Carlos Thailan de Jesus Santos

Estudante de ciências Biológicas.

Informações coletadas do Lattes em 03/06/2019

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Graduação em andamento em Ciências Biológicas

2015 - Atual

Universidade Federal de Sergipe

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação complementar

2012 - 2015

TÉCNICO EM ANALISES CLINICAS. (Carga horária: 1200h). , Escola técnica de enfermagem Ana Nery, ESANY, Brasil.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Inglês

Compreende Pouco, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Áreas de atuação

    Grande área: Ciências Humanas / Área: Educação.

    Grande área: Ciências Biológicas / Área: Biologia Geral.

    Grande área: Ciências Biológicas / Área: Parasitologia / Subárea: Entomologia e Malacologia de Parasitos e Vetores.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

I ENCONTRO SERGIPANO DE ECOLOGIA. 2015. (Encontro).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

Luisa Ferreira Ribeiro

Estágio Supervisionado em Biologia; 2018; Orientação de outra natureza; (Ciências Biológicas Licenciatura) - Universidade Federal de Sergipe; Orientador: Luisa Ferreira Ribeiro;

ALLAN DANTAS DOS SANTOS

Efetividade das ações do programa de controle da esquistossomose (PCE) na Barra dos Coqueiros, Se; ; 2016; Iniciação Científica; (Graduando em Enfermagem) - Universidade Federal de Sergipe; Orientador: Allan Dantas dos Santos;

Leandro Eugênio Cardamone Diniz

Análise da diversidade e estrutura genética de acessos de coqueiro anão; 2018; Iniciação Científica; (Graduando em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Sergipe, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; Orientador: Leandro Eugenio Cardamone Diniz;

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • SANTOS, C. T. J. ; CORREIRA, Q. C. S. ; ARCHIMINIO, R. S. ; COSTA, T. S. ; RAMOS, S. R. R. ; DINIZ, L. E. C. . Análise da diversidade e estrutura genética de acessos de coqueiro anão.. In: SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO DA EMBRAPA TABULEIROS COSTEIROS., 2018, Aracaju. Embrapa Tabuleiros Costeiros - Artigo em anais de congresso (ALICE), 2018. p. p. 101-105.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2016 - 2017

    Elaboração de instrumento de avaliação funcional para indivíduos com neuroesquistossomose, Descrição: Levando em consideração as limitações funcionais causadas pela MRE e suas consequentes restrições nas atividades de vida diária e participação social, a Classificação Internacional de Funcionalidade, Inabilidade e Saúde, criada em 2001 pela Organização Mundial da Saúde, se mostra uma ótima ferramenta para classificar tais fatores, já que abrange as múltiplas dimensões da função humana, abordando os aspectos biológicos, psicológicos, sociais e ambientais (KOSTANJSEK, 2010). No entanto, a aplicação prática da CIF trouxe importantes desafios, o principal deles é a grande extensão da classificação, com mais de 1400 categorias. Para solucionar esse problema, cientistas de todo o mundo vêm desenvolvendo Core Sets para várias condições de saúde, que permitem uma melhor descrição da funcionalidade para condições e situações específicas de saúde (STARROST et al, 2008). Os objetivos do presente estudo são: elaborar um instrumento da avaliação em MRE e unificar a descrição da saúde e dos estados relacionados com a saúde dos pacientes com MRE através da CIF.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Doutorado: (1) . , Integrantes: Carlos Thailan de Jesus Santos - Coordenador / Karina Conceição Gomes Machado de Araujo - Integrante.

  • 2015 - 2016

    Avaliação do grau de implantação (GI) do Programa de Controle de Esquistossomose (PCE) no município Barra dos Coqueiros, estado de Sergipe., Descrição: A esquistossomose é uma doença crônica que afeta aproximadamente 240 milhões de pessoas por ano em todo o mundo, expondo ao risco outras 700 milhões que vivem em áreas endêmicas. Atualmente, encontra-se distribuída em 78 países de áreas tropicais e subtropicais, principalmente em regiões onde o acesso à água potável e ao saneamento básico é precário. Nas Américas, cerca de 7,1 milhões de pessoas estão infectadas, e destas, 95% encontram-se no Brasil (WHO, 2010). Até o primeiro trimestre de 2011 foram registrados 64.811 casos confirmados da doença em 23 unidades federativas, com mais da metade (37.263 casos) deles ocorrendo na região nordeste. Neste cenário, o Estado de Sergipe ocupa o terceiro lugar no ranking de casos de esquistossomose com 8.977 casos registrados, atrás apenas, de Minas Gerais (23.336 casos) e Alagoas (12.903 casos) (BRASIL, 2013). O Estado possui ao todo 75 municípios dos quais 51 são considerados endêmicos para a doença, estando localizados predominantemente nas regiões da Zona da Mata e Litoral (BRASIL, 2011). Entre as medidas de prevenção e controle que são recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), e que constam no Programa de Controle da Esquistossomose (PCE) no Brasil, objetivando interromper o ciclo de transmissão da doença até o ano de 2020, está a eliminação dos caramujos vetores e o desenvolvimento e avaliação de novas estratégias e ferramentas de controle (WHO, 2013). A oficialização do controle da esquistossomose foi efetivada em 1975 com a criação do Programa Especial de Controle da Esquistossomose (PECE), pela Superintendência de Campanhas de Saúde Pública (SUCAM), sendo substituído pelo Programa de Controle da Esquistossomose (PCE) na década seguinte (TEIXEIRA & PAIM, 1990;FAVRE et all, 2001). Em 1999 foi normatizada a descentralização da execução das ações de epidemiologia e controle de doenças, entre elas, a esquistossomose, que saem da gestão da Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), originada, em 1990, pela fusão entre a Fundação Serviços Especiais de Saúde Pública (Fundação SESP) e a SUCAM, passando a ser da competência dos municípios. Objetivando a realização das atividades de controle da esquistossomose de forma correta pelas instâncias municipais, o Ministério da Saúde (MS) recomenda as seguintes ações: delimitação epidemiológica, inquéritos coproscópicos censitários, tratamento de infectados, controle de moluscos, saneamento ambiental, educação em saúde, vigilância epidemiológica e a alimentação do sistema de informação do PCE (SISPCE). Todas essas atividades devem ser incorporadas àquelas desenvolvidas pelo Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) e Programa de Saúde da Família (PSF). Em Sergipe, a descentralização das ações de controle da esquistossomose ocorreu no período entre 1999 e 2000. A forma como estão sendo realizadas estas atividades após a municipalização, no entanto, tem apresentado problemas. Trabalhos realizados por Farias et al.13 e Quinino et al.14 mostram várias dificuldades enfrentadas pelos municípios na operacionalização das ações de controle da esquistossomose, que incluem a realização de atividades de controle de forma não integral e desarticulada. Nesse sentido, considerando-se a magnitude da esquistossomose como um problema de saúde pública em Sergipe e a carência de estudos avaliativos que abordem as ações de controle da esquistossomose, este estudo teve como objetivo avaliar a implantação do PCE no município da Barra dos Coqueiros, estado de Sergipe, identificando o nível de cumprimento das normas e critérios preconizados pelo programa (grau de implantação). Utilizar-se-ão questionários estruturados que foram aplicados aos coordenadores do PCE, aos secretários de saúde, coordenadores e agentes de saúde ambiental. Também serão pesquisados registros oficiais e realizou-se observação direta. Empregar-se-á um sistema de escores que classificou o. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Doutorado: (1) . , Integrantes: Carlos Thailan de Jesus Santos - Coordenador / Allan Dantas do Santos - Integrante.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional

  • 2018 - Atual

    Universidade Federal de Sergipe

    Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista Residência Pedagógica, Carga horária: 20

    Outras informações:
    Orientado pela Professora Dra Aline Oliveira Nepomuceno.

  • 2018 - Atual

    Universidade Federal de Sergipe

    Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista Voluntário Extensão, Carga horária: 10

    Outras informações:
    Voluntário na extensão "Elaborando Material lúdico para alunos com deficiência" com Profa Dra. Yzila Liziane Farias Maia De Araujo

  • 2016 - 2017

    Universidade Federal de Sergipe

    Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista PIBIC, Carga horária: 20

  • 2016 - 2016

    Universidade Federal de Sergipe

    Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Monitoria voluntária em Bases de Anatomia, Carga horária: 12

    Outras informações:
    Disciplina de Bases de Anatomia Humana com o professor Dr Anderson Carlos Marçal

  • 2015 - 2016

    Universidade Federal de Sergipe

    Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista Voluntário PIBIC, Carga horária: 20

    Atividades

    • 08/2018

      Estágios , Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Biologia.,Estágio realizado, Residência pedagógica em Ciências biológicas..

    • 07/2018

      Extensão universitária , Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Biologia.,Atividade de extensão realizada, Criação de materiais didáticos para o ensino de biologia para alunos com deficiência..

    • 08/2016 - 08/2017

      Pesquisa e desenvolvimento , Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Morfologia.,Linhas de pesquisa

    • 01/2016 - 12/2016

      Outras atividades técnico-científicas , Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde.,Atividade realizada, Monitor de Bases de Anatomia Humana..

    • 08/2015 - 08/2016

      Pesquisa e desenvolvimento , Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Morfologia.,Linhas de pesquisa

  • 2017 - 2018

    Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

    Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista PIBIC, Carga horária: 20