Camila Santos Matos

Estudante da Graduação em Medicina Veterinária na Universidade Federal de Pelotas com experiência em Clínica de Cães e Gatos, Virologia e Imunologia Animal.

Informações coletadas do Lattes em 22/10/2019

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Graduação em andamento em Medicina Veterinária

2011 - Atual

Universidade Federal de Pelotas

Ensino Médio (2º grau)

2006 - 2008

Escola Técnica Estadual Professor Camargo Aranha

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação complementar

2008 - 2008

Assistente Preparação e Distribuição de Alimentos. , Escola Técnica Estadual Professor Camargo Aranha.

2007 - 2008

Técnico em Nutrição e Dietética. , Escola Técnica Estadual Professor Camargo Aranha.

2007 - 2007

Agente Sanitário de Alimentos. , Escola Técnica Estadual Professor Camargo Aranha.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Inglês

Compreende Pouco, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.

Espanhol

Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.

Português

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Francês

Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Áreas de atuação

    Grande área: Ciências Agrárias / Área: Medicina Veterinária / Subárea: Clínica Médica.

    Grande área: Ciências Agrárias / Área: Medicina Veterinária / Subárea: Medicina Veterinária Preventiva.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

XXIII Congresso de Iniciação Científica. 2014. (Congresso).

XXIII Congresso de Iniciação Científica. DETECÇÃO DE Salmonella sp. EM PINGUINS-DE-MAGALHÃES (Spheniscus magellanicus) MANTIDOS EM CATIVEIRO". 2014. (Congresso).

41º Congresso Brasileiro de Medicina Veterinária. MICOPLASMOSE CAUSADA POR Mycoplasma synoviae EM CODORNAS DE CORTE. 2014. (Congresso).

41º Congresso Brasileiro de Medicina Veterinária. 2014. (Congresso).

41º Congresso Brasileiro de Medicina Veterinária - Curso de Iniciação à Homeopatia. 2014. (Congresso).

II SINPET - Simpósio de Nutrição de Animais de Companhia. 2014. (Simpósio).

OPA - Oficina de Pequenos Animais. 2014. (Encontro).

I Ciclo de Atualização em Animais de Companhia - UFPel. 2014. (Outra).

1º Minicurso de Atualização em Cardiologia e Nefrologia de Pequenos Animais. 2014. (Outra).

XXII Congresso de Iniciação Científica. 2013. (Congresso).

Curso Teórico-Prático de Animais Aquáticos. 2013. (Oficina).

Reprodução em Equinos - II Atualização em Histofisiologia. 2012. (Seminário).

I Simpósio Internacional de Emergências em Pequenos Animais. 2012. (Simpósio).

Curso em Comportamento Animal - Módulo I e II (UFRGS). 2012. (Oficina).

I Ciclo de Palestras em Pequenos Animais - VETESUL. 2012. (Outra).

V Semana Acadêmica das Ciências Biológicas - Faculdade Anhanguera. 2012. (Outra).

Projeto Rodada de Difusão do Ensino e Pesquisa em Veterinária - Reabilitação de Animais Marinhos. 2011. (Seminário).

Nutrição em Terapia Intensiva. 2011. (Seminário).

XXIX Semana Acadêmica da Medicina Veterinária - UFPel. 2011. (Outra).

I Curso de Primeiros Socorros no Meio Rural. 2011. (Outra).

I Dia de Campo em Reprodução Animal. 2011. (Outra).

Curso: "Alimente-se Bem" - Serviço Social da Indústria - Departamento Regional de São Paulo. 2008. (Oficina).

Termometria e Qualidade. 2007. (Outra).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Comissão julgadora das bancas

Carmen Lúcia Garcez Ribeiro

RIBEIRO, C. L. G.; Rabassa,V.R.; GIORDANI, C.. ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina Veterinaria) - Universidade Federal de Pelotas.

Marlete Brum Cleff

Cleff, M.B.; RIBEIRO, C. L. G.; Rabassa, V.. Banca de Defesa Estágio Curricular Supervisionado. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Pelotas.

CLAUDIA GIORDANI

RIBEIRO, C. L. G.; RABASSA, V. R.;GIORDANI, C.. Estágio Curricular em Clínica Médica e Enfermidades Infecciosas de Pequenos Animais. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Pelotas.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

Geferson Fischer

Desenvolvimento de vacinas de uso veterinário; 2013; Iniciação Científica; (Graduando em Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Pelotas; Orientador: Geferson Fischer;

Gilberto D'Ávila Vargas

Atividade antimicrobiana da própolis; 2013; Iniciação Científica; (Graduando em Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Pelotas, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; Orientador: Gilberto D'Avila Vargas;

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • MATOS, C. S. ; LUZ, P. G. ; LADEIRA, S. L. ; SALLIS, E. S. V. ; SILVA, R. P. S. ; VARGAS, G. D. . 'DETECÇÃO DE Salmonella sp. EM PINGUINS-DE-MAGALHÃES (Spheniscus magellanicus) MANTIDOS EM CATIVEIRO'. 2014. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • MATOS, C. S. ; PIOVESAN, M. ; LOBO, R. R. ; SALLIS, E. S. V. ; FISCHER, G. ; HUBNER, S. O. ; VARGAS, G. D. . MICOPLASMOSE CAUSADA POR Mycoplasma synoviae EM CODORNAS DE CORTE. 2014. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • RIBEIRO, L. C. ; MENEZES, P. Q. ; PIOVESAN, M. ; DIAS, J. H. ; MATOS, C. S. ; FISCHER, G. . 'LEVANTAMENTO SOROLÓGICO DO HERPESVIRUS BOVINO EM PROPRIEDADES DO ASSENTAMENTO DA PALMA'. 2014. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • PIOVESAN, M. ; MATOS, C. S. ; LOBO, R. R. ; SALLIS, E. S. V. ; ALBANO, A. P. ; VARGAS, G. D. . 'ISOSPOROSE CAUSADA POR Isospora paroariae EM CARDEAIS (Paroaria coronata) MANTIDOS EM CATIVEIRO'. 2014. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • MATOS, C. S. ; SOUZA, K. R. ; SEBERINO, G. B. . Tumor Venéreo Transmissível - O que é e caso clínico. 2011. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2014 - Atual

    PADRONIZAÇÃO DA TÉCNICA DE PROPAGAÇÃO DE VÍRUS EM OVOS EMBRIONADOS DE CODORNA JAPONESA (Coturnix coturnix japônica), Descrição: Ovos embrionados de galinha foram introduzidos na bateria de técnicas virológicas em 1940 e rapidamente se tornaram um dos fatores principais no progresso sucedido. Apresentavam vantagens consideráveis sobre os sistemas animais usados até então (coelhos, cobaios e camundongos): um meio vivo, altamente sensível a vários vírus; sistema fechado, teoricamente estéril e pode ser obtido e manipulado em grandes quantidades. A inoculação in ovo pode ser feita por diferentes vias, que correspondem às sensibilidades e aos diferentes graus de adaptação de vários vírus. Os ovos embrionados de codornas podem ser usados para inoculação de diversos tipos de vírus, em diferentes vias, sendo necessário algumas modificações nas técnicas conhecidas e utilizadas em ovos embrionados de galinha (Gallus domesticus). Algumas vantagens podem ser atribuídas no emprego dos ovos embrionados de codorna em comparação aos de embrião de galinha: custo menor de produção, menor tempo de incubação, menor espaço físico necessário e a talvez a mais importante ser de uma espécie diferente do Gallus domesticus e desta forma não portadora de antígenos e anticorpos de interesse na avicultura comercial moderna, não interferindo no diagnóstico e na replicação viral. Desta forma este projeto visa a utilização de ovos embrionados de codorna de casca branca como uma alternativa aos já disponíveis ovos de embrião de galinha para pesquisas laboratoriais com propagação de vírus Objetivos: Padronização de quantidade antígeno viral a ser inoculado;. Estabelecimento de rotas de inoculação de acordo com o vírus em questão; Definição do tempo de incubação e de coleta de material nos ovos embrionados; Titulação comparativa dos antígenos inoculados; Avaliação macro e microscópica dos embriões e tecidos embrionários; Analise da viabilidade econômica dos ovos embrionados de codorna; . , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (4) / Mestrado acadêmico: (1) / Doutorado: (5) . , Integrantes: Camila Santos Matos - Integrante / Matheus Piovesan - Integrante / Gilberto Davila Vargas - Coordenador / Géferson Fischer - Integrante / Raulene R Lobo - Integrante / ELIZA SIMONE VIEGAS SALLIS - Integrante / MARCELO DE LIMA - Integrante / OBERTO DE ANDRADE BORDIN - Integrante / SILVIA DE OLIVEIRA HUBNER - Integrante / Alice Teixeira Meirelles Leite - Integrante / RENATA KARINA MARCONI MARCANÇOLI - Integrante.

  • 2014 - Atual

    Detecção de vírus aviários em aves silvestres e cativas no Rio Grande do Sul, Descrição: Animais de vida livre podem servir de reservatórios para diversos patógenos que infectam animais de produção, animais de companhia e também humanos. Tal aspecto faz com que exista uma preocupação crescente com a obtenção de conhecimento sobre as doenças que os afetam. Particularmente as aves de vida livre, devido as suas características biológicas, são capazes de disseminar microorganismos patogênicos muito facilmente, podendo atuar como carreador biológico ou mecânico. Objetiva-se neste trabalho a detecção do vírus da doença de Newcastle (Paramyxovirus tipo 1), vírus da doença de Gumboro (Birnavírus), vírus da doença de Marek (Herpesvírus) através das técnicas de qRTPCR e ELISA utilizando suabes de cloaca, orofaringe e traquéia assim como coleta de sangue. Para desenvolver a pesquisa serão utilizadas as aves que forem encaminhadas ao Laboratório Regional de Diagnóstico na sua área de abrangência, oriundos diretamente da comunidade ou remetidos pelo Núcleo de Reabilitação da Fauna Silvestre da Universidade Federal de Pelotas. Objetivos: Objetivo Geral - Detectar a presença de vírus aviários em aves silvestres de vida livre e de aves provenientes de apreensão no Rio Grande do Sul. Objetivos Específicos - Detectar o vírus da doença de Newcastle (Paramyxovirus tipo 1); - Detectar o vírus da Doença Infecciosa da Bursa de Fabrício (Birnavírus); - Detectar o vírus da doença de Marek (Herpesvírus); - Pesquisar anticorpos contra os vírus estudados através das técnicas de ELISA e HI; - Identificar as famílias de aves silvestres mais importantes na epidemiologia dos vírus pesquisados; - Estabelecer o papel das aves silvestres na epidemiologia dos vírus de interesse;. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Camila Santos Matos - Integrante / Matheus Piovesan - Integrante / Gilberto Davila Vargas - Coordenador / Géferson Fischer - Integrante / Raulene R Lobo - Integrante / MARCELO DE LIMA - Integrante / SILVIA DE OLIVEIRA HUBNER - Integrante / Alice Teixeira Meirelles Leite - Integrante / RENATA KARINA MARCONI MARCANÇOLI - Integrante / CLAUDIO DIAS TIMM - Integrante / LUIZ FERNANDO MINELLO - Integrante / MARCO ANTONIO AFONSO COIMBRA - Integrante / ANA PAULA NEUSCHRANK ALBANO - Integrante / PRISCILA ALVES DIAS - Integrante.

  • 2009 - 2014

    DETERMINAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DA PRÓPOLIS, Descrição: O uso indiscriminado e prolongado de antimicrobianos químicos sintéticos tem contribuído com o surgimento de microrganismos patogênicos resistentes, ressaltando a necessidade de estudos visando a descoberta de novas substâncias com capacidade antibiótica. Neste sentido, o uso de antimicrobianos de origem natural, como plantas medicinais e própolis, tem se demonstrado uma alternativa eficaz. A própolis, uma substância produzida pelas abelhas a partir de resinas naturais, apresenta várias propriedades bioativas, como ação antibacteriana, antioxidante, antifúngica, antiparasitária, imunomoduladora e antiviral. No que diz respeito à atividade antiviral, alguns trabalhos já comprovaram a sua ação sobre a replicação do vírus da influenza (A e B), vírus de Newcastle e herpesvírus aviário. Em estudos in vitro, a atividade antibacteriana da própolis está relacionada, principalmente, com seus compostos flavonóides, ácidos aromáticos e ésteres. Além disso, algumas amostras deste produto das abelhas atuaram como antifúngicos sobre dermatófitos, leveduras e alguns fungos filamentosos. O presente projeto busca avaliar: 1- capacidade antiviral do extrato etanólico da própolis verde in vitro (cultivo celular) e in vivo (membrana cório alantóide de ovos embrionados); 2- atividade antibacteriana in vitro em diferentes isolados e 3- ação antibacteriana e antifúngica em ovos embrionados destinados a incubação. Objetivos: - Avaliação da capacidade antiviral do extrato etanólico e aquoso da própolis marrom e verde, in vitro (em cultivo celular) e in vivo (membrana cório alantóide de ovos embrionados); - Avaliação da atividade antibacteriana do extrato etanólico da própolis marrom e verde in vitro sobre isolados bacterianos; - Avaliação da ação antibacteriana e antifúngica de extratos etanólico e aquoso de própolis marrom e verde em ovos embrionados destinados a incubação;. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (3) . , Integrantes: Camila Santos Matos - Integrante / Amanda Orlandi Bof - Integrante / Matheus Piovesan - Integrante / Gilberto Davila Vargas - Coordenador.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional

  • 2013 - 2013

    Rede de Centros de Reabilitação Animal

    Vínculo: Colaboradora, Enquadramento Funcional: Estagiária, Carga horária: 30, Regime: Dedicação exclusiva.

    Outras informações:
    Observação e execuções orientadas de procedimentos fisioterapêuticos na reabilitação de cães e gatos em pré ou pós-operatório, ou com objetivo de condicionamento físico.

  • 2012 - 2012

    Universidade de São Paulo

    Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Estagiária, Carga horária: 60, Regime: Dedicação exclusiva.

    Outras informações:
    Estágio extra-curricular na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, no Canil GRMD - Brasil - Setor de Anatomia do Departamento de Cirurgia, perfazendo 120 horas-estágio sob supervisão.

  • 2011 - 2011

    Universidade Federal de Pelotas

    Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Estagiária, Carga horária: 8

    Outras informações:
    Participação em plantões e na rotina de atividades de atendimento no Hospital Escola de Clínica Médica da Universidade Federal de Pelotas - HCV, durante o segundo semestre do ano letivo de 2011, totalizando 136 horas