Alessandra Fonseca Fernandes de Carvalho

Possui graduação em Psicologia na Universidade Federal Fluminense com ênfase em Psicologia Social e Institucional (2017). Participou de pesquisas sobre os processos de regulamentação da vida por meio das políticas públicas vinculadas a instituições estaduais nas unidades do SUS e SUAS, ou seja, estudos que se aproximam no pensar a psicologia nos dispositivos da Assistência Social. Possuí experiência como estagiária de psicologia por dois anos e meio em um dos conselhos tutelares de Niterói. Foi integrante do Laboratório Kitembo - de Estudos da Subjetividade e Cultura Afro-Indígena, no estudo das condições históricas atrelada à questão do racismo e da diáspora negra; das condições de subjetivação; das implicações históricas, culturais e políticas do embate social travado entre europeus, índios e africanos, no cenário da formação social.

Informações coletadas do Lattes em 26/06/2020

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Graduação em Psicologia

2012 - 2017

Universidade Federal Fluminense
Título: EXU E AS NARRATIVAS DE RESSIGNIFICAÇÃO DAS SUBJETIVIDADES NO TERREIRO DE UMBANDA
Orientador: Abrahão de Oliveira Santos

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Português

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Francês

Compreende Pouco, Fala Pouco, Lê Pouco, Escreve Pouco.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Organização de eventos

Santos,A. de O. ; Fernandes, A. . Saúde da População Negra: em discussão a questão da saúde. 2015. (Congresso).

Fernandes, A. ; Santos,A. de O. . A perspectiva Transdisciplinar da Saúde da População Negra. 2015. (Congresso).

Santos,A. de O. ; Fernandes, A. ; CARVALHO, S. V. . Ancestralidade, Cultura e Práticas de Cuidado nos Terreiros: I Encontro de Subjetividade e Cultura Afro-Brasileira.. 2014. (Congresso).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

Curso: Lacan e Deleuze. O trágico Além do Princípio do Prazer. 2017. (Outra).

Curso de Capacitação de Garantias Legais em territórios Instáveis.participante. 2017. (Outra).

Conferência: Racismo, Capitalismo e Subjetividade. 2016. (Outra).

Os ventos de Kitembo.Apresentação de Trabalho. 2016. (Outra).

Palestra Amizades Contemporâneas. 2016. (Outra).

Psicologia e seu encontro com as práticas do Judiciário.Psicologia e seu encontro com as práticas do Judiciário. 2016. (Seminário).

Intervenção nas Favelas.Intervenção nas Favelas. 2015. (Outra).

IX Conferência dos Direitos da Criança e do Adolescente. 2015. (Outra).

I Encontro de Kitembo.participante. 2014. (Encontro).

V Semana de Psicologia. 2014. (Congresso).

VI Semana de Psicologia da UFF. Oficina de sonhos e imagem. Oficina dos Sonhos. 2013. (Congresso).

Exú na Rua - Pensamento Ioruba e Psicologia.Pensamento Ioruba e Psicologia. 2012. (Oficina).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Comissão julgadora das bancas

Danichi Hausen Mizoguchi

MIZOGUCHI, D. H.; Neves, C. E. A. B.; COIMBRA, C. B.; GAMA, B. C.. Quem pode sonhar? Quem pode acessar? Uma crítica das práticas neoliberais no presente. 2019. Exame de qualificação (Mestrando em Psicologia) - Universidade Federal Fluminense.

Katia Faria de Aguiar

SANTOS, A. O.;AGUIAR, K. F.; CARVALHO, E. N.; BORGES, O. A.. Exu e as narrativas de resignificação das subjetividades no terreiro de umbanda. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Psicologia) - Universidade Federal Fluminense.

Cecília Maria Bouças Coimbra

MIZOGUCHI, D. H.;NEVES, C. E. A. B.COIMBRA, C. M. B.; GAMA, B. C.. Quem pode sonhar? Quem pode acessar? Uma crítica das práticas neoliberais no presente. 2019. Exame de qualificação (Mestrando em Programa de pós-graduação em Psicologia) - Universidade Federal Fluminense.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

Abrahão de Oliveira Santos

Exu e as Narrativas de Ressignificação das Subjetividades no Terreiro de Umbanda; 2016; Trabalho de Conclusão de Curso; (Graduação em Psicologia) - Universidade Federal Fluminense; Orientador: Abrahao de Oliveira Santos;

Claudia Elizabeth Abbes Baeta Neves

Práticas de Intervenção-Formação em Políticas Públicas de Saúde e Asssistência: interferências de um ethos intensivista; ; 2014; Iniciação Científica; (Graduando em Psicologia) - Universidade Federal Fluminense; Orientador: Claudia Elizabeth Abbês Baeta Neves;

Ana Cabral Rodrigues

Quem pode sonhar? Quem pode acessar; Início: 2019; Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Federal Fluminense; (Orientador);

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • Fernandes, A. . Intervenção socioanalítica em conselhos tutelares. 2015. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2014 - 2017

    Práticas de Intervenção-Formação em Políticas Públicas de Saúde e Asssistência: interferências de um ethos intensivista., Descrição: O projeto de pesquisa que ora apresentamos visa o estudo dos processos de regulamentação da vida por meio das políticas estatais de saúde e assistência social e as interferências dos trabalhadores e usuários nos modos de operacionalização cotidiano destas políticas. Nosso objetivo é pensar na interface entre os processos de formação profissional e as práticas efetivas de cuidado as interferências nos modos de subjetivação de profissionais e usuários em seus movimentos de recusa a gorda saúde dominante . Conceito utilizado por Deleuze, em Crítica e Clínica(1996), para fazer referencia a recusa ao mundo categórico, de empanturramento de informações, cuidados, prescrições e tutelas que nos são diariamente ofertados com nome de saúde, cuidado, vulnerabilidade e integralidade. As políticas sociais tanto se constituem como vetores de regulamentação da vida, quanto podem funcionar para enfrentar o sucateamento da existência. Apostamos que a interferência dos usuários, dos trabalhadores dos serviços públicos e das práticas de formação pode alterar o funcionamento destas políticas. Esta pesquisa se desenvolverá em duas etapas: uma primeira etapa voltada ao estudo bibliográfico dos modos de regulamentação da vida no contemporâneo a partir dos trabalhos de F. Nietzsche, Michel Foucault e Gilles Deleuze como intercessores na análise da políticas públicas de saúde e assistência social. Uma segunda etapa que abarcará a construção do campo de intervenção a partir dos aportes da Pesquisa-intervenção em unidades de saúde e Cras. O método utilizado é a pesquisa intervenção, tendo como finalidade a interrogação das práticas naturalizadas que se materializam nas práticas sociais, por meio da análise das instituições em cena em determinado campo. Os procedimentos metodológicos abarcam a realização de oficinas de produção de dados e de encontros de restituição dos dados produzidos e analisados. Esperamos contribuir na ampliação da participação dos usuários e profissionais dos serviços nos processos de gestão das políticas sociais, assim como intervir nos processos de formação de profissionais envolvidos com o campo da saúde e da assistência social.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Alessandra Fonseca Fernandes de Carvalho - Integrante / Claudia Elizabeth Abbês Baeta Neves - Coordenador / Luana Alves Santos - Integrante / Bruno Gama - Integrante / Mariah Ugelli - Integrante.

  • 2013 - 2017

    Laboratório Kitembo: Subjetividade e ancestralidade nas religiões de matriz africana, Projeto certificado pelo(a) coordenador(a) Abrahao de Oliveira Santos em 28/10/2015., Descrição: Descrição: Estudos das condições históricas e políticas da produção da subjetividade brasileira, atrelada à questão do racismo e da diáspora negra; das condições de subjetivação e a questão saúde; das implicações históricas, culturais e políticas do embate social travado entre europeus, índios e africanos, no cenário da formação social, da subjetividade e da saúde mental; do desenvolvimento de práticas culturais e de subjetivação ligadas às tradições africanas no Brasil; dos modos de existir e práticas de cuidado à saúde, desenvolvidas no seio da sociedade brasileira em consonância com as tradições de matriz africana; da produção de técnicas e conceitos psicológicos capazes de oferecer soluções aos problemas vividos pelas comunidades e instituições, no que se refere à relação entre saúde e subjetividade. Trazer para o campo da Psicologia a perspectiva ontológica e as práticas de si do universo da cultura afro-brasileira; Desenvolver no campo psi a afroperspectiva.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Alessandra Fonseca Fernandes de Carvalho - Integrante / Abrahão de Oliveira Santos - Coordenador / Silvia Vasconcelos de Carvalho - Integrante.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional