Deiziane Pinheiro Aguiar

É doutoranda em Sociologia e mestre em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e bacharel em Ciências Sociais pela mesma universidade. É pesquisadora do Laboratório de Estudos da Violência (LEV/UFC). Interesses de pesquisa: Sociologia Urbana, Sociologia da Infância, Antropologia da Criança, Sociologia da Violência, Sociologia e Antropologia da Moral, Antropologia do Poder, Sociologia dos Conflitos e dos Modos de Dominação.

Informações coletadas do Lattes em 30/11/2018

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Doutorado em andamento em Sociologia

2018 - Atual

Universidade Federal do Ceará
Título: Violência, socialidade e memória: Percepções de crianças e adolescentes sobre as chacinas nas favelas de Fortaleza (CE),
Leonardo Damasceno de Sá. Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.

Mestrado em Sociologia

2015 - 2017

Universidade Federal do Ceará
Título: Marcado para morrer: moralidades e socialidades das crianças no Serviluz (Fortaleza-CE),Ano de Obtenção: 2017
Leonardo Damasceno de Sá.Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil. Palavras-chave: moralidades; socialidades; favela; VIOLÊNCIA; crianças.Grande área: Ciências HumanasGrande Área: Ciências Humanas / Área: Sociologia / Subárea: Sociologia da infância. Grande Área: Ciências Humanas / Área: Sociologia / Subárea: Soiologia urbana.

Graduação em Ciências Sociais

2010 - 2014

Universidade Federal do Ceará
Título: Não tenho medo da Estiva, não: crianças entre interações e acusações na comunidade do Serviluz.
Orientador: Leonardo Damasceno de Sá
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação complementar

2018 - 2018

Vive les vacances - Ciclo de Atividades. (Carga horária: 6h). , Departamento de Letras Estrangeiras, UFC, Brasil.

2015 - 2017

Casa de Cultura Francesa - Francês. (Carga horária: 180h). , Universidade Federal do Ceará, UFC, Brasil.

2016 - 2016

Proficiência em Língua Inglesa. , Casa de Cultura Britânica (UFC), CCB-UFC, Brasil.

2016 - 2016

As formas sensíveis no viver urbano pelo olhar etnográfico (Oficina 01).. (Carga horária: 27h). , 30º Reunião Brasileira de Antropologia João Pessoa/PB - UFPB, RBA, Brasil.

2015 - 2015

Antropologia da Mentira Minicurso V REA-XIV ABANNE. (Carga horária: 6h). , Universidade Federal de Alagoas, UFAL, Brasil.

2012 - 2015

Francês. , Instituto Municipal de Pesquisa, Administração e Recursos Humanos, IMPARH, Brasil.

2014 - 2014

NVivo 10 - Prof. Dr. Alex Niche Teixeira (UFGS). (Carga horária: 12h). , Universidade Federal do Ceará/Laboratório de Estudos da Violência, UFC/PRONEX/LEV, Brasil.

2013 - 2013

Extensão universitária em Introdução à Língua Espanhola (Curso de Extensão). (Carga horária: 48h). , Universidade Federal do Ceará, UFC, Brasil.

2013 - 2013

Sociologia e criminologia. (Carga horária: 4h). , Laboratório de Estudos da Violência, LEV/UFC, Brasil.

2013 - 2013

Sobre Vigiar e Punir de Michel Foucault. (Carga horária: 10h). , Laboratório de Estudos da Violência, LEV, Brasil.

2013 - 2013

Curso de Criminologia. (Carga horária: 10h). , Laboratório de Estudos da Violência, LEV, Brasil.

2012 - 2012

Contexto de Extermínio de Crianças e Adolescentes (mini-curso). (Carga horária: 4h). , Laboratório de Estudos da Violência e CEDECA, LEV E CEDECA, Brasil.

2011 - 2011

INFORMÁTICA. (Carga horária: 90h). , TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO TECNOLÓGICO - PROJETO DE EXTENSÃO - UFC., TECNUS, Brasil.

2006 - 2006

AUXILIAR DE BIBLIOTECA. (Carga horária: 20h). , SECRETARIA DA CULTURA DO ESTADO DO CEARÁ, SECULT, Brasil.

2005 - 2005

OFICINA: O JOGO E O IMPROVISO. (Carga horária: 12h). , SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DO CEARÁ, SESC, Brasil.

2005 - 2005

INICIAÇÃO TEATRAL. (Carga horária: 230h). , CIA. TEATRAL ACONTECE, CTA, Brasil.

2004 - 2005

INGLÊS. (Carga horária: 100h). , YES IDIOMAS E NEGÓCIOS, YES, Brasil.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Inglês

Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Razoavelmente.

Francês

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Áreas de atuação

    Grande área: Ciências Humanas / Área: Sociologia.

    Grande área: Ciências Humanas / Área: Antropologia.

    Grande área: Ciências Humanas / Área: Ciência Política.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Organização de eventos

AGUIAR, Deiziane P. . Roda de Conversa com Jô Feitosa: trajetória de uma assistente social no sistema penitenciário cearense. 2015. (Outro).

AGUIAR, Deiziane P. . IV Seminário Internacional Violência e Conflitos Sociais: Territorialidades e Negociações. 2014. (Outro).

AGUIAR, Deiziane P. . IV REA/XIII ABANNE - Saberes locais e experiências transnacionais: interfaces do fazer antropológico. 2013. (Congresso).

AGUIAR, Deiziane P. . Curso: Sobre Vigiar e Punir de Michel Foucault. 2013. (Outro).

AGUIAR, Deiziane P. . Curso: Sociologia e criminologia: criminalização da pobreza e criminalidade dos poderosos. 2013. (Outro).

AGUIAR, Deiziane P. . Curso de Criminologia: limites e possibilidades analíticas. 2013. (Outro).

AGUIAR, Deiziane P. . I Jornada de Estudos sobre Violência e Conflitos Sociais. 2013. (Outro).

AGUIAR, Deiziane P. . I Colóquio Internacional Diálogos Juvenis: diminuindo distâncias entre narradores e pesquisadores.. 2012. (Outro).

AGUIAR, Deiziane P. . Conferência: Trajetórias de um pesquisador: sociologia(s) da violência e dos conflitos sociais.. 2012. (Outro).

AGUIAR, Deiziane P. . Seminário Cidade, Conflitos e Redes Sociais. 2012. (Outro).

AGUIAR, Deiziane P. . III Seminário Internacional Violência e Conflitos Sociais: Ilegalismos e Lugares Morais.. 2011. (Outro).

AGUIAR, Deiziane P. . Narrativas e Imaginários sobre as Violências e suas Vítimas III Seminário Internacional: ilegalismos e lugares morais. 2011. (Outro).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

Formação de novos membros do NUDIJUS - Núcleo de Estudos Aplicados Direitos, Infância e Justiça UFC.Pesquisando violência (s): desafios e contribuições sociais. 2018. (Encontro).

Violences en ville et action publique en Amérique Latine et en France - École de Printemps.Le contexte des homicides dans l´État du Ceará. 2018. (Encontro).

Painel Interdisciplinar: ?Rompendo Fronteiras ? Ciência, Cultura E Arte?; Tema: ?Os Extremos da Vida - Infância e Velhice h. 2017. (Outra).

30º Reunião Brasileira de Antropologia. Entre brincadeiras, silêncios e conversações: interagindo no campo com crianças numa favela à beira-mar em Fortaleza. 2016. (Congresso).

39º Encontro Anual da Anpocs.Não matarás? Pessoas indesejáveis e o ponto das crianças sobre crueldade, moralidade e justiça nas favelas de Fortaleza. 2015. (Encontro).

Conferência de Abertura - IV Simpósio Nacional Discurso, Identidade e Sociedade e II Simpósio Internacional Discurso, Identidade e Sociedade. 2015. (Congresso).

Conferência de Encerramento - IV Simpósio Nacional Discurso, Identidade e Sociedade e II Simpósio Internacional Discurso, Identidade e Sociedade. 2015. (Congresso).

Discursos, Identidades e Infância - IV Simpósio Nacional Discurso, Identidade e Sociedade e II Simpósio Internacional Discurso, Identidade e Sociedade. 2015. (Outra).

Discursos de Resistência, Identidades em Educação Popular- IV Simpósio Nacional Discurso, Identidade e Sociedade e II Simpósio Internacional Discurso, Identidade e Sociedade. 2015. (Outra).

Fórum de Socialização Acadêmica-Juventudes e vulnerabilidade social urbana.Brincando com a metodologia: reflexões e dificuldades numa pesquisa com crianças. 2015. (Outra).

IV Simpósio Nacional Discurso, Identidade e Sociedade e II Simpósio Internacional Discurso, Identidade e Sociedade.Política de escrita e práticas de resistência no espaço prisional: a trajetória de adão. 2015. (Simpósio).

Protagonismo Contemporâneo das Vítimas: Teoria e Movimentos Sociais. 2015. (Outra).

Redução da maioridade penal: Discursos e olhares sobre a transgressão. 2015. (Outra).

Violência e conflitos sociais: uma análise do campo da segurança pública no Ceará. 2015. (Outra).

V Reunião Equatorial de Antropologia (REA) e XIV Reunião de Antropólogos Norte e Nordeste (ABANNE).A dimensão do urbano no Serviluz e a configuração socioespacial das guerras e suas fronteiras simbólicas: a perspectiva das crianças. 2015. (Outra).

29ª Reunião Brasileira de Antropologia - RBA/ABA. O que as crianças têm para narrar? Uma etnografia na comunidade do Serviluz. 2014. (Congresso).

IV Seminário Internacional Violência e Conflitos Sociais: Territorialidades e Neegociações.Crianças entre acusações e brincadeiras na comunidade do Serviluz. 2014. (Seminário).

NUCEPEC 30 anos: desafios e atuações de ontem, de hoje e de amanhã ? Psicologia/UFC. 2014. (Encontro).

Trajetórias de Meninas e Meninos em Conflito com a Lei e Experiências de Internação. 2014. (Outra).

Como divulgar os resultados de minha pesquisa?. 2013. (Oficina).

Direito a convivência familiar e comunitária: crianças abrigadas e em situação de rua ? Observatório de Políticas Públicas/UFC. 2013. (Outra).

III Semana de Antropologia do PPGA/UFPB - O ofício do antropólogo.O cotidiano das ruas: violência e estigma contra meninos à beira-mar. 2013. (Encontro).

I Jornada de Estudos Sobre Estudos Violência e Conflitos Sociais - LEV. 2013. (Outra).

IV REA/XII ABANNE.Narrativas no cotidiano das ruas: violência e estigma contra meninos à beira mar.. 2013. (Outra).

Segurança Pública no Estado do Ceará - Observatório de Políticas Públicas/UFC. 2013. (Outra).

Contexto de Extermínio de Crianças e Adolescentes (mini-curso) na II Jornada de Afirmação dos Direitos da Criança e do Adolescente. 2012. (Outra).

Diálogos Juvenis: Juventudes e Intervenções - o campo das políticas governamentais e não governamentais - LAJUS/UFC. 2012. (Encontro).

IV Feira de Profissões da UFC. Orientadora Vocacional no Curso de Ciências Sociais. 2012. (Feira).

IV Semana de Ciências Sociais (Universidade Estadual do Ceará - UECE).. 2012. (Outra).

IV Seminário Internacional Direitos Humanos, Violência e Pobreza: a situação de crianças e adolescentes na América Latina hoje.. 2012. (Seminário).

Mostra Cinematográfica Alteridades e Práticas Urbanas - Sessão temática: Olhares e Trajetos. 2012. (Outra).

Seminário Internacional RUPAL 2012 Brasil e América Latina: Percursos e Dilemas de uma Integração. 2012. (Seminário).

Sociabilidade na Metrópole. Ministrado pelo Prof. José Guilherme Magnani (Mini-curso ? XI Graduação em Campo - USP).. 2012. (Outra).

Trajetórias de um pesquisador: sociologia(s) da violência e dos conflitos sociais. (Conferência ? Laboratório de Estudos da Violência ? LEV ? UFC).. 2012. (Outra).

XI Graduação em Campo NAU - USP. 2012. (Outra).

"SEMINÁRIO RUPAL 10 ANOS" - ADENTRANDO NAS TRILHAS DO PENSAMENTO DESCOLONIAL: VIAS INVESTIGATIVAS NA REFLEXÃO SOBRE OS PROCESSOS LATINO-AMERICANOS. VIII SEMANA DE HUMANIDADES UFC/UECE E II ENCONTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM HUMANIDADES. 2011. (Seminário).

"SEMINÁRIO RUPAL 10 ANOS" - DA COLONIALIDADE A DESCOLONIALIDADE: UM PERCURSO HISTÓRICO - EPISTEMOLÓGICO. VIII SEMANA DE HUMANIDADES UFC/UECE E II ENCONTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM HUMANIDADES. 2011. (Seminário).

CIDADES E PRÁTICAS URBANAS: EXPERIÊNCIAS E NARRATIVAS (MINICURSO). VIII SEMANA DE HUMANIDADES UFC/UECE E II ENCONTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM HUMANIDADES. 2011. (Outra).

CONFERÊNCIA MAGNA: NA INTERSEÇÃO DE MUNDOS POSSÍVEIS. VIII SEMANA DE HUMANIDADES UFC/UECE E II ENCONTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM HUMANIDADES. 2011. (Outra).

ETNOGRAFIA EM "ZONAS" DE "RISCO", CONFLITO OU "ANONIMATO". VIII SEMANA DE HUMANIDADES UFCUECE E II ENCONTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM HUMANIDADES. 2011. (Outra).

III Feira de Profissões da UFC. Orientadora Vocacional no curso de Ciências Sociais. 2011. (Feira).

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL VIOLÊNCIA E CONFLITOS SOCIAIS: ILEGALISMOS E LUGARES MORAIS.PROFISSÃO NA CIDADE: OS ENGRAXATES DA PRAÇA JOSÉ DE ALENCAR. 2011. (Seminário).

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL VIOLÊNCIA E CONFLITOS SOCIAIS: ILEGALISMOS E LUGARES MORAIS. 2011. (Seminário).

II SEMINÁRIO DE PESQUISA DA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS. PROMOVIDO PELA COORDENAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS - UFC. 2011. (Seminário).

SEGURANÇA PÚBLICA, CONFLITOS SOCIAIS E PRÁTICAS INSURGENTES. VIII SEMANA DE HUMANIDADES UFC/UECE E II ENCONTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM HUMANIDADES. 2011. (Outra).

SEMINÁRIO: "PELO DIREITO DE VIVER COM DIGNIDADE". PROMOVIDO PELO CENTRO DE DEFESA DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DO CEARÁ (CEDECA) E ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CENTROS DE DEFESA DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (Anced). 2011. (Seminário).

Seminário "Pelo direito de viver com dignidade". 2011. (Seminário).

VIII SEMANA DE HUMANIDADES UFC/UECE E II ENCONTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM HUMANIDADES. 2011. (Encontro).

XXX ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - ENCONTROS UNIVERSITÁRIOS 2011 - UFC.CONFLITO: FORMA PURA DE SOCIAÇÃO. 2011. (Encontro).

"O CONNCEITO DE HOMEM KARL MARX". PROMOVIDO PELO GRUPO DE ESTUDOS MARXISTAS/ INSTITUTO DE CULTURA E ARTE (ICA)/ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA - UFC. 2010. (Outra).

SOBRE MAQUIAVEL (MINI-CURSO). 2010. (Outra).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em bancas

Aluno: Eduardo Torres Ferreira

XAVIER, L. P.;AGUIAR, Deiziane.; CARNEIRO, A. P. G.. A gente tem que se virar: Uma etnografia sobre o aprendizado da panificação em Fortaleza. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Gastronomia) - Universidade Federal do Ceará.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Comissão julgadora das bancas

Deborah Christina Antunes

SA, L. D.; BARREIRA, I. A. F.;ANTUNES, D. C.. Marcado para morrer: o ponto de vista das crianças sobre a destruição do vínculo de parentesco no Serviluz. 2016. Exame de qualificação (Mestrando em Sociologia) - Universidade Federal do Ceará.

Jânia Perla Diógenes de Aquino

SA, L. D.; FERREIRA, D. L.;AQUINO, J. P. D.. Não tenho medo da Estiva, não! Crianças entre interações e acusações na comunidade do Serviluz. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Sociais) - Universidade Federal do Ceará.

Wendell de Freitas Barbosa

SÁ, Leonardo D.; FERREIRA, D. L.; AQUINO, J. P. D.;BARBOSA, Wendell de F.. "Não tenho medo da Estiva, não!": crianças entre interações e acusações na comunidade do Serviluz. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Sociais) - Universidade Federal do Ceará.

Leonardo Damasceno de Sá

SÁ, Leonardo; Barreira, Irlys; PIRES, Flávia.. "Marcado para morrer": moralidades e socialidades das crianças na comunidade do Serviluz.. 2017. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós-Graduação em Sociologia) - Universidade Federal do Ceará.

Leonardo Damasceno de Sá

SÁ, Leonardo; AQUINO, J. P. D.; FERREIRA, Diocleide; BARBOSA, W. F.. Não tenho medo da Estiva, não! Crianças entre interações e acusações na comunidade do Serviluz.. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Sociais) - Universidade Federal do Ceará.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

Leonardo Damasceno de Sá

Violência, socialidade e memória: percepções de crianças e adolescentes sobre as chacinas nas favelas de Fortaleza; ; Início: 2018; Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Sociologia) - Universidade Federal do Ceará; (Orientador);

Leonardo Damasceno de Sá

"Marcados para morrer": moralidades e socialidades das crianças na comunidade do Serviluz; ; 2017; Dissertação (Mestrado em Programa de Pós-Graduação em Sociologia) - Universidade Federal do Ceará, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; Orientador: Leonardo Damasceno de Sá;

Leonardo Damasceno de Sá

Não tenho medo da Estiva, não! Crianças entre interações e acusações na comunidade do Serviluz; ; 2014; Trabalho de Conclusão de Curso; (Graduação em Ciências Sociais) - Universidade Federal do Ceará, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; Orientador: Leonardo Damasceno de Sá;

Leonardo Damasceno de Sá

Socialidade armada, agência das armas e violência letal entre jovens de favelas á beira-mar na cidade de Fortaleza; 2013; Iniciação Científica; (Graduando em Ciências Sociais) - Universidade Federal do Ceará, Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico; Orientador: Leonardo Damasceno de Sá;

Leonardo Damasceno de Sá

Fortaleza e Medellin: paradoxos entre controle e autocontrole da violência; ; 2012; Orientação de outra natureza - Universidade Federal do Ceará; Orientador: Leonardo Damasceno de Sá;

Leonardo Damasceno de Sá

CONFLITO: FORMA PURA DE SOCIAÇÃO; ; 2011; Orientação de outra natureza; (XXX Encontro de Iniciação Científica) - Universidade Federal do Ceará; Orientador: Leonardo Damasceno de Sá;

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • SÁ, Leonardo. ; ACCIOLY, I. ; AGUIAR, Deiziane P. . Relatos de si em situação de condenação punitiva: a trajetória de Adão. Linguagem em Foco , v. 7, p. 35, 2015.

  • SÁ, Leonardo. ; AGUIAR, Deiziane P. ; RODRIGUES, S. H. J. . Dor, sofrimento e luto das mães nas favelas, bairros populares e periferias da cidade de Fortaleza.. In: César Barreira; Luiz Fábio Silva Paiva; Maurício Bastos Russo. (Org.). (Org.). Violência, territorialidades e negociações. 1ed.Campinas: Pontes Editores, 2016, v. 1, p. 523-541.

  • AGUIAR, Deiziane P. . Entre brincadeiras, silêncios e conversações: interagindo no campo com crianças numa favela à beira-mar em Fortaleza. In: 30º Reunião Brasileira de Antropologia, 2016, João Pessoa/PB. 30º Reunião Brasileira de Antropologia, 2016.

  • AGUIAR, Deiziane P. ; SÁ, Leonardo. . Não matarás? Pessoas indesejáveis e o ponto das crianças sobre crueldade, moralidade e justiça nas favelas de Fortaleza. In: 39º Encontro Anual da ANPOCS, 2015, Caxambu. Anais do 39º Encontro Anual da Anpocs, de 26 a 30 de outubro de 2015, em Caxambu - MG., 2015.

  • AGUIAR, Deiziane P. ; SÁ, Leonardo. . A dimensão do urbano no Serviluz e a configuração socioespacial das guerras e suas fronteiras simbólicas: a perspectiva das crianças. In: V Reunião Equatorial de Antropologia (REA) e XIV Reunião de Antropólogos Norte e Nordeste (ABANNE), 2015, Maceió/AL. V Reunião Equatorial de Antropologia (REA) e XIV Reunião de Antropólogos Norte e Nordeste (ABANNE), 2015.

  • SÁ, Leonardo. ; RODRIGUES, S. H. J. ; AGUIAR, Deiziane P. . Dor, sofrimento e formas de luto das mães nas favelas de Fortaleza. In: 29ª Reunião Brasileira de Antropologia, 2014, Natal. Anais 29ª RBA. Brasília: Kiron, 2014.

  • AGUIAR, Deiziane P. . O cotidiano das ruas: violência e estigma contra meninos à beira mar. In: III Semana de Antropologia do PPGA/UFPB - O ofício do antropólogo, 2013, João Pessoa. Anais III Semana de Antropologia do PPGA/UFPB - O ofício do antropólogo. João Pessoa: Ideia Editora, 2013.

  • AGUIAR, Deiziane P. . Narrativas das/nas ruas: os meninos à beira-mar. In: V Encontro de Ciências Sociais do Ceará - ENCISO, 2013, Crato. V Encontro de Ciências Sociais do Ceará - ENCISO. Crato: Felipe Helder, 2013.

  • AGUIAR, Deiziane P. . Estar ?mirim?: violência(s) e estigmatização a meninos e meninas em situação de moradia nas ruas da Beira Mar. In: IV Seminário Internacional Direitos Humanos, Violência e Pobreza: a situação de crianças e adolescentes na América Latina hoje, 2012, Rio de Janeiro. Anais do IV Seminário Internacional. Rio de Janeiro: Editora Rede Sírius/UERJ, 2012.

  • AGUIAR, Deiziane. . Conversações e brincadeiras em campo: o ponto de vista das crianças sobre a destruição do vínculo de parentesco