pertencia e não tinha sido retirado de
suas declarações de rendimento, por equívoco de seu contador.
Entendimento em contrário demandaria interpretação de legislação
infraconstitucional e, se afronta houvesse, seria apenas reflexa ou
indireta, insuscetível de liberar o trânsito regular desse recurso de
natureza extraordinária, na forma do artigo 896, § 2º, da CLT.
Denego seguimento ao recurso de revista

CONCLUSÃO

DENEGO seguimento ao recurso de revista.

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício circular
SEGJUD/TST n. 051/2014.

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado pelo C.
TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16
de fevereiro de 2018.

Publique-se e intimem-se.

CAMPO GRANDE/MS, 03 de agosto de 2021.

ANDRE LUIS MORAES DE OLIVEIRA
Desembargador Federal do Trabalho

complemento:

Intimado(s)/Citado(s):

- IDAURI CARLOS DE AZAMBUJA

PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO

INTIMAÇÃO

Fica V. Sa. intimado para tomar ciência da Decisão ID c1071d9
proferida nos autos.

RR-AP 0024035-49.2014.5.24.0031

Recurso de Revista

Recorrente: IDAURI CARLOS DE AZAMBUJA

Advogada: Elayne Silva Viana

Recorrida: BEATRIZ HELENA DE ALMEIDA RODRIGUES
Advogada: Andrea Claudia Viegas de Araujo

Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade
serão analisados de acordo com os novos parâmetros
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal
Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.
13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir
de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

Registre-se, ainda, que os presentes recursos foram interpostos em
face de decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.
13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme
solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do
OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de
2018.

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 03.5.2021 - f. 979 - Lei
11.419/2006, art. 4º, § 3º; interposto em 13.5.2021 - f. 968-975, por
meio do Sistema PJe).

Regular a representação (f. 976).

A parte recorrente pleiteia a concessão dos benefícios da justiça
gratuita .

Considerando que o benefício da justiça gratuita pode ser requerido
em qualquer tempo ou grau de jurisdição (Súmula 269 do Colendo
TST) e que o recorrente (pessoa física) anexou aos autos
declaração de situação econômica e informou o seu rendimento na
condição de aposentado, (f. 977-978), comprovando sua
insuficiência de recursos (artigo 790, § 4º, da CLT), defiro-lhe os
benefícios da justiça gratuita.

- IMPENHORABILIDADE DE BEM DE FAMÍLIA

Alegações:

- Violação do artigo 5º, II, XXII, XXXV, LV, da Constituição Federal;

- Violação dos artigos 373 e 393 do CPC e 818 da CLT;

- Dissenso jurisprudencial

O recorrente alega: a) ser o legítimo possuidor de um único imóvel,
o qual foi penhorado, devendo ser reconhecido como bem de
família; b) não lhe ter sido oportunizado o direito à instrução
processual como meio de prova, baseando o juízo sua decisão em
prova documental; c) haver prova da existência de entidade familiar
residindo no local, circunstância suficiente para garantir a
impenhorabilidade de bem imóvel.

Registro, de plano, que ante a restrição contida no artigo 896, § 2º,
da CLT, descabe análise de violação à legislação
infraconstitucional, contrariedade à Súmula do TST e divergência
jurisprudencial.

Por outro lado na hipótese em apreço, a 1ª Turma confirmou a
sentença que reputou penhorável o imóvel constrito por não
considerá-lo bem de família, sob os seguintes fundamentos:
Conforme bem assinalado pelo magistrado de origem, o próprio
recorrente já se manifestou nos autos, conforme petição de ID n.
8653ca6 de 04.05.2017, no sentido de que referido imóvel não lhe
pertence e de que não foi retirado de suas Declarações de
Rendimento por equívoco de seu contador .

Nesse sentido, o juízo da execução também destacou que "o
mesmo executado, quando teve penhorado o imóvel sito à Rua
Abiruena n. 288, Bairro Coophatrabalho, manejou Embargos à
Execução (doc. de ID n. 178af85) onde, curiosamente, após negar
nos autos a propriedade do imóvel, argumentou ser, também,
"imóvel único e bem de família ".

A propósito, a discussão acerca da propriedade e condição de bem
de família do bem imóvel em apreço já foi objeto de análise nos
autos de Embargos de Terceiro nº 0024905-48.2018.5.24.0001
movidos por seu filho, Idomedes Barriento de Azambuja, e julgados
em grau de recurso por esta 1ª Turma, de Relatoria do Des. Marcio
Vasques Thibau de Almeida.

Na ocasião, a Turma deliberou pela não caracterização de bem de
família, identificando, ainda, o fato de que o "na DIRPF do 4º
embargado (Idauri Carlos de Azambuja) a existência de três bens
imóveis sem registro nos CRI's, sendo duas casas residenciais".
Aduzidos fatos revelam praxe adotada pelo recorrente, segundo a
qual usualmente não transfere para seu nome os imóveis que
adquire, buscando valer-se do instituto do bem de família para se
esquivar das diligências executórias que lhes são dirigidas (grifo
nosso, f. 929).

Em primeiro eito, para o acolhimento da pretensão recursal seria
necessário o reexame de fatos e provas, sobretudo quanto à
titularidade do suposto imóvel, o que encontra óbice na Súmula 126
do TST e inviabiliza o seguimento do recurso.

Outrossim, a afronta a dispositivo da Constituição Federal,
autorizadora do conhecimento do recurso de revista, é aquela que
se verifica de forma direta e literal, nos termos do artigo 896, § 2º,
da Consolidação das Leis do Trabalho, sendo indispensável, pois,
que se trate especificamente da matéria discutida.

No caso em tela, a questão controvertida exaure-se na
interpretação de legislação infraconstitucional que regulamenta a
matéria (impenhorabilidade do bem de família), à medida que o v.
acórdão deixou explícito que o próprio recorrente afirmou que
referido imóvel não mais lhe pertencia e não tinha sido retirado de
suas declarações de rendimento, por equívoco de seu contador.
Entendimento em contrário demandaria interpretação de legislação
infraconstitucional e, se afronta houvesse, seria apenas reflexa ou

indireta, insuscetível de liberar o trânsito regular desse recurso de
natureza extraordinária, na forma do artigo 896, § 2º, da CLT.

Denego seguimento ao recurso de revista

CONCLUSÃO

DENEGO seguimento ao recurso de revista.

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício circular
SEGJUD/TST n. 051/2014.

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado pelo C.
TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16
de fevereiro de 2018.

Publique-se e intimem-se.

CAMPO GRANDE/MS, 03 de agosto de 2021.

ANDRE LUIS MORAES DE OLIVEIRA
Desembargador Federal do Trabalho

(...) Ver conteúdo completo

Retirado da página 51 do TRT da 24ª Região (Mato Grosso do Sul) - Judiciário

19/05/2021 Visualizar PDF

Esconder envolvidos Mais envolvidos
Seção: CEJUSC JT 2 GRAU

complemento:

Intimado(s)/Citado(s):

- BEATRIZ HELENA DE ALMEIDA RODRIGUES

PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO

INTIMAÇÃO

Fica V. Sa. intimado para tomar ciência do Despacho ID 02bc75d
proferido nos autos.

Vistos.

Em estímulo e valorização às práticas de solução dos conflitos de
interesses por meios consensuais, consulto V. Sª. sobre interesse
em inclusão do presente processo em pauta de audiência de
conciliação na modalidade telepresencial.

No silêncio das partes ou de uma delas ou, ainda, havendo
manifestação unilateral de desinteresse, o processo seguirá o seu
curso normal, observado o prazo de 5 (cinco) dias.

Havendo interesse das partes, o processo será incluído em pauta,
com regular intimação.

CAMPO GRANDE/MS, 18 de maio de 2021.

ANDRE LUIS MORAES DE OLIVEIRA

Desembargador Coordenador do CEJUSC-JT 2º grau


Retirado da página 1439 do TRT da 24ª Região (Mato Grosso do Sul) - Judiciário

19/05/2021 Visualizar PDF

Esconder envolvidos Mais envolvidos
Seção: CEJUSC JT 2 GRAU

complemento:

Intimado(s)/Citado(s):

- IDAURI CARLOS DE AZAMBUJA

PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO

INTIMAÇÃO

Fica V. Sa. intimado para tomar ciência do Despacho ID 02bc75d
proferido nos autos.

Vistos.

Em estímulo e valorização às práticas de solução dos conflitos de
interesses por meios consensuais, consulto V. Sª. sobre interesse
em inclusão do presente processo em pauta de audiência de
conciliação na modalidade telepresencial.

No silêncio das partes ou de uma delas ou, ainda, havendo
manifestação unilateral de desinteresse, o processo seguirá o seu
curso normal, observado o prazo de 5 (cinco) dias.

Havendo interesse das partes, o processo será incluído em pauta,
com regular intimação.

CAMPO GRANDE/MS, 18 de maio de 2021.

ANDRE LUIS MORAES DE OLIVEIRA

Desembargador Coordenador do CEJUSC-JT 2º grau


Retirado da página 1440 do TRT da 24ª Região (Mato Grosso do Sul) - Judiciário

30/04/2021 Visualizar PDF

Esconder envolvidos Mais envolvidos
Seção: Subsecretária da 1 â Turma

complemento:

Intimado(s)/Citado(s):

- IDAURI CARLOS DE AZAMBUJA

PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO

PROCESSO n° 0024035-49.2014.5.24.0031 (AP)

A C Ó R D Ã O

1 9 TURMA

Relator : DES. NICANOR DE ARAÚJO LIMA

Embargante : IDAURI CARLOS DE AZAMBUJA

Advogada :Elayne Silva Viana

Embargada : BEATRIZ HELENA DE ALMEIDA RODRIGUES

Advogada : Andrea Claudia Viegas De Araujo

CUSTOS LEGIS : MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

EMBARGOS DE DECLARAÇÃO - NÃO OCORRÊNCIA DE
CONTRADIÇÃO, OBSCURIDADE OU OMISSÃO - PRETENSÃO
DE NOVO JULGAMENTO - DESVIO DA FUNÇÃO JURÍDICO-
PROCESSUAL. Os embargos de declaração devem ser opostos
quando se verificar, na decisão embargada, as hipóteses previstas
nos artigos 1022 do CPC e 897-A da CLT. Assim, não devem ser
utilizados para, a pretexto de esclarecer uma inexistente situação de
contradição, obscuridade ou omissão, intentar novo julgamento da
causa, sob pena de subversão e desvio da função jurídica para que
se destina essa modalidade de remédio processual.

Trata-se de embargos de declaração apresentados pelo executado
Idauri Carlos de Azambuja ao v. acórdão, sob a alegação de
omissão no julgado e necessidade de prequestionamento.
Sem contrarrazões.

É, em síntese, o relatório.

V O T O

1 - ADMISSIBILIDADE

Apresentados no prazo legal e presente a regularidade de
representação, conheço dos embargos de declaração.

2 - MÉRITO

2.1 - OMISSÃO E PREQUESTIONAMENTO

O autor embarga o v. acórdão, alegando a existência de omissão no
julgado e necessidade de prequestionamento.

Aduz, em síntese, que o Juízo não apreciou os pedidos de excesso
de execução e nem o de desconsideração da personalidade jurídica
ventilados no recurso de agravo de petição.

Analiso.

Os embargos de declaração devem ser opostos quando se verificar,
na decisão embargada, as hipóteses previstas nos artigos 1022 do
CPC e 897-A da CLT.

A omissão, em especial, ocorre quando o magistrado deixa de
analisar e decidir ponto que afeta a entrega da prestação
jurisdicional de forma plena, isto é, não se pronuncia sobre pedidos
declinados pelas partes ou questões de análise obrigatória.

Pois bem.

Na hipótese, a decisão embargada se apresenta devidamente
fundamentada quanto ao teor decidido, não havendo falar em
omissão.

Nesse desiderato, o acórdão foi cristalino ao registrar quanto ao
recurso de agravo de petição interposto pelo ora embargante, que o
conhecimento pela Turma da aludida peça recursal foi parcial se
limitando às matérias "impenhorabilidade do bem de família e
pedido de justiça gratuita".

Nesse sentido, a decisão objurgada esclareceu que "da decisão de
f. 856/857 que rejeitou o pedido de declaração de bem de família, o
recorrente, em desacordo com o princípio da unicorribilidade
processual, interpôs simultaneamente duas peças processuais: a
primeira requerendo a reconsideração da referida decisão (f.
862/865) e a segunda nominada agravo de petição (f. 866/887)".
Complementou, ainda, consignando que "em princípio, a preclusão
consumativa importaria em absoluto não conhecimento da segunda
peça alusiva ao agravo de petição , não fosse uma das matérias
veiculadas, relativa à alegação de impenhorabilidade de bem de
família, a qual dado à sua natureza de ordem pública , tem sido
admitida a arguição em qualquer tempo e por simples petição" (g.
n.).

E por fim, assinalou que " de igual forma, o pedido de justiça gratuita
pode ser formulado ou renovado em qualquer momento processual "
( g.n.).

Dessa forma, o conhecimento do recurso interposto se limitou às
matérias "impenhorabilidade do bem de família e pedido de justiça
gratuita", face à natureza de ordem pública e possibilidade de
argüição a qualquer tempo e grau de jurisdição, não abarcando as
matérias "excesso de execução" e e "desconsideração da
personalidade jurídica" mencionadas pelo embargante.
Verifica-se, portanto, que a decisão apresenta-se devidamente
fundamentada não se verificando omissão a ser sanada.

A propósito, a recorrente utiliza-se dos embargos como típico
sucedâneo recursal com o objetivo de ver reexaminada a matéria
pelo órgão prolator da decisão, o que é vedado pelo ordenamento
jurídico, posto que não atende à finalidade dos embargos de
declaração.

Ora, não estando a parte satisfeita com o resultado do julgamento
deverá ela lançar mão do remédio jurídico adequado e disponível no
sistema processual brasileiro que, com certeza, não é a via eleita
(Princípio da Adequação).

Por oportuno, consoante entendimento jurisprudencial cristalizado
na Orientação Jurisprudencial n. 118 da SBDI-1 do Colendo
Tribunal Superior do Trabalho, o pré-questionamento visa obter do
órgão julgador manifestação sobre tese jurídica ventilada na causa,

e não referência expressa a dispositivos legais ou constitucionais
apontados como violados pela parte.

Assim, para efeito de interposição de recurso para instância
superior, as matérias já se encontravam prequestionadas, haja vista
a tese explicitada na decisão embargada.

Rejeito.

ACÓRDÃO

Participam deste julgamento:

Desembargador Nicanor de Araújo Lima;

Desembargador Marcio Vasques Thibau de Almeida; e
Desembargador Nery Sá e Silva de Azambuja.

Presente o representante do Ministério Público do Trabalho.

ACORDAM os Membros da Egrégia Primeira Turma do Tribunal
Regional do Trabalho da Vigésima Quarta Região, por unanimidade,
aprovar o relatório, conhecer dos embargos de declaração e, no
mérito, rejeitá-los , nos termos do voto do Desembargador Nicanor
de Araújo Lima (relator).

Campo Grande, 27 de abril de 2021.

NICANOR DE ARAÚJO LIMA

Desembargador do Trabalho Relator

CAMPO GRANDE/MS, 30 de abril de 2021.

DEBORAH NAZARETH DANTAS

Diretor de Secretaria

(...) Ver conteúdo completo

Retirado da página 465 do TRT da 24ª Região (Mato Grosso do Sul) - Judiciário

30/04/2021 Visualizar PDF

Esconder envolvidos Mais envolvidos
Seção: Subsecretária da 1 â Turma

complemento:

Intimado(s)/Citado(s):

- BEATRIZ HELENA DE ALMEIDA RODRIGUES

PODER JUDICIÁRIO
JUSTIÇA DO

PROCESSO n° 0024035-49.2014.5.24.0031 (AP)

A C Ó R D Ã O

1 9 TURMA

Relator : DES. NICANOR DE ARAÚJO LIMA
Embargante : IDAURI CARLOS DE AZAMBUJA
Advogada :Elayne Silva Viana

Embargada : BEATRIZ HELENA DE ALMEIDA RODRIGUES
Advogada : Andrea Claudia Viegas De Araujo

CUSTOS LEGIS : MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

EMBARGOS DE DECLARAÇÃO - NÃO OCORRÊNCIA DE
CONTRADIÇÃO, OBSCURIDADE OU OMISSÃO - PRETENSÃO
DE NOVO JULGAMENTO - DESVIO DA FUNÇÃO JURÍDICO-
PROCESSUAL. Os embargos de declaração devem ser opostos
quando se verificar, na decisão embargada, as hipóteses previstas
nos artigos 1022 do CPC e 897-A da CLT. Assim, não devem ser
utilizados para, a pretexto de esclarecer uma inexistente situação de
contradição, obscuridade ou omissão, intentar novo julgamento da
causa, sob pena de subversão e desvio da função jurídica para que
se destina essa modalidade de remédio processual.

Trata-se de embargos de declaração apresentados pelo executado
Idauri Carlos de Azambuja ao v. acórdão, sob a alegação de
omissão no julgado e necessidade de prequestionamento.
Sem contrarrazões.

É, em síntese, o relatório.

V O T O

1 - ADMISSIBILIDADE

Apresentados no prazo legal e presente a regularidade de
representação, conheço dos embargos de declaração.

2 - MÉRITO

2.1 - OMISSÃO E PREQUESTIONAMENTO

O autor embarga o v. acórdão, alegando a existência de omissão no
julgado e necessidade de prequestionamento.

Aduz, em síntese, que o Juízo não apreciou os pedidos de excesso
de execução e nem o de desconsideração da personalidade jurídica
ventilados no recurso de agravo de petição.

Analiso.

Os embargos de declaração devem ser opostos quando se verificar,
na decisão embargada, as hipóteses previstas nos artigos 1022 do
CPC e 897-A da CLT.

A omissão, em especial, ocorre quando o magistrado deixa de
analisar e decidir ponto que afeta a entrega da prestação
jurisdicional de forma plena, isto é, não se pronuncia sobre pedidos
declinados pelas partes ou questões de análise obrigatória.

Pois bem.

Na hipótese, a decisão embargada se apresenta devidamente
fundamentada quanto ao teor decidido, não havendo falar em
omissão.

Nesse desiderato, o acórdão foi cristalino ao registrar quanto ao
recurso de agravo de petição interposto pelo ora embargante, que o
conhecimento pela Turma da aludida peça recursal foi parcial se
limitando às matérias "impenhorabilidade do bem de família e
pedido de justiça gratuita".

Nesse sentido, a decisão objurgada esclareceu que "da decisão de
f. 856/857 que rejeitou o pedido de declaração de bem de família, o
recorrente, em desacordo com o princípio da unicorribilidade
processual, interpôs simultaneamente duas peças processuais: a
primeira requerendo a reconsideração da referida decisão (f.
862/865) e a segunda nominada agravo de petição (f. 866/887)".
Complementou, ainda, consignando que "em princípio, a preclusão
consumativa importaria em absoluto não conhecimento da segunda
peça alusiva ao agravo de petição , não fosse uma das matérias
veiculadas, relativa à alegação de impenhorabilidade de bem de
família, a qual dado à sua natureza de ordem pública , tem sido
admitida a arguição em qualquer tempo e por simples petição" (g.
n.).

E por fim, assinalou que " de igual forma, o pedido de justiça gratuita
pode ser formulado ou renovado em qualquer momento processual "
( g.n.).

Dessa forma, o conhecimento do recurso interposto se limitou às
matérias "impenhorabilidade do bem de família e pedido de justiça
gratuita", face à natureza de ordem pública e possibilidade de
argüição a qualquer tempo e grau de jurisdição, não abarcando as
matérias "excesso de execução" e e "desconsideração da
personalidade jurídica" mencionadas pelo embargante.
Verifica-se, portanto, que a decisão apresenta-se devidamente

fundamentada não se verificando omissão a ser sanada.

A propósito, a recorrente utiliza-se dos embargos como típico
sucedâneo recursal com o objetivo de ver reexaminada a matéria
pelo órgão prolator da decisão, o que é vedado pelo ordenamento
jurídico, posto que não atende à finalidade dos embargos de
declaração.

Ora, não estando a parte satisfeita com o resultado do julgamento
deverá ela lançar mão do remédio jurídico adequado e disponível no
sistema processual brasileiro que, com certeza, não é a via eleita
(Princípio da Adequação).

Por oportuno, consoante entendimento jurisprudencial cristalizado
na Orientação Jurisprudencial n. 118 da SBDI-1 do Colendo
Tribunal Superior do Trabalho, o pré-questionamento visa obter do
órgão julgador manifestação sobre tese jurídica ventilada na causa,
e não referência expressa a dispositivos legais ou constitucionais
apontados como violados pela parte.

Assim, para efeito de interposição de recurso para instância
superior, as matérias já se encontravam prequestionadas, haja vista
a tese explicitada na decisão embargada.

Rejeito.

ACÓRDÃO

Participam deste julgamento:

Desembargador Nicanor de Araújo Lima;

Desembargador Marcio Vasques Thibau de Almeida; e
Desembargador Nery Sá e Silva de Azambuja.

Presente o representante do Ministério Público do Trabalho.

ACORDAM os Membros da Egrégia Primeira Turma do Tribunal
Regional do Trabalho da Vigésima Quarta Região, por unanimidade,
aprovar o relatório, conhecer dos embargos de declaração e, no
mérito, rejeitá-los , nos termos do voto do Desembargador Nicanor
de Araújo Lima (relator).

Campo Grande, 27 de abril de 2021.

NICANOR DE ARAÚJO LIMA

Desembargador do Trabalho Relator

CAMPO GRANDE/MS, 30 de abril de 2021.

DEBORAH NAZARETH DANTAS

Diretor de Secretaria

(...) Ver conteúdo completo

Retirado da página 474 do TRT da 24ª Região (Mato Grosso do Sul) - Judiciário

16/04/2021 Visualizar PDF

Esconder envolvidos Mais envolvidos
Seção: Subsecretaria da 1- Turma

complemento:

Intimado(s)/Citado(s):

- IDAURI CARLOS DE AZAMBUJA

PODER JUDICIÁRIO
JUSTIÇA DO

PROCESSO n° 0024035-49.2014.5.24.0031 (AP)

A C Ó R D Ã O

1 9 TURMA

Relator : Des. NICANOR DE ARAÚJO LIMA

Agravante : IDAURI CARLOS DE AZAMBUJA

Advogada : Elayne Silva Viana

Agravada : BEATRIZ HELENA DE ALMEIDA RODRIGUES
Advogada : Andrea Claudia Viegas de Araujo
Origem : Vara do Trabalho de Aquidauana/MS

IMPENHORABILIDADE. BEM DE FAMÍLIA. PROPRIEDADE DE
IMÓVEL E USO RESIDENCIAL NÃO DEMONSTRADO. NÃO
CABIMENTO. Reputa-se não caracterizado como bem de família o
bem imóvel cuja propriedade e tampouco o uso residencial não
restou configurado, mormente em razão de conduta usual do
executado de não transferir o domínio de bens imóveis que adquire,
assim como de valer-se da condição de impenhorabilidade como
subterfúgio às diligência executórias.

Trata-se de agravo de petição interposto pelo executado Idauri
Carlos de Azambuja, contra a sentença da lavra do MM. Juiz Titular
da Vara do Trabalho de Aquidauana/MS, Ademar de Souza Freitas,
que rejeitou o pedido de declaração de bem de família.

O agravante insurge-se quanto às seguintes matérias: a) justiça
gratuita; b) impenhorabilidade de bem de família; c) excesso de
execução; f) desconsideração da personalidade jurídica.

Sem contraminuta.

O Ministério Público do Trabalho emitiu parecer, da lavra do
Procurador Jonas Ratier Moreno, opinando pelo conhecimento e
não provimento do recurso.

É, em síntese, o relatório.

V O T O

1 - ADMISSIBILIDADE

Conheço do recurso apenas quanto à alegação de
impenhorabilidade do bem de família e pedido de justiça gratuita.
Com efeito, da decisão de f. 856/857 que rejeitou o pedido de
declaração de bem de família, o recorrente, em desacordo com o
princípio da unicorribilidade processual, interpôs simultaneamente
duas peças processuais: a primeira requerendo a reconsideração
da referida decisão (f. 862/865) e a segunda nominada agravo de
petição (f. 866/887).

Em princípio, a preclusão consumativa importaria em absoluto não
conhecimento da segunda peça alusiva ao agravo de petição, não
fosse uma das matérias veiculadas, relativa à alegação de
impenhorabilidade de bem de família, a qual dado à sua natureza
de ordem pública, tem sido admitida a arguição em qualquer tempo
e por simples petição.

De igual forma, o pedido de justiça gratuita pode ser formulado ou
renovado em qualquer momento processual.

Portanto, conheço parcialmente do agravo de petição.

2 - MÉRITO

2.1 - JUSTIÇA GRATUITA

Postula o recorrente a concessão dos benefícios da justiça gratuita.
Analiso.

Na forma da Súmula 463, I, do TST "a partir de 26.06.2017, para a
concessão da assistência judiciária gratuita à pessoa natural, basta
a declaração de hipossuficiência econômica firmada pela parte ou
por seu advogado, desde que munido de procuração com poderes
específicos para esse fim".

De outro vértice, o § 4odo art. 790 introduzido pela Lei 13.467 de
11.11.2017 igualmente concede aduzida benesse àquele que
"comprovar insuficiência de recursos para o pagamento das custas
do processo".

Na hipótese dos autos, não há declaração de hipossuficiência e

tampouco prova quanto à impossibilidade de custeio das despesas
processuais motivo pelo qual indefiro aduzido pleito.

Nego provimento.

2.2 - IMPENHORABILIDADE DO BEM DE FAMÍLIA

Insurge-se o agravante em face da decisão que rejeitou o pedido de
declaração de bem de família quanto ao bem imóvel pénhorado à f.
900/901 dos autos.

Alega, em síntese, que: a) o bem objeto de constrição se trata de
bem utilizado para a residência e moradia da entidade familiar
sendo impenhorável; b) o juízo de origem não abriu instrução
processual com a produção de prova testemunhal a fim de que o
recorrente pudesse demonstrar que se trata de seu único imóvel,
sendo utilizado como residência da família.

Analiso.

Álvaro Villaça Azevedo conceituou bem de família como "o meio de
garantir um asilo à família, tornando-se o imóvel onde a mesma se
instala domicílio impenhorável e inalienável, enquanto forem vivos
os cônjuges e até que os filhos completem sua maioridade" (Bem de
Família: Com comentários à Lei 8.009/90. 5 ed. São Paulo: Editora
Revista dos Tribunais, 2002, p.93)

A condição de bem de família pode ser fruto de convenção da
entidade familiar, nos moldes dos arts. 1711 a 1722 do CC, ou
resultante de lei, na forma do disposto no art. 1° da Lei 8.009/90:
O imóvel residencial próprio do casal, ou da entidade familiar, é
impenhorável e não responderá por qualquer tipo de dívida civil,
comercial, fiscal, previdenciária ou de outra natureza, contraída
pelos cônjuges ou pelos pais ou filhos que sejam seus proprietários
ou nele residem, salvo nas hipóteses previstas na referida lei.

Na hipótese dos autos, o bem imóvel sito à Rua Charão n.43, Bairro
Recanto dos Pássaros, nesta Capital, objeto da matrícula n° 84.596
do 1° CRI, teve a sua penhora levada a efeito para responder ao
débito executado nestes autos.

Conforme bem assinalado pelo magistrado de origem, o próprio
recorrente já se manifestou nos autos, conforme petição de ID n.
8653ca6 de 04.05.2017, no sentido de que referido imóvel não lhe
pertence e de que não foi retirado de suas Declarações de
Rendimento por equívoco de seu contador.

Nesse sentido, o juízo da execução também destacou que "o
mesmo executado, quando teve penhorado o imóvel sito à Rua
Abiruena n. 288, Bairro Coophatrabalho, manejou Embargos à
Execução (doc. de ID n. 178af85) onde, curiosamente, após negar
nos autos a propriedade do imóvel, argumentou ser, também,
"imóvel único e bem de família".

A propósito, a discussão acerca da propriedade e condição de bem
de família do bem imóvel em apreço já foi objeto de análise nos

autos de Embargos de Terceiro n° 0024905-48.2018.5.24.0001
movidos por seu filho, Idomedes Barriento de Azambuja, e julgados
em grau de recurso por esta 1- Turma, de Relatoria do Des. Marcio
Vasques Thibau de Almeida.

Na ocasião, a Turma deliberou pela não caracterização de bem de
família, identificando, ainda, o fato de que o "na DIRPF do 4°
embargado (Idauri Carlos de Azambuja) a existência de três bens
imóveis sem registro nos CRI's, sendo duas casas residenciais".
Aduzidos fatos revelam praxe adotada pelo recorrente, segundo a
qual usualmente não transfere para seu nome os imóveis que
adquire, buscando valer-se do instituto do bem de família para se
esquivar das diligências executórias que lhes são dirigidas.

Portanto, reputo penhorável o bem constrito por não caracterizado
bem de família.

Nego provimento.

ACÓRDÃO

Participam deste julgamento:

Desembargador Nicanor de Araújo Lima;

Desembargador Marcio Vasques Thibau de Almeida; e
Desembargador Nery Sá e Silva de Azambuja.

Presente o representante do Ministério Público do Trabalho.

ACORDAM os Desembargadores da Egrégia Primeira Turma do
Tribunal Regional do Trabalho da Vigésima Quarta Região, por
unanimidade, aprovar o relatório, conhecer parcialmente do
agravo de petição e, no mérito, negar-lhe provimento , nos termos
do voto do Exmo. Des. Nicanor de Araújo Lima (Relator).

Custas pelo executado no importe de R$ 44,26 (art. 789-A, IV, da
CLT).

Campo Grande, 13 de abril de 2021.

NICANOR DE ARAÚJO LIMA

Desembargador do Trabalho Relator

CAMPO GRANDE/MS, 16 de abril de 2021.

DEBORAH NAZARETH DANTAS

Diretor de Secretaria

(...) Ver conteúdo completo

Retirado da página 281 do TRT da 24ª Região (Mato Grosso do Sul) - Judiciário

30/03/2021 Visualizar PDF

Seção: Subsecretaria da 1 â Turma - Pauta

complemento: Complemento Processo Eletrônico - PJE

Intimado(s)/Citado(s):

- BEATRIZ HELENA DE ALMEIDA RODRIGUES

- IDAURI CARLOS DE AZAMBUJA

- MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO


Retirado da página 459 do TRT da 24ª Região (Mato Grosso do Sul) - Judiciário

26/01/2021 Visualizar PDF

Seção: Vara do Trabalho de Aquidauana

complemento:

Intimado(s)/Citado(s):

- BEATRIZ HELENA DE ALMEIDA RODRIGUES

PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO TRABALHO

INTIMAÇÃO

Fica V. Sa. intimado para tomar ciência da Decisão ID 6da2c11
proferida nos autos.

Vistos, etc.

O Juízo Deprecado devolveu a Carta Precatória, com a finalidade
de pronunciamento deste Juízo sobre o pedido formulado pelo
Executado Idauri Carlos de Azambuja, para considerar o imóvel
penhorado bem de família.

Pois bem.

Conforme se verifica do despacho de ID n. 57f96f6, o referido
pedido foi rejeitado. Portanto, mantenho a decisão posta no
mencionado despacho, pelos seus próprios e jurídicos
fundamentos, rejeitando, assim, o pedido de reconsideração
formulado na petição de ID n. b72ca53.

Concomitantemente com o pedido de reconsideração, o Executado
Idauri Carlos de Azambuja interpôs agravo de petição.

Analiso.

Pela sistemática do processo de execução, decisões tomadas nesta
fase são impugnáveis por Embargos (à Execução ou Penhora) e
Agravo de Petição, nesta sequência e de acordo com o princípio da
unirrecorribilidade.

Conforme o Auto de Penhora de ID n. 9b9586d, o bem imóvel em
questão foi penhorado em 15.10.2020, razão pela qual teria o
Executado o prazo de 5 (cinco) dias para o manejo de Embargos
(cujo termo final ocorreria em 22.10.2020). Constato, pelos termos
da Deprecata de ID n. 9b9586d, notadamente nas páginas 5/10,
que, no dia 28.10.2020, o Executado peticionou arguindo a
impenhorabilidade do imóvel, ao argumento de tratar-se de bem de
família. Tal pedido não foi apreciado, pois somente agora, com a
devolução da Carta Precatória, é que veio ao conhecimento deste
Juízo.

Idêntico pedido foi formulado neste feito em 26.11.2020, seguido de
despachos (vista à parte contrária), até culminar na decisão de ID
n.57f96f6, proferida em 10.12.2020 e objeto do Agravo de Petição.
Pois bem, mesmo não sendo o remédio processual adequado, mas
tratando-se de matéria que versa sobre norma de ordem pública, e
por estar caracterizado inequívoco interesse do Executado em
recorrer, recebo o Agravo de Petição interposto.

Intime-se a parte contrária para, no prazo legal, querendo, ofereçar
contraminuta ao agravo.

Decorrido o prazo, com ou sem contraminuta, remetam-se os autos
ao Egrégio Regional.

AQUIDAUANA/MS, 26 de janeiro de 2021.

ADEMAR DE SOUZA FREITAS

Juiz do Trabalho Titular


Retirado da página 638 do TRT da 24ª Região (Mato Grosso do Sul) - Judiciário