Ana Flávia Martins Monteiro

Doutoranda & Mestre em Ciências em Meio Ambiente e Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI. Graduada em Ciências Atmosféricas pela Universidade Federal de Itajubá. Atua na área de Meteorologia com ênfase em Agrometeorologia e Mudanças Climáticas.

Informações coletadas do Lattes em 26/06/2020

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Doutorado em andamento em Meio Ambiente e Recursos Hídricos

2020 - Atual

Universidade Federal de Itajubá
Orientador: Fabrina Bolzan Martins

Mestrado em Meio Ambiente e Recursos Hídricos

2018 - 2020

Universidade Federal de Itajubá
Título: Evapotranspiração no Brasil: cenário atual e projeções climáticas,Ano de Obtenção: 2020
Fabrina Bolzan Martins.Coorientador: Roger Rodrigues Torres. Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.

Graduação em Ciências Atmosféricas

2014 - 2017

Universidade Federal de Itajubá
Título: Estimativa da Radiação Solar Global para o estado de Minas Gerais
Orientador: Fabrina Bolzan Martins

Ensino Médio (2º grau)

2011 - 2013

Colégio Anglo de Itajubá

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação complementar

2019 - 2019

Minicurso Análises estatísticas no software R. (Carga horária: 15h). , Universidade Federal de Itajubá, UNIFEI, Brasil.

2016 - 2016

Minicurso Introdução ao Sistema de Informação Geográfico: ArcGIS. (Carga horária: 7h). , Universidade Federal de Itajubá, UNIFEI, Brasil.

2015 - 2015

Minicurso Shell Script. , Universidade Federal de Itajubá, UNIFEI, Brasil.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Bandeira representando o idioma Inglês

Compreende Razoavelmente, Fala Razoavelmente, Lê Razoavelmente, Escreve Razoavelmente.

Bandeira representando o idioma Espanhol

Compreende Razoavelmente, Fala Razoavelmente, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.

Bandeira representando o idioma Português

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Áreas de atuação

Grande área: Ciências Exatas e da Terra / Área: Geociências.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

VI Seminário de Recursos Naturais.Determinação da evapotranspiração no sudeste brasileiro nas condições climáticas atuais. 2019. (Seminário).

XI Workshop Brasileiro de Micrometeorologia.Evapotranspiração na região Sul do Brasil nas condições climáticas atuais. 2019. (Outra).

III Congresso de Pesquisas Ambientais. Estimativa da Radiação Solar Global para Viçosa (MG) com dados de entrada de fácil medição. 2018. (Congresso).

XX Congresso Brasileiro de Meteorologia - Desafios do Monitoramento Meteorológico. Estimativa da Radiação Solar Global para as regiões sul e sudeste de Minas Gerais. 2018. (Congresso).

IV Seminário de Recursos Naturais.Causas das anomalias negativas de precipitação no estado de São Paulo e sul de Minas Gerais em fevereiro de 2017. 2017. (Seminário).

Oficina Cultivo Sustentável da Batata. 2017. (Oficina).

XX Congresso Brasileiro de Agrometeorologia e V Simpósio de Mudanças Climáticas e Desertificação no Semiárido Brasileiro. Estimativa e validação da radiação global para Lavras/MG, utilizando diferentes modelos empíricos e mecanísticos. 2017. (Congresso).

III Seminário de Recursos Naturais. 2016. (Seminário).

XXIII Jornada de Iniciação Científica.Utilização do modelo de mesoescala WRF para previsão de geada na região da Serra da Mantiqueira. 2016. (Outra).

II Seminário de Recursos Naturais, Sustentabilidade e Tecnologias Ambientais. 2015. (Seminário).

IX Workshop Brasileiro de Micrometeorologia. Análise preliminar do desempenho do modelo WRF em simulações de mesoescala para a região do reservatório de Furnas: verificação dos resultados obtidos. 2015. (Congresso).

I Seminário de Recursos Naturais, Sustentabilidade e Tecnologias Ambientais. 2014. (Seminário).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em bancas

Aluno: Alexandre Magalhães de Morais Ramos Alves

MARTINS, F. B.; REBOITA, M. S.;MONTEIRO, A. F. M.; SILVA, B. C.. Balanço Hídrico Climatológico para Itajubá-MG: Cenário Atual e Projeções Climáticas. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Hídrica) - Universidade Federal de Itajubá.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Comissão julgadora das bancas

Roger Rodrigues Torres

ABREU, M. C.MATTOS, E. V.TORRES, R. R.MARTINS, F. B.. Evapotranspiração no Brasil: Cenário atual e projeções climáticas. 2020. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Recursos Hídricos) - Universidade Federal de Itajubá.

Roger Rodrigues Torres

ASSIREU, A. T.MATTOS, E. V.TORRES, R. R.MARTINS, F. B.. Evapotranspiração no Brasil: cenário atual e projeções climáticas. 2019. Exame de qualificação (Mestrando em Meio Ambiente e Recursos Hídricos) - Universidade Federal de Itajubá.

Fabrina Bolzan Martins

MARTINS, Fabrina BolzanAbreu, M.C.; TORRES, R. R.; MATTOS, E. V.. Evapotranspiração no Brasil: cenário atual e projeções climáticas. 2020. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Recursos Hídricos) - Universidade Federal de Itajubá.

Fabrina Bolzan Martins

ASSIREU, A. T.; MATTOS, E. V.; TORRES, R. R.;MARTINS, Fabrina Bolzan. Evapotranspiração no Brasil: cenário atual e projeções climáticas. 2019. Exame de qualificação (Mestrando em Meio Ambiente e Recursos Hídricos) - Universidade Federal de Itajubá.

Fabrina Bolzan Martins

MARTINS, Fabrina Bolzan; Corrêa, M.P; FREITAS, C. H.. Estimativa da radiação solar global para o estado de Minas Gerais. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Atmosféricas) - Universidade Federal de Itajubá.

Marcelo de Paula Corrêa

MARTINS, F.B.; FREITAS, C. H.;CORRÊA, M. P.. Estimativa da radiação solar global para o estado de MG. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Atmosféricas) - Universidade Federal de Itajubá.

Cleverson Henrique de Freitas

MARTINS, F. B.; CORREA, M. P.;FREITAS, C. H.. Estimativa da Radiação Solar Global para o estado de Minas Gerais. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Atmosféricas) - Universidade Federal de Itajubá.

Enrique Vieira Mattos

ABREU, M. C.;MATTOS, E. V.; TORRES, R.; MARTINS, F.. Evapotranspiração no Brasil: Cenário atual e projeções climáticas. 2020. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Recursos Hídricos) - Universidade Federal de Itajubá.

Enrique Vieira Mattos

ASSIREU, A. T.;MATTOS, E. V.; TORRES, R.; MARTINS, F.. Evapotranspiração no Brasil: cenário atual e projeções climáticas. 2019. Exame de qualificação (Mestrando em Meio Ambiente e Recursos Hídricos) - Universidade Federal de Itajubá.

Marcel Carvalho Abreu

MARTINS, F. B; TORRES, R. R.;ABREU, M. C.; MATOS, H. V.. Evapotranspiração no Brasil: cenário atual e projeções climáticas. 2020. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Recursos Hídricos) - Universidade Federal de Itajubá.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

Roger Rodrigues Torres

Evapotranspiração no Brasil: Cenário atual e projeções climáticas; 2020; Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Recursos Hídricos) - Universidade Federal de Itajubá, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior; Coorientador: Roger Rodrigues Torres;

Fabrina Bolzan Martins

Mudanças climáticas na evapotranspiração projetadas para o final do século XXI no Brasil; Início: 2018; Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Recursos Hídricos) - Universidade Federal de Itajubá, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior; (Orientador);

Fabrina Bolzan Martins

Estimativa da radiação Solar Global para o estado de Minas Gerais; 2017; Trabalho de Conclusão de Curso; (Graduação em Ciências Atmosféricas) - Universidade Federal de Itajubá; Orientador: Fabrina Bolzan Martins;

Vanessa Silveira Barreto Carvalho

Utilização do modelo WRF para previsão de geada na serra da Mantiqueira, MG; 2015; Iniciação Científica; (Graduando em Ciências Atmosféricas) - Universidade Federal de Itajubá, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; Orientador: Vanessa Silveira Barreto Carvalho;

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • MONTEIRO, A. F. M. ; MARTINS, F. B. . Estimativa da Radiação Solar Global para Viçosa (MG) com dados de entrada de fácil medição. REVISTA HIPÓTESE , v. 5, p. 385-398, 2019.

  • MARTINS MONTEIRO, ANA FLÁVIA ; MARTINS, FABRINA BOLZAN . Global Solar Radiation Models in Minas Gerais, Southeastern Brazil. Advances in Meteorology , v. 2019, p. 1-17, 2019.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2018 - Atual

    Evapotranspiração no Brasil: cenário atual e projeções climáticas, Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (2) . , Integrantes: Ana Flávia Martins Monteiro - Integrante / Fabrina Bolzan Martins - Coordenador / Roger Rodrigues Torres - Integrante / Vitor Hugo de Almeida Marrafon - Integrante.

  • 2018 - Atual

    Impactos das mudanças climáticas nas culturas de clima temperado no estado de Minas Gerais, Descrição: Segundo as projeções de mudanças climáticas para Minas Gerais MG,baseadas nos cenários produzidos pelo Intergovermental Pannel on Climate Change-IPCC,são previstos aumentos consideráveis de temperatura e concentração de CO2,além de padrões heterogêneos de mudanças na precipitação. Essas mudanças trazem prejuízos ao desenvolvimento, crescimento e produtividade das culturas agrícolas,pois a temperatura é a variável meteorológica que mais influencia o desenvolvimento e crescimento das plantas,enquanto o CO2 e a água são os principais substratos da fotossíntese,afetando diretamente a taxa de crescimento da planta e a duração dos estágios fenológicos.Variações no padrão sazonal de temperatura e precipitação reduzirá drasticamente as áreas aptas e até mesmo inviabilizará o cultivo de determinadas culturas, principalmente as de clima temperado que dependem da disponibilidade e acúmulo de frio invernal e padrões regulares de precipitação.Esforços devem ser realizados no sentido de determinar e avaliar o impacto das mudanças climáticas nas frutíferas de clima temperado em MG,assim como verificar as possíveis alterações no acúmulo de frio invernal,nos padrões de evapotranspiração e no balanço hídrico em decorrência das mudanças climáticas.Para isso, serão utilizados dados oriundos de modelos numéricos globais e de um modelo regional de alta resolução espacial, afim de comparação das simulações de projeções climáticas.Não existe esse tipo de informação para MG,que investe fortemente na expansão da fruticultura de clima temperado, devido ao elevado valor agregado,sendo este o principal esforço para a realização desta proposta.Ademais as principais metas são a formação de pessoal qualificado,melhoria no número e na qualidade de publicações da proponente e colaboradores,avaliação e conscientização dos impactos causados pelas mudanças climáticas e formas de mitigação para as principais frutíferas de clima temperado em MG. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (4) / Mestrado acadêmico: (3) . , Integrantes: Ana Flávia Martins Monteiro - Integrante / Fabrina Bolzan Martins - Coordenador / Michelle Simões Reboita - Integrante / Roger Rodrigues Torres - Integrante / Emerson Dias Gonçalves - Integrante / Sâmia Regina Garcia Calheiros - Integrante / Luiz Fernando de Oliveira da Silva - Integrante / Diego Felipe dos Santos - Integrante., Financiador(es): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais - Auxílio financeiro.

  • 2017 - 2017

    Estimativa da Radiação Solar Global para o estado de Minas Gerais, Descrição: A radiação solar global é uma variável de entrada importante em modelos de produtividade. No entanto, o registro dessa variável é realizado por instrumentos presentes nas estações meteorológicas automáticas os quais apresentam alto custo de manutenção e calibração, sendo necessária à estimativa. O objetivo deste trabalho foi ajustar, avaliar e validar 14 modelos de estimativa da radiação solar global para dez estações meteorológicas de Minas Gerais. Oito modelos utilizam como variável de entrada temperatura máxima e mínima e dois deles utilizam adicionalmente a precipitação; enquanto que os outros seis modelos utilizam os dados de entrada baseados na insolação real. Para isso, foram coletados dados no Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa (BDMEP) e da plataforma do Sistema Integrado de Dados Ambientais (SINDA), no período de 1999 a 2016. O ajuste e a validação do desempenho de cada modelo foram avaliados por meio: da raiz quadrada média do erro (RQME), tendência do modelo (BIAS), coeficiente de correlação (r), índice de concordância de Willmott (d), índice de desempenho (c) e valor ponderado (VP), significância dos coeficientes e proximidade entre os valores observados e estimados. Em geral, os modelos apresentaram tendência de superestimação para valores de radiação inferior a 10 MJ.m-.dia- e subestimação para valores superiores a 25 MJ.m-.dia-. Os modelos que apresentam a inclusão da insolação real e a razão da insolação foram os que obtiveram melhores resultados, tanto no ajuste quanto na validação. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) . , Integrantes: Ana Flávia Martins Monteiro - Integrante / Fabrina Bolzan Martins - Coordenador.

  • 2015 - 2016

    Utilização do modelo de mesoescala WRF para previsão de geada na região da Serra da Mantiqueira, Descrição: O objetivo do presente trabalho foi comparar, estatisticamente, os dados obtidos pelo modelo WRF e os observados nas estações meteorológicas automáticas das cidades de Caldas, Campos do Jordão, Maria da Fé e Passa Quatro, nos anos de 2010 à 2014, os meses com ocorrência de geada, que se estende de Maio à Setembro. As variáveis estudadas, e, que influenciam na ocorrência desse fenômeno foram: temperatura do ar a dois metros, temperatura do ponto de orvalho, umidade relativa e velocidade do vento. Os melhores resultados estatísticos foram encontrados em Passa Quatro no dia 28 de junho de 2011 e os piores foram encontrados em Campos do Jordão no dia 10 de julho de 2012. O desempenho do modelo em simular a temperatura do ar a dois metros e umidade relativa foram considerados eficientes segundo os dados obtidos com o Coeficiente de Correlação de Pearson. Porém, o projeto não forneceu subsídios para a utilização do modelo WRF na produção de previsões que alertem para a ocorrência de geada, uma vez que este está superestimando a principal variável para ocorrência desse fenômeno: temperatura mínima. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) . , Integrantes: Ana Flávia Martins Monteiro - Integrante / Vanessa Silveira Barreto Carvalho - Coordenador / Fabrina Bolzan Martins - Integrante., Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.

  • 2014 - 2016

    Zoneamento de aptidão climática da oliveira (Olea europaea L.) para o estado de Minas Gerais: cenário atual e projeções futuras considerando cenários de mudanças climáticas, Descrição: A oliveira foi introduzida no Brasil por volta de 1800, principalmente nas regiões sul e sudeste do país. Atualmente, os agricultores de Minas Gerais, principalmente os do Sul de MG, vêm demonstrando interesse em cultivar a oliveira como uma alternativa de renda. A expansão da olivicultura em MG vem ganhando destaque na mídia e nos centros de pesquisa e extensão, porém, não se tem informação sobre as necessidades e as exigências climáticas dessa cultura, assim como as áreas com maior aptidão ao seu plantio, cultivo e adaptação. Esta falta de informação faz com que exista uma lacuna sobre o conhecimento do desenvolvimento da oliveira em regiões de clima tropical, onde a variação do desenvolvimento é muito maior. Nesse sentido, o zoneamento de aptidão climática é fundamental para a implantação, estabelecimento e planejamento de qualquer atividade agrícola, uma vez que delimita áreas com padrões climaticamente homogêneas e favoráveis para o cultivo de uma determinada cultura. Além disso, a compreensão dos possíveis impactos na região decorrentes de mudanças climáticas faz-se imprescindível para um bom planejamento de qualquer zoneamento agrícola, reduzindo eventuais perdas futuras ou indisponibilidade de plantio. Nesse contexto, o objetivo central deste projeto de pesquisa será realizar o zoneamento de aptidão climática para a oliveira em Minas Gerais, verificar possíveis alterações considerando cenários de mudanças climáticas, validar o zoneamento dando enfoque à região sul de Minas Gerais, a qual é a região com maior investimento na cultura de oliveira e desenvolver uma ferramenta computacional para fins de zoneamento. Os resultados deste projeto permitirão a determinação das áreas climatologicamente aptas, inaptas e marginais ao plantio e cultivo de oliveira para o estado de Minas Gerais, e as possíveis modificações no zoneamento decorrentes de mudanças climáticas futuras. Esta informação poderá ser muito útil para possíveis investimentos neste cultivo, evitando-se perdas agrícolas severas e/ou inaptidão deste cultivo em Minas Gerais, especialmente nas áreas que já foram realizados grandes investimentos dessa cultura. Além disso, o desenvolvimento de uma ferramenta computacional permitirá aos agricultores e institutos de pesquisa, como a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), realizarem verificações e avaliações do zoneamento in situ para a oliveira, inserindo dados climáticos da própria região e dados referentes a cultura e/ou cultivar, o que pode ser útil também para o zoneamento de diversas outras culturas de clima temperado como mirtilo, marmelo, figo, uva, maçã entre outras. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (4) / Mestrado acadêmico: (3) . , Integrantes: Ana Flávia Martins Monteiro - Integrante / Vanessa Silveira Barreto Carvalho - Integrante / Fabrina Bolzan Martins - Coordenador / Roger Rodrigues Torres - Integrante / Emerson Dias Gonçalves - Integrante / Sâmia Regina Garcia Calheiros - Integrante / Marcelo de Paula Corrêa - Integrante / Marcel Carvalho Abreu - Integrante / Luiz Fernando de Oliveira da Silva - Integrante / Ulisses Antônio Natividade - Integrante., Financiador(es): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais - Auxílio financeiro.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional

2018 - 2018

Bairro Pessegueiro

Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Projeto de Extensão.

2018 - 2020

Universidade Federal de Itajubá

Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Mestranda, Regime: Dedicação exclusiva.

2018 - 2018

Universidade Federal de Itajubá

Vínculo: Estágio de Docência, Enquadramento Funcional: Estagiária, Carga horária: 45

2015 - 2016

Universidade Federal de Itajubá

Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista de Iniciação Científica PIBIC/CNPq, Regime: Dedicação exclusiva.

Atividades

  • 07/2018 - 12/2018

    Estágios , Instituto de Recursos Naturais, .,Estágio realizado, Disciplina: Agrometeorologia.

2017 - 2017

Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais

Vínculo: Colaboradora, Enquadramento Funcional: Estagiária, Carga horária: 20, Regime: Dedicação exclusiva.

Atividades

  • 07/2017 - 09/2017

    Estágios , Fazenda Experimental de Maria da Fé, .,Estágio realizado, Área: Agrometeorologia. Estimativa da produtividade real da Oliveira (Arbequina) no período de 2010-2011, utilizando o método da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura).