Andréia Fressatti Cardoso

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Graduada em Bacharelado em Direito pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), com Láurea Acadêmica. Colaboradora do Boletim Lua Nova e integrante do Grupo de Estudos de Mobilização do Direito (GMOB), vinculado ao Centro de Estudos Internacionais e Política Contemporânea da Universidade Estadual de Campinas (CEIPOC/Unicamp).

Informações coletadas do Lattes em 20/10/2019

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Mestrado em andamento em Pós graduação em Ciência Política

2018 - Atual

Universidade Estadual de Campinas
Orientador: Andrei Koerner;Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.

Graduação em Direito

2012 - 2017

Universidade Estadual de Maringá
Título: À Exceção do Processo: uma análise do campo do processo como (in)aplicabilidade dos direitos fundamentais
Orientador: Crishna Mirella de Andrade Correa

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação complementar

2019 - 2019

(Re)pensando as Metodologias Qualitativas. (Carga horária: 12h). , Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Brasil.

2018 - 2018

Métodos Qualitativos para Ciência Política. (Carga horária: 16h). , Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Brasil.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Inglês

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Espanhol

Compreende Razoavelmente, Lê Bem.

Italiano

Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Bem, Escreve Pouco.

Francês

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Alemão

Compreende Pouco, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Áreas de atuação

    Grande área: Ciências Humanas / Área: Ciência Política / Subárea: Ciência Política.

    Grande área: Ciências Humanas / Área: Ciência Política / Subárea: Direito.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Organização de eventos

CARDOSO, A. F. ; SEGATTO, A. C. . VII Simpósio de Direitos Fundamentais e Sociedade Política e VII Encontro Científico de Direitos Fundamentais e Sociedade Política. 2016. (Outro).

SEGATTO, A. C. ; CARDOSO, A. F. . VI Simpósio de Direitos Fundamentais e Sociedade Política e VI Encontro Científico de Direitos Fundamentais e Sociedade Política. 2015. (Outro).

SEGATTO, A. C. ; CARDOSO, A. F. . V Simpósio de Direitos Fundamentais e Sociedade Política e V Encontro Científico de Direitos Fundamentais e Sociedade Política. 2014. (Outro).

FERIATO, J. M. F. ; CARDOSO, A. F. . North of Paraná Model United Nations. 2013. (Outro).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

VI Fórum Brasileiro de Pós-Graduação em Ciência Política.Sujeito de Direitos e Cena Pública: uma comparação em Giorgio Agamben e Jaques Rancière. 2019. (Outra).

A União Europeia e seu Direito: três questões atuais (Polônia, Reino Unido e Catalunha). 2018. (Outra).

Habilidades Acadêmicas para Ciências Humanas - Módulo: Escrita de Artigos. 2018. (Oficina).

Unicamp e Direitos Humanos: pesquisas e ações. 2018. (Simpósio).

Violência, Justiça Criminal e Segurança Pública: desafios políticos. 2018. (Outra).

X Congresso Brasileiro de História do Direito. Permanência da Tortura e Órgãos de Repressão Estatal. 2018. (Congresso).

I Simpósio Carl Schmitt.Soberania, Exceção e Processo Judicial: uma aproximação de autores e(m) Girogio Agamben. 2017. (Simpósio).

VIII Simpósio de Direitos Fundamentais e Sociedade Política e VIII Encontro Científico de Direitos Fundamentais e Sociedade Política.Vida Nua e Terror: uma análise do controle sobre a vida e a morte em Giorgio Agamben. 2017. (Simpósio).

VIII Simpósio de Direitos Fundamentais e Sociedade Política e VIII Encontro de Direitos Fundamentais e Sociedade Política."Indesejáveis" e Direitos Fundamentais: uma análise do discurso legitimador da violência em Maringá-PR e região. 2017. (Simpósio).

Drogas e Proibicionismo: Olhares Plurais. 2015. (Outra).

II Congresso Internacional de Ciências Penais e IV Simpósio do Núcleo de Estudos Penais e Encontro Cientíifco. Direito Penal do Inimigo: Aplicação do Paradigma de Exceção na Contemporaneidade. 2015. (Congresso).

Vida Digna e Dignidade da Vida: julgamento popular de um caso de infanticídio.julgamento popular. 2015. (Outra).

VI Simpósio de Direitos Fundamentais e Sociedade Política e VI Encontro Científico de Direitos Fundamentais e Sociedade Política.Conceito de Soberania em Schmitt e o Paradigma de Exceção. 2015. (Simpósio).

Direito Penal Econômico. 2014. (Outra).

I Congresso Internacional de Direito Constitucional e Filosofia Política. Direito de Exceção e Normalidade em Giorgio Agamben. 2014. (Congresso).

