Rafael Antão Sabença Cruz

Iniciou o curso de Graduação em Ciências Biológicas - Modalidade Médica em 2005, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, concluído em 2009. Possui mestrado em Morfologia pelo Programa de Ciências Morfológicas da UFRJ. Tem experiência na área de Morfologia e Biologia Celular, com ênfase em Neurobiologia do Desenvolvimento, atuando principalmente nos seguintes temas: ciclo celular, diferenciação celular e desenvolvimento do sistema nervoso central.

Informações coletadas do Lattes em 25/06/2020

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Mestrado em Ciências Morfológicas

2009 - 2011

Universidade Federal do Rio de Janeiro
Título: Efeitos da exposição pré-natal ao etanol sobre a proliferação celular nas eminências ganglionares,Ano de Obtenção: 2011
Daniela Uziel Rozental.Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior.

Graduação em Ciências Biológicas Modalidade Médica

2005 - 2009

Universidade Federal do Rio de Janeiro
Título: EFEITOS DA EXPOSIÇÃO PRÉ-NATAL AO ETANOL SOBRE A PROLIFERAÇÃO CELULAR NAS EMINÊNCIAS GANGLIONARES
Orientador: Daniela Uziel Rozental
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Bandeira representando o idioma Inglês

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Bandeira representando o idioma Português

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Áreas de atuação

Grande área: Ciências Biológicas / Área: Morfologia / Subárea: Citologia e Biologia Celular/Especialidade: Neurobiologia.

Grande área: Ciências Biológicas / Área: Morfologia / Subárea: Citologia e Biologia Celular.

Grande área: Ciências Biológicas / Área: Bioquímica / Subárea: Biologia Molecular.

Grande área: Ciências Biológicas / Área: Morfologia / Subárea: Embriologia.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

40th Annual Meeting Society for Neuroscience. Impact of short-term ethanol exposure in the proliferation of ganglionic eminence progenitors.. 2010. (Congresso).

I CONGRESSO IBRO/LARC DE NEUROCIÊNCIAS DA AMÉRICA LATINA, CARIBE E PENÍNSULA IBÉRICA. Efeito do etanol na neurogênese de células GABAérgicas no telencéfalo ventral. 2008. (Congresso).

Symposium on Development & Plasticity of the Nervous System. 2008. (Simpósio).

XXII Reunião Anual da Federação de Sociedades de Biologia Experimental. 2007. (Congresso).

VII São Paulo Research Conferences: "Cérebro e o Pensamento". 2007. (Simpósio).

XIII Congresso Brasileiro da Sociedade de Biologia Celular/ III International Symposium on Extracellular Matrix. 2006. (Congresso).

9th Meeting of the UNESCO Chair of Developmental Biology. 2006. (Simpósio).

VII Semana de Biomedicina - UFRJ. 2005. (Simpósio).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Comissão julgadora das bancas

Rodrigo Alves Portela Martins

Borges, H. L.;MARTINS, R. A. P.; UZIEL, D.. Efeitos da Exposição Pré-natal ao etanol sobre a proliferação celular nas eminências ganglionares. 2010. Exame de qualificação (Mestrando em Ciências Morfológicas) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Flávia Carvalho Alcantâra Gomes

GOMES, F. C. A.. (Rafael Antão Sabença Cruz) Efeitos da exposição pré-natal ao etanol sobre a proliferação celular nas eminências ganglionares. 2011. Dissertação (Mestrado em Ciências Morfológicas) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Mariana Souza da Silveira

SILVEIRA, M. S.. Efeitos da exposição pré-natal ao etanol sobre a proliferação celular nas eminências ganglionares.. 2009. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas-Modalidade Médica) - Instituto de Ciências Biomédicas, UFRJ.

Alfred Sholl Franco

SHOLL-FRANCO, A.. Efeitos da exposição pré-natal ao etanol sobre a proliferação celular nas eminências ganglionares (18/05/2011). 2011. Dissertação (Mestrado em Ciências Morfológicas) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Claudia dos Santos Mermelstein

Mermelstein, Cl?udia S.; GOMES, Flavia Alcantara; SHOLL, A.. Efeitos da exposição pré-natal ao etanol sobre a proliferação celular nas eminências ganglionares. 2011. Dissertação (Mestrado em Ciências Morfológicas) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Patricia Pestana Garcez

UZIEL, D.; Silveira, M;GARCEZ, P. P.. EFEITOS DA EXPOSIÇÃO PRÉ-NATAL AO ETANOL SOBRE A PROLIFERAÇÃO CELULAR NAS EMINÊNCIAS GANGLIONARES. 2009. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas Modalidade Médica) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

Daniela Uziel Rozental

Efeitos da exposição pré-natal ao etanol sobre a proliferação celular nas eminências ganglionares; 2009; Dissertação (Mestrado em Programa de Ciências Morfológicas) - Universidade Federal do Rio de Janeiro,; Orientador: Daniela Uziel;

Daniela Uziel Rozental

Efeitos da exposição pré-natal ao etanol sobre a proliferação celular nas eminências ganglionares; 2011; Trabalho de Conclusão de Curso; (Graduação em Ciências Biológicas Modalidade Médica) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ; Orientador: Daniela Uziel;

Daniela Uziel Rozental

Empresa Júnior Antônio Paes de Carvalho; 2011; Orientação de outra natureza - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ; Orientador: Daniela Uziel;

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • Sabença Cruz, R.A. ; Lima, J. P. M. ; Yamasaki, E. N. ; Uziel, D. . Impact of short-term ethanol exposure in the proliferation of ganglionic eminence progenitors. 2010. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • Lima, J. P. M. ; Sabença Cruz, R.A. ; Yamasaki, E. N. ; Uziel, D. . Efeito do etanol na neurogênese de células GABAérgicas no telencéfalo ventral. 2008. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de desenvolvimento

  • 2009 - 2011

    Implantação de técnicas de biologia celular e molecular em laboratório, Descrição: A publicação de trabalhos científicos em revistas conceituadas no meio acadêmico requer uma série de requisitos para a comprovação da qualidade do estudo a ser publicado. Um destes principais requisitos surge a partir do princípio de que uma hipótese deve ser testada utilizando-se diferentes abordagens e metodologias. A evolução de métodos analíticos em biologia molecular e celular permite que novas técnicas sejam empregadas neste sentido, dando maior credibilidade a um trabalho em desenvolvimento. Em novembro de 2009 o Laboratório de Ontogênese e Regeneração Neural (LORN) foi criado no Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ, pela saída de professores do Laboratório de Neuroplasticidade (NP) do mesmo instituito. Além das técnicas celulares (cultura de células) e morfológicas (morfometria, imunohistoquímica) já utilizadas no laboratório NP implantamos no LORN técnicas bioquímicas e moleculares, antes não utilizadas no NP, e estabelecemos colaborações que permitissem abordagens multidisciplinares em nossos projetos. Assim, possibilitamos o desenvolvimento de cromatografia líquida de alta eficiência (colaboração), técnica de ELISA (colaboração), Western Blot e hibridização in situ. As etapas deste projeto de estabelecimento foram compostas de: (1) pesquisa bibliográfica acerca de cada técnica a ser empregada, (2) levantamento de preços, (3) aquisição e instalação de equipamentos e reagentes necessários, (4) estabelecimento de colaborações e capacitação dos alunos para técnicas de custo mais elevado e dependetes de multiusuários e (5) utilização dos métodos em nossos projetos de pesquisa.. , Situação: Em andamento; Natureza: Desenvolvimento. , Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) Doutorado: (2) . , Integrantes: Rafael Antão Sabença Cruz - Integrante / Lima, J. P. M. - Integrante / Uziel, D. - Coordenador / Marissol dos Santos Freitas Themóteo Pereira - Integrante., Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Auxílio financeiro / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Auxílio financeiro.

  • 2008 - 2012

    Adequação de biotério de roedores, Descrição: A preocupação crescente dos pesquisadores e da sociedade com o bem estar dos animais de experimentação levou a um movimento nacional que, entre outras medidas aprovou a Lei 11.794 de 8 de outubro de 2008 (Lei Arouca), onde confere-se a um Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA) estabelecer e rever, periodicamente, normas técnicas para instalação e funcionamento de centros de criação, de biotérios e de laboratórios de experimentação animal, bem como sobre as condições de trabalho em tais instalações (inciso V do caput do art. 5o desta Lei). Desta forma, os usuários do biotério de roedores do térreo do bloco F do Centro de Ciências da Saúde da UFRJ, em sua maioria professores e alunos de pós-graduação vinculados ao Programa de Ciências Morfológicas (PCM) do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) vem investindo em melhorias deste biotério. Trata-se de um biotério de roedores onde são utilizados camundongos(Mus musculus) da cepa suiça, ratos (Ratus norvegicus)e hamsters (Mesocricetus auratus) para experimentação. Não há organismos geneticamente modificados neste biotério. Como grande parte das pesquisas são feitas com animais embrionários, os acasalamentos são feitos diariamente no biotério. O financiamento é proveniente da verba orçamentária do próprio ICB, além da FAPERJ (editais Apoio à Infraestrutura de Biotérios em Instituições de Ensino de 2008, 2009 e 2010). Baseado em bibliografia especializada, o trabalho se propos a: (1) aumentar a área construída do biotério, possibilitando que (2) houvesse separação completa entre as espécies criadas; (3) aumentar a área de lavagem; (4) manter o ciclo claro-escuro através de iluminação artificial controlada por temporizador (12h de claro, 12h de escuro) (5) instalar unidades sequenciais de filtro de água para prevenir que os animais ingiram água contaminada; (6) garantir ventilação constante pela instalação de exaustores em todas as salas; (7) garantir a manutenção da temperatura ambiente em 18oC p.. , Situação: Em andamento; Natureza: Desenvolvimento. , Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) . , Integrantes: Rafael Antão Sabença Cruz - Integrante / Uziel, D. - Coordenador / Helena Lobo Borges - Integrante / Sandra König - Integrante., Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Auxílio financeiro.

  • 2009 - 2011

    Implantação de técnicas de biologia celular e molecular em laboratório, Descrição: A publicação de trabalhos científicos em revistas conceituadas no meio acadêmico requer uma série de requisitos para a comprovação da qualidade do estudo a ser publicado. Um destes principais requisitos surge a partir do princípio de que uma hipótese deve ser testada utilizando-se diferentes abordagens e metodologias. A evolução de métodos analíticos em biologia molecular e celular permite que novas técnicas sejam empregadas neste sentido, dando maior credibilidade a um trabalho em desenvolvimento. Em novembro de 2009 o Laboratório de Ontogênese e Regeneração Neural (LORN) foi criado no Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ, pela saída de professores do Laboratório de Neuroplasticidade (NP) do mesmo instituito. Além das técnicas celulares (cultura de células) e morfológicas (morfometria, imunohistoquímica) já utilizadas no laboratório NP implantamos no LORN técnicas bioquímicas e moleculares, antes não utilizadas no NP, e estabelecemos colaborações que permitissem abordagens multidisciplinares em nossos projetos. Assim, possibilitamos o desenvolvimento de cromatografia líquida de alta eficiência (colaboração), técnica de ELISA (colaboração), Western Blot e hibridização in situ. As etapas deste projeto de estabelecimento foram compostas de: (1) pesquisa bibliográfica acerca de cada técnica a ser empregada, (2) levantamento de preços, (3) aquisição e instalação de equipamentos e reagentes necessários, (4) estabelecimento de colaborações e capacitação dos alunos para técnicas de custo mais elevado e dependetes de multiusuários e (5) utilização dos métodos em nossos projetos de pesquisa.. , Situação: Em andamento; Natureza: Desenvolvimento. , Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) Doutorado: (2) . , Integrantes: Rafael Antão Sabença Cruz - Integrante / Lima, J. P. M. - Integrante / Uziel, D. - Coordenador / Marissol dos Santos Freitas Themóteo Pereira - Integrante., Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Auxílio financeiro / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Auxílio financeiro.

  • 2008 - 2012

    Adequação de biotério de roedores, Descrição: A preocupação crescente dos pesquisadores e da sociedade com o bem estar dos animais de experimentação levou a um movimento nacional que, entre outras medidas aprovou a Lei 11.794 de 8 de outubro de 2008 (Lei Arouca), onde confere-se a um Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA) estabelecer e rever, periodicamente, normas técnicas para instalação e funcionamento de centros de criação, de biotérios e de laboratórios de experimentação animal, bem como sobre as condições de trabalho em tais instalações (inciso V do caput do art. 5o desta Lei). Desta forma, os usuários do biotério de roedores do térreo do bloco F do Centro de Ciências da Saúde da UFRJ, em sua maioria professores e alunos de pós-graduação vinculados ao Programa de Ciências Morfológicas (PCM) do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) vem investindo em melhorias deste biotério. Trata-se de um biotério de roedores onde são utilizados camundongos(Mus musculus) da cepa suiça, ratos (Ratus norvegicus)e hamsters (Mesocricetus auratus) para experimentação. Não há organismos geneticamente modificados neste biotério. Como grande parte das pesquisas são feitas com animais embrionários, os acasalamentos são feitos diariamente no biotério. O financiamento é proveniente da verba orçamentária do próprio ICB, além da FAPERJ (editais Apoio à Infraestrutura de Biotérios em Instituições de Ensino de 2008, 2009 e 2010). Baseado em bibliografia especializada, o trabalho se propos a: (1) aumentar a área construída do biotério, possibilitando que (2) houvesse separação completa entre as espécies criadas; (3) aumentar a área de lavagem; (4) manter o ciclo claro-escuro através de iluminação artificial controlada por temporizador (12h de claro, 12h de escuro) (5) instalar unidades sequenciais de filtro de água para prevenir que os animais ingiram água contaminada; (6) garantir ventilação constante pela instalação de exaustores em todas as salas; (7) garantir a manutenção da temperatura ambiente em 18oC p.. , Situação: Em andamento; Natureza: Desenvolvimento. , Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) . , Integrantes: Rafael Antão Sabença Cruz - Integrante / Uziel, D. - Coordenador / Helena Lobo Borges - Integrante / Sandra König - Integrante., Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Auxílio financeiro.

  • 2009 - 2011

    Implantação de técnicas de biologia celular e molecular em laboratório, Descrição: A publicação de trabalhos científicos em revistas conceituadas no meio acadêmico requer uma série de requisitos para a comprovação da qualidade do estudo a ser publicado. Um destes principais requisitos surge a partir do princípio de que uma hipótese deve ser testada utilizando-se diferentes abordagens e metodologias. A evolução de métodos analíticos em biologia molecular e celular permite que novas técnicas sejam empregadas neste sentido, dando maior credibilidade a um trabalho em desenvolvimento. Em novembro de 2009 o Laboratório de Ontogênese e Regeneração Neural (LORN) foi criado no Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ, pela saída de professores do Laboratório de Neuroplasticidade (NP) do mesmo instituito. Além das técnicas celulares (cultura de células) e morfológicas (morfometria, imunohistoquímica) já utilizadas no laboratório NP implantamos no LORN técnicas bioquímicas e moleculares, antes não utilizadas no NP, e estabelecemos colaborações que permitissem abordagens multidisciplinares em nossos projetos. Assim, possibilitamos o desenvolvimento de cromatografia líquida de alta eficiência (colaboração), técnica de ELISA (colaboração), Western Blot e hibridização in situ. As etapas deste projeto de estabelecimento foram compostas de: (1) pesquisa bibliográfica acerca de cada técnica a ser empregada, (2) levantamento de preços, (3) aquisição e instalação de equipamentos e reagentes necessários, (4) estabelecimento de colaborações e capacitação dos alunos para técnicas de custo mais elevado e dependetes de multiusuários e (5) utilização dos métodos em nossos projetos de pesquisa.. , Situação: Em andamento; Natureza: Desenvolvimento. , Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) Doutorado: (2) . , Integrantes: Rafael Antão Sabença Cruz - Integrante / Lima, J. P. M. - Integrante / Uziel, D. - Coordenador / Marissol dos Santos Freitas Themóteo Pereira - Integrante., Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Auxílio financeiro / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Auxílio financeiro.

  • 2008 - 2012

    Adequação de biotério de roedores, Descrição: A preocupação crescente dos pesquisadores e da sociedade com o bem estar dos animais de experimentação levou a um movimento nacional que, entre outras medidas aprovou a Lei 11.794 de 8 de outubro de 2008 (Lei Arouca), onde confere-se a um Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA) estabelecer e rever, periodicamente, normas técnicas para instalação e funcionamento de centros de criação, de biotérios e de laboratórios de experimentação animal, bem como sobre as condições de trabalho em tais instalações (inciso V do caput do art. 5o desta Lei). Desta forma, os usuários do biotério de roedores do térreo do bloco F do Centro de Ciências da Saúde da UFRJ, em sua maioria professores e alunos de pós-graduação vinculados ao Programa de Ciências Morfológicas (PCM) do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) vem investindo em melhorias deste biotério. Trata-se de um biotério de roedores onde são utilizados camundongos(Mus musculus) da cepa suiça, ratos (Ratus norvegicus)e hamsters (Mesocricetus auratus) para experimentação. Não há organismos geneticamente modificados neste biotério. Como grande parte das pesquisas são feitas com animais embrionários, os acasalamentos são feitos diariamente no biotério. O financiamento é proveniente da verba orçamentária do próprio ICB, além da FAPERJ (editais Apoio à Infraestrutura de Biotérios em Instituições de Ensino de 2008, 2009 e 2010). Baseado em bibliografia especializada, o trabalho se propos a: (1) aumentar a área construída do biotério, possibilitando que (2) houvesse separação completa entre as espécies criadas; (3) aumentar a área de lavagem; (4) manter o ciclo claro-escuro através de iluminação artificial controlada por temporizador (12h de claro, 12h de escuro) (5) instalar unidades sequenciais de filtro de água para prevenir que os animais ingiram água contaminada; (6) garantir ventilação constante pela instalação de exaustores em todas as salas; (7) garantir a manutenção da temperatura ambiente em 18oC p.. , Situação: Em andamento; Natureza: Desenvolvimento. , Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) . , Integrantes: Rafael Antão Sabença Cruz - Integrante / Uziel, D. - Coordenador / Helena Lobo Borges - Integrante / Sandra König - Integrante., Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Auxílio financeiro.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Endereço profissional

  • Universidade Federal do Rio de Janeiro. , Avenida Brigadeiro Trompowsky s/n CCS Bloco F., Cidade Universitaria, 21941-590 - Rio de Janeiro, RJ - Brasil, Telefone: () 2125626469

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional

2009 - 2011

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Vínculo: Aluno de Mestrado, Enquadramento Funcional: Aluno de Mestrado, Regime: Dedicação exclusiva.