Ivone de Mello Queiroz

Licenciatura Plena em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Alagoas (1989) e Mestrado em Genética pela UFPE (1996). Diretora de Produção da BIOGENE. Tem experiência na área de Genética, com ênfase em Genética Molecular e de Microorganismos, atuando principalmente nos seguintes temas: Desenvolvimento de kits diagnóstico, controle de qualidade e produção em escala de culturas por sistemas de batelada.

Informações coletadas do Lattes em 01/07/2020

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Mestrado em Genética

1993 - 1996

Centro de Ciencias Biológicas
Paulo Paes de Andrade.Palavras-chave: ELISA; Trypanossoma cruzi; Proteínas recombinantes.Grande área: Ciências Biológicas / Área: Genética / Subárea: Genética Molecular e de Microorganismos. Setores de atividade: Produtos e Processos Biotecnológicos Vinculados À Saúde Humana Ou dos Animais.

Graduação em Licenciatura Plena em Ciências - Biologia

1986 - 1989

Universidade Federal de Alagoas

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação complementar

2003 - 2003

Treinamento básico em Sequenciador de DNA na plata. (Carga horária: 35h). , Applied Biosystems do Brasil ltda.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Bandeira representando o idioma Inglês

Compreende Razoavelmente, Fala Razoavelmente, Lê Razoavelmente, Escreve Razoavelmente.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Áreas de atuação

Grande área: Ciências Biológicas / Área: Genética / Subárea: Genética Molecular e de Microorganismos.

Grande área: Ciências Biológicas / Área: Imunologia / Subárea: Imunologia Aplicada.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

Curso - III Curso de Bioinformática: Análise de dados moleculares.Nível Básico. 2012. (Outra).

2o. Seminário Estadual da Biotecnologia e Bioindústria. 2011. (Seminário).

Curso Aspectos Regulatórios para Empresas de Biotecnologia.Curso de curta duração: 16 horas/aula. 2011. (Oficina).

V ENCEBIO - Encontro Nacional da Comissões Internas de Biossegurança.As rotinas de biossegurança da Biogene. 2010. (Encontro).

Curso Programa 8S. 2008. (Oficina).

Curso de Planejamento e Controle da Produçao - PCP. 2007. (Oficina).

Curso Boas Práticas de Fabricação - BPF. 2007. (Oficina).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em bancas

Aluno: Pollyana de Oliveira Rocha

QUEIROZ, I. M.. Análise da Expressão de Homólogos a Fatores de Iniciação da Tradução em Tripanosomatídeos. 2003 - Universidade Federal de Pernambuco.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Comissão julgadora das bancas

Jeffrey Jon Shaw

SHAW, J. J.. Proteínas Recombinantes para sorodiagnóstico da Doença de Chagas. 1996. Dissertação (Mestrado em Genética) - Universidade Federal de Pernambuco.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

Paulo Paes de Andrade

PROTEINAS RECOMBINANTES DE TRYPANOSOMA CRUZI PARA SORODIAGNOSTICO DA DOENCA DE CHAGAS; 1996; Dissertação (Mestrado em Genética) - Universidade Federal de Pernambuco, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; Orientador: Paulo Paes de Andrade;

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • ANDRADE, P. P. ; SANTOS, E. S. C. ; KIDO, E. A. ; QUEIROZ, I. M. ; LUNA, L. K. S. ; TORQUARTO, G. N. ; BALBINO, V. Q. . Assessment of a recombinant Leishmania Hsp70 ELISA for the serodiagnosis of canine visceral Leishmaniasis. In: Mem. Inst. Oswaldo Cruz., 1998, 1998. v. 93. p. 217-217.

  • QUEIROZ, I. M. . Aumento e Estabilidade da Expressão de Proteínas Recombinantes de Leishmania chagasi e Trypanosoma cruzi para fins de produção industrial em vetores plasmideais. In: Revista Brasileira de Genética, 1997, 1997. v. 20. p. 194.

  • QUEIROZ, I. M. . Sorodiagnóstico da Doença de Chagas com o uso de antígenos recombinantes. In: Revista Brasileira de Genética, 1996, 1996. v. 19. p. 308.

  • QUEIROZ, I. M. . Proteínas recombinantes isoladas de uma biblioteca de cDNA de Trypanosoma cruzi. In: Revista Brasileira de Genética, 1995, 1995. v. 18. p. 182.

  • QUEIROZ, I. M. . Caracterização de cinco subclones ribossômicos contendo a região de 28S e 18S + espaçador de O. americanus 2n e 4n (Amphibia, anura). In: Revista Brasileira de Genética, 1992, 1992. v. 15. p. 167.

  • ANDRADE, P. P. ; SANTOS, E. S. C. ; QUEIROZ, I. M. . Produção de kits para diagnósticos rápidos do calazar canino por aglutinação em látex, utilizando o potencial diagnóstico da proteína recombinante Leishmania chagasi. 1999 (Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica - EVTE).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Outras produções

QUEIROZ, I. M. ; SANTOS, E. S. C. ; ANDRADE, P. P. . As leishmanioses em Pernambuco. 1996.

QUEIROZ, I. M. ; SANTOS, E. S. C. ; ANDRADE, P. P. . Utilizacao de proteinas recombinantes para diagnostico do calazar canino. 1998.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2002 - 2004

    ProGeNE - Programa Genoma Nordeste - Projeto de sequenciamento da L. chagasi, Descrição: Foi capa da NATURE em 13 de julho de 2000 The genome sequence of the plant pathogen Xylella fastidiosa o artigo surpreendia o mundo e a nós brasileiros pela sua ousadia e pioneirismo. Entretanto, os resultados de um projeto genoma vão muito além de um artigo. Intimamente associado às descobertas científicas está o negócio (Business). Neste cenário tem início o Projeto Genoma Nordeste (ProGene), tendo como objetivo o sequenciamento do genoma funcional de um protozoário, a Leishmania chagasi. O projeto, capitaneado por Pernambuco (UFPE), tem a adesão de todos os estados Nordestinos, formando a Rede Nordeste de Sequenciamento. Considerando o dinamismo e velocidade de projetos desta natureza e, sobretudo, o potencial econômico e científico deste empreendimento, voltamos-nos para o negócio do genoma. A vinculação de um programa de incubação de empresa, na área de biotecnologia, ao laboratório responsável pela condução de um Projeto Genoma, é condição obrigatória para transformamos a descoberta científica em produto, dando assim um retorno muito mais rápido a sociedade, que pagou para a realização da pesquisa, através de geração de emprego e renda.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (10) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (4) / Doutorado: (4) . , Integrantes: Ivone de Mello Queiroz - Integrante / P.P. Andrade - Coordenador / E.A. Kido - Integrante / G.N. Torquarto - Integrante / V.Q. Balbino - Integrante / Emanoel Sérvio Coqueiro dos Santos - Integrante., Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa / Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco - Auxílio financeiro / Banco do Nordeste do Brasil - Auxílio financeiro.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de desenvolvimento

  • 2009 - 2011

    Desenvolvimento de um kit sorodiagnóstico para Brucella ovis empregando antígenos recombinantes, Descrição: A brucelose é uma doença infecto-contagiosa, de evolução crônica que se caracteriza como uma enfermidade do aparelho reprodutivo, causada por bactérias do gênero Brucella. As lesões no trato reprodutor, na placenta e no feto de bovinos, ovinos, suínos, caninos e caprinos levam à infertilidade, associadas ou não ao abortamento. A primeira espécie do gênero Brucella isolada, foi em 1887, por Bruce, de baços de militares que morreram nas costas do Mediterrâneo. O organismo foi denominado de Brucella melitensis. Deste então várias espécies foram isoladas e caracterizadas. A Brucella abortus foi pela primeira vez isolada de um feto bovino abortado. A B. suis foi isolada de um leitão também abortado. A B. ovis foi descrita pela primeira vez, em 1956 e finalmente a B. canis foi descrita por Carmichael, em 1969. Nem todos os animais infectados apresentam os sinais clínicos característicos e a enfermidade deve ser diferenciada de outros agentes infecciosos como Actinobacillus seminis, A. actinomycetemcomitans, Histophilus ovis, Haemophilus spp., Corinebacterium psudotuberculosis ovis, Chlamydophila abortus, Salmonella urbana, Escherichia coli, Pseudomonas maltophilia e Yersinia enterocolitica. As perdas econômicas com a brucelose em rebanhos bovinos foram estimadas em $32 milhões ao ano. Não existem dados sobre o impacto econômico da brucelose ovina/caprina, mas ele é reconhecidamente grande no Brasil e no mundo. Estudos isolados em vários estados brasileiros apontam para índices entre 10% e 17% de soroprevalência, em conformidade com a tendência mundial. Na brucelose canina deve ser considerada graças ao grande risco com zoonose oportunista para crianças e profissionais veterinários. Sua incidência também é desconhecida, mas estudos fragmentários em vários estados apresentam um panorama preocupante. O diagnóstico das bruceloses veterinárias é realizado por técnicas que empregam a bactéria em suspensão. Sendo assim, é necessário o cultivo em grande escala do microorgan. , Situação: Em andamento; Natureza: Desenvolvimento. , Alunos envolvidos: Graduação: (0) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) . , Integrantes: Ivone de Mello Queiroz - Integrante / P.P. Andrade - Integrante / E.S.C. Santos - Coordenador / Cartarina Paula da Silva Ramos - Integrante / Gilzane Dantas Nóbrega - Integrante., Financiador(es): Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco - Auxílio financeiro / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.

  • 2005 - 2006

    Estabelecimento da linha biotecnológica de produção para Partida Piloto do kit de diagnóstico do calazar canino Látex/S7, Descrição: Em 1999 nossa empresa iniciou as pesquisas para o desenvolvimento de um novo produto um kit para o diagnóstico do calazar canino baseado na tecnologia de aglutinação direta em látex. Nos anos que se seguirão, o projeto de desenvolvimento foi apoiado pelo CNPq/RHAE, pela FACEPE e pela UFPE. Já em 1999 recebemos o Prêmio Idéia Inovadora (MCT/SEBRAE), que permitiu a realização de um Estudo de Viabilidade Técnica e Financeira da proposta. E em 2000 o Prêmio FINEP Nordeste (cromo) na categoria Produto. Entre os anos de 2001 e 2004 realizamos vários testes de validação do novo sistema diagnóstico, empregando soros provenientes de vários Estados Brasileiros, através de parcerias com Universidades com a Federal da Paraíba e Rio Grande do Norte. Agora estamos iniciando o processo de licenciamento e registro do novo produto para dar início a fase de mercado. Conforme determina o Decreto Nº 5.053, DE 22 DE ABRIL DE 2004 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) é obrigatória a produção de três partidas-piloto para comprovação de reprodutibilidade e níveis de qualidade de qualquer produto para uso médico veterinário. Esta exigência deve ser comprida antes da solicitação de registro definitivo do produto junto ao MAPA. A padronização da produção em grandes volumes e o estabelecimento de sistemas de controle de qualidade são as principais metas do projeto atual.. , Situação: Concluído; Natureza: Desenvolvimento. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) . , Integrantes: Ivone de Mello Queiroz - Integrante / P.P. Andrade - Integrante / E.S.C. Santos - Coordenador / Grace Fabíola Barbosa - Integrante., Financiador(es): Instituto Euvaldo Lodi - PE - Bolsa.

  • 1999 - 2001

    Validação de um "kit" para o diagnóstico do calazar canino em campo, utilizando proteínas de choque térmico (HSP70) de Leishmania chagasi, Descrição: No Brasil, e em especial na região Nordeste, o calazar constitui-se em grave endemia, apesar dos esforços para seu controle, a cargo da FUNASA (Fundação Nacional de Saúde). Atualmente, o inquérito sorológico canino, etapa crítica das ações de controle, se utiliza da técnica de Imunofluorescência Indireta, empregando promastigotas de Leishmania. Amostras de sangue de cães são coletadas em papéis de filtro e, posteriormente, eluidas em tampão e utilizados no diagnóstico. Os cães soropositivos são sacrificados. Estudos já demostraram reações cruzadas e perda de sensibilidade, devido a metodologia empregada. Objetivando o aumento da eficiência no diagnóstico e no controle do calazar canino, está sendo desenvolvida e padronizada metodologia, baseada na técnica de aglutinação em látex utilizando como antígeno o peptídeo recombinante S7, composto da fração carboxi-terminal da HSP70 de Leishmania chagasi. O desenvolvimento de um teste que possa ser realizado em campo evitaria uma segunda visita a localidade controlada e permitiria a eliminação imediata dos cães afetados, o que aumentaria significativamente a eficácia das ações de controle. Além disso, a redução dos custos inerentes a eliminação da segunda viagem dos agentes de saúde à áreas endêmicas levaria a uma economia considerável dos recursos destinados as campanhas de saúde pública. Um teste sorodiagnóstico com estas características viria atender as prerrogativas de descentralização das ações de controle das endemias, prevista pela NOB96 do SUS.. , Situação: Concluído; Natureza: Desenvolvimento. , Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (1) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) . , Integrantes: Ivone de Mello Queiroz - Integrante / P.P. Andrade - Integrante / E.S.C. Santos - Coordenador., Financiador(es): Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco - Auxílio financeiro / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Endereço profissional

  • Biogene Indústria e Comércio - PE, Laboratório de Produção e Desenvolvimento. , Rua Costa Sepúlveda, 479, Engenho do Meio, 50730-260 - Recife, PE - Brasil, Telefone: (81) 88722197, Fax: (81) 34532502, URL da Homepage:

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional

1998 - 2000

Governo do Estado de Pernambuco

Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Servidor Público, Carga horária: 20

Outras informações:
Secretaria de Educação e Esportes do Estado de Pernambuco Escola de 1o. e 2o. graus Diário de Pernambuco Professora Regente I-A Professora em licença não remunerada.

Atividades

  • 03/1998 - 04/2000

    Outras atividades técnico-científicas , Secretaria de Educação e Desportos, Escola de 1o e 2o Graus Diário de Pernambuco.,Atividade realizada, Professora A-I.

1997 - Atual

BIOGENE INDUSTRIA E COMERCIO LTDA

Vínculo: Sócia, Enquadramento Funcional: Diretora de Produção, Regime: Dedicação exclusiva.

Outras informações:
Pesquisadora (Setor de desenvolvimento e Controle de Qualidade) Programa de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Incubadora da UFPE (POSITIVA).

Atividades

  • 03/1999 - 12/2001

    Pesquisa e desenvolvimento , Biogene Indústria e Comércio ltda, .,Linhas de pesquisa

1996 - 1997

Universidade Federal de Pernambuco

Vínculo: Outro, Enquadramento Funcional: Outro, Carga horária: 20

Outras informações:
Universidade Federal de Pernambuco Professora Substituta, nível Assistente 3 Departamento de Genética Disciplinas de Genética Humana I, Genética Molecular e Citogenética Centro de Ciências Biológicas Período: 01/03/1996 à 01/04/1997.

Atividades

  • 03/1996 - 04/1997

    Ensino,,Disciplinas ministradas, Genética Humana I, Genética Moleucular e Mendeliana, Citogenética

1996 - 1996

Instituto Evandro Chagas

Vínculo: Estágia de Aperfeiçoamento, Enquadramento Funcional: não enquadrado, Carga horária: 40

Outras informações:
Técnicas de clonagem gênica, extração e manipulação de plasmídeos, uso de sondas, RFLPs, PCRs

Atividades

  • 09/1996 - 10/1996

    Treinamentos ministrados , Conselho Técnico Científico, .,Treinamentos ministrados, Treinamento em técnicas de extração de DNA, RFLPs, PCR

1991 - 1992

Instituto Butantan

Vínculo: Estagiária, Enquadramento Funcional: não enquadrado, Carga horária: 20

Outras informações:
Departamento de Genética - Instituto Butantan - São Paulo - SP. Bolsista pela própria Instituição.

Atividades

  • 03/1991 - 09/1992

    Estágios , Divisão de Biologia, Serviço de Genética.,Estágio realizado, Caracterização de cinco subclones ribossômicos contendo a região terminal do 8S e 18S + espaçador de Odontophrinus americanus 2n e 4n (Amphibia, anura).