Rodrigo Wagner Paixão Pinto

Bacharel em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2011) e mestrado em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2015). Doutorando em Geografia na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, ênfase em Geografia Física e Transformação da Paisagem. Professor do Departamento de Geografia e Meio Ambiente da PUC-Rio, ministrando as disciplinas de Geologia e Geomorfologia. Tem experiência na área de Ciências Ambientais, com ênfase em Geociências Geografia Física, Geomorfologia e Pedologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Evolução Geomorfológica, Movimentos de Massa, Níveis de Base e Mapeamentos Geomorfológicos. Dentre os projetos que ja participou, destacam-se o Diagnóstico dos Condicionantes Geológicos-Geomorfológicos dos Deslizamentos ocorridos na Região Serrana do Rio de Janeiro em 2011, o Projeto de Gestão físico-territorial do município de Maragojipe - BA e o Plano de Manejo do Parque Estadual do Cunhanmbebe e o Plano de Manejo da APA de Mangaratiba.

Informações coletadas do Lattes em 17/06/2019

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Doutorado em andamento em Geografia

2016 - Atual

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio
Título: Morfogênese da borda oeste do Rift Contineltal do Sudeste do Brasil: reorganização da rede de drenagem na Serra da Mantiqueira,
Marcelo Motta de Freitas. Coorientador: André Augusto Rodrigues Salgado. Grande área: Ciências Exatas e da TerraGrande Área: Ciências Exatas e da Terra / Área: Geociências / Subárea: Geografia Física. Grande Área: Ciências Exatas e da Terra / Área: Geociências.

Mestrado em Geografia

2013 - 2015

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio
Título: Evolução da Paisagem Geomorfológica da Bacia do Rio Grande, RJ: Dinâmicas de Dissecação e Evidências de Captura,Ano de Obtenção: 2015
Orientador: Marcelo Motta de Freitas
Coorientador: Julio Cesar Horta de Almeida. Bolsista do(a): Coordenação Central de Pós-Graduação e Pesquisa da PUC-RIO, CCPG-PUCRIO, Brasil. Palavras-chave: Nível de base; Capturas de drenagem; Evolução geomorfológica.Grande área: Ciências Exatas e da TerraGrande Área: Ciências Exatas e da Terra / Área: Geociências / Subárea: Transformação da Paisagem. Grande Área: Ciências Exatas e da Terra / Área: Geociências / Subárea: Geomorfologia.

Graduação em Geografia e Meio Ambiente

2007 - 2011

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio
Título: Condicionantes Geomorfológicos da Corrida de Massa do Córrego D'Antas no município de Nova Friburgo em Janeiro de 2011
Orientador: Marcelo Motta de Freitas

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação complementar

2012 - 2012

Atualização em Classificação Brasileiro de Solos. (Carga horária: 40h). , Embrapa Solos, E S, Brasil.

2007 - 2011

Questões Ambientais. (Carga horária: 360h). , Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil.

2007 - 2007

Extensão universitária em Processos de Ensino-Aprendizagem e Avaliação Formativa, segundo o ENEM. (Carga horária: 40h). , Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Inglês

Compreende Razoavelmente, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Pouco.

Espanhol

Compreende Pouco, Fala Pouco, Lê Razoavelmente.

Português

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Áreas de atuação

    Grande área: Outros / Área: Ciências Ambientais.

    Grande área: Ciências Agrárias / Área: Agronomia / Subárea: Ciência do Solo.

    Grande área: Ciências Exatas e da Terra / Área: Geociências / Subárea: Geografia Física.

    Grande área: Ciências Exatas e da Terra / Área: Geociências / Subárea: Geografia Física/Especialidade: Geomorfologia.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Organização de eventos

PINTO, R. W. P. . XI Semana de Geografia da PUC-RIO. 2009. (Congresso).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

XVII Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada e I Congresso Nacional de Geografia Física. Caracterização Geomorfológica da Bacia do Rio Quilombo, RJ: Esboço das influências Geológicas e Geomorfológicas no Sistema de Drenagem. 2017. (Congresso).

I Encontro dos Grupos de Estudo do Departamento de Geografia da PUC-RIO.Evolução da Paisagem Geomorfológica do Rio Grande, RJ: Dinâmicas de Dissecação e Capturas de Drenagem. 2013. (Encontro).

12º Simpósio de Geologia do Sudeste.RESULTADOS RECENTES DOS ESTUDOS DA CORRIDA DE LAMA DO CÓRREGO D?ANTAS, EM NOVA FRIBURGO. 2011. (Simpósio).

13º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental. MEGADESASTRE ?11 DA SERRA FLUMINENSE: ANÁLISE PRELIMINAR DA CORRIDA DE MASSA DO CÓRREGO D?ANTAS, EM NOVA FRIBURGO. 2011. (Congresso).

I Semana Científica da Embrapa Solos - Ciência de Solos Tropicais.Carbono e Índice de Agregação influenciados por diferentes culturas em um Cambissolo de Bom Jardim - RJ. 2009. (Encontro).

XI Conferência de Geografia - Sustentabilidade: Uma ideia em debate.(RE)Pensando a noção de Sustentabilidade. 2009. (Encontro).

XXXII Congresso Brasileiro de Ciência do Solo. Carbono e Nitrogênio em Agregados influenciados por diferentes usos em um Cambissolo de Bom Jardim - RJ.. 2009. (Congresso).

Curso Recuperação de Áreas Degradadas - Estratégias de Manejo e Conservação do Solo, da Água e da Biodiversidade. 2008. (Oficina).

FERTBIO. Estoque de Carbono e Densidade do Solo Afetados por Leguminosas e Lodo de Esgoto em Área Degradada. 2008. (Congresso).

XV Encontro Nacional de Geógrafos. 2008. (Encontro).

XVII Reunião Brasileira de Manejo e Conservação do Solo e da Água. 2008. (Congresso).

IX Conferencia de Geografia: O Rio de Janeiro Sob o olhar geográfico. 2007. (Seminário).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em bancas

Aluno: Amanda Scofano de Andrade Silva

REGO, L. F. G.; Freitas, M. M.;PAIXAO, R. W.; LEMOS, M. F.. Bacia do Paquequer: uma análise espacial do risco socioambiental. 2018. Exame de qualificação (Mestrando em Geografia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Aluno: Ana Paula Morais de Lima

Freitas, M. M.;PAIXAO, R. W.; BOTELHO, R. G. M.. O Papel do Voçorocamento no Processo de Evolução da Paisagem Gemorfológica no Vale do Paraíba. 2018. Exame de qualificação (Mestrando em Geografia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Aluno: Igor Lourenço de Oliveira

Freitas, M. M.; ANDRADE, A.G.; OLIVEIRA, R. R.;PINTO, R. W. P.. Evolução da Paisagem Geomorfológica e as Implicações dos Processos Erosivos Incisos em Barra do Piraí/RJ. 2016. Exame de qualificação (Mestrando em Geografia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Aluno: Ana Flávia da Silva Romão

Freitas, M. M.;PAIXAO, R. W.; LIMA, M. L. S.. Dinâmicas Geomorfológicas na Produção do Espaço Urbano da Região Administrativa de Guaratiba. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Aluno: Keith de Souza Palmeira

GALVAO, R. S.;PAIXAO, R. W.; REGO, L. F. G.; Andrade, F. N.. CARACTERIZAÇÃO DA SUB-BACIA DE BOTAFOGO: RELAÇÕES ENTRE OCUPAÇÃO E MUDANÇAS NA DRENAGEM. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Aluno: Alexandre Gonçalves de Carvalho Borba

VASCONCELOS, S. C.; ABUCHARA, R. C.;PINTO, R. W. P.. Dinâmica Erosiva e Alterações Morfológicas no Litoral Norte Fluminense, Possíveis Influências do Porto do Açu, RJ. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Aluno: Bruno Motta Monteiro

MATTOS, R. C.; CASTRO, C. M.;PINTO, R. W. P.. Janeiro de 2011: As Implicações Espaciais do Megadesastre da Região Serrana sobre os Produtores Rurais da Localidade de Vieira, Teresópolis - RJ. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Comissão julgadora das bancas

Marcelo Motta de Freitas

FREITAS, M. M.; ALMEIDA, J. C. H.;Eirado Silva. Condicionantes Geológicas na Evolução da Paisagem Geomorfológica. 2014. Exame de qualificação (Mestrando em Geografia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Renata dos Santos Galvão

FREITAS, M. M.; ALMEIDA, J. C. H.; SILVA, L. G. A. E.;GALVÃO, R. S.. Evolução da Paisagem Geomorfológica do Rio Grande: Dinâmicas de Dissecação e Capturas de Drenagem. 2015. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Sérgio Cadena de Vasconcelos

VASCONCELOS, SÉRGIO C.; FREITAS, M. M.; SALGADO, A. A. R.; TUPINAMBA, M. A.. A morfogênese da rede hidrográfica do rift continental sudeste do Brasil: um estudo baseado na mensuração das taxas de denudação de longo tempo por meio de isótopos cosmogênicos 10Be.. 2018. Exame de qualificação (Doutorando em Geografia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Claudio Palmeiro do Amaral

AMARAL, C; Motta, M.; Chirol, A. D.. Condicionantes geomorfológicos da corrida de massa do Córrego D'Antas no município de Nova Friburgo em janeiro de 2011.. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Orientou

Maria Luiza Garutti

Segurança Alimentar: O caso da Horta Comunitária; 2018; Trabalho de Conclusão de Curso; (Graduação em Engenharia Ambiental e Sanitária) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro; Orientador: Rodrigo Wagner Paixão Pinto;

Keith de Souza Palmeira

CARACTERIZAÇÃO DA SUB-BACIA DE BOTAFOGO: RELAÇÕES ENTRE OCUPAÇÃO E MUDANÇAS NA DRENAGEM; 2018; Trabalho de Conclusão de Curso; (Graduação em Geografia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro; Orientador: Rodrigo Wagner Paixão Pinto;

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

Guilherme Kangussú Donagemma

Dispersao fisica na analise granulometric ade Latossolos do Brasil; 2008; Iniciação Científica - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, EMBRAPA SOLOS; Orientador: Guilherme Kangussu Donagemma;

Marcelo Motta de Freitas

Classificação Automática por Análise de Imagens Orientada a Objetos: Atualização do Mapa Geomorfológico do Estado do Rio de Janeiro; Início: 2016; Tese (Doutorado em Geografia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro; (Orientador);

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • PAIXÃO, RODRIGO WAGNER ; SALGADO, ANDRÉ AUGUSTO RODRIGUES ; FREITAS, MARCELO MOTTA DE . MORFOGÊNESE DO DIVISOR HIDROGRÁFICO PARANÁ/PARAÍBA DO SUL: O CASO DA SUB-BACIA DO PARAÍBUNA. REVISTA BRASILEIRA DE GEOMORFOLOGIA , v. 20, p. 119-136, 2019.

  • PINTO, R. W. P. ; Freitas, M. M. ; ALMEIDA, J. C. H. ; SILVA, L. G. E. . EVOLUÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO RIO GRANDE, RJ: INFLUÊNCIAS GEOLÓGICAS E CAPTURAS DE DRENAGEM. REVISTA BRASILEIRA DE GEOMORFOLOGIA , v. 19, p. 303-319, 2018.

  • SANTOS, A. C. ; SANTOS, W. H. ; BORGES, M. S. ; SANTOS, O. ; PAIXAO, R. W. ; Fraifeld, Felipe . Speleological Tourism in Amazonas State as a Guarantee of Sustainable Development: An Analysis of the Arenitic Caves of Presidente Figueiredo Municipality. ANUÁRIO DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS (UFRJ. IMPRESSO) , v. 41, p. 260-269, 2018.

  • SILVA, A. C. P. ; PINTO, R. W. P. ; Freitas, M. M. . Avaliação de políticas públicas relacionadas aos desastres naturais no Brasil, entre 1990 - 2014. Ambiência (Online) , v. 12, p. 885-900, 2016.

  • Freitas, M. M. ; Farias, Alex ; PINTO, R. W. P. . Abordagem Geomorfológica na Deflagração dos Movimentos de Massa em Janeiro de 2011 no Bairro Conquista, Nova Friburgo ? RJ. GeoPuc (Rio de Janeiro) , v. 6, p. 9-26, 2014.

  • PINTO, R. W. P. ; Freitas, M. M. . Considerações a Respeito dos Movimentos de Massa ocorridos em janeiro de 2011 na bacia do Córrego D?antas, Nova Friburgo ? RJ. GeoPuc (Rio de Janeiro) , v. 5, p. 79-96, 2013.

  • PINTO, R. W. P. ; SILVA, S. E. L. ; SOUZA, R. A. ; Freitas, M. M. . Caracterização geomorfológica da bacia do rio Quilombo, RJ: esboço das influências geológicas e geomorfológicas no sistema de drenagem. In: Archimedez Perez Filho; Raul Reis Amorim. (Org.). Os Desafios da Geografia Física na Fronteira do Conhecimento. 1ed.Campinas: , 2018, v. 1, p. 6263-6273.

  • SILVA, S. E. L. ; SOUZA, R. A. ; PINTO, R. W. P. ; Freitas, M. M. . Distribuição Espacial dos Depósitos Sedimentares Aluvionares e suas Relações com o Processo de Evolução da Rede de Drenagem no Médio Vale do Paraíba do Sul ? RJ/MG. In: Archimedez Perez Filho; Raul Reis Amorim. (Org.). Os Desafios da Geografia Física na Fronteira do Conhecimento. 1ed.Campinas: Instituto de Geociências - UNICAMP, 2018, v. 1, p. 6465-6469.

  • SOUZA, R. A. ; SILVA, S. E. L. ; PAIXAO, R. W. ; Freitas, M. M. . A Ocorrência dos Knickpoints e sua Relação com a Litoestrutura do Substrato Geológico na Evolução da Rede de Drenagem no Médio Vale do Paraíba do Sul. In: Archimedez Perez Filho; Raul Reis Amorim. (Org.). Os Desafios da Geografia Física na Fronteira do Conhecimento. 1ed.Campinas: Instituto de Geociências da UNICAMP, 2018, v. 1, p. 6470-6475.

  • DINIZ, A. ; SILVA, T. ; PAIXAO, R. W. ; SOUZA, R. A. ; Freitas, M. M. . ANÁLISE PRELIMINAR DAS PROPRIEDADES MORFOMÉTRICAS DA BACIA DO RIO CACHOEIRA - RJ. In: XII Simpósio Nacional de Geomorfologia - SINAGEO, 2018, Crato. PAISAGEM E GEODIVERSIDADE: A VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO GEOMORFOLÓGICO BRASILEIRO, 2018.

  • LIMA, A. P. ; PAIXAO, R. W. ; Freitas, M. M. . CONSIDERAÇÕES INICIAIS SOBRE CONDICIONANTES GEOLÓGICOS EM PROCESSOS EROSIVOS INCISOS EM BARRA DO PIRAÍ. In: XII Simpósio Nacional de Geomorfologia - SINAGEO, 2018, Crato. PAISAGEM E GEODIVERSIDADE: A VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO GEOMORFOLÓGICO BRASILEIRO, 2018.

  • ROCHA, L. O. ; Freitas, M. M. ; PAIXAO, R. W. ; SILVA, S. E. L. ; SOUZA, R. A. . DEPOSIÇÃO ESPACIAL DOS DEPÓSITOS DE BLOCOS ROCHOSOS AO LONGO DE UM TRECHO DO LEITO PRINCIPAL NO ALTO CURSO DO RIO CACHOEIRA, NO MACIÇO DA TIJUCA - RJ. In: XII Simpósio Nacional de Geomorfologia - SINAGEO, 2018, Crato. PAISAGEM E GEODIVERSIDADE: A VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO GEOMORFOLÓGICO BRASILEIRO, 2018.

  • SOUZA, R. A. ; SILVA, S. E. L. ; Freitas, M. M. ; PAIXAO, R. W. . RELAÇÃO ENTRE KNICKPOINTS E DEPÓSITOS SEDIMENTARES ALUVIONARES NA DINÂMICA EROSIVA E EVOLUTIVA DO MÉDIO VALE DO RIO PARAÍBA DO SUL: UMA PROPOSTA DE COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO A PARTIR DE DOMÍNIOS DE DISSECAÇÃO NA BACIA DO RIO MINERVA. In: XII Simpósio Nacional de Geomorfologia - SINAGEO, 2018, Crato. PAISAGEM E GEODIVERSIDADE: A VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO GEOMORFOLÓGICO BRASILEIRO, 2018.

  • SILVA, S. E. L. ; PINTO, R. W. P. ; Freitas, M. M. . A influência dos condicionantes lito-estruturais na evolução da rede de drenagem da bacia do Rio Negro, RJ. In: XI Simpósio Nacional de Geomorfologia, 2016, Maringá. Geomorfologia de Sistemas Fluviais e Lacustres, 2016.

  • PINTO, R. W. P. ; Freitas, M. M. . MEGADESASTRE ?11 DA SERRA FLUMINENSE: ANÁLISE PRELIMINAR DA CORRIDA DE MASSA DO CÓRREGO D?ANTAS, EM NOVA FRIBURGO. In: 13º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental, 2011, São Paulo. 13º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental, 2012.

  • PINTO, R. W. P. ; Waldherr, F. ; Freitas, M. M. . Mapeamento de Risco de Deslizamentos da Comunidade Vale Encantado situada no Maciço da Tijuca em área de Mata Atlântica ? Rio de Janeiro.. In: II Seminário Ibero Americano de Geografia Física, 2010, Coimbra. Sustentabilidade da Gaia: ambiente, ordenamento e desenvolvimento, 2010.

  • PINTO, R. W. P. ; GIANERINI, Y. X. ; GUIMARAES, L.P.A. ; CLOVIS JUNIOR, H. ; Balieiro, F.C. ; DONAGEMMA, G.K. ; ANDRADE, A.G. . Estoque de Carbono e Densidade do Solo Afetados por Leguminosas e Lodo de Esgoto em Área Degradada. In: FERTBIO, 2008, Londrina. Desafios para o uso do solo com eficiência e qualidade ambiental, 2008.

  • BRAGA, N.S ; DONAGEMMA, G.K. ; LAVIOLA, B.G ; POLIDORO, J.C. ; Balieiro, F.C. ; ANDRADE, D.S. ; PINTO, R. W. P. ; GASPARELLO, P.A. . CONCENTRAÇÃO DE NITROGÊNIO EM FOLHAS DE GENÓTIPOS DE PINHÃO MANSO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. In: FERTBIO, 2008, Londrina. Desafios para o uso do solo com eficiência e qualidade ambiental, 2008.

  • PINTO, R. W. P. ; IGLESIAS, P. ; REGO, L. F. G. . Implicações da mundança da taxa de permeabilidade na área do Plano de Estruturação Urbana das Vargens - Rio de Janeiro. In: XVI Encontro Nacional dos Geógrafos, 2010, Porto Alegre. Anais XVI Encontro Nacional dos Geógrafos, 2010.

  • PINTO, R. W. P. ; FERREIRA, J. M. ; ROCHA, T. L. ; GIANERINI, Y. X. ; Balieiro, F.C. ; DONAGEMMA, G.K. ; COUTINHO, H. C. ; ANDRADE, A.G. . CARBONO E NITROGÊNIO EM AGREGADOS INFLUENCIADOS POR DIFERENTES USOS EM UM CAMBISSOLO DE BOM JARDIM-RJ. In: XXXII Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, 2009, Fortaleza. XXXII Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, 2009.

  • FERREIRA, J. M. ; PINTO, R. W. P. ; DONAGEMMA, G.K. ; Balieiro, F.C. ; POLIDORO, J.C. ; ANDRADE, A.G. ; Araújo, F. O. ; GASPARELLO, P.A. . MATÉRIA SECA E NUTRIENTES EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO (JATROPHA CURCAS) EM ÁREAS DE CAMBISSOLO DE RIO DAS FLORES -RJ. In: XXXII Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, 2009, Fortaleza. XXXII Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, 2009.

  • PINTO, R. W. P. ; SILVA, S. E. L. ; SOUZA, R. A. ; Freitas, M. M. . Caracterização Geomorfológica da Bacia do Rio Quilombo, RJ: Esboço das influências Geológicas e Geomorfológicas no Sistema de Drenagem. 2017. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • PINTO, R. W. P. ; Andrade, F. N. ; Fraifeld, Felipe ; Freitas, M. M. . Influências Geológicas e Geomorfológicas na Pedogênese em um trecho da Região Amazônica e suas respostas erosivas. 2012. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

  • Lemgruber. Luisa ; Freitas, M. M. ; Fraifeld, Felipe ; PINTO, R. W. P. ; Farias, Alex . MEGADESTRE'11 da Serra Fluminense: Análise Preliminar da Influência das Encostas de Geometria Côncava do Vieira, D'Antas e Conquista, em Nova Friburgo. 2011. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

  • PINTO, R. W. P. ; Freitas, M. M. ; SANTANA, M. ; SALLES, R. O. ; Fraifeld, Felipe ; Waldherr, F. ; AMARAL, C. P. . Resultados Recentes dos Eestudos da Corrida de Lama do Córrego D?Antas, em Nova Friburgo. 2011. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

  • Fraifeld, Felipe ; PINTO, R. W. P. ; Waldherr, F. ; Vieira, Bruno ; Peixoto, Murillo . Mapeamento Emergencial das Cicatrizes do Megadesastre da Serra Fluminense. 2011. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

  • PINTO, R. W. P. ; MARTINS, L. N. S. . (RE) Pensando a noção de sustentabilidade. 2009. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

  • PINTO, R. W. P. . Carbono e Indice de Agregação influenciados por diferentes culturas em um Cambissolo de Bom Jardim - RJ.. 2009. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Outras produções

PINTO, R. W. P. ; Freitas, M. M. ; NUNES, R. S. . Elaboração do relatório de caracterização e análise socioambientall, Relatório R3 - TAESA. 2015.

PAIXAO, R. W. . Parecer Ad Hoc - 42696-178968-1-RV (Revista Caminhos de Geografia). 2018.

PINTO, R. W. P. . Elaboração do EIA - meio Físico da UHE Gamela. 2012.

PINTO, R. W. P. . Elaboração do EIA meio físico da Linha de Transmissão Itacaiúnas-Carajás. 2012.

PINTO, R. W. P. . Elaboração do EIA meio físico da Linha de Transmissão Jari. 2012.

PINTO, R. W. P. . Elaboração do EIA meio físico da Linha de Transmissão Manaus - Boa Vista. 2012.

PINTO, R. W. P. . Elaboração do Inventário hidrelétrico do meio físico da Bacia hidrográfica do Rio Meia Ponte. 2012.

PINTO, R. W. P. . Elaboração do EIA meio físico da Linha de Tranmissão Açailândia - Miranda do Norte. 2012.

PINTO, R. W. P. . Diagnóstico das chuvas na Região Serrana. 2012. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

Freitas, M. M. ; PINTO, R. W. P. . O Mapa da Tragédia. 2011. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

PINTO, R. W. P. . Carta de Risco Remanescente aos Escorregamentos de 6 de Abril em Teresópolis.. 2012. (Cartas, mapas ou similares/Mapa).

PINTO, R. W. P. . Carta de Risco Remanescente/Iminente a Escorregamentos do Distrito de Jamapará, no Município de Sapucaia. 2012. (Cartas, mapas ou similares/Mapa).

PINTO, R. W. P. . Cartas de Risco Remanescente a Escorregamentos nos Municípios de Teresópolis e Nova Friburgo - RJ. 2011. (Cartas, mapas ou similares/Mapa).

FERRAZ, R. P. D. ; PINTO, R. W. P. . Diagnóstico de Área Degradada no Campo de Exploração de Petróleo em Buracica - BA. 2008. (Relatório Técnico).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2013 - 2014

    CONDICIONANTES DO MOVIMENTO DE MASSA NA EVOLUÇÃO DA SERRA DO MAR NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: CONSEQUÊNCIAS DAS CHUVAS TORRENCIAIS NA REGIÃO SERRANA, Descrição: Entre os dias 11 e 12 de Janeiro de 2011, ocorreu um evento de intensa chuva que provocou um desastre associado à deflagração de inúmeros escorregamentos atingindo a região serrana do estado do Rio de Janeiro, principalmente os municípios de Nova Friburgo, Petrópolis e Teresópolis. Estes fenômenos naturais relacionados à movimentos de massa de grande magnitude são recorrentes nesta região, podendo citar os desastres registrados na Serra das Araras e em Caraguatatuba em Janeiro de 1967 (JONES, 1973), na escarpa ocidental da Serra do Mar (STERNBERG, 1949), nos Maciços Costeiros do estado do Rio de Janeiro (MEIS, 1968; AMARAL, 1997; FRAIFELD, 2010), Petrópolis em fevereiro de 1988 (BARROS, 1988), entre outros. A região sudeste do Brasil em seus compartimentos montanhosos e alinhamentos serranos é particularmente vulnerável a entrada de massas de ar que promovem chuvas intensas das quais resultam em inundações, formas intensas de erosão e movimentos de massa (MEIS, 1968). Durante o verão, frentes frias originadas na região polar sul movimentam-se sobre o Atlântico Sul e ao entrar em contato com as massas tropicais de ar aquecidas sobre a região sudeste, geram tempestades. Os trópicos úmidos são considerados como uma das regiões onde as vertentes estão mais intensamente sujeitas aos movimentos de massa. A abundância de precipitações ao lado da existência de espessos mantos de alteração promovem condições ideais para ativação destes processos (LEOPOLD, 1964; FERNANDES & AMARAL, 1996;) Os princípios da compreensão da evolução da paisagem geomorfológica estão inseridos num conjunto de processos geológicos e climáticos que interagem contribuindo para o modelado e esculturação da superfície terrestre. Processos agradacionais e denudacionais, a contribuição dos grandes pensadores e o conhecimento desenvolvido ao longo do tempo sobre as mais diversificadas paisagens, por vezes atribuindo uma importância maior ao clima, outras vezes a fundamental papel da estrutura sobre o relevo. É importante destacar que a presente pesquisa será realizada pelo Grupo de Pesquisa MorfoTEKTOS. Este grupo tem suas pesquisas voltadas para a análise e compreensão da evolução da paisagem geomorfológica a partir do estudo das interações diretas entre a morfologia do relevo e o substrato geológico. Neste projeto, o grupo MorfoTEKTOS executará sua atividades em parceria com o Núcleo de Análise e Diagnóstico à Escorregamentos (DRM-RJ), com o grupo TEKTOS da faculdade de Geologia da UERJ e com o núcleo de Geotecnia Ambiental da PUC-RIO. 2. Objetivos de pesquisa Objetiva-se com a presente pesquisa identificar e levantar os condicionantes geológicos e geomorfológicos associados aos eventos ocorridos em janeiro de 2011 na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro. É importante destacar que os eventos extremos devem ser entendidos como parte central da evolução contínua da paisagem.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (3) / Especialização: (1) / Mestrado acadêmico: (1) . , Integrantes: Rodrigo Wagner Paixão Pinto - Integrante / Felipe Waldherr - Integrante / Marcelo Motta de Freitas - Coordenador / Murillo Peixoto - Integrante / Alex Farias - Integrante / Felipe Noronha de Andrade - Integrante.

  • 2011 - Atual

    Evolução da Paisagem Geomorfológica, Descrição: A forma do relevo é resultado de diversos processos complexamente combinados, responsáveis pela esculturação da superfície terrestre. A geomorfologia focaliza a investigação sobre a dinâmica dos processos erosivos e deposicionais, relacionando-os com os fenômenos geológicos e climáticos e integrando-os na paisagem. Vale ressaltar que o termo paisagem envolve aqui a apropriação feita pelo homem sobre o meio físico, em seu conceito geográfico. Dentro da geomorfologia, são analisados, desde os processos de intemperismo, geradores do material disponível para a esculturação das formas, até os processos hidrológicos e erosivos, responsáveis por este modelamento. No entanto, os processos hidrológicos e erosivos são alterados e alteram a dinâmica da vida humana, possuindo assim uma intrínseca relação com as diferentes formas de apropriação sobre o espaço e na geração de Risco. Neste sentido, o homem deixa de ser visto apenas como uma ação antrópica sem identidade para, ao contrário, ser visto em suas dinâmicas diferenciadas construtoras de paisagens específicas, desencadeando modificações, de acordo com a manifestação de suas formas de territorialização, e assim desenhando condições potenciais de Risco. O conjunto de tais processos possui distribuição heterogênea no tempo e no espaço e, por isso, conduz a evolução da paisagem geomorfológica em uma dinâmica distinta em ritmo e contigüidade. Desta forma, desde a tectônica dos continentes, responsável pelas estruturas e tipos litológicos, até as mudanças de níveis de base e expansão da rede de drenagem por processos erosivos, o objeto de estudo da geomorfologia é capaz de ser ampliado além da escala dos processos erosivos para a escala de paisagem, para servir aos estudos geográficos, à medida que contribui para um entendimento mais amplo das situações de Risco na construção das paisagens. A paisagem nessa abordagem não obedece somente a uma lógica, mas ao contrário a um diálogo, a uma interlocução que enxerga o caráter relacional dos fenômenos que a compõem. Os processos naturais entendidos pela geomorfologia continuam ocorrendo nas paisagens construídas e estudadas pela geografia, formando assim um conjunto complexo que deve assim ser interpretado. A dinâmica social ocorre sobre uma superfície, cuja história remonta a processos evolutivos em escala de tempo geológico. Isto faz com que o trabalho com a paisagem nos remeta a sua dinâmica evolutiva geomorfológica, para, então, entendermos processos atuais que interferem em nosso cotidiano. O entendimento desses processos exigem flexibilidade em método (lógico e dialógico), uma vez que o espaço geográfico abriga uma diversidade de territórios, cada qual oriundo de uma dinâmica social específica, com suas peculiaridades como forma de apropriação do meio. Onde e quando irão se desenvolver processos erosivos é obviamente uma questão problemática, por envolver previsão, mas, no entanto, a dinâmica geomorfológica, apesar de complexa, admite prognósticos. Por este mesmo motivo, a compreensão desta e de outras questões acerca do desenvolvimento das formas da paisagem necessita de uma abordagem capaz também de articular várias escalas espaciais e temporais. O grande avanço do conhecimento geológico conduziu inegavelmente as escolas geomorfológicas atuais em direção ao conhecimento do substrato geológico e sua influência na superfície, especialmente, suas relações com a lito-estrutura, declividade e clima. Neste sentido, o papel da herança geológica sobre as formas do relevo tornou-se conhecimento indispensável aos estudos geomorfológicos. As características litológicas e estruturais do substrato geológico condicionam notadamente os processos superficiais, sendo responsáveis, em grande parte, pelo direcionamento do intemperismo e da erosão diferencial do relevo. O papel das resistências litológicas em retardar o processo de incisão fluvial, define.. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Rodrigo Wagner Paixão Pinto - Integrante / Felipe Waldherr - Integrante / Marcelo Motta de Freitas - Coordenador / Felipe Fraifeld - Integrante / Felipe Noronha de Andrade - Integrante / Rafael da Silva Nunes - Integrante.

  • 2010 - Atual

    Evolução das bacias de drenagem na região do Vale do Rio Paraíba do Sul - RJ, Descrição: A forma do relevo é resultado de diversos processos complexamente combinados, responsáveis pela esculturação da superfície terrestre. A geomorfologia focaliza a investigação sobre a dinâmica dos processos erosivos e deposicionais, relacionando-os com os fenômenos geológicos e climáticos e integrando-os na paisagem. Vale ressaltar que o termo paisagem envolve aqui a apropriação feita pelo homem sobre o meio físico, em seu conceito geográfico. Dentro da geomorfologia, são analisados, desde os processos de intemperismo, geradores do material disponível para a esculturação das formas, até os processos hidrológicos e erosivos, responsáveis por este modelamento. No entanto, os processos hidrológicos e erosivos são alterados e alteram a dinâmica da vida humana, possuindo assim uma intrínseca relação com as diferentes formas de apropriação sobre o espaço e na geração de Risco. Neste sentido, o homem deixa de ser visto apenas como uma ação antrópica sem identidade para, ao contrário, ser visto em suas dinâmicas diferenciadas construtoras de paisagens específicas, desencadeando modificações, de acordo com a manifestação de suas formas de territorialização, e assim desenhando condições potenciais de Risco. O conjunto de tais processos possui distribuição heterogênea no tempo e no espaço e, por isso, conduz a evolução da paisagem geomorfológica em uma dinâmica distinta em ritmo e contigüidade. Desta forma, desde a tectônica dos continentes, responsável pelas estruturas e tipos litológicos, até as mudanças de níveis de base e expansão da rede de drenagem por processos erosivos, o objeto de estudo da geomorfologia é capaz de ser ampliado além da escala dos processos erosivos para a escala de paisagem, para servir aos estudos geográficos, à medida que contribui para um entendimento mais amplo das situações de Risco na construção das paisagens. A paisagem nessa abordagem não obedece somente a uma lógica, mas ao contrário a um diálogo, a uma interlocução que enxerga o caráter relacional dos fenômenos que a compõem. Os processos naturais entendidos pela geomorfologia continuam ocorrendo nas paisagens construídas e estudadas pela geografia, formando assim um conjunto complexo que deve assim ser interpretado. A dinâmica social ocorre sobre uma superfície, cuja história remonta a processos evolutivos em escala de tempo geológico. Isto faz com que o trabalho com a paisagem nos remeta a sua dinâmica evolutiva geomorfológica, para, então, entendermos processos atuais que interferem em nosso cotidiano. O entendimento desses processos exigem flexibilidade em método (lógico e dialógico), uma vez que o espaço geográfico abriga uma diversidade de territórios, cada qual oriundo de uma dinâmica social específica, com suas peculiaridades como forma de apropriação do meio. Onde e quando irão se desenvolver processos erosivos é obviamente uma questão problemática, por envolver previsão, mas, no entanto, a dinâmica geomorfológica, apesar de complexa, admite prognósticos. Por este mesmo motivo, a compreensão desta e de outras questões acerca do desenvolvimento das formas da paisagem necessita de uma abordagem capaz também de articular várias escalas espaciais e temporais. O grande avanço do conhecimento geológico conduziu inegavelmente as escolas geomorfológicas atuais em direção ao conhecimento do substrato geológico e sua influência na superfície, especialmente, suas relações com a lito-estrutura, declividade e clima. Neste sentido, o papel da herança geológica sobre as formas do relevo tornou-se conhecimento indispensável aos estudos geomorfológicos. As características litológicas e estruturais do substrato geológico condicionam notadamente os processos superficiais, sendo responsáveis, em grande parte, pelo direcionamento do intemperismo e da erosão diferencial do relevo. O papel das resistências litológicas em retardar o processo de incisão fluvial, define.. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (3) / Especialização: (1) / Mestrado acadêmico: (3) . , Integrantes: Rodrigo Wagner Paixão Pinto - Integrante / Felipe Waldherr - Integrante / Marcelo Motta de Freitas - Coordenador / Alex Farias - Integrante / Felipe Noronha de Andrade - Integrante / Fernanda Rath Fingerl - Integrante / Marcelo Vargas e Silva Castanheira - Integrante / Ilana Parga Nina - Integrante / Laura Pena Coelho - Integrante / Lívia Ferreira Mendonça - Integrante / Diogo Ladvocat - Integrante / Therence Paoliello de Sarti - Integrante / Julio Cezar Horta de Almeida - Integrante.

  • 2009 - 2010

    Dispersão física na análise granulométrica de Latossolos do Brasil, Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) . , Integrantes: Rodrigo Wagner Paixão Pinto - Integrante / Fabiano Carvalho Balieiro - Integrante / Guilherme Kangussu Donagemma - Coordenador.

  • 2008 - 2009

    Desenvolvimento de sistema de produção para a cultura do pinhão manso no Estado do Rio de janeiro para a produção de Biodiesel, Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (2) . , Integrantes: Rodrigo Wagner Paixão Pinto - Integrante / Fabiano Carvalho Balieiro - Integrante / Guilherme Kangussu Donagemma - Coordenador / José Carlos Polidoro - Integrante / Juliana Martins Ferreira - Integrante.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional

  • 2012 - Atual

    Ecobrand Gestão Ambiental

    Vínculo: Funcionário, Enquadramento Funcional: Analista Técnico, Carga horária: 20

  • 2008 - 2010

    Embrapa solos

    Vínculo: Estagiário, Enquadramento Funcional: Pesquisa, Carga horária: 20

    Atividades

    • 03/2008 - 03/2010

      Estágios , Embrapa Solos, .,Estágio realizado, Pesquisas Ambientais.

  • 2017 - Atual

    Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio

    Vínculo: , Enquadramento Funcional: Professor Auxiliar, Carga horária: 10

  • 2013 - 2016

    Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio

    Vínculo: Monitoria, Enquadramento Funcional: Monitor do Curso de Geoprocessamento

    Outras informações:
    Monitoria exercida no curso de extensão em Introdução ao Geoprocessamento Utilizando o Software Arcview - Módulo Básico, oferecido pelo Departamento de Engenharia Civil e Ambiental para o curso de Mestrado em Engenharia Urbana e Ambiental

    Atividades

    • 03/2018

      Direção e administração, Departamento de Geografia, .,Cargo ou função, Coordenador de Trabalhos de Campo.

    • 03/2018

      Ensino, Geografia, Nível: Graduação,Disciplinas ministradas, Geomorfologia Estrutural

    • 08/2017

      Ensino, Geografia, Nível: Graduação,Disciplinas ministradas, Geologia, Geomorfologia

    • 08/2017

      Ensino, Ciências Biológicas, Nível: Graduação,Disciplinas ministradas, Geologia

    • 08/2017

      Ensino, Arquitetura e Urbanismo, Nível: Graduação,Disciplinas ministradas, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável

  • 2007 - 2009

    Curso Pré-Vestibular Madr Paulina

    Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Professor / Coordenador, Carga horária: 10

    Atividades

    • 03/2007 - 12/2009

      Ensino,,Disciplinas ministradas, Geografia