Ivana Carvalho Nogueira

Graduanda do curso superior de Tecnologia em Agroindústria (IFFAR). Atuando na área de pesquisa com foco no potencial antibacteriano de extratos de plantas.

Informações coletadas do Lattes em 16/03/2021

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Graduação em andamento em Tecnologia Em Agroindustria

2018 - Atual

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha

Ensino Médio (2º grau)

2014 - 2016

Instituto Estadual de Educação Salgado Filho

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Bandeira representando o idioma Português

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

"Amostragem, coleta e transporte do Leite/embrapa ". 2020. (Outra).

"O manejo e instalações nas fases de produção suinicola".. 2020. (Outra).

" O que mudou na rotina dos abatedouros frigoríficos com a pandemia do covid-19".. 2020. (Outra).

in the I coicta - Internacional online congress of food science and technology-. 2020. (Congresso).

I simpósio online de medicina veterinária preventiva: Inspeção de alimentos e saúde pública.. 2020. (Simpósio).

Participante da I semana acadêmica multicampi de ciência e tecnologia de alimentos do IFFAR. 2020. (Encontro).

8° Semana Acadêmica do Curso Superior de Tecnologia em Agroindústria com o tema ? Empreendedorismo e Tendências no Setor Agroindustrial.. 2019. (Seminário).

7° Semana Acadêmica do curso Superior de Tecnologia em Agroindústria, com tema ? Tecnologia e suas aplicações em produtos de origem animal e vegetal. 2018. (Simpósio).

II Jornada Integrada de Pesquisa, Ensino e Extensão do IF Farroupilha. 2018. (Simpósio).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2020 - Atual

    Enumeração de Estafilococos coagulase positiva e detecção de Staphylococcus aureus em queijos comercializados no município de Alegrete, RS, Descrição: Staphylococcus aureus é um dos principais agentes etiológicos identificados em surtos de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA) no Brasil. Com base na produção da enzima coagulase as espécies de Staphylococcus spp. são divididas em coagulase positiva ou coagulase negativa. S. aureus é coagulase positiva e a espécie mais importante do gênero. Contudo, outras espécies coagulase positiva, também podem produzir toxinas e causar intoxicação alimentar. Desta forma, a legislação brasileira preconiza a análise de Estafilococos coagulase positiva (ECP) em alimentos. Alimentos que não sofrem um processamento térmico após serem manuseados, como aqueles alimentos prontos para consumo, são especialmente arriscados se contaminados com S. aureus. Tendo em vista o exposto o objetivo do trabalho será enumerar ECP e a presença de S. aureus em queijos comercializados em Alegrete, RS. Para isso, serão coletadas dez amostras mensais durante dez meses de queijos comercializados em Alegrete, totalizando cem amostras (n=100). Cinco amostras serão adquiridas de feiras do município e cinco serão queijos fatiados comercializados nos supermercados. As amostras serão acondicionadas em caixas isotérmicas e transportadas ao Laboratório de Microbiologia do campus Alegrete. Após será realizada a enumeração de ECP e, em seguida, a diferenciação de S. aureus através dos testes de produção de acetoína, utilização anaeróbica do manitol e resistência a acriflavina.. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Doutorado: (2) . , Integrantes: Ivana Carvalho Nogueira - Coordenador / Luana Haselein Maurer - Integrante / Darla Maia Volcan - Integrante., Financiador(es): Instituto Federal de EducaÃÃo, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Bolsa.

  • 2019 - 2020

    Aaliação da atividade antimicrobiana do extrato de bagaço de pitanga (Eugenia uniflora)., Descrição: A busca por antimicrobianos naturais é crescente, podendo estes retardar o desenvolvimento de microrganismos deterioradores de alimentos e diminuir a contaminação causada pela ingestão de alimentos contaminados por microrganismos patogênicos (OSTROSKY et al, 2008). Dessa forma, o objetivo do estudo foi avaliar a atividade antimicrobiana do extrato do bagaço de pitanga (Eugenia uniflora) frente ao patógeno Staphylococcus aureus. A atividade antimicrobiana foi determinada pelos testes de Concentração inibitória mínima (CIM) e concentração bactericida mínima (CBM). No teste de CIM repicou-se a cepa padrão em ágar infusão de cérebro e coração e incubou-se a 37 °C por 24 h. Após realizou-se diluições seriadas do extrato em caldo infusão de cérebro e coração (BHI), variando de 100 L.mL-1 até 0,78 L.mL-1. Em seguida adicionou-se 100 L de Tween 20 e 106 UFC.mL-1 de inóculo bacteriano, e incubou-se a 37 °C por 24 h. Foi considerado como a CIM, a menor concentração do extrato sem multiplicação celular visível. Para o teste de CBM, dos tubos que não apresentaram multiplicação celular visível retirou-se 100 L e semeou-se em placas de Petri contendo ágar Padrão para Contagem (PCA) e incubou-se a 37 °C por 48 h. Foi considerada como CBM a menor concentração de extrato em que 99,9% das células inoculadas inicialmente foram mortas. O extrato apresentou atividade antimicrobiana contra S. aureus, apresentando valores de CIM e CBM de 100 L.mL-1. Muitos são os estudos encontrados na literatura que demonstram o efeito antimicrobiano de extratos e óleos essenciais adquiridos de plantas do gênero Eugenia. Os mesmos trazem bons resultados contra bactérias Gram-positivas. Exemplos desses estudos são o realizado por Wuerges et al. (2016), que avaliaram o óleo essencial e extratos obtidos das folhas e frutos de E. uniflora, que apresentou eficiência contra microrganismos causadores de doenças transmitidas por alimentos, como S. aureus; e o de Auricchio et al. (2007), onde o extrato das folhas da planta apresentou atividade antimicrobiana expressiva frente a S. aureus. Concluiu-se que o extrato demonstrou inibir o desenvolvimento de S. aureus. Além disso, o mesmo colaborou para ampliação dos conhecimentos a respeito da atividade antimicrobiana de subprodutos de plantas, demonstrando ter potencial para futuros estudos avaliando sua aplicação em alimentos. Referências: AURICCHIO, T. M et al. Atividades Antimicrobiana e Antioxidante e Toxicidade de Eugenia uniflora. Revista Latino-Americana de Farmácia. v. 26, n.1, p.76-81, 2007. OSTROSKY, Elissa A. et al. Métodos para avaliação da atividade antimicrobiana e determinação da Concentração Mínima Inibitória (CMI) de plantas medicinais. Revista. brasileira. farmacognosia. v. 18, n. 2, p. 301-307, 2008. WUERGES, L.K; GANDRA, E. A. Atividade Antimicrobiana do Óleo Essencial e Extratos de Folhas e Frutos de Pitanga (Eugenia uniflora L.): Uma Revisão. Revista Ciências Exatas e Naturais, v. 18, n. 1, p. 119-13, 2016.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (2) . , Integrantes: Ivana Carvalho Nogueira - Coordenador / Cristina dos Santos da Costa - Integrante / Luana Haselein Maurer - Integrante / Darla Silveira Volcan - Integrante.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional

2019 - 2020

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha

Vínculo: , Enquadramento Funcional:

2019 - Atual

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha

Vínculo: , Enquadramento Funcional: