marcelo marques de fontes

Possui graduação em Licenciatura Plena em Química e Bacharel em Química Industrial ambos pela Universidade Estadual da Paraíba. Mestrado em Ciências Agrárias pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias pela Universidade Estadual da Paraíba , atuando na área de concentração Agroenergia,Energias Renováveis, Controle de Qualidade de Biocombustiveis, Gestão Ambiental, Educação Ambiental.

Informações coletadas do Lattes em 10/04/2019

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Mestrado em CIÊNCIAS AGRÁRIAS

2010 - 2012

Universidade Estadual da Paraíba
JOSÉ GERMANO VÉRAS NETO.Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Grande área: Ciências Exatas e da Terra / Área: Química. Grande Área: Ciências Exatas e da Terra / Área: Química / Subárea: Química Analítica. Grande Área: Ciências Exatas e da Terra / Área: Química / Subárea: Química Orgânica.

Graduação em BACHAREL EM QUÍMICA INDUSTRIAL

2008 - 2012

Universidade Estadual da Paraíba
Orientador: José Germano Véras Neto
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

Graduação em LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA

2006 - 2010

Universidade Estadual da Paraíba
Orientador: JOSÉ PIRES DANTAS
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação complementar

2010 - 2010

Tecnologia Sustentáveis para a Produção de Agrobio. (Carga horária: 8h). , EMBRAPA ALGODÃO.

2010 - 2010

FOTOSSÍNTESE: PRINCÍPIOS E APLICAÇÕES. (Carga horária: 24h). , EMBRAPA.

2009 - 2009

Qualidade da Água e seus Tratamentos. (Carga horária: 16h). , Universidade Estadual da Paraíba, UEPB, Brasil.

2008 - 2008

Metodologia de Pesquisa Quantitativa. (Carga horária: 4h). , Universidade Estadual da Paraíba, UEPB, Brasil.

2007 - 2007

Do Histórico a Qualidade da Cachaça Brasileira. (Carga horária: 30h). , Universidade Estadual da Paraíba, UEPB, Brasil.

2007 - 2007

Teoria do Reconhecimento. (Carga horária: 6h). , Universidade Estadual da Paraíba, UEPB, Brasil.

2006 - 2006

Usando a Solubilidade para Apred. Ens. Conceitos. (Carga horária: 6h). , Universidade Estadual da Paraíba, UEPB, Brasil.

2006 - 2006

Tendências Pedagógicas em Ensino de Química. (Carga horária: 6h). , Universidade Estadual da Paraíba, UEPB, Brasil.

2006 - 2006

Material de Limpeza. (Carga horária: 6h). , Universidade Estadual da Paraíba, UEPB, Brasil.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Inglês

Compreende Pouco, Fala Pouco, Lê Pouco, Escreve Pouco.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Áreas de atuação

    Grande área: Ciências Agrárias / Área: Zootecnia / Subárea: Nutrição e Alimentação Animal.

    Grande área: Ciências Agrárias / Área: Agronomia / Subárea: Ciência do Solo.

    Grande área: Ciências Exatas e da Terra / Área: Química.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

35 Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química. Otimização do processo reacional de transesterificação do óleo de algodão para a produção de biodiesel. 2012. (Congresso).

34 Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química. Avaliação físico química do melado do Sorgo Granífero Sacarino (Sorghum bicolor L. Moench). 2011. (Congresso).

1 CONGRESSO QUÍMICO DO BRASIL. EFEITO DAS ANÁLISES QUÍMICAS E MINERALÓGICAS DA CALCITA, PARA USO INDUSTRIAL. 2010. (Congresso).

62 Reunião da Sociedade Para o Progresso da Ciência. Avaliação Físico-Química das Porções Morfológica do Xique-xique ( Pilosocereus gounellei). 2010. (Congresso).

2 Encontro Nacional de Tecnologia Química. Avaliação Química e Bromatológica das Porções Morfológicas do Xique-xique (Pilosocereus gounellei) na Alimentação Animal. 2009. (Congresso).

XVI ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA.AVALIAÇÃO DAS PORÇÕES MORFOÓGICAS DO XIQUE-XIQUE ( Pilosocereus gounellei). 2009. (Encontro).

60 REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIA. 2008. (Congresso).

60 REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIA. AVALIAÇÃO DO TEOR DE PROTEÍNA BRUTA, FÓSFORO E POTÁSSIO EM DIFERENTES PERÍODOS DE COLETA DAS FOLHAS, RAMOS E DA PLANTA INTEIRA DO FEIJÃO- BRAVO ( CAPPARIS FLEXUOSA,L). 2008. (Congresso).

60 REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIA. AVALIAÇÃO DO TEOR DE PROTEÍNA BRUTA DO XIQUE-XIQUE APÓS ENRIQUECIMENTO PROTÉICO EM DIFERENTES TRATAMENTOS. 2008. (Congresso).

60 REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIA. DETERMINAÇÃO DE PROTEÍNA BRUTA, FÓSFORO E POTÁSSIO EM PERÍODOS EQUIDISTANTES DE COLETA, NAS PORÇÕES MORFOLÓGICAS DO MATA-PASTO (Cássia tora, Linn). 2008. (Congresso).

V ENCONTRO REGIONAL DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DO CCT/UEPB.PRODUÇÃO DE SACHARINA A PARTIR DO XIQUE-XIQUE.. 2008. (Encontro).

XV ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEPB. 2008. (Encontro).

XV ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEPB.PRODUÇÃO DE SACHARINA A PARTIR DO XIQUE-XIQUE. 2008. (Encontro).

I ENCONTRO DE AGROECOLOGIA. 2007. (Encontro).

XIV ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEPB. 2007. (Encontro).

CURSO DO HISTÓRICO A QUALIDADE DA CACHAÇA BRASILEIRA. 2007. (Outra).

SEMANA PEDAGÓGICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA I JORNADA REGIONAL. 2006. (Outra).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Comissão julgadora das bancas

Ilza Maria do Nascimento Brasileiro

BRASILEIRO, I. M. N.. Caracterização do Xique-Xique Objetivando Sua Utilização na Agricultura Familiar do Semi-Àrido Paraibano. 2010.

Alberto Soares de Melo

Véras Neto, J. G.; Conceição, M.M.;MELO, A. S.. Otimização da síntese de biodiesel a partir do ólea de sementes de algodoeiro. 2012. Dissertação (Mestrado em CIÊNCIAS AGRÁRIAS) - Universidade Estadual da Paraíba.

LENILDE MÉRGIA RIBEIRO LIMA

DANTAS, J. P.;LIMA, L. M. R.; BRASILEIRO, I. M do N.. Caracterização Físico-Química da Cactácea Xique-xique (Pilocereus gounellei) objetivando sua Utilização na Agricultura Familiar do Semiárido Paraibano. 2010. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Licenciatura Plena Em Química) - Universidade Estadual da Paraíba.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

Jose Pires Dantas

produção de sacharina a partir do xique-xique; 2008; Iniciação Científica; (Graduando em Licenciatura Em Química) - Universidade Estadual da Paraíba, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; Orientador: Jose Pires Dantas;

José Germano Veras Neto

OTIMIZAÇÃO DA SÍNTESE DE BIODIESEL A PARTIR DO ÓLEO DE SEMENTES DE ALGODOEIRO; 2012; Dissertação (Mestrado em CIÊNCIAS AGRÁRIAS) - Universidade Estadual da Paraíba, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; Orientador: Jose Germano Veras Neto;

José Germano Veras Neto

Analise Exploratória das Frações da Cachaça Utilizando o Método de Reconhecimento de Padrões Não-Supervisionado; 2013; Orientação de outra natureza; (Química Industrial) - Universidade Estadual da Paraíba; Orientador: Jose Germano Veras Neto;

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • VÉRAS, GERMANO ; BRITO, ANNA LUIZA BIZERRA DE ; SILVA, ADENILTON CAMILO DA ; SILVA, PRISCILA DA ; COSTA, GEAN BEZERRA DA ; FÉLIX, LORENA CRISTINA NÓBREGA ; FERNANDES, DAVID DOUGLAS DE SOUSA ; FONTES, Marcelo Marques de . Classificação de biodiesel na região do visível. Química Nova (Impresso) , v. 35, p. 315-318, 2012.

  • SILVA, GILDO W. B. ; GOMES, ADRIANO A. ; SILVA, PRISCILA ; COSTA, GEAN B. ; FERNANDES, DAVID DOUGLAS SOUSA ; FONTES, MARCELO M. ; VERAS, GERMANO . Biodiesel/Diesel Blends Classification with Respect to Base Oil Using NIR Spectrometry and Chemometrics Tools. Journal of the American Oil Chemists' Society (Online) , v. 89, p. 1165-1171, 2012.

  • FONTES, M. M. ; SILVA, B. A. ; DANTAS, J. P. ; DA SILVEIRA, D. C. ; CAVALCANTI, M. T. . Caracterização físico-química do melado de sorgo gramíneo. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável , v. 6, p. 216-219, 2011.

  • FONTES, Marcelo Marques de ; FARIAS, A. F. F. ; LEITE, G. F. . PRODUÇÃO DE SACHARINA A PARTIR DO XIQUE-XIQUE. In: XV ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEPB, 2008, CAMPINA GRANDE-PB. XIV ENCONTRO DE INICIAÇÃO CINETÍFICA DA UEPB, 2008.

  • SILVA, P. ; FONTES,M.M. ; FERNANDES, D. D. ; LIMA, C. A. ; COSTA, G. B. ; VERAS.G . Determinação da densidade e do teor das misturas biodiesel/diesel utilizando espectrometria VIS/NIR e regressão PLS e PCR. In: 35a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, 2012. 35a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, 2012.

  • FONTES,M.M. ; LIMA, C. A. ; FERNANDES, D. D. ; COSTA, G. B. ; VERAS.G . Otimização do processo reacional de transesterificação do óleo de algodão para a produção de biodiesel. In: 35a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, 2012, Águas de Lindóia. 35a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, 2012.

  • FERNANDES, D. D. ; GOMES, AA. ; FONTES,M.M. ; LIMA, C. A. ; COSTA, G. B. ; VERAS.G . Determinação do teor de adulteração em blendas (B5) biodiesel/diesel com óleo de soja usando espectrometria NIR e quimiometria. In: 35a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, 2012, Águas de Lindóia. 35a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, 2012.

  • COSTA, GEAN BEZERRA DA ; FERNANDES, D. D. ; FONTES,M.M. ; VÉRAS, GERMANO . Triagem de óleos vegetais comestíveis com respeito ao estado de conservação. In: 5 Congreso Iberoamericano de Química Analitica 2 Congreso Uruguayo de Química Analítica, 2012, Montevideo. 5 Congreso Iberoamericano de Química Analitica 2 Congreso Uruguayo de Química Analítica, 2012.

  • FONTES,M.M. ; Dantas. J.P . Avaliação físico química do melado do Sorgo Granífero Sacarino (Sorghum bicolor L. Moench). In: 34a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, 2011, Florianópolis. 34a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, 2011.

  • FONTES,M.M. ; VERAS.G ; Silva, A.C. ; GOMES, AA. ; FERREIRA, G.A . Classificação de biodiesel empregando espectroscopia UV-Vis e SIMCA.. In: 34a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, 2011, Florianópolis. 34a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, 2011.

  • ERIKI ERMANO PEREIRA DA SILVA ; FONTES, Marcelo Marques de . AVALIAÇÃO QUÍMICA E BROMATOLÓGICA DAS PORÇÕES MORFOLÓGICAS DO XIQUE-XIQUE ( Pilosocereus gounellei) NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL. In: ENTEQUI - 2º Encontro Nacional de Tecnologia Química, 2010, SALVADOR. ENTEQUI - 2º Encontro Nacional de Tecnologia Química, 2010.

  • FARIAS, A. F. F. ; FONTES, Marcelo Marques de ; SILVA, E. R. ; ERIKI ERMANO PEREIRA DA SILVA ; DANTAS, P. D. S. P. . DETERMINAÇÃO DE PROTEÍNA BRUTA, FÓSFORO E POTÁSSIO EM PERÍODOS EQUIDISTANTES DE COLETA, NAS PORÇÕES MORFOLÓGICAS DO MATA-PASTO (Cássia tora, Linn). In: 60 REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIA, 2008, CAMPINAS-SP. 60 REUNIÃO ANUAL DA SBPC, 2008.

  • FONTES, Marcelo Marques de ; DANTAS, P. D. S. P. ; BARBOSA, J. M. ; FARIAS, A. F. F. ; NATÁLIA TITO PERREIRA . AVALIAÇÃO DO TEOR DE PROTEÍNA BRUTA, FÓSFORO E POTÁSSIO EM DIFERENTES PERÍODOS DE COLETA DAS FOLHAS, RAMOS E DA PLANTA INTEIRA DO FEIJÃO- BRAVO ( CAPPARIS FLEXUOSA,L). In: 60 REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIA, 2008, CAMPINAS-SP. 60 REUNIÃO ANUAL DA SBPC, 2008. v. 60.

  • FONTES, Marcelo Marques de ; DANTAS, P. D. S. P. ; BARBOSA, J. M. ; LEITE, G. F. ; SILVA, G. N. . AVALIAÇÃO DO TEOR DE PROTEÍNA BRUTA DO XIQUE-XIQUE APÓS ENRIQUECIMENTO PROTÉICO EM DIFERENTES TRATAMENTOS. In: 60 REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIA, 2008, CAMPINAS-SP. 60 REUNIÃO ANULA DA SBPC, 2008. v. 60.

  • FONTES, Marcelo Marques de . ESTUDO FÍSICO-QUÍMICO DO MELADO DE SORGO GRANÍFERO SACARINO [Sorghum biolor (L) Moench]. In: II Simpósio Em Ciência e Tecnologia de Alimentos, 2010, Aracaju. II Simpósio Em Ciência e Tecnologia de Alimentos, 2010.

  • ERIKI ERMANO PEREIRA DA SILVA ; FONTES, Marcelo Marques de . EFEITO DAS ANÁLISES QUÍMICAS E MINERALÓGICAS DA CALCITA, PARA USO INDUSTRIAL. In: 1 CONGRESSO QUÍMICA DO BRASIL, 2010, JOÃO PESSOA. 1 CONGRESSO QUÍMICA DO BRASIL, 2010.

  • FONTES, Marcelo Marques de . CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DAS PORÇÕES MORFOLÓGICAS DO XIQUE-XIQUE ( Pilosocereus gounellei). In: 1 CONGRESSO QUÍMICA DO BRASIL, 2010, JOÃO PESSOA. 1 CONGRESSO QUÍMICA DO BRASIL, 2010.

  • ERIKI ERMANO PEREIRA DA SILVA ; FONTES, Marcelo Marques de . EFEITO DAS ANÁLISES QUÍMICAS E MINERALÓGICAS DA CALCITA, PARA USO INDUSTRIAL. 2010. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • FONTES, Marcelo Marques de . CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DAS PORÇÕES MORFOLÓGICAS DO XIQUE-XIQUE ( Pilosocereus gounellei). 2010. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • FONTES, Marcelo Marques de . AVALIAÇÃO DAS PORÇÕES MORFOÓGICAS DO XIQUE-XIQUE ( Pilosocereus gounellei). 2009. (Apresentação de Trabalho/Outra).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2010 - 2011

    CLASSIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO BIODISESEL E DAS MISTURAS B5 BIODIESEL/DIESEL, Descrição: Nos últimos tempos cresceu o interesse por combustíveis que possam substituir os derivados do petróleo, por ser um combustível não renovável, e que permitam a redução de poluentes ao meio ambiente. Esse efeito foi mais pronunciado a partir da década de 1970 quando a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) decidiu restringir para seus membros a quantidade de petróleo prospectado. Essa atitude provocou um aumento substancial nos valores do preço do barril de petróleo no mundo e como conseqüência duas grandes crises mundiais. A partir deste momento, a busca por matrizes energéticas renováveis e de menor impacto ambiental começou a estar na pauta de discussão dos governos em todo o mundo. No contexto dos combustíveis de fontes renováveis está o biodiesel, alternativa ao óleo diesel, derivado do petróleo, por sua expressiva capacidade de reduzir a emissão de diversos gases causadores do efeito estufa, a exemplo do gás carbônico e do enxofre, e por poder ser usado puro ou misturado ao diesel em qualquer proporção. A partir dessa problemática e visando incrementar outros setores, no Brasil foi instituída a Lei 11.097, de 13 de janeiro de 2005, que obriga, a partir deste ano (2010), em todo território nacional o uso de uma mistura de 5 % de biodiesel e 95 % de diesel de petróleo, denominada de B5. Assim sendo, os estímulos fornecidos pelo governo brasileiro à produção de biodiesel ensejam pesquisas nesta área para proporcionar condições de funcionamento eficaz dessa matriz energética. Além disso, essa matriz energética deve promover inclusão social e o desenvolvimento de regiões mais carentes, como o caso do semi-árido do Nordeste brasileiro, que possui uma grande quantidade de oleaginosas que poderiam ser utilizadas para a produção de biocombustíveis. Nesse contexto, os objetivos deste trabalho são: fazer estudos de classificação do biodiesel a partir da oleaginosa de origem, avaliar a qualidade de biodiesel proveniente das oleaginosas em estudo.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Marcelo Marques de Fontes - Integrante / José Germano Véras - Coordenador.

  • 2009 - 2010

    AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO MELADO DO SORGO SACARINO (Sorghum bicolor L. Moench) PARA FINS DE ALIMENTAÇÃO HUMANA., Descrição: Considerando que um dos grandes problemas que afligem a humanidade e especificamente a Caatinga Semi-árida do Nordeste do Brasil é a fome, o presente projeto tem como objetivo geral proceder o manejo do Sorgo Granífero Sacarino IPA 467-4-2 no sistema produtivo de agricultores rurais da caatinga Semi-árida da Paraíba para fabricação do melado obtido a partir do caldo dos seus colmos, potencializando alternativas alimentares produzidas nas suas próprias comunidades, verificando seus prováveis impactos na melhoria do padrão alimentar e da saúde das famílias rurais. Constitui-se como objetivo especifico: instalar no Campos do Instituto Nacional do Semi-árido Campina Grande-PB uma unidade de produção de Sorgo Granífero Sacarinio em uma área de um hectare para produção de colmos. Proceder à extração do caldo do colmo do Sorgo Granífero Sarcarino para posterior cozimento e obtenção do melado que se destinará à alimentação de crianças, jovens, adultos e idosos que estejam com déficit alimentar obedecendo uma metodologia preconizada na portaria número 196-96 e 251-97 da Vigilância Sanitária e nas resoluções da CNS envolvendo pesquisa com seres humanos. Diagnosticar as deficiências nutricionais de comunidades através de indicadores antropométricos (peso e estatura) e laboratoriais (hemograma completo, glicose, dosagem de ferro sérico, capacidade de ligação do ferro e parasitológico de fezes) antes da administração do melado. Monitorar os indivíduos que se enquadram no perfil de desnutridos onde passarão a receber diariamente uma dieta rica em melado de Sorgo Granífero Sacarino. Avaliar mensalmente durante o período de três meses através das medidas antropométricas e de exames laboratoriais os impactos dos nutrientes do melado do sorgo nas condições nutricionais dos indivíduos após adoção da dieta. Elaborar conjuntamente com a Pró-Reitoria de Extensão da UEPB uma cartilha auto-explicativa para distribuição entre as Comunidades Rurais sobre as propriedades nutricionais do m. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Marcelo Marques de Fontes - Coordenador.

  • 2008 - 2009

    AVALIAÇÃO DE FERTILIDADE DOS DIVERSOS TIPOS DE SOLOS REPRESENTATIVOS DO ESTADO DA PARAÍBA., Descrição: Uma das problemáticas dos sistemas de manejo dos solos do semiárido é a redução da fertilidade desses; quando cultivados se reposição dos nutrientes demandados por essas culturas. Com base nessa assertiva procurou- se no presente trabalho caracterizar a fertilidade de dez tipos de solos oriundos de locais distintos e submetidos a dois sistemas de manejo; emposio (nativo) e em cultivo os solos foram coletados aprofundados de zero a vinte centímetros levados a casa de vegetação e após seco ao ar (TFSA) Neste trabalho esteve envolvidos professores e alunos do curso de licenciatura em Química da UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAIBA UEPB, e agricultores das regiões onde foram realizadas diversas coletas de solos para as analises: químicas e físicas. Também realizou -se analises de solo para os 10 locais distintos determinando se pH em água e CaCl2.10-2M, além dos índices matéria orgânica, P, K, e Na. Pelos os resultados obtidos não foi possível constatar variabilidade do pH dos solos em água nos distintos locais e também nos dois sistemas de manejos; matéria orgânica ficou estabelecidos os índices consideráveis de baixa a media que ocorreu para os índices de P e K, que permaneceram em níveis baixos como ligeiros acréscimos ao tipo de manejo posio (nativo). Conclui-se que os sistemas de manejo nos dez tipos de solo não interferiram nos índices característicos tanto de crescimento e produtividade como também nos índices de fertilidades. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Marcelo Marques de Fontes - Integrante / GILBERLÂNDIO NUNES DA SILVA - Coordenador.

  • 2008 - 2009

    AVALIAÇÃO DA PARTE RADICULAR DA FAVELEIRA PARA FINS DE ALIMENTAÇÃO., Descrição: Conhecendo-se pouco a respeita da faveleira (Cnidosculus quercifolius, Pax. & K. Hoffm), sendo esta, consideravelmente distribuída pelo sertão nordestino árvore tipicamente xerófita, atingindo por volta de 12,0m de altura, irregularmente esgalhada, lactescente e armada de espinhos sendo uma das primeiras a perder as folhas no final do período chuvoso. Até o momento, as descrições botânicas inerentes à espécie têm constatado a existência de uma única variedade, dotada de espinhos. No entanto, alguns estudos já relatam a existência de uma mutante , que é a faveleira sem espinho. As sementes, de aparência semelhante às da mamona, são ricas em óleo comestível; ainda assim, pouco aproveitadas, bem como as demais partes da planta, podendo ainda ser utilizadas no tratamento de dermatites. Toda a planta é relativamente rica em proteína. A raiz é incorporada à ração de engorda e de leite, sendo recomendado não permitir ao animal, beber água, logo após sua ingestão para prevenir intoxicações. Sua capacidade nutricional é consideravelmente boa, Os Teores obtidos de PB 2,8 e 6,48%, EE 1,18 a 6,03%, FDA 33,90 a 67,3%, FDN 30,75 a 70,10 %, MM 6,68 a 11,87%, Sódio 32,9 a 33,3mg/kg, Potássio de 1,2 a 1,6 mg/kg e umidade 18,58 a 25,51% não ocorrendo grandes variações quanto ao porte da palnta. Visto que a falta de alimento em períodos de escassez de água e alimento em certas épocas do ano a espécie devido a sua resistência a esse fator pode ser implementado ou incorporado para suprir a necessidade nutricional para os animais.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Marcelo Marques de Fontes - Integrante / Severino Florentino Lopes - Coordenador.

  • 2008 - 2009

    AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO TENDO O SORGO GRNÍFERO SACARINO COMO PLANTA TESTE., Descrição: Uma das problemáticas dos sistemas de manejo dos solos do semi-árido é a redução da fertilidade desses; quando cultivados se reposição dos nutrientes demandados por essas culturas. Com base nessa assertiva procurou- se no presente trabalho caracterizar a fertilidade de dez tipos de solos oriundos de locais distintos e submetidos a dois sistemas de manejo; nativo e em cultivo os solos foram coletados aprofundados de zero a vinte centímetros levados a casa de vegetação e após seco ao ar (TFSA) foram colocados em vasos com capacidade para trinta quilograma (30 Kl), tomando como sorgo granífero sacarino como planta teste (SORGUM, Bicolor L. MOENCH). Com planta teste vão germinarem as sementes de sorgo deixou se passa um período de 15 dias; estabelecimento de um estand de 70 dias plantas por vasos. Cada tratamento constitui-se do local de coletas totalizando dez tratamentos com duas repetições forneceu-se a irrigação do experimento com água de chuva. Realizando se a coleta aos 45 dias da implantação tendo-se nessa operação tomado os parâmetros de crescimento de diâmetro do calmo e produção de matéria orgânica seca para cada 70 plantas por vasos. Também realizou -se analises de solo para os 10 locais distintos determinando se pH em água e CaCl2.10-2M, além dos índices matéria orgânica, P, K, e Na. Pelos os resultados obtidos não foi possível constatar variabilidade do pH dos solos em água nos distintos locais e também nos dois sistemas de manejos; matéria orgânica ficou estabelecidos os índices consideráveis de baixa a media que ocorreu para os índices de P e K, que permaneceram em níveis baixos como ligeiros acréscimos ao tipo de manejo nativo. Conclui-se que os sistemas de manejo nos dez tipos de solo não interferiram nos índices característicos tanto de crescimento e produtividade como também nos de fertilidades. . , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Marcelo Marques de Fontes - Integrante / GILVAN FERREIRA LEITE - Coordenador.

  • 2008 - 2009

    AVALIAÇÃO DAS PORÇÕES MORFOÓGICAS DO XIQUE-XIQUE ( Pilosocereus gounellei), Descrição: O Nordeste Brasileiro, especialmente o Semi-Árido, o tipo de vegetação predominante é a caatinga que correspondendo aproximadamente 11% do território nacional. Esta região é marcada por duas épocas bem distintas, uma época chuvosa e uma época seca. Por causa dessa grande variedade climática pertencente nesse local, condiciona o aparecimento de diversas espécies de vegetais, adaptada ao clima. Como por exemplo, as cactáceas que possuem adaptações, tais como: folhas transformadas em espinhos, cutículas altamente impermeáveis, caules suculentos e etc. Em destaque o Xique-xique (Pilosocereus gounellei) é uma cactácea forrageira de tronco ereto com galhos laterais bastante ramificados, seus ramos são cobertos por espinhos, atingindo a altura de até 3,76m, disseminada praticamente em toda caatinga nordestina e a sua característica fundamental é a capacidade econômica de água e armazenamento. Além disso, ela é bastante utilizada como fonte alternativa de alimento durante os períodos drásticos de seca caracterizando assim a sua principal importância. O objetivo deste estudo é avaliar os parâmetros morfológicos e fenológico do xique-xique (Pilosocereus gounellei) em plantas com dois anos de estágio de maturação, destinando-as a alimentação de caprinos e bovinos durante os períodos de estiagem. Em condições de campo foram coletadas plantas de xique-xique. Realizada a coleta, as cactáceas foram submetidas ao processo de separação morfológica (partes ou ramos novos e velhos), posteriormente o material é exposto à queima, que tem como finalidade retirar o maior número de espinhos possíveis, a queima será dita completa quando os ramos da cactácea apresentar um aspecto todo enegrecido, logo após, realizou-se a trituração em uma máquina forrageira, sendo que a primeira saída do material triturado será desperdiçada em virtude de possíveis contaminações. Tomando o peso de matéria verde, as amostras foram levadas à secagem em uma estufa de circulação de ar forçada, mantidas a 50 C por. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Marcelo Marques de Fontes - Coordenador.

  • 2007 - 2008

    PRODUÇÃO DE SACHARINA A PARTIR DO XIQUE-XIQUE., Descrição: O xique-xique é uma cactácea oriunda da região Semi-árida, disseminada praticamente por toda caatinga nordestina tendo como característica fundamental a capacidade de economizar e armazenar água. Além disso, ela é bastante utilizada como fonte alternativa de alimento durante os períodos drásticos de seca caracterizando a sua principal importância. Desse modo, a pesquisa teve como objetivo desenvolver um método que propiciasse o melhoramento do farelo do xique-xique através do processo da sacharinação, incorporando-o ao sistema produtivo de agricultura familiar garantindo um suprimento de ração, a baixo custo, para seus animais nos períodos de estiagem do Semi-árido. Visando contribuir com essa temática foi desenvolvido um roteiro de estudo para analisar sua importância como reserva estratégica de alimentos para os animais durante o período de estiagem. Trata-se de uma pesquisa de caráter exploratória e experimental, cujos dados foram coletados a partir de analises químicas e bromatológicas efetuadas no campo e em laboratório, por observação sistêmica, utilizando-se das bases conceituais de Tedesco (1995). A pesquisa revelou o bom valor nutricional, principalmente em termos de proteína, que dependendo da forma de uso pode variar aproximadamente de 12 a 32,31%, apresentando uma boa palatibilidade, podendo, assim, o xique-xique ser incorporado ao sistema produtivo agrícola da região Semi-árida.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Marcelo Marques de Fontes - Coordenador.

  • 2007 - 2008

    TOLERÂNCIA A SALINIDADE DE PLANTAS HALÓFITAS DA CAATINGA SEMI- ÁRIDA DO ESTADO DA PARAÍBA, Descrição: As águas disponíveis no Semi-árido do Nordeste apresentam problemas de salinidade que em muitos casos às tornam imprestáveis para a dessedentação humana e mesmo animal. Surgiram avanços tecnológicos que podem transformá-la apropriada ao consumo, com a utilização de dessalinizadores. Ocorre que ao dessalinisar, há um e+ uente desperdiçado, riquíssimo em sais minerais. Esse rejeito embora de grande impacto ambiental, pois na maioria das vezes, é despejado no solo, poderá ser utilizada em irrigações de culturas que apresentem características de alta tolerância à salinidade do solo OBJETIVOS: Avaliar a tolerância à salinidade da Algaroba (Prosopisjuli+ ora (Sw) DC) em comparação com a Atriplex nummularia L, caracterizando seus potenciais como forrageiras e contribuindo com a redução dos impactos que os rejeitos de dessalinizadores possam ocasionar ao meio ambiente. METODOLOGIA: Foram cultivadas em abrigo telado de vegetação, em vasos de plástico contendo 10 kg de solo e irrigadas com rejeito de dessalinizadorese utilizando-se níveis crescentes de salinidade para as espécies, Atriplex nummulária e a Algaroba. Transcorrido 35 dias da instalação da Atriplex e 65 dias da Algaroba foi procedido o corte e após secas e moídas, foram submetidas à análise química e bromatológicas. RESULTADOS: Na Atriplex apenas os ramos responderam signi2 cativamente a 5% de probabilidade, havendo aumento até 20 dS/m e daí, decréscimo, com média geral 24,99 de ramos/planta. Já na Algaroba resposta de 1%, decréscimo linear com o aumento dos níveis para as variáveis: nº de folhas, altura e diâmetro, as médias gerais foram respectivamente: 25,37und, 64,91cm e 3,55mm. Não houve interferência dos níveis salinos sobre o metabolismo do nitrogênio na Atriplex; diferentemente, na Algaroba afetou signi2 cativamente a 1%, e os teores médios encontrados foram: 25,16% PB e 4,02 % N. Esse alto valor de PB prova que a idade da planta tem grande in+ uencia sobre essas concentrações, já que as algarobas foram . , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Marcelo Marques de Fontes - Integrante / ANA FLÁVIA FELIX FARIAS - Coordenador.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Endereço profissional

  • Universidade Estadual da Paraíba, Centro de Ciências e Tecnologia, Departamento de Química. , Av. das Baraúnas, Bodocongó, 58109753 - Joao Pessoa, PB - Brasil

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional