Ingrid Wendland Santanna

Graduação em Medicina pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1986).Especialização em Otorrinolaringologia pela Pontifícia Universidade Católica/RS (1988). Mestrado em Gerontologia Biomédica pela Pontifícia Universidade Católica/RS (2006). Presidente Associação Gaúcha de Otorrinolaringologia (2018-2019). Atualmente é professora titular do curso de Medicina da Universidade de Santa Cruz do Sul. Faz parte do corpo clínico do Hospital Santa Cruz e Hospital Ana Nery. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Cirurgia Otorrinolaringológica, atuando principalmente nos seguintes temas: laringe, respiração, ronco, mau hálito e distúrbios.

Informações coletadas do Lattes em 02/02/2020

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Mestrado em Gerontologia Biomédica

2004 - 2006

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Título: Modificações Laríngeas e Vocais no Envelhecimento,Ano de Obtenção: 2006
Virginia Minghelli Schmitt.Palavras-chave: geriatria,cordas vocais , laringe,; envelhecimento, voz.Grande área: Ciências da Saúde

Especialização - Residência médica

1987 - 1988

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Residência médica em: otorrinolaringologiaNúmero do registro: 5525. Palavras-chave: otorrinolaringologia.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação complementar

2010 -

Extensão universitária em Medicina. (Carga horária: 200h). , Universidade de São Paulo, USP, Brasil.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Inglês

Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.

Português

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Alemão

Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Pouco, Escreve Pouco.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Áreas de atuação

    Grande área: Ciências da Saúde / Área: Medicina / Subárea: Cirurgia/Especialidade: Cirurgia Otorrinolaringológica.

    Grande área: Ciências da Saúde / Área: Medicina / Subárea: otorrinolaringologia (ouvido, nariz e garganta).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

48º Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-facilal. 2018. (Congresso).

Otorrino do futuro - Atividade Pré-congresso. 2018. (Seminário).

46º CONGRESSO BRASILEIRO DE OTORRINOLARINGOLOGIA E CIRURGIA CÉRVICO FACIAL. NASOANGIOFIBROMA JUVENIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA. 2016. (Congresso).

IV Congresso CONESUL. Associação do perfil lipídico e o índice de apneia do sono. 2016. (Congresso).

IX congresso franco brasileiro de oncologia. TRATAMENTO DE LINFOMA NÃO HODGKIN GESTACIONAL. 2016. (Congresso).

Reunião Clínica do Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da PUC RS.O Otorrino e a síndrome da apneia do sono. 2016. (Simpósio).

Doenças de Inverno 2015.Rinologia. 2015. (Encontro).

XV Congresso Brasileiro do Sono. PREVALÊNCIA DE TABAGISMO EM PACIENTES COM APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO. 2015. (Congresso).

11º Congresso da FORL. 2014. (Congresso).

44° Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial. CORRELAÇÃO DA ESCALA DE EPWORTH COM ÍNDICE DE APNEIA E HIPOAPNEIA. 2014. (Congresso).

12º CONGRESSO DA FORL. 2013. (Congresso).

CAPACITAÇÃO ?ENCAMINHAMENTO DE PROJETOS DE PESQUISA E EXTENSÃO?. 2013. (Outra).

XVI Jornada Sul Brasileira de Otorrinolaringologia. 2013. (Simpósio).

11º CONGRESSO DA FUNDAÇÃO OTORRINOLARINGO e 39º Conventus Societas Orl Latina LOGIA. AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DO ZUMBIDO E SEU GRAU DE INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES ATENDIDOS EM UMA CAMPANHA DE PREVENÇÃO AO ZUMBIDO E PERDA AUDITIVA. 2012. (Congresso).

11º CONGRESSO DA FUNDAÇÃO OTORRINOLARINGOLOGIA - Oral Presentation Otorhinolaryngology. 2012. (Congresso).

42º Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial. 2012. (Congresso).

Curso Voz - Ciência e Arte.Curso Voz - Ciência e Arte. 2012. (Outra).

Farmacologia e terapêutica clínica. 2012. (Simpósio).

Jornada de Otologia e Curso Teórico-Prático de Aparelho Auditivo de Ancoragem Óssea. Jornada de Otologia e Curso Teórico-Prático de Aparelho Auditivo de Ancoragem Óssea. 2012. (Congresso).

VI Gauchão - III Jornada da ASSOGOT da Fronteira Oeste.Avaliação dos resultados da Campanha da Voz 2012. 2012. (Simpósio).

VII SEMANA ACADÊMICA DA MEDICINA - UNISC. 2012. (Outra).

7º Congresso Brasileiro de Cérebro, Comportamento e Emoções. 2011. (Congresso).

Campanha de Prevenção ao Zumbido e Perda Auditiva. Prevenção ao Zumbido e Perda Auditiva. 2011. (Feira).

IV SEMANA ACADÊMICA DO CURSO DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL ? UNISC. 2011. (Outra).

XV Jornada Sul Brasileira de Otorrinolaringologia. 2011. (Outra).

40º Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia. 2010. (Congresso).

9º Congresso da Fundação Otorrinolaringologia. 2010. (Congresso).

V Gauchão. 2010. (Simpósio).

VI Jornada Centro-sul de Otorrinolaringologia. 2010. (Outra).

V Rhinology 2010. 2010. (Congresso).

Doenças de Inverno. 2009. (Simpósio).

XIV Jornada Sul Brasileira de Otorrinolaringologia.Casos clínicos - rinologia. 2009. (Simpósio).

38º CONGRESSO BRASILEIRO DE OTORRINOLARINGOLOGIA E CIRURGIA CÉRVICO FACIAL. Neurofisiologia da deglutição e implicações clínicas. 2008. (Congresso).

IV Gauchão.Rinologia. 2008. (Simpósio).

.Simpósio Internacional de Geriatria e Gerontologia. 2006. (Simpósio).

.I Encontro de Otorrinolaringologia do Conesul e III Gauchão. 2006. (Encontro).

.I Curso da Academia Brasileira de Ronco e Apnéia do Sono. 2006. (Outra).

Presbilaringe.Simpósio Internacional de Geriatria e Gerontologia. 2006. (Simpósio).

Presbilaringe.I Encontro de Otorrinolaringologia do Conesul e III Gauchão. 2006. (Encontro).

4º Congresso da Fundação Otorrinolaringológica. 2005. (Congresso).

Curso Intinerante da Academia Brasileira de Rinologia e Cirurgia Estética da Face. 2005. (Outra).

Doenças de Inverno. 2005. (Simpósio).

II Encontro de ORL com ênfase em Laringologia e Voz. 2005. (Encontro).

IV Congresso Triológico de Otorrinolaringologia. 2005. (Congresso).

VII Seminário Internacional Sobre Atividades Físicas para Terceira Idade. 2005. (Seminário).

1º Imersão em Otorrinolaringologia. 2004. (Outra).

I Curso Prático de Dissecção Endoscópica do Nariz e dos Seios Paranasais. 2004. (Outra).

Simpósio Internacional Interativo. 2004. (Simpósio).

III Congresso Triológico de Otorrinolaringologia. 2003. (Congresso).

XI Jornada Sulbrasileira de Otorrinolaringologia. 2003. (Outra).

36º Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia. 2002. (Congresso).

Simpósio Internacional Interativo. 2002. (Simpósio).

XI Jornada Gaúcha de Otorrinolaringologia Pediátrica - Gauchão 2002. 2002. (Outra).

II Simpósio Internacional de Infectologia em Otorrinopediatria. 2001. (Simpósio).

X Curso sobre Distúrbios do Sono, III Encontro Regional da Sociedade Sul-Rio-Grandense de Sono.. 2001. (Outra).

Gauchão 2000 Jornada Gaúcha de Otorrinolaringologia. 2000. (Outra).

Rhinology 2000. 2000. (Outra).

VII Jornada Otorrinolaringológica da PUCRS. 2000. (Outra).

Curso Prático Intensivo de Cirurgia Endoscópica Rinosinusal. 1999. (Outra).

IIISimpósio de atualização em Sinusite, Rinite e Asma. 1999. (Simpósio).

34º Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia. 1998. (Congresso).

Jornada Internacional Brasil-Canadá de Otorrinolaringologia as doenças do nariz e dos seios da face. 1997. (Outra).

VIII Jornada Sul Brasileira de Otorrinolaringologia I Painel de Integração c/ a sociedade Sul Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. 1997. (Outra).

Congresso sobre Sinusite, Tosse e Doenças Bronco Pulmonares e Simpósio de Cirurgia Micro Endoscópica Nasosinusal. 1995. (Congresso).

XXIV Congresso Panamericano de Otorrinolaringologia. 1994. (Congresso).

I curso Internacional de Otorrinolaringologia Teórica e Prática. 1992. (Outra).

XXIII Pan American Congress of Otorhinolaryngology - Head and Neck Surgery. 1992. (Congresso).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Comissão julgadora das bancas

Oswaldo Luiz Fontoura Carpes

DAMBROS, M.; SCHNEIDER, R.; SCHMITT, V. M.;CARPES, O. L. F.. Modificações laríngeas e vocais no envelhecimento. 2006. Dissertação (Mestrado em Gerontologia Biomédica) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Rodolfo Herberto Schneider

SCHNEIDER, R. H.; Dambros, Mirian; SCHMITT, V. M.. Modificações Laríngeas e Vocais no Envelhecimento. 2006. Dissertação (Mestrado em Gerontologia Biomédica) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Nédio Steffen

STEFFEN, N.. Modificações Laríngeas e Vocais no Envelhecimento. 2006. Dissertação (Mestrado em Gerontologia Biomédica) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • PELLEGRIN, GIOVANA ; BEBER, MAIARA ; TONET JUNIOR, MIGUEL ; PIANA, MARJANA ; LOVATEL, EMILI ; SANTANNA, INGRID . EVALUATION OF THE CHARACTERISTICS OF THE TINNITUS AND THE DEGREE OF INTERFERENCE IN THE QUALITY OF LIFE OF PATIENTS TAKEN CARE OF IN A CAMPAIGN OF PREVENTION TO THE TINNITUS AND HEARING LOSS. International Archives of Otorhinolaryngology (Print) , v. 16, p. 919, 2012.

  • SANTANNA, Ingrid Wendland . Qualidade de Vida e Estilo Ativo no Envelhecimento. Porto Alegre: Novo Tempo Editora e Distribuidora de Livros Ltda, 2005. 368p .

  • SANTANNA, I.W. . Campanha do curso de Medicina e HSC previne zumbido e perda auditiva. Informativo do HSC, 06 out. 2015.

  • SANTANNA, I.W. . TESTE DA ORELHINHA AO ALCANCE DE TODOS. GAZETA DO SUL, 06 abr. 2011.

  • SANTANNA, Ingrid Wendland . DISTURBIOS DO EQUILIBRIO LABIRINTITE. SALA DE ESPERA, Corpore: Porto Alegre, , v. 02, p. 06 - 30, 05 jul. 1997.

  • SANTANNA, Ingrid Wendland . OBSTRUÇÃO NASAL. REVISTA SALA DE ESPERA, Corpore: Porto Alegre, , v. 01, p. 05 - 34, 03 mar. 1997.

  • SANTANNA, Ingrid Wendland . ATENÇÃO: INFECÇÕES DE OUVIDO. REVISTA SALA DE ESPERA, Corpore: Porto Alegre, , v. 3, p. 06 - 07.

  • SANTANNA, Ingrid Wendland . MAU HÁLITO. REVISTA SALA DE ESPERA, Corpore: Porto Alegre, , v. 14, p. 09 - 09.

  • SANTANNA, Ingrid Wendland . RESPIRAÇÃO X RONCO. REVISTA DR. SAÚDE, Rex: Santa Cruz do Sul, , v. 2, p. 45 - 45.

  • SANTANNA, Ingrid Wendland . SINTOMAS LARINGO-FARINGEOS X REFLUXO GÁSTRICO. REVISTA DR. SAÚDE ano 2 nº3, Rex: Santa Cruz do Sul, , v. 3, p. 52 - 52.

  • SANTANNA, I.W. . Teste da Orelhinha pode ser realizado no HSC. CORREIO DO POVO.

  • SANTANNA, I.W. . Campanha do HSC e Medicina previne zumbido e perda auditiva. jORNAL DOS vALES.

  • SANTANNA, I.W. ; SANFELICE, G. M. ; MACHADO, J. D. B. ; BENETTI, J. . APNEIA DO SONO E O RISCO DA SONOLÊNCIA NO TRÂNSITO. In: XI I Semana acadêmica de Medicina, 2018. SUPLEMENTO - XII Semana Acadêmica da Medicina, 2017. v. 1.

  • SANTANNA, Ingrid Wendland ; MOURA, L. M. ; SANFELICE, G. M. ; BORBA, A. T. . PERFIL CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS AO TESTE DA ORELHINHA EM SANTA CRUZ DO SUL. In: XIII Semana Acadêmica da Medicina UNISC, 2018. SUPLEMENTO - XIII Semana Acadêmica da Medicina, 2017. v. 8.

  • SANTANNA, Ingrid Wendland . MALFORMAÇÃO CONGÊNITA DE PAVILHÃO AURICULAR E CONDUTO AUDITIVO EXTERNO EM PACIENTE IDOSA. In: XIII Semana Acadêmica da Medicina UNISC, 2018. SUPLEMENTO - XIII Semana Acadêmica da Medicina, 2017. v. 8. p. 44-44.

  • SANTANNA, Ingrid Wendland . MANIFESTAÇÕES OTORRINOLARINGOLÓGICAS NA SÍNDROME DE DIGEORGE. In: XIII Semana Acadêmica da Medicina UNISC, 2018. SUPLEMENTO - XIII Semana Acadêmica da Medicina, 2017. v. 8.

  • SANTANNA, Ingrid Wendland . MANIFESTAÇÕES OTORRINOLARINGOLÓGICAS DECORRENTES DE UMA REATIVAÇÃO DO VÍRUS HERPES ZOSTER. In: XIII Semana Acadêmica da Medicina UNISC, 2018. SUPLEMENTO - XIII Semana Acadêmica da Medicina, 2017. v. 8.

  • SANTANNA, Ingrid Wendland . PERDA AUDITIVA BILATERAL PROFUNDA À REABILITAÇÃO COM IMPLANTE COCLEAR. In: XIII Semana Acadêmica da Medicina UNISC, 2018. SUPLEMENTO - XIII Semana Acadêmica da Medicina, 2017. v. 8.

  • SANTANNA, Ingrid Wendland . RELATO DE VERTIGEM DE ORIGEM CENTRAL POR ISQUEMIA CEREBELAR. In: XIII Semana Acadêmica da Medicina UNISC, 2018. SUPLEMENTO - XIII Semana Acadêmica da Medicina, 2017.

  • SANTANNA, Ingrid Wendland . OTITE MÉDIA SUPURATIVA COMPLICADA EM ADULTO JOVEM: UM RELATO DE CASO. In: XIII Semana Acadêmica da Medicina UNISC, 2018. SUPLEMENTO - XIII Semana Acadêmica da Medicina, 2017. v. 8.

  • SANTANNA, INGRID ; KRUMMEL, C. ; CRUZ, D. . ESTESIONEUROBLASTOMA COM ROSETAS DE HOMER-WRIGHT E DE FLEXTER-WINTERSTEINER: RELATO DE UM CASO. In: XI SAM, 2017. IX SAM R. Epidemiol. Control. Infec, 2017. p. 35-36.

  • SANTANNA, I.W. . CAMPANHA DA VOZ E PREVENÇÃO DO CÂNCER DE LARINGE: RELATO DE EXPERIENCIA. In: IX Semana Acadêmica da Medicina: Lapidando e construindo conhecimentos, 2015, Santa Cruz do Sul. SUPLEMENTO - IX Semana Acadêmica do Curso de Medicina da Unisc, 2015. v. 5. p. 14-15.

  • SANTANNA, I.W. . PERFIL DE ATENDIMENTO DE PACIENTES EM AMBULATÓRIO DE OTORRINOLARINGOLOGIA EM HOSPITAL ESCOLA: RELATO DE EXPERIÊNCIA. In: IX Semana Acadêmica da Medicina: Lapidando e construindo conhecimentos, 2015. SUPLEMENTO - IX Semana Acadêmica do Curso de Medicina da Unisc, 2014. v. 5. p. 27-27.

  • SANTANNA, I.W. ; BRITO, G. ; BRUXE, G. F. E. ; STRAPAZZON, F. . CORRELAÇÃO DA ESCALA DE EPWORTH COM ÍNDICE DE APNEIA E HIPOAPNEIA. In: 44° Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial, 2014, Porto Alegre. Suppl Brazilian Journal of OTORHINOLARYNGOLOGY, 2014.

  • SANTANNA, I.W. . COLESTEATOMA CONGÊNITO: UMA REVISÃO DA LITERATURA. In: IV Salão de Ensino e de Extensão, 2013, Santa Cruz do Sul - RS. COLESTEATOMA CONGÊNITO: UMA REVISÃO DA LITERATURA. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2013. p. 49-49.

  • SANTANNA, INGRID . NASOANGIOFIBROMA JUVENIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA. 2016. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • SANTANNA, INGRID . CAMPANHA DA VOZ EM SANTA CRUZ DO SUL/RS: RELATO DE EXPERIÊNCIA. 2016. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • SANTANNA, INGRID . LEIOMIOMA VASCULAR NASAL: RELATO DE CASO. 2016. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • SANTANNA, Ingrid Wendland . TRATAMENTO DE LINFOMA NÃO HODGKIN GESTACIONAL. 2016. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • SANTANNA, INGRID ; MORAES, P. ; BERTAO, S. R. ; STRAPAZZON, F. . COLESTEATOMA CONGÊNITO: UMA REVISÃO DA LITERATURA. 2015. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

  • SANTANNA, I.W. . PREVALÊNCIA DE TABAGISMO EM PACIENTES COM APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO. 2015. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2018 - Atual

    REDUÇÃO DOS RISCOS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO POR SONOLÊNCIA ATRAVÉS DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA SAOS., Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Ingrid Wendland Santanna - Coordenador.

  • 2014 - 2015

    ANÁLISE DOS DISTÚRBIOS DO SONO E SUA RELAÇÃO COM AS ALTERAÇÕES METABÓLICAS E SÍNDROME METABÓLICA, Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) . , Integrantes: Ingrid Wendland Santanna - Coordenador.

  • 2014 - 2015

    PERFIL DOS PACIENTES SUBMETIDOS Ã POLISSONOGRAFIA E SUA RELAÇÃO COM A SÍNDROME DA APNEIA HIPOPNEIA OBSTRUTIVA DO SONO - fase II, Descrição: A SAHOS é uma patologia pouco reconhecida pela sociedade, e diretamente ligada à alterações fisiológicas nas pessoas acometidas. Correlacionar os achados na PSG e o perfil dos pacientes é de grande relevância para definir estratégias afim de melhorar o diagnóstico na faixa mais afetada da população.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (2) . , Integrantes: Ingrid Wendland Santanna - Coordenador.

  • 2013 - 2014

    ANÁLISE DOS DISTÚRBIOS DO SONO E SUA RELAÇÃO COM AS ALTERAÇÕES METABÓLICAS E SÍNDROME METABÓLICA, Descrição: Nos últimos anos, com o reconhecimento do impacto que tem o sono tanto na saúde física quanto na qualidade de vida do indivíduo e, com o posterior surgimento da medicina do sono como especialidade reconhecida mundialmente, cresceu o interesse dos profissionais de saúde e estudiosos pelos distúrbios do sono e suas possíveis consequências. Os principais distúrbios respiratórios do sono, ronco e Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono (SAOS) são bastante prevalentes na população em geral, embora ainda sejam pouco diagnosticados. (1). A Síndrome Metabólica (SM) é atualmente um problema de saúde pública decorrente, dentre outros fatores, do estilo de vida contemporâneo. Esta tem sido alvo de muitos estudos nos últimos anos. Pode ser definida como uma série de fatores de risco que se relacionam de forma a predispor o aparecimento de doença cardiovascular e/ou diabetes do tipo 2, importantes causas de morbi-mortalidade populacional. Diferentes estudos realizados nos últimos anos demonstram que a prevalência de síndrome metabólica pode chegar a 30% na população em geral, sendo maior com o avançar da idade e com a diminuição do nível sócio-econômico. (2). Devido ao fato de, os distúrbios metabólicos serem de origem multifatorial, estão constantemente em investigação e, estudos atuais tentam correlacionar os distúrbios do sono com o aumento da incidência de síndrome metabólica, obesidade e risco de doenças cardiovasculares.(1,3).Desde sua descoberta como patologia e seu estudo detalhado, foi reconhecido que SAOS está associada a várias doenças cardiovasculares, tais como arritmia cardíaca noturna, cor pulmonale e hipertensão arterial pulmonar e sistêmica. Um número cada vez maior de estudos sugere que ocorram disfunções metabólicas nesses indivíduos, e a associação com síndrome metabólica é reconhecida pelos estudiosos, sendo batizada de Síndrome Z Wilcox et al. no final da década de 90.(3) Pelos motivos acima expostos, esse trabalho pretente avaliar a presença e a associação dos distúrbios metabólicos em pacientes com algum grau de distúrbio do sono.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) . , Integrantes: Ingrid Wendland Santanna - Coordenador / Giovana Pellegrin - Integrante / Roseli Luedke - Integrante.

  • 2013 - 2013

    Triagem Auditiva Neonatal em recém-nascidos no Hospital de Ensino Santa Cruz 2013, Descrição: A implantação e a manutenção de um programa de triagem auditiva neonatal (TAN) em Maternidades têm despertado o interesse e preocupação de Otorrinolaringologistas, Pediatras e Fonoaudiólogos, pela importância de se garantir a precocidade do diagnóstico de possível deficiência auditiva e sua reabilitação. Os benefícios da triagem auditiva universal neonatal para aquelas crianças com perda auditiva permanente estão associados com a identificação precoce e então com a intervenção precoce afim de proporcionar melhores condições para o desenvolvimento da linguagem expressiva e receptiva, da fala e dos aspectos sociais e emocionais. Benefícios da intervenção precoce nos casos de perda auditiva confirmada também foram relatados em estudo com 112 crianças inscritas no Programa de Diagnóstico e Intervenção Precoce de Nebraska. Concluiu-se que as crianças que apresentaram melhor desenvolvimento de vocabulário e das habilidades verbais aos 5 anos de idade foram as que iniciaram a intervenção no referido programa mais cedo (por volta de 11 meses de idade) e as que apresentavam altos níveis de envolvimento da família no tratamento da criança.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (4) . , Integrantes: Ingrid Wendland Santanna - Coordenador.

  • 2012 - 2012

    Triagem Auditiva Neonatal em recém-nascidos no Hospital de Ensino Santa Cruz 2012, Descrição: A implantação e a manutenção de um programa de triagem auditiva neonatal (TAN) em Maternidades têm despertado o interesse e preocupação de Otorrinolaringologistas, Pediatras e Fonoaudiólogos, pela importância de se garantir a precocidade do diagnóstico de possível deficiência auditiva e sua reabilitação. Os benefícios da triagem auditiva universal neonatal para aquelas crianças com perda auditiva permanente estão associados com a identificação precoce e então com a intervenção precoce afim de proporcionar melhores condições para o desenvolvimento da linguagem expressiva e receptiva, da fala e dos aspectos sociais e emocionais. Benefícios da intervenção precoce nos casos de perda auditiva confirmada também foram relatados em estudo com 112 crianças inscritas no Programa de Diagnóstico e Intervenção Precoce de Nebraska. Concluiu-se que as crianças que apresentaram melhor desenvolvimento de vocabulário e das habilidades verbais aos 5 anos de idade foram as que iniciaram a intervenção no referido programa mais cedo (por volta de 11 meses de idade) e as que apresentavam altos níveis de envolvimento da família no tratamento da criança.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (5) . , Integrantes: Ingrid Wendland Santanna - Coordenador.

  • 2011 - 2011

    Triagem Auditiva Neonatal em recém-nascidos no Hospital de Ensino Santa Cruz 2013, Descrição: O desenvolvimento auditivo segue etapas graduais de complexidade, o qual se inicia já na vida intra-uterina. Assim, para que uma criança adquira a linguagem e desenvolva sua fala, ela deve ser capaz de detectar um som, prestar atenção a este, discriminá-lo, localizá-lo, memorizá-lo, reconhecê-lo e finalmente compreendê-lo. Qualquer destas etapas e principalmente as iniciais são de grande importância para que todo o processo se complete. A interrupção desta seqüência, que poderá ocorrer em decorrência da presença ou mesmo na ausência dos Indicadores de Risco para Deficiência Auditiva (IRDA), levará conseqüentemente a prejuízos funcionais importantes no desenvolvimento da criança. Por outro lado, sabe-se que o Sistema Nervoso Central apresenta grande plasticidade quando precocemente estimulado, principalmente até os 6 meses de idade, levando a aumento de conexões nervosas e conseqüentemente melhor reabilitação das vias auditivas. Desta maneira, os seis primeiros meses de vida da criança são decisivos no desenvolvimento futuro da criança com deficiência auditiva. A audição é o meio pelo qual o recém-nascido entra em contato com o mundo sonoro e com as estruturas da língua. É por intermédio da linguagem oral que o homem pode estabelecer contato com seus semelhantes, desenvolvendo a habilidade de compartilhar suas experiências, pensamentos e idéias, na busca de novos conhecimentos.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) . , Integrantes: Ingrid Wendland Santanna - Coordenador., Financiador(es): Universidade de Santa Cruz do Sul - Bolsa.

  • 2010 - 2010

    Triagem Auditiva Neonatal em Recém-Nascidos no Hospital de Ensino Santa Cruz., Descrição: O desenvolvimento auditivo segue etapas graduais de complexidade, o qual se inicia já na vida intra-uterina. Assim, para que uma criança adquira a linguagem e desenvolva sua fala, ela deve ser capaz de detectar um som, prestar atenção a este, discriminá-lo, localizá-lo, memorizá-lo, reconhecê-lo e finalmente compreendê-lo. Qualquer destas etapas e principalmente as iniciais são de grande importância para que todo o processo se complete. A interrupção desta seqüência, que poderá ocorrer em decorrência da presença ou mesmo na ausência dos Indicadores de Risco para Deficiência Auditiva (IRDA), levará conseqüentemente a prejuízos funcionais importantes no desenvolvimento da criança. Por outro lado, sabe-se que o Sistema Nervoso Central apresenta grande plasticidade quando precocemente estimulado, principalmente até os 6 meses de idade, levando a aumento de conexões nervosas e conseqüentemente melhor reabilitação das vias auditivas. Desta maneira, os seis primeiros meses de vida da criança são decisivos no desenvolvimento futuro da criança com deficiência auditiva. A audição é o meio pelo qual o recém-nascido entra em contato com o mundo sonoro e com as estruturas da língua. É por intermédio da linguagem oral que o homem pode estabelecer contato com seus semelhantes, desenvolvendo a habilidade de compartilhar suas experiências, pensamentos e idéias, na busca de novos conhecimentos.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) . , Integrantes: Ingrid Wendland Santanna - Coordenador.

  • 2009 - 2009

    Triagem Auditiva Neonatal em recém-nascidos no Hospital de Ensino Santa Cruz 2013, Descrição: O desenvolvimento auditivo segue etapas graduais de complexidade, o qual se inicia já na vida intra-uterina. Assim, para que uma criança adquira a linguagem e desenvolva sua fala, ela deve ser capaz de detectar um som, prestar atenção a este, discriminá-lo, localizá-lo, memorizá-lo, reconhecê-lo e finalmente compreendê-lo. Qualquer destas etapas e principalmente as iniciais são de grande importância para que todo o processo se complete. A interrupção desta seqüência, que poderá ocorrer em decorrência da presença ou mesmo na ausência dos Indicadores de Risco para Deficiência Auditiva (IRDA), levará conseqüentemente a prejuízos funcionais importantes no desenvolvimento da criança. Por outro lado, sabe-se que o Sistema Nervoso Central apresenta grande plasticidade quando precocemente estimulado, principalmente até os 6 meses de idade, levando a aumento de conexões nervosas e conseqüentemente melhor reabilitação das vias auditivas. Desta maneira, os seis primeiros meses de vida da criança são decisivos no desenvolvimento futuro da criança com deficiência auditiva. A audição é o meio pelo qual o recém-nascido entra em contato com o mundo sonoro e com as estruturas da língua. É por intermédio da linguagem oral que o homem pode estabelecer contato com seus semelhantes, desenvolvendo a habilidade de compartilhar suas experiências, pensamentos e idéias, na busca de novos conhecimentos.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) . , Integrantes: Ingrid Wendland Santanna - Coordenador.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Endereço profissional

  • Universidade de Santa Cruz do Sul. , Rua Fernando Abott, 270 - Sala 308, Centro, 96810150 - Santa Cruz do Sul, RS - Brasil, Telefone: (51) 37151020, Fax: (51) 37151020

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional

  • 2013 - Atual

    Instituto do Sono

    Vínculo: , Enquadramento Funcional:

  • 2007 - Atual

    Universidade de Santa Cruz do Sul

    Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Professor titular, Carga horária: 20

  • 2004 - Atual

    Universidade de Santa Cruz do Sul

    Vínculo: , Enquadramento Funcional: Professor titular, Carga horária: 20

    Atividades

    • 08/2007

      Ensino, Medicina, Nível: Graduação,Disciplinas ministradas, Otorrinolaringologia

    • 08/2004

      Ensino, Odonto, Nível: Graduação,Disciplinas ministradas, FARMACOLOGIA APLICADA A ODONTOLOGIA