Gusthavo Gonçalves Roxo

Mestrando em Arqueologia pelo Programa de Pós Graduação de Arqueologia do Museu Nacional / Universidade Federal do Rio de Janeiro (MN - UFRJ). Bacharel em Museologia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, (2015-2019)

Informações coletadas do Lattes em 21/06/2020

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Mestrado em andamento em Arqueologia

2020 - Atual

Museu Nacional / Universidade Federal do Rio de Janeiro
Título: Três Apitos Remanescente, conciliando memória e presente: Um estudo sobre a reutilização do patrimônio industrial para novos fins no ambiente urbano carioca.,Orientador: Marcos André Torres de Souza
Coorientador: Alejandra Saladino. Grande área: Ciências Humanas

Graduação em Museologia

2015 - 2019

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Título: No tempo que conhecer nem sempre é conhecer: Uma reflexão sobre os bens tombados da Grande Tijuca.
Orientador: Alejandra Saladino

Graduação interrompida em 2015 em Comunicação Social - Jornalismo

2015 - Atual

Centro Universitário Carioca
Ano de interrupção: 2015

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Bandeira representando o idioma Inglês

Compreende Pouco, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.

Bandeira representando o idioma Espanhol

Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Áreas de atuação

Grande área: Ciências Sociais Aplicadas / Área: Museologia.

Grande área: Lingüística, Letras e Artes / Área: Letras / Subárea: Literatura Brasileira.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

Jornada Cientifica Museu Casa de Rui Barbosa- Documentação em Museus: metodologias, terminologias e tecnologias. 2019. (Outra).

V Seminário de Preservação de Patrimônio Arqueológico.Entre o Salão Vazio e a História da colônia: uma reflexão sobre a exposição ?Oreretama? do Museus Histórico Nacional. 2019. (Seminário).

Lançamento do Caderno da PNEM e do Programa de Elaboração e Pesquisa em Educação Museal. 2018. (Outra).

VI Seminário de Museologia Experimental. 2018. (Seminário).

V Seminário de Museologia Experimental. 2018. (Seminário).

Cine Debate- Exposição Liberdade de Ser: Diversidade de Gênero e Orientação Sexual. 2017. (Outra).

Encontro de Formação: Acessibilidade Universal, realizado pelo museu das telecomunicações- oi futuro. 2017. (Encontro).

III Seminário de Museologia Experimental. 2017. (Seminário).

Jornada de Iniciação Científica da Unirio.O Mundo Lusófono e os Patrimônios Híbridos: um estudo comparado sobre processos de patrimonialização em contextos lusófonos. 2017. (Outra).

Minicurso-"Conflitos e resistências na cidade" ministrada pela palestrante LLudmila Moreira Lima na 16ª Jornada de Iniciação Cientifica. 2017. (Outra).

Seminário Games e Museus- a História em Jogo, realizado no Museu Histórico Nacional. 2017. (Seminário).

Seminário Internacional "Numísmatica em exposição: entre papéis e moedas" realizado no Museu Histórico Nacional. 2017. (Seminário).

Aberto para Obras -fundação Casa de Rui Barbosa. 2016. (Outra).

Minicurso "A preservação de coleções do NUMMUS: a diverdidade de suportes x procedimentos de conservação preventiva.. 2016. (Outra).

Oficina de Práticas Inclusivas nos Museus realizada no âmbito da Jornada do dia do Museólogo. 2016. (Oficina).

Seminário de Pesquisa em Memória da Museologia do Brasil- Edição comemorativa dos 10 anos do NUMMUS. 2016. (Seminário).

1 Encontro Regional de Estudantes de Museologia- Sudeste. 2015. (Encontro).

III Ciclo de Debates da Escola de Museologia "Stransk: Uma ponrte Brno-Brasil". 2015. (Outra).

Mesa-redonda Acessibilidade em Museus-Casas, realizada na Fundação Casa de Rui Barbosa. 2015. (Outra).

Curso - Astronáutica - Fundação Planetário. 2013. (Outra).

Curso-Teoria da Relatividade: Faça Você Mesmo -Fundação Planetário. 2013. (Outra).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Comissão julgadora das bancas

Vladimir Sibylla Pires

SALADINO, A.; RANGEL, M.;PIRES, Vladimir S.. No Tempo que reconhecer nem sempre é conhecer: reflexões sobre os bens tombados da Grande Tijuca. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Museologia) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Marcio Ferreira Rangel

SALADINO, A.;RANGEL, M. F.; SIBYLLA, Vladimir. No Tempo em que reconhecer nem sempre é conhecer: reflexões sobre os bens tombados da Grande Tijuca. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Museologia) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Alejandra Saladino

SALADINO, A.; RANGEL, Marcio; SIBILA, Vladimir. No tempo que reconhecer nem sempre é conhecer: reflexão sobre os bens tombados da Tijuca. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Museologia) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

Regina Maria do Rego Monteiro de Abreu

O Brasil nas listas do Patrimônio Cultural Imaterial da UNESCO; 2017; Iniciação Científica; (Graduando em Museologia) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; Orientador: Regina Maria do Rego Monteiro de Abreu;

Marcos André Torres de Souza

Três apitos remanescentes conciliando memória e presente: um estudo sobre a reutilização do patrimônio industrial para novos fins no ambiente urbano carioca; Início: 2020; Dissertação (Mestrado em Arqueologia) - Museu Nacional / Universidade Federal do Rio de Janeiro, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior; (Orientador);

Alejandra Saladino

Três apitos remanescentes conciliando memória e presente: um estudo sobre a reutilização do patrimônio industrial para novos fins no ambiente urbano carioca; Início: 2020; Dissertação (Mestrado em Arqueologia) - Museu Nacional/ Universidade Federal do Rio de Janeiro; (Coorientador);

Alejandra Saladino

Conceitos e imagens sobre Arqueologia e Patrimônio Arqueológico no Museu Histórico Nacional, no Museu de Arqueologia de Itaipu e no Instituto Pretos Novos ? Fase 2; Início: 2017; Iniciação científica (Graduando em Museologia) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, UNIRIO; (Orientador);

Alejandra Saladino

No tempo que reconhecer nem sempre é conhecer: reflexões sobre os bens tombados da Grande Tijuca; 2018; Trabalho de Conclusão de Curso; (Graduação em Museologia) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Orientador: Alejandra Saladino;

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • SALADINO, A. ; GONÇALVES ROXO, Gusthavo . Sobre o futuro das tradições mais novas nos museus. REVISTA MUSEU , v. 2019, p. 1, 2019.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Outras produções

GONÇALVES ROXO, Gusthavo . Entre Nós, o céu. 2018 (exposição curricular).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2017 - 2019

    Conceitos e imagens sobre Arqueologia e patrimônio arqueológico: um estudo sobre estratégias de socialização e preservação, Descrição: Estudo dos significados da Arqueologia e do patrimônio arqueológico circulantes da sociedade via exposições museológicas, atividades educativas e meios de comunicação... , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) . , Integrantes: Gusthavo Gonçalves Roxo - Integrante / Alejandra Saladino - Coordenador.

  • 2016 - 2017

    O Mundo Lusófono e os Patrimônios Híbridos: um estudo comparado sobre processos de patrimonialização em contextos lusófonos, Descrição: O presente projeto propõe alargar estudos comparativos sobre políticas públicas de patrimonialização do imaterial entre Brasil e Portugal para outros territórios do mundo lusófono, procurando refletir sobre as ressonâncias em contextos locais de diretrizes patrimoniais formuladas em âmbito global. A pesquisa nutre-se do amadurecimento de reflexões em torno do surgimento do fenômeno que designei como "Patrimonialização das Diferenças", ou seja, a ênfase cada vez maior em Políticas Públicas de Patrimônio ancoradas na noção de singularidade cultural, onde fragmentos identitários passaram a ganhar destaque no campo patrimonial. Este fenômeno organiza-se em foruns globais, com forte ascendência de agência multilaterais como a UNESCO sobre os Estados-nações que outrora ditavam suas próprias diretrizes. A pesquisa sobre o modus operandi das políticas públicas relacionadas ao Patrimônio Imaterial vêm demonstrando um funcionamento globalizado onde algumas recomendações são formuladas e estimuladas pela UNESCO para os países-membros. Entretanto, um estudo minucioso sobre as ressonâncias da Convenção do Patrimônio Imaterial pudemos observar algumas peculiaridades significativas. Nos casos estudados, de Brasil e Portugal, percebemos diferenças, similitudes e principalmente a confluência de algumas tradições culturais que se destacam e se relacionam colocando em evidência as fortes relações históricas e culturais entre os dois países. Nesta direção, é possível pensar numa arena comum, e que se torna visível por meio do que se convencionou chamar de Lusofonia, ou seja, pelo conjunto de algumas identidades culturais existentes em países, regiões, estados ou cidades falantes da língua portuguesa como Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste, Goa, Damão e Diu e por diversas pessoas e comunidades em todo o mundo. Estas identidades culturais tornam-se cada vez mais visíveis após o processo de descolonização e, sobretudo, por intermédio das intensas trocas culturais entre as camadas populares de diferentes países, fenômeno que o antropólogo Gustavo Lins Ribeiro denominou de "outras globalizações". (Ribeiro, 2014) Minha suposição, a partir dos estudos de caso já realizados, é de que entre os falantes do português estas articulações são intensas e visíveis. O caso da patrimonialização do kola san jon, de origem caboverdeana, como patrimônio português, é emblemático. Populações de diferentes origens, como caboverdeanos e portugueses, se reconhecem e se diferenciam quase que num mesmo movimento, onde algumas tradições parecem exóticas, enquanto outras soam muito familiares. Numa dinâmica entre diferenças e semelhanças o que parece estar em jogo é a construção de novos territórios de pertença... , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Gusthavo Gonçalves Roxo - Integrante / Regina Maria do Rego Monteiro de Abreu - Coordenador.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional

2017 - 2019

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Vínculo: , Enquadramento Funcional:

2019 - 2019

Diretoria de Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha

Vínculo: Estagiário voluntário, Enquadramento Funcional: Estagiário na Reserva Técnica, Carga horária: 20

Outras informações:
-Atividades de inserção de fichas catalográficas no sistema SISGAM da coleção De Martino pertencente a Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha. (28 horas) -Atividades de atualização de fichas catalográficas e digitais de gravuras, pinturas, selos e moedas e identificação da nova localização das peças nos compactadores. (65 horas) -Atividades de conferência e atualização de fichas catalográficas, físicas e digitais do acervo da Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha. (33 horas)

2014 - 2014

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro

Vínculo: Estagiário, Enquadramento Funcional: Estagiário - Técnico em Administração, Carga horária: 20