III Simpósio de Estudos Penais/Transformações Contemporâneas das Ciências Criminais. 2014. (Simpósio).

I Congresso Internacional de Ciências Penais. 2013. (Congresso).

III Conferência de Direito Internacional da Universidade Estadual do Norte do Paraná.I Simulado da Corte Interamericana de Direitos Humanos. 2013. (Outra).

UFRGS Model United Nations.United Nations Human Rights Committee. 2013. (Outra).

Americas Model United Nations.United Nations Human Rights Council. 2012. (Outra).

I Conferência de Ética e Direitos Humanos - Em Primeira Pessoa. 2012. (Outra).

I Congresso da Diversidade Sexual: da proteção dos Direitos da Personalidade. 2012. (Congresso).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Comissão julgadora das bancas

Alexandre Ribas de Paulo

CORREA, Crishna Mirela de Andrade; MANTOVANI, A. C.;Paulo, Alexandre Ribas de.. À exceção do processo: uma análise do campo do processo como (in)aplicabilidade dos direitos fundamentais. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Direito) - Universidade Estadual de Maringá.

Luis Renato Vedovato

KOERNER, A.; REGO, W. G. D. L.;VEDOVATO, L. R.; VENTURA, R. W.. Quem é o Sujeito dos Direitos Humanos? A constituição dos direitos na cena pública. 2019. Exame de qualificação (Mestrando em Ciência Política) - Universidade Estadual de Campinas.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

Antonio Carlos Segatto

Direito de Exceção e Normalidade em Giorgio Agamben; 2013; Iniciação Científica; (Graduando em Direito) - Universidade Estadual de Maringá; Orientador: Antonio Carlos Segatto;

Alexandre Ribas de Paulo

?Indesejáveis? e direitos fundamentais: uma análise do discurso legitimador da violência em Maringá-PR e região; ; 2016; Iniciação Científica; (Graduando em Direito) - Universidade Estadual de Maringá; Orientador: Alexandre Ribas de Paulo;

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • CARDOSO, A. F. . Migração de Brasileiros e Direitos Humanos nos Estados Unidos de Trump. Observatório Político dos Estados Unidos, 30 set. 2019.

  • CARDOSO, A. F. . Sujeito de Direitos e Cena Pública: uma comparação em Giorgio Agamben e Jacques Rancière. In: VI Fórum Brasileiro de Pós-Graduação em Ciência Política, 2019, Belém-PA. Anais do VI Fórum Brasileiro de Pós Graduação em Ciência Política, 2019.

  • CARDOSO, A. F. ; CORREAS, C. M. A. . Soberania, Exceção e Processo Judicial: uma aproximação de autores e(m) Giorgio Agamben. In: I Simpósio Carl Schmitt: Democracia e Autoritarismo nos Debates de Weimar, 2018, Maringá-PR. Anais I Simpósio Carl Schmitt: democracia e autoritarismo nos debates de Weimar.. Maringá-PR: Faculdade Cidade Verde, 2017. p. 1-167.

  • CARDOSO, A. F. . Direito de Exceção e Normalidade em Giorgio Agamben. In: I Congresso Internacional de Direito Constitucional e Filosofia Política, 2015, Belo Horizonte-MG. Anais do I Congresso Internacional de Direito Constitucional e Filosofia Política. Belo Horizonte-MG: Initia Via, 2014. v. III. p. 43-54.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2018 - Atual

    Quem é o Sujeito dos Direitos Humanos? A Constituição dos Direitos na Cena Pública, Descrição: O objetivo desta dissertação de Mestrado é apresentar o debate teórico recente sobre o sujeito de direitos humanos em torno da questão do ?direito a ter direitos? de Hannah Arendt. As construções teóricas contemporâneas sobre quem seria o titular dos direitos humanos tendem a se basear neste conceito, seja para lhe dar continuidade, como Giorgio Agamben, ou por um posicionamento que questiona a necessidade de se fundamentar os direitos em um pertencimento ou outra categoria fixa, como Jacques Rancière. A partir da construção teórica destes três autores, buscamos identificar os pressupostos que apresentam para a formação dos direitos, a fim de discutir a irrupção na cena pública das falas dos pretendentes a direitos como um elemento constitutivo dos sujeitos e de seus direitos. Para tanto, realizamos dois movimentos metodológicos: primeiro, a análise estrutural dos argumentos dos autores em separado, seguida de uma análise hermenêutica moderada, estabelecendo comparações e contrastes pela inserção dos autores no ciclo hermenêutico. Nossa hipótese é que o dissenso, apresentado por Jacques Rancière, é um elemento distintivo na formação da categoria sujeito de direitos, permitindo que o humano possua agência política para se definir enquanto titular de direitos.. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) . , Integrantes: Andréia Fressatti Cardoso - Coordenador., Financiador(es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Bolsa.

  • 2015 - 2016

    "Indesejáveis" e Direitos Fundamentais: uma análise do discurso legitimador da violência em Maringá-PR e região, Descrição: O presente projeto intenta investigar a aplicação dos discursos pertinentes aos Direitos Humanos, positivados nos direitos fundamentais, pelos órgãos de repressão social no município de Maringá, Estado do Paraná, no período compreendido entre 1986 e 2011, através dos discursos encontrados em mídias impressas de livre expressão e periódicos de imprensa local. Pretende-se compreender como se desenvolve o processo de legitimação da violência institucional pelos órgãos de repressão estatal contra determinadas pessoas tratadas como ?indesejáveis? no meio social, permitindo que as pessoas atingidas pelo discurso ajam de forma indiferente perante as violações dos preceitos concernentes a Direitos Humanos. A metodologia proposta será o método comparativo e a pesquisa bibliográfica, tendo como marco teórico o pensamento de Hannah Arendt. Em um primeiro momento será desenvolvida a pesquisa abordando o pensamento de Arendt para estabelecer os conceitos de ?indesejáveis? e de ?normalização? da violência contra esse grupo. Em seguida serão estabelecidos os postulados pertinentes à criminologia crítica no que diz respeito à função simbólica do Direto Criminal seletivo e, finalmente, realizar-se-á uma análise dos discursos midiáticos impressos sobre violência em MaringáPR ? e região ? e informações sobre a respectiva atuação das instituições de repressão estatal, estabelecendo a relação destes com o discurso de neutralização dos ?indesejáveis? que teriam seus direitos fundamentais negados pelo Estado e pela sociedade.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) . , Integrantes: Andréia Fressatti Cardoso - Integrante / Alexandre Ribas de Paulo - Coordenador.

  • 2013 - 2014

    Estado de Exceção e Normalidade em Giorgio Agamben, Descrição: Durante a exceção, o próprio direito é suspenso, afastam-se as normas da ordem jurídica para que a necessidade seja correspondida e passam a ser utilizados os atos colocados pelo soberano. Agamben, o autor em estudo, apresenta-nos, então, a figura da força-de-lei, que, em conjunto com a figura de um soberano forte, vai determinar a regulamentação da exceção, sem, contudo, haver leis propriamente ditas em vigência. Essa ideia, trazida pelo referido autor, também nos permite visualizar que o Estado de Exceção encontra-se na indeterminação entre o nomos e a anomia, já que o Direito apenas se encontra suspenso. Este estudo tem como objetivo verificar, na obra de Agamben, os elementos que constituem o estado de exceção e a problemática que o autor apresenta em relação ao paradigma de exceção como ?normal? na modernidade, estabelecendo relações com a obra deste autor com Hobbes, Benjamin e Foucault. Pesquisa realizada no âmbito de projeto de iniciação científica.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) . , Integrantes: Andréia Fressatti Cardoso - Integrante / Crishna Mirella de Andrade Correas - Coordenador.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Prêmios

2017

Láurea Acadêmica de Graduação, Universidade Estadual de Maringá.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional

  • 2018 - Atual

    Universidade Estadual de Campinas

    Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista de Mestrado, Regime: Dedicação exclusiva.

    Outras informações:
    Bolsista CAPES de Mestrado, com o Projeto "Quem é o Sujeito dos Direitos Humanos? A Constituição dos Direitos na Cena Pública", sob a orientação do Prof. Dr. Andrei Koerner.

  • 2015 - 2016

    Universidade Estadual de Maringá

    Vínculo: Iniciação Científica, Enquadramento Funcional: Iniciação Científica Voluntária

    Outras informações:
    Estudante de Iniciação Científica Voluntária (PIC/UEM), com o projeto ""Indesejáveis" e Direitos Fundamentais: uma análise do discurso legitimador da violência em Maringá-PR e região", sob orientação do Prof Dr Alexandre Ribas de Paulo.

  • 2013 - 2014

    Universidade Estadual de Maringá

    Vínculo: Iniciação Científica, Enquadramento Funcional: Iniciação Científica Voluntária

    Outras informações:
    Estudante de Iniciação Científica Voluntária (PIC/UEM), com o projeto "Estado de Exceção e Normalidade em Giorgio Agamben", sob orientação da Prof Ms Crishna Mirella de Andrade Correas.

  • 2012 - 2015

    Cultura Inglesa Maringá

    Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Instrutora de Inglês, Carga horária: 25