Ana Clara Feitosa Barros

Graduanda do sexto semestre de Direito na Universidade Federal do Pará (UFPA). Ex-ligante da Liga Acadêmica Jurídico-Criminal (LAJUC) no grupo de pesquisa Estudos Feministas em Crime e Gênero sob coordenação da Profª Me. Mailô Andrade, durante 2021 e 2022. Ligante da Liga Acadêmica Jurídica-PA (LAJUPA) no Núcleo de Estudos Avançados em Direito Eleitoral, com enfoque na teoria feminista, sob coordenação da Profª Natasha Vasconcelos. Foi bolsista de Iniciação Científica no projeto de pesquisa Mídia e Violência: sentidos e significados na Amazônia, sob orientação da Profª Dra. Alda Cristina, entre 2021 e 2022. Membro do Projeto de Extensão intitulado Direitos Humanos e Narrativas Silenciadas (UFPA), sob orientação do Prof Dr. Ricardo Dib Taxi. Foi estagiária na Secretaria de Estado de Educação do Pará (2020) e atualmente atua na Polícia Federal (Delegacia de Imigração). Ex-diretora de Comunicação e Marketing da Liga Acadêmica Jurídico-Criminal (LAJUC) e atualmente é diretora administrativa do Centro Acadêmico de Direito Edson Luis (CADEL). É voluntária do Projeto de Pesquisa Gênero e Sistema Penal na Amazônia, no plano de trabalho intitulado O acesso ao aborto das mulheres ribeirinhas: revisão de literatura, sob orientação da Profª Drª Luanna Tomaz de Souza, realizado na Universidade Federal do Pará (UFPA), no Instituto de Ciências Jurídicas.

Informações coletadas do Lattes em 08/07/2023

Acadêmico

Formação acadêmica

Graduação em andamento em Direito

2020 - Atual

Universidade Federal do Pará

Graduação interrompida em 2020 em Comunicação Social

2019 - Atual

Universidade Federal do Pará
Ano de interrupção: 2020

Ensino Médio (2º grau)

2015 - 2017

CENTRO EDUCACIONAL LOGOS

Formação complementar

2020 - 2020

Minicurso de Metodologia. (Carga horária: 10h). , Universidade Federal do Pará, UFPA, Brasil.

2020 - 2020

Introdução aos Estudos Jurídicos Críticos (Critical Legal Studies). (Carga horária: 10h). , Universidade Federal do Pará, UFPA, Brasil.

2020 - 2020

Minicurso do Processo Civil. (Carga horária: 10h). , Universidade Federal do Pará, UFPA, Brasil.

2020 - 2020

Teoria do Direito: perspectivas contemporâneas. (Carga horária: 20h). , Universidade Federal do Pará, UFPA, Brasil.

2020 - 2020

Metodologia da Pesquisa em Ciências Criminais. (Carga horária: 15h). , Universidade Federal do Pará, UFPA, Brasil.

Idiomas

Bandeira representando o idioma Inglês

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Bandeira representando o idioma Português

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Áreas de atuação

Grande área: Ciências Sociais Aplicadas / Área: Direito.

Organização de eventos

BARROS, A. C. F. . Semana do Calouro 2022. 2022. (Outro).

BARROS, A. C. F. . II Júri Simulado LAJUC. 2022. (Outro).

Participação em eventos

Entrecruzamentos de raça e gênero nos feminismos negros. 2021. (Encontro).

Congresso Internacional sobre Antifascismo, Democracia e Cultura. 2020. (Congresso).

II Encontro de Pós-Graduação em Filosofia da UFPA. 2020. (Encontro).

III Jornada do Grupo de Pesquisa Teorias Normativas do Direito. 2020. (Exposição).

II Webnário Amazônico de Direito Internacional de Direitos Humanos. 2020. (Seminário).

I Webnário Amazônico de Direito Internacional dos Direitos Humanos. 2020. (Seminário).

Tortura e Sistema prisional: uma questão a se pensar. 2020. (Simpósio).

X Encontro Nacional de Pesquisa em Filosofia da UFPA. 2020. (Encontro).

Técnicas para escrever textos de reportagens para telejornalismo e webjornalismo. 2019. (Oficina).

Foi orientado por

ALDA CRISTINA SILVA DA COSTA

Sociabilidades comunicativas e conflitos de violência na Amazônia Urbana; Início: 2021; Iniciação científica (Graduando em Direito) - Universidade Federal do Pará, Fundação Amazônia Paraense de Amparo à Pesquisa; (Orientador);

Luanna Tomaz de Souza

O ACESSO AO ABORTO DAS MULHERES RIBEIRINHAS: REVISÃO DE LITERATURA; Início: 2022; Iniciação científica (Graduando em Direito) - Universidade Federal do Pará; (Orientador);

Produções bibliográficas

  • BARROS, A. C. F. ; SARDINHA, U. . Caso Gabriel Sales Pimenta vs Brasil: a institucionalidade da violência aos defensores de Direitos Humanos no Pará. 2022. (Apresentação de Trabalho/Outra).

  • BARROS, A. C. F. . A VIOLÊNCIA DE GÊNERO E O FEMINICÍDIO RETRATADOS NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO PARAENSES: UMA ANÁLISE DE CONTEÚDO DAS MATÉRIAS JORNALÍSTICAS. 2022. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

Projetos de pesquisa

  • 2022 - Atual

    Gênero e sistema penal na Amazônia, Descrição: Segundo a OMS, casos de abuso sexual e violência doméstica contra meninas e mulheres triplicaram durante a pandemia. Milhares de mulheres e meninas foram obrigadas a permanecer em casa com seus agressores e impossibilitadas de acessar as redes de proteção e os canais de denúncia, seja em função das restrições de circulação, seja pelo medo de realizar a denúncia devido à proximidade com o agressor. A exposição desse grupo aumentou frente à redução de acesso a serviços de apoio às vítimas, dentre os quais os atendimentos médicos e de saúde, pois a gravidade da COVID-19 suspendeu e/ou restringiu diversas políticas e serviços, em especial aqueles voltados à saúde sexual e reprodutiva que, no Brasil, não são considerados essenciais. Estimam-se maiores dificuldades entre usuárias dos serviços públicos, pois, antes da epidemia, já enfrentavam problemas de acesso ao atendimento em SSR, particularmente aquelas mais jovens e de grupos de maior exclusão social. Com a Covid-19, dos 76 hospitais públicos brasileiros que realizavam a interrupção legal da gravidez, apenas 55% mantiveram o serviço na pandemia. A (im)possibilidade de acesso de mulheres e meninas ao aborto legal e as barreiras ao exercício de direitos sexuais e reprodutivos revela impasses e contradições do próprio sistema jurídico quanto à efetividade dos direitos existentes, além de explicitarem as desigualdades sociais, econômicas, culturais e históricas da sociedade brasileira. A relevância da proposta justifica-se pela urgência da temática (mulheres e meninas vítimas de violência e seus DSR) no contexto pandêmico. A revisão da literatura no tema constata que as estratégias de resposta e prevenção da pandemia, em geral, não contemplaram o aumento dos índices de violência contra meninas e mulheres, e, sobretudo, a elevação das barreiras de acesso a serviços de saúde. Dimensionar o alcance desse fenômeno, a partir de um diagnóstico nacional sobre a questão, e efetivar ações estratégicas para mitigar seus efeitos, provocaria importantes avanços por aprofundar os diálogos entre as áreas envolvidas e possibilitar a replicação das metodologias de pesquisa empregadas, com viés empírico e interdisciplinar. Ainda, os métodos para produção de impactos sociais contribuirão diretamente para subsidiar e fortalecer políticas públicas de enfrentamento.. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Doutorado: (1) . , Integrantes: Ana Clara Feitosa Barros - Coordenador / Luanna Tomaz de Souza - Integrante.

  • 2021 - 2022

    Mídia e Violência: sentidos e significados na Amazônia, Descrição: Estudo das sociabilidades comunicativas e conflitos de violência na Amazônia urbana, com enfoque ainda na criminologia midiática.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Doutorado: (1) . , Integrantes: Ana Clara Feitosa Barros - Integrante / Alda Cristina Silva da Costa - Coordenador.

Histórico profissional

Experiência profissional

2021 - Atual

Universidade Federal do Pará

Vínculo: , Enquadramento Funcional:

Atividades

  • 03/2021

    Extensão universitária , Instituto de Ciências Jurídicas.,Atividade de extensão realizada, Membro da Liga Acadêmica Jurídico-Criminal (LAJUC).