Informações do processo 0010992-48.2014.5.15.0111

Movimentações 2017 2016 2015 2014

23/03/2017

Seção: 1 a CÂMARA - Acórdão
Tipo: Acórdão
Intimado(s)/Citado(s):

- CLAUDECI MOREIRA MENDES

PODER JUDICIÁRIO
JUSTIÇA DO TRABALHO

Identificação 1 a  CÂMARA (PRIMEIRA TURMA) PROCESSO TRT N° 0010992-48-2014-5-15-0111 AGRAVO DE PETIÇÃO ORIGEM: VARA DO TRABALHO DE TIETÊ AGRAVANTE: CLAUDECI MOREIRA MENDES E OUTROS 3 AGRAVADOS: LASARA HELENA ALVES DE ASSIS E OUTROS
13
JUÍZA SENTENCIANTE: DIOVANA BETHANIA ORTOLAN
INOCENCIO FABRETI
Ementa Relatório

Trata-se de agravo de petição interposto pelos exequentes,
inconformados com a decisão que acolheu os embargos de terceiro.

Pretendem reforma para que seja mantida a penhora sobre os
imóveis da executada e declarada ineficaz a adjudicação havida no
juízo cível.

Contraminuta não foi oferecida.

É o relatório.

Fundamentação

Presentes os pressupostos de admissibilidade, conheço do agravo
de petição.

PENHORA /ADJUDICAÇÃO

Alegam os agravantes que já havia penhora trabalhista sobre a
quota parte de 17,355372% dos imóveis da executada Speichim
Brasil S/A, quando a agravada (terceira) adjudicou a quota na 6a
Vara Cível de São Paulo, de sorte que é ineficaz e nula, pois já
havia ações anteriores e não há prova de que tenha preferência
sobre o crédito, tendo inclusive adjudicado também equipamentos e
maquinários, que guarneciam o imóvel e a unidade fabril da
reclamada, o que implica em sucessão.

Pois bem.

A agravada Lasara Helena Alves de Assis ingressou com embargos
de terceiro em vista da penhora que recaiu sobre o imóvel por ela
adquirido em adjudicação havida na Justiça Comum, sendo
expedida a respectiva Carta, em 09/04/2014, que foi devidamente
registrada nas certidões de matrícula.

Como bem salientado pela Origem, não há prova de fraude na
adjudicação realizada e desconsiderar o ato perfeito e acabado
praticado pelo Juízo Cível seria efetivamente uma temeridade. E
mais, ainda que se atendesse à pretensão dos agravantes, a
possibilidade de reversão do ato traria prejuízos evidentes a quem
adquirisse o imóvel na seara trabalhista.

E os atos de execução praticados no juízo cível são anteriores ao
leilão da esfera trabalhista, pois o feito é de 2005. E o fato de haver
acordo naquele processo e aquisição de maquinários e
equipamentos não gera presunção de fraude e nem configura
sucessão trabalhista, pois nem mesmo há elementos para que se
conclua tal situação, como pretendem os agravantes.

Destarte, decido manter a decisão de Origem.

Dispositivo

DIANTE DO EXPOSTO,  decido: conhecer do agravo de petição dos
exequentes para negar-lhe provimento, conforme fundamentação.

Cabeçalho do acórdão Acórdão

Em sessão realizada em 07 de março de 2017, a 1 a  Câmara do
Tribunal Regional do Trabalho da 15a Região julgou o presente
processo.

Presidiu o julgamento a Exma. Desembargadora do Trabalho
Tereza Asta Aparecida Gemignani.

Tomaram parte no julgamento os Srs. Magistrados:

Desembargador do Trabalho Ricardo Antônio de Plato (relator)

Juiz do Trabalho Helio Grasselli

Desembargadora do Trabalho Tereza Asta Aparecida Gemignani

RESULTADO:

ACORDAM os Magistrados da 1 a  Câmara - Primeira Turma do
Tribunal Regional do Trabalho da Décima Quinta Região, em julgar
o processo nos termos do voto proposto pelo (a) Exmo (a). Sr (a).
Relator (a).

Votação unânime.

Procurador ciente.

Assinatura RICARDO ANTONIO DE PLATO Desembargador Relator Votos Revisores
Intimado(s)/Citado(s):

- JOSE GERALDO FERREIRA

PODER JUDICIÁRIO
JUSTIÇA DO TRABALHO

Identificação 1 a  CÂMARA (PRIMEIRA TURMA) PROCESSO TRT N° 0010992-48-2014-5-15-0111 AGRAVO DE PETIÇÃO ORIGEM: VARA DO TRABALHO DE TIETÊ AGRAVANTE: CLAUDECI MOREIRA MENDES E OUTROS 3 AGRAVADOS: LASARA HELENA ALVES DE ASSIS E OUTROS
13
JUÍZA SENTENCIANTE: DIOVANA BETHANIA ORTOLAN
INOCENCIO FABRETI
Ementa Relatório

Trata-se de agravo de petição interposto pelos exequentes,
inconformados com a decisão que acolheu os embargos de terceiro.

Pretendem reforma para que seja mantida a penhora sobre os
imóveis da executada e declarada ineficaz a adjudicação havida no

juízo cível.

Contraminuta não foi oferecida.

É o relatório.

Fundamentação

Presentes os pressupostos de admissibilidade, conheço do agravo
de petição.

PENHORA /ADJUDICAÇÃO

Alegam os agravantes que já havia penhora trabalhista sobre a
quota parte de 17,355372% dos imóveis da executada Speichim
Brasil S/A, quando a agravada (terceira) adjudicou a quota na 6a
Vara Cível de São Paulo, de sorte que é ineficaz e nula, pois já
havia ações anteriores e não há prova de que tenha preferência
sobre o crédito, tendo inclusive adjudicado também equipamentos e
maquinários, que guarneciam o imóvel e a unidade fabril da
reclamada, o que implica em sucessão.

Pois bem.

A agravada Lasara Helena Alves de Assis ingressou com embargos
de terceiro em vista da penhora que recaiu sobre o imóvel por ela
adquirido em adjudicação havida na Justiça Comum, sendo

expedida a respectiva Carta, em 09/04/2014, que foi devidamente
registrada nas certidões de matrícula.

Como bem salientado pela Origem, não há prova de fraude na
adjudicação realizada e desconsiderar o ato perfeito e acabado
praticado pelo Juízo Cível seria efetivamente uma temeridade. E
mais, ainda que se atendesse à pretensão dos agravantes, a
possibilidade de reversão do ato traria prejuízos evidentes a quem
adquirisse o imóvel na seara trabalhista.

E os atos de execução praticados no juízo cível são anteriores ao
leilão da esfera trabalhista, pois o feito é de 2005. E o fato de haver
acordo naquele processo e aquisição de maquinários e
equipamentos não gera presunção de fraude e nem configura
sucessão trabalhista, pois nem mesmo há elementos para que se
conclua tal situação, como pretendem os agravantes.

Destarte, decido manter a decisão de Origem.

Dispositivo

DIANTE DO EXPOSTO,  decido: conhecer do agravo de petição dos
exequentes para negar-lhe provimento, conforme fundamentação.

Cabeçalho do acórdão Acórdão

Em sessão realizada em 07 de março de 2017, a 1 a  Câmara do
Tribunal Regional do Trabalho da 15a Região julgou o presente
processo.

Presidiu o julgamento a Exma. Desembargadora do Trabalho
Tereza Asta Aparecida Gemignani.

Tomaram parte no julgamento os Srs. Magistrados:

Desembargador do Trabalho Ricardo Antônio de Plato (relator)

Juiz do Trabalho Helio Grasselli

Desembargadora do Trabalho Tereza Asta Aparecida Gemignani

RESULTADO:

ACORDAM os Magistrados da ia Câmara - Primeira Turma do
Tribunal Regional do Trabalho da Décima Quinta Região, em julgar

o processo nos termos do voto proposto pelo (a) Exmo (a). Sr (a).
Relator (a).

Votação unânime.

Procurador ciente.

Assinatura RICARDO ANTONIO DE PLATO Desembargador Relator Votos Revisores
(...) Ver conteúdo completo

Retirado do TRT da 15ª Região (São Paulo) - Judiciário

21/02/2017

Seção: 1 a CÂMARA - Pauta

Complemento: Processo Eletrônico - PJE

Intimado(s)/Citado(s):

-    ADRIANA APARECIDA DA SILVA

-    ALEXANDRE QUEIROZ

-    ANTONIO LEITE FELIZ

-    ANTONIO PINTO

-    BENEDITO NEVES DE SALES

-    CLAUDECI MOREIRA MENDES

-    EDSON FREITAS MOREIRA

-    EVERALDO DIAS DA SILVA

-    GILVAN RAMOS PEREIRA

-    INDALECIO CARDOZO DA CRUZ

-    JOSE BENEDITO GALERA

-    JOSE GERALDO FERREIRA

-    JOSE ROBERTO GIL DE CAMARGO

-    JUVENI APARECIDO DA SILVA

-    LASARA HELENA ALVES DE ASSIS

-    MIGUEL LEITE DOS PASSOS

-    PAULO SOARES FERREIRA

-    SANDRO FERREIRA DA SILVA


Retirado do TRT da 15ª Região (São Paulo) - Judiciário