Marilia Silva da Costa

Bióloga Licenciada (2015) e Tecnóloga em Gestão Ambiental (2018) ambas pela Universidade Federal do Rio Grande - FURG. Mestre em Geografia. Tem experiência em Biologia com ênfase em ecologia geral e botânica. Experiência em Gestão Ambiental com ênfase em licenciamento e fiscalização ambiental, educação ambiental, gestão de áreas protegidas, geoprocessamento, ecologia de estradas, análise da paisagem costeira. Experiência em Geografia com ênfase em Geografia física e análise de sistemas ambientais, análise da paisagem geográfica, geomorfologia geral, geomorfologia antropogênica, planejamento e análise de sistemas ambientais. Atualmente trabalha como Bióloga pesquisadora no projeto Plano de Manejo dos bagres marinhos G. barbus e G. planifrons no estuário da Lagoa dos Patos (RS): Componente de automonitoramento da descarga do pescado, vinculado ao Instituto de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis na FURG.

Informações coletadas do Lattes em 27/06/2020

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Mestrado em Geografia

2018 - 2020

Universidade Federal do Rio Grande
Título: IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DE UNIDADES GEOAMBIENTAIS NA ESTAÇÃO ECOLÓGICA DO TAIM (RS): SUBSÍDIOS AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL.,Ano de Obtenção: 2020
Simone Emiko Sato.Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.

Graduação em Gestão Ambiental

2015 - 2017

Universidade Federal do Rio Grande

Graduação em Ciências Biológicas

2011 - 2015

Universidade Federal do Rio Grande

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Bandeira representando o idioma Inglês

Compreende Pouco, Fala Pouco, Lê Pouco, Escreve Pouco.

Bandeira representando o idioma Espanhol

Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.

Bandeira representando o idioma Português

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Áreas de atuação

Grande área: Ciências Biológicas / Área: Biologia Geral / Subárea: Ciências Biológicas.

Grande área: Outros / Área: Ciências Ambientais / Subárea: Gestão Ambiental.

Grande área: Outros / Área: Ecologia / Subárea: Ecologia de estradas.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Organização de eventos

COSTA, M. S. . XV Encontro de Botânicos do Rio Grande do Sul e VII Encontro Estadual de Herbários. 2014. (Outro).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

18ª Mostra de Produção Universitária - 21ª Encontro de Pós-Graduação.UNIDADES GEOAMBIENTAIS DA ESEC TAIM: UM ESBOÇO PRELIMINAR.. 2019. (Encontro).

Geração de mapas temáticos no software ArcMap - 18ª MPU. 2019. (Oficina).

XXVI Semana Acadêmica de Geografia e a VI Semana Integrada do Programa de Pós-Graduação em Geografia.. 2019. (Outra).

I Colóquio Anual de Pós-Graduação em Geografia - PPGGeo.Unidades Geoambientais como subsídio ao planejamento ambiental: ESEC Taim (RS). 2018. (Outra).

I Colóquio Anual de Pós-Graduação em Geografia - PPGGeo. 2018. (Outra).

II Simpósio Brasileiro sobre Praias Arenosas - II SBPA / XI Encontro Nacional de Gerenciamento Costeiro - XI ENCOGERCO.Circulação de veículos na praia: uma abordagem multidisciplinar. 2018. (Encontro).

II Simpósio Brasileiro sobre Praias Arenosas - II SBPA / XI Encontro Nacional de Gerenciamento Costeiro - XI ENCOGERCO.Conservação versus utilização - impasse na gestão costeira: Estudo de caso ESEC Taim. 2018. (Encontro).

II Simpósio Brasileiro sobre Praias Arenosas - II SBPA / XI Encontro Nacional de Gerenciamento Costeiro - XI ENCOGERCO.Integração Homem e Natureza: o uso da orla da praia do Cassino na cidade de Rio Grande/RS. 2018. (Encontro).

II Simpósio Brasileiro sobre Praias Arenosas - II SBPA / XI Encontro Nacional de Gerenciamento Costeiro - XI ENCOGERCO. 2018. (Encontro).

VIII Encontro da Rede BRASPOR. 2018. (Encontro).

VIII Encontro da Rede BRASPOR.Zona Costeira como alvo do uso e ocupação. 2018. (Encontro).

VI Seminário sobre Estudos Limnológicos em Clima Subtropical SELCS.Pressão Antrópica sobre o Sistema Límnico na ESEC Taim. 2018. (Seminário).

VI Seminário sobre Estudos Limnológicos em Clima Subtropical SELCS. 2018. (Seminário).

I Fórum Ambiental. 2017. (Outra).

X ENCOGERCO.Fragilidade ambiental do município de Rio Grande/RS. 2017. (Encontro).

X ENCOGERCO. 2017. (Encontro).

15ª Mostra de Produção Universitária - MPU.Análises químicas: ferramenta de avaliação de lançamentos de efluentes em águas estuarinas: Saco da Mangueira (Rio Grande). 2016. (Outra).

Estação Ecológica do Taim 30 anos Conservando a Biodiversidade. 2016. (Seminário).

II Congresso Ibero Americano de Gestão de áreas Litorais. 2016. (Congresso).

II Congresso Ibero Americano de Gestão de áreas Litorais. Fragmentação da paisagem costeira por estradas e rodovias: Estudo do caso BR-392, entre Rio Grande e Pelotas, no litoral sul do RS.. 2016. (Congresso).

14ª Mostra de produção Universitária.Distribuição dos dispositivos de passagem de fauna, no trecho da BR-392, entre Rio Grande e Pelotas (RS). 2015. (Outra).

III WORKSHOP SOBRE SUSTENTABILIDADE NA UNIVERSIDADE: AVANÇOS E DESAFIOS NA GESTÃO AMBIENTAL DA FURG. 2015. (Outra).

III Congresso Uruguayo de Zoología. Mini curso Técnicas de campo para el estudio de los mamíferos. 2014. (Congresso).

XIV Jornada Biológica. 2014. (Outra).

XV Encontro de Botânicos do RS e VII Encontro Estadual de Herbários.Fitossociologia e análise da vegetação consumida pelo preá (Cavia magna) na Ilha dos Marinheiros, Rio Grande, RS. 2014. (Encontro).

XV Encontro de Botânicos do RS e VII Encontro Estadual de Herbários.Preferência alimentar da capivara Hydrochoerus hydrochaeris, no período da primavera, na Estação Ecológica do Taim (ESEC Taim), Rio Grande, RS. 2014. (Encontro).

12° Mostra de Produção Universitária - MPU.DIETA ALIMENTAR DO PREÁ (CAVIA MAGNA, XIMENEZ, 1980), NO PERÍODO DE PRIMAVERA, NA ILHA DOS MARINHEIROS, RIO GRANDE ? RS.. 2013. (Outra).

Congresso Brasileiro de Toxicologia Aquática. 2013. (Congresso).

Curso sobre cuidados e manejo de animais de experimentação ? Módulo teórico. 2013. (Outra).

63° Congresso Nacional de Botânica. 2012. (Congresso).

63 Congresso Nacional de Botânica. Adaptação de Tamarix gallica L. (Tamaricaceae) em ambiente costeiro. 2012. (Congresso).

I Colóquio Educação, Ciência e Ambiente. 2012. (Outra).

III Congreso Uruguayo de Zoología. Preferência alimentar de Calomys laucha (Rodentia, Cricetidae) Olfers 1818 e Cavia magna (Rodentia, Caviidae) Ximenez 1980 no período de inverno, no Sul do Brasil. 2012. (Congresso).

Seminário Taim 25 anos: Pesquisa e Sustentabilidade. 2011. (Seminário).

VII Semana do Meio Ambiente. 2011. (Outra).

X Mostra de Produção Universitária- MPU.Composição Florística da Ilha dos Marinheiros, Rio Grande - RS, no período da primavera.. 2011. (Seminário).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em bancas

Aluno: José Manoel Costa Alves da Silva

SATO, S. E.; QUEVEDO NETO, P. S.;COSTA, M. S.. Potencialidades da Lagoa Verde para a prática do ecoturismo e educação ambiental.. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia) - Universidade Federal do Rio Grande.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Comissão julgadora das bancas

Marcos Paulo Rodrigues Lima

COSTA, M. S.; MIRANDA, D. D. M.;LIMA, M. P. R.. O Licenciamento e a Fiscalização Ambiental como instrumento da Gestão Ambiental no município.. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Gestão Ambiental) - Universidade Federal do Rio Grande.

Adriano Luís Heck Simon

SATO, S. E.;SIMON, A. L. H.TRENTIN, G.. Unidades Geoambientais como subsídio ao Planejamento Ambiental: ESEC - Taim (RS). 2020. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal do Rio Grande.

Adriano Luís Heck Simon

SATO, S. E.;SIMON, A. L. H.TRENTIN, G.. Unidades Geoambientais como subsídio ao planejamento ambiental da ESEC TAIM. 2019. Exame de qualificação (Mestrando em Geografia) - Universidade Federal do Rio Grande.

Gracieli Trentin

SATO, S. E.;SIMON, A.L.H.TRENTIN, Gracieli. Identificação e análise de unidades geoambientais na Estação Ecológica do Taim (RS): subsídios ao planejamento ambiental. 2020. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal do Rio Grande.

Gracieli Trentin

SATO, S. E.;TRENTIN, GracieliSIMON, A.L.H.. Unidades Geoambientais como subsídio ao planejamento ambiental da ESEC TAIM.. 2019. Exame de qualificação (Mestrando em Geografia) - Universidade Federal do Rio Grande.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

IONI GONÇALVES COLARES

Hábitos alimentares do preá (Cavia aperea) na Ilha dos Marinheiros, estuário da Lagoa dos Patos, Rio Grande, RS, Brasil; 2014; Iniciação Científica; (Graduando em Ciências Biológicas Licenciatura) - Universidade Federal do Rio Grande, Universidade Federal do Rio Grande; Orientador: Ioni Gonçalves Colares;

IONI GONÇALVES COLARES

Vegetais consumidos pelo preá (Cavia magna, Ximenez, 1980), na Ilha dos Marinheiros, Rio Grande ? RS; 2013; Iniciação Científica; (Graduando em Ciências Biológicas Licenciatura) - Universidade Federal do Rio Grande, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; Orientador: Ioni Gonçalves Colares;

Marcelo Dutra da Silva

Ajuste metodológico do modelo espacial de análise da fragilidade ambiental, com vistas ao planejamento e gestão do ecossistema costeiro (RS); 2017; Iniciação Científica; (Graduando em Gestão Ambiental) - Universidade Federal do Rio Grande, Programa Institucional de Desenvolvimento do Estudante/FURG; Orientador: Marcelo Dutra da Silva;

Marcelo Dutra da Silva

Estratégias para o monitoramento e conservação de paisagens dissecadas por rodovias: estudo do caso BR 392, trecho entre Pelotas e Rio Grande (RS); 2015; Iniciação Científica; (Graduando em Ciências Biológicas) - Universidade Federal do Rio Grande, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; Orientador: Marcelo Dutra da Silva;

Simone Emiko Sato

Unidades geoambientais da Estação Ecológica do Taim - ESEC, RS; 2018; Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior; Orientador: Simone Emiko Sato;

Kelen Rodrigues da Veiga

Preferência Alimentar do Preá (Cavia magna Ximenez 1980), em uma Ilha Subtropical no Sul do Brasil; ; 2012; Iniciação Científica; (Graduando em Ciências Biológicas) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior; Orientador: Kelen Rodrigues da Veiga;

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • BAUMBACH, F. A. ; MADEIRA, M. R. ; COSTA, M. S. ; JESUS, R. B. ; SIMON, A. L. H. . IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DE DEPÓSITOS TECNOGÊNICOS NO PERÍMETRO URBANO DE PELOTAS (RS). Estudos Geográficos (UNESP) , v. 18, p. 1-25, 2020.

  • COSTA, MARILIA SILVA DA ; LISBÔA, JULIANA MUNOZ ; DA SILVA, MARCELO DUTRA . DISTRIBUIÇÃO E CARACTERÍSTICAS DAS PASSAGENS DE FAUNA NA BR 392, TRECHO ENTRE RIO GRANDE E PELOTAS (RS) / DISTRIBUTION AND CHARACTERISTICS OF WILDLIFE CROSSING DEVICES IN BR 392, SECTION BETWEEN RIO GRANDE AND PELOTAS/RS - BRAZIL. GEOGRAPHIA MERIDIONALIS , v. 3, p. 60-85, 2017.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Outras produções

Gionara Tauchen ; COSTA, M. S. . Mostra de pesquisa em ciências nos anos iniciais. 2014. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2016 - 2017

    Ajuste metodológico do modelo espacial de análise da fragilidade ambiental, com vistas ao planejamento e gestão do ecossistema costeiro (RS)., Descrição: A análise de fragilidade é uma técnica que permite reconhecer a composição de um espaço e qualidade do seu tipo ambiental. Essa análise tem sido largamente empregada na avaliação ambiental e consiste na reunião e relacionamento de diferentes planos ou unidades temáticas. O objetivo deste trabalho foi compreende ajustar o modelo proposto por SILVA, em 2008, de maneira a testar a incorporação de novas variáveis, bem como o julgamento e a combinação de novos pesos, a fim de melhorar a compreensão do método e a sua aplicação por toda a extensão do ecossistema costeiro do Rio Grande do Sul. Com a realização deste trabalho, foi ampliar o conhecimento metodológico do modelo de análise da fragilidade ambiental, bem como contribuir para consolidar sua aplicação em estudos espaciais e no processo de planejamento, manejo e gestão aplicada ao ecossistema costeiro.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Doutorado: (1) . , Integrantes: Marilia Silva da Costa - Integrante / Marcelo Dutra da Silva - Coordenador.

  • 2015 - 2016

    Estratégias para o monitoramento e conservação de paisagens dissecadas por rodovias: estudo do caso BR 392, trecho entre Pelotas e Rio Grande (RS)., Descrição: As rodovias constituem-se em uma rede integrante das obras de infraestrutura viária, essenciais ao desenvolvimento das atividades socioeconômicas, que viabilizam o fluxo de mercadorias, serviços e pessoas através de diferentes unidades espaciais de um determinado território. É por meio das estradas que se escoa a maior parte da produção, que se transporta a riqueza e que se chega a um lugar. No entanto, as estradas transformam o espaço, alteram estruturas da paisagem e servem de conduto para o deslocamento de pragas e doenças, além de facilitarem o estabelecimento de exóticas com alto poder de dispersão, semelhante ao que pode ser observado nas áreas próximas aos cultivos de pinus. O objetivo deste trabalho foi entender a dimensão do processo de fragmentação espacial das paisagens que compõem a Planície Costeira Sulbrasileira, no litoral do Rio Grande do Sul, a partir do estudo da paisagem e fisionomias dissecadas pelo trecho da BR-392, entre Rio Grande e Pelotas. E reconhecer os ambientes dissecados pelo trecho, num contexto espacial métrico e local; desvendar eventuais falhas no processo de distribuição dos dispositivos de passagem de fauna, uma vez que nem todos os tipos ambientais dissecados parecem estar contemplados; avaliar as características das conexões, quanto às dimensões, limpeza e facilidades para a fauna; comparar o realizado no trecho com o previsto do EIA/RIMA da Rodovia e inferir sobre a possibilidade dos mesmos não estarem funcionando com eficiência.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (1) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) . , Integrantes: Marilia Silva da Costa - Integrante / Marcelo Dutra da Silva - Coordenador.

  • 2014 - 2015

    Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docencia, Descrição: Programa mantidopelaCoordenaçãodeAperfeiçoamentodePessoaldoEnsino Superior (CAPES),naUniversidadeFederaldoRioGrande,nosubprojetoBiologia,nacondiçãode bolsistade01/03/2014a01/02/2015,cumprindo12horassemanaisdeatividadesacadêmicas.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Marilia Silva da Costa - Integrante / Daza de Moraes Vaz Batista Filgueira - Coordenador / Ana Paula de Souza Votto - Integrante.

  • 2012 - 2013

    Comparação da dieta de dois grandes roedores, capivaras (Hydrochoerus hydrochaeris) e ratões-do-banhado (Myocastor coypus), em uma área de banhado na Estação Ecológica do Taim ? Rio Grande do Sul., Descrição: A capivara (Hydrochoerus hydrochaeris) e o ratão-do-banhado (Myocastor coypus) são roedores de grande porte e semiaquáticos. Ambas espécies ocorrem em diversos ambientes, como banhados, lagoas, cursos d?água, estuários, inclusive em áreas com elevado grau de interferência antrópica. Os ratões-do-banhado formam grupos sociais e possuem hábitos noturnos com alta atividade de forrageamento perto das saídas de suas tocas onde se alimentam de ervas, raízes e plantas aquáticas. A capivara é um animal gregário e social, que vive em bandos e se alimenta de gramíneas, ciperáceas e plantas aquáticas. Com isso, o objetivo desse trabalho foi verificar as interações alimentares entre a capivara e o ratão-do-banhado na Estação Ecológica do Taim. Para o estudo da dieta foram realizadas ao longo de um ano, coletas mensais de fezes das duas espécies, que posteriormente serão analisadas através do uso de técnicas micro-histológicas, comparando as epidermes vegetais encontradas nas amostras com a coleção de referência de epidermes vegetais da Matéria Botânica do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Rio Grande. Para verificar a disponibilidade dos recursos alimentares foi realizado o levantamento da vegetação para cada estação do ano. Foi calculada separadamente para cada espécie e para cada mês do ano a frequência de cada item alimentar encontrado nas fezes.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) . , Integrantes: Marilia Silva da Costa - Coordenador / Ioni Gonçalves Colares - Integrante / Fábio Penna Espinelli - Integrante / Elton Pinto Colares - Integrante.

  • 2011 - 2012

    Preferência Alimentar do Preá (Cavia magna Ximenez 1980), em uma Ilha Subtropical no Sul do Brasil., Descrição: O gênero Cavia pertence à família Caviidae. No Rio Grande do Sul são encontradas as espécies C. aperea e C. magna, sendo a última ocorrente na Ilha dos Marinheiros, local onde foi realizado este estudo. A disponibilidade de alimentos no ambiente é importante para o desenvolvimento da espécie. Assim, o objetivo desse estudo foi determinar preferência alimentar de Cavia magna, relacionando as espécies vegetais encontradas na dieta com suas disponibilidades no ambiente. Foram realizadas sazonalmente, no período de um ano, coletas e levantamento da vegetação, estimando a cobertura de cada espécie para posteriormente calcular o Índice de valor de importância (IVI). Mensalmente, nesse mesmo período, foram coletadas amostras de fezes dos preás, para análise micro-histológica, técnica esta amplamente utilizada para determinação da dieta de herbívoros. Os dados foram coletados em dois transectos, um ao Norte e outro ao Sul da Ilha em 30 unidades amostrais de 1m, cada. Testes MANOVA e de Mantel foram realizados para determinar a relação entre a distribuição e abundância das espécies vegetais no ambiente, e as espécies encontradas nas amostras fecais. No ambiente foram registradas 96 espécies distribuídas em 44 famílias durante os períodos amostrados, sendo Asteraceae, Poaceae e Cyperaceae as mais representativas. Juncus acutus apresentou maior Índice de Valor de Importância (IVI) na área Norte nos quatro períodos estudados e no verão e outono na área Sul. Cladium jamaicense e Plantago australis tiveram maior IVI nos períodos de inverno e primavera, respectivamente. Nas amostras fecais foram identificadas 24 espécies vegetais pertencentes a 19 famílias. Poaceae foi a família com maior número de espécies frequente na dieta para ambas as áreas. Na área Norte, Hypoxis decumbens e Juncus acutus foram as espécies de maior frequência nas amostras de fezes, enquanto que na área Sul, a espécie mais frequente foi Paspaum urvillei. Os testes MANOVA demonstraram variabilidade de espécies tanto no ambiente quanto nas amostras de fezes, no que se refere às estações do ano. O teste de Mantel mostrou influência significativa entre a disponibilidade da vegetação e as espécies consumidas pelo preá, porém com baixa correlação. As espécies mais consumidas foram buscadas por C. magna em maiores distâncias, ou selecionadas, mesmo quando ofertadas em menores quantidades no ambiente, demonstrando seletividade e preferência deste roedor por algumas espécies vegetais no presente estudo.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (1) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (1) . , Integrantes: Marilia Silva da Costa - Integrante / Ioni Gonçalves Colares - Coordenador / Kelen Rodrigues da Veiga - Integrante.