Morgana de Liz Seula

Graduanda no curso de Medicina Veterinária na instituição de ensino Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Curitibanos - SC, na qual, participa da Iniciação Científica com o projeto na área de entomologia forense sob a orientação do prof. Dr. Adriano T. Ramos, Participa do projeto sobre documentação fotográfica de cães errantes no município de Curitibanos -SC, sob orientação da prof. Dra. Rosane Silva. Monitora na disciplina de anatomia topográfica. Participa do projeto extensão " Prevalência de doenças orais em cães e gatos atendidos pelo curso de Medicina Veterinária da UFSC Curitibanos" sob a orientação da prof. Dra. Marcy Lancia Pereira, partiipa no projeto extensão "Cãovivencia" sob orientação da prof. Dra Marcy Lancia Pereira. Curso de informática básica em Blumenau - SC. Auxiliar admnistrativa na empresa JK BIKE de Rio do Sul - SC. Recepcionista no órgão público Receita Federal, em Rio do Sul - SC. Curso de inglês no CCAA.

Informações coletadas do Lattes em 03/02/2020

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Graduação em andamento em Medicina Veterinária

2012 - Atual

Universidade Federal de Santa Catarina

Graduação interrompida em 2012 em ciências rurais

2010 - Interrompido

Universidade Federal de Santa Catarina
Ano de interrupção: 2012

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação complementar

2014 - 2015

Centro Cultural Anglo-Americano. (Carga horária: 150h). , Centro Cultural Anglo-Americano, CCAA, Brasil.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Inglês

Compreende Razoavelmente, Fala Razoavelmente, Lê Razoavelmente, Escreve Razoavelmente.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Organização de eventos

SEULA, M. L. . Curso de Ortopedia e Reabilitação em Pequenos Animais. 2016. (Outro).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

1º simpósio catarinese de clínica, cirurgia e anestesiologia de pequenos animais.Documentação fotográfica de cães errantes no município de Curitibanos. 2017. (Simpósio).

4 semana acadêmica de Medicina Veterinária - SAVUFSC.Avaliação de espécies de larvas em cadáver de suíno no Planalto Catarinense. 2017. (Outra).

1º workshop sobre sistemas integrados de produção agropecuária do planalto catarinense. 2016. (Exposição).

Curso sobre abordagem geral do paciente com enfermidade respiratória. 2016. (Outra).

24 Seminário de iniciação científica UFSC. Análise de decomposição cadavérica de suíno na região do Planalto Catarinense. 2015. (Exposição).

Curso de ortopedia e reabilitação em pequenos animais - ORGANIZADORA. 2015. (Outra).

Curso intensivo em cardiologia de pequenos animais. 2015. (Outra).

Semana nacional de ciência e tecnologia. Documentação fotográfica de cães errantes. 2015. (Exposição).

Curso intensivo de dermatologia em pequenos animais. 2014. (Outra).

III Semana acadêmica de Medicina Veterinária - SAVUFSC. 2013. (Outra).

II Semana acadêmica de Medicina Veterinária - SAVUFSC -. 2013. (Outra).

I semana acadêmica do curso de Medicina Veterinária da Universidade Federal de SC. 2013. (Oficina).

II Semana acadêmica de Ciências Rurais - Biodiversidade Regionals. 2010. (Outra).

II Semana acadêmica de Ciências Rurais - Células tronco. 2010. (Outra).

II Semana acadêmica de Ciências Rurais - preservação de animais com potencial zootecnico que apresentam riscos de extinção em santa catarina. 2010. (Outra).

II Semana acadêmica de Ciências Rurais - Saúde das plantas. 2010. (Outra).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Comissão julgadora das bancas

MARCY LANCIA PEREIRA

PADILHA, V. S.;PEREIRA, M. L.; PONT, M. P. D.. Megaesôfago secundário a persistência do arco aórtico direito (PAAD): Relato de caso . 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Santa Catarina.

Marina Perissinotto Dal Pont

PONT, M. P. D.. Trabalho de Conclusão de Curso. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Santa Catarina.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

Vanessa Sasso Padilha

MESAESÔFAGO SECUNDÁRIO A PERSISTÊNCIA DO ARCO AÓRTICO DIREITO (PAAD): RELATO DE CASO; 2017; Trabalho de Conclusão de Curso; (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Santa Catarina; Orientador: Vanessa Sasso Padilha;

Adriano Tony Ramos

Entomologia Forense em Animais Domésticos: Registros Fotográficos; 2014; Iniciação Científica; (Graduando em Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Santa Catarina; Orientador: Adriano Tony Ramos;

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • FRANCA, M. ; SILVA, R. ; ACOSTA, T. V. ; SEULA, M. L. ; JORGE, J. H. B. ; MENEGOTTO, K. . DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DE CÃES ERRANTES NAS ÁREAS ADJACENTES AO CAMPUS DA UFSC EM CURITIBANOS/SC. http://dx.doi.org/10.4025/revcivet.v4i1.36422 , v. 4, p. 023-032, 2017.

  • SEULA, M. L. ; SILVA, R. ; ACOSTA, T. V. ; JORGE, J. H. B. ; MENEGOTTO, K. ; FRANCA, M. . Documentação fotográfica de cães errantes nas áreas adjacentes ao campus da UFSC em Curitibanos/SC. periodicosuem , 2017.

  • SILVA, R. ; ACOSTA, T. V. ; FRANCA, M. ; JORGE, J. H. B. ; SEULA, M. L. . Documentação fotográfica de cães errantes no município de Curitibanos. 2015. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

  • SEULA, M. L. ; JORGE, J. H. B. ; SERENA, G. C. ; ZANIN, G. P. ; MARTINS, L. ; SERIGHELLI, T. ; RAMOS, A. T. . Análise de decomposição cadavérica de suíno na região do Planalto Catarinense. 2015. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2015 - 2016

    Documentação fotográfica de cães errantes, Descrição: O objetivo desta pesquisa foi levantar dados para identificar os cães errantes presentes no campus de Curitibanos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e em diferentes pontos da cidade, assim como verificar a relação do número de animais no período letivo e não letivo. Bem como, relacionar o número de animais com as estações do ano e condições climáticas. Visando posteriormente o desenvolvimento e aplicação de campanhas de conscientização da população sobre posse responsável e saúde pública, incluindo vacinação e castração... , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (5) / Doutorado: (1) . , Integrantes: Morgana de Liz Seula - Coordenador / Joyce Helena Bitencourt Jorge - Integrante / Tábata Vignol Acosta - Integrante / Rosane Silva - Integrante / Marilise França - Integrante / Karoline Menegotto - Integrante.

  • 2014 - 2016

    Análise de decomposição cadavérica de suíno na região do Planalto Catarinense, Descrição: A entomologia forense utiliza dados biológicos e ecológicos de insetos necrófagos com o objetivo de auxiliar nas investigações criminais, através do intervalo pós mortem (IPM), que pode ser analisado de acordo com a chegada de determinadas espécies necrófagas no cadáver, ou até mesmo conferindo a causa da morte destes animais em questão. Com o auxilio de fotografias, as quais foram obtidas diariamente durante o momento em que eram realizadas as coletas pelos alunos colaboradores do projeto, realizado em Curitibanos ? Santa Catarina, juntamente com câmeras que foram instaladas em cada gaiola (uma na sombra e outra no sol) contendo um suíno em decomposição (mortos por causas naturais), conseguiu-se observar mais claramente os processos de decomposição cadavérica, como por exemplo, o estagio de decomposição inicial ou fresco, que compreende o período entre a morte do animal até o momento em que ele começa autolisar. No segundo estágio, de putrefação ou enfisematoso, o cadáver apresenta um inchaço abdominal devido ao metabolismo das bactérias. Este estágio varia geralmente de 24 a 48 horas. O próximo estágio, de putrefação escura, é devido ao processo chamado de pseudomelanose, onde pode haver ruptura do corpo do cadáver, como também serem visualizados grande número de larvas de dípteros. Após uma ou duas semanas, esse período varia devido a temperatura ambiente, inicia-se o estagio de putrefação butírica, onde o odor exalado pelo cadáver é muito forte, no qual a pele esta totalmente decomposta e só podem ser visualizadas larvas de dípteros com desenvolvimento incompleto, pela de falta de substrato, iniciando a dispersão larval realizado pelas larvas em estágio pós-alimentar, e por fim, estágio seco ou esqueletização, que é caracterizado pela presença de ossos e algumas cartilagens mais duras que não foram decompostas e o couro ressecado pela ação do sol. Nesses períodos quando mapeados permitem determinar o IPM auxiliando os criminalistas em suas investigações... , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (5) / Doutorado: (2) . , Integrantes: Morgana de Liz Seula - Coordenador / Adryano Tony Ramos - Integrante / Gabriela Piovesan Zanin - Integrante / Guilherme Carvalho Serena - Integrante / Joyce Helena Bitencourt Jorge - Integrante / Taciane Serighelli - Integrante / Alexandre Oliveira Tavela - Integrante.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional

  • 2015 - 2016

    Universidade Federal de Santa Catarina

    Vínculo: , Enquadramento Funcional:

  • 2014 - 2014

    Amigo Fiel

    Vínculo: Estágio, Enquadramento Funcional: Estagiária, Carga horária: 44

    Outras informações:
    Acompanhamento da rotina clínica e cirúrgica - ESTÁGIO

  • 2015 - 2015

    UNIVET

    Vínculo: Estágio, Enquadramento Funcional: Estagiária, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

    Outras informações:
    Desempenhando atividades de acompanhamento de consultas, administração de medicamentos, aplicação de vacinas, auxílio em cirurgias, coletas de material para exames, auxílio no setor de internamento e isolamento.

  • 2013 - 2013

    Hospital veterinário de Florianópolis

    Vínculo: Estágio extracurricular, Enquadramento Funcional: Estagiária, Carga horária: 40

    Outras informações:
    Desempenhando atividades de acompanhamento de consultas, administração de medicamentos, aplicação de vacinas, auxílio em cirurgias, coletas de material para exames, auxílio no setor de internamento e isolamento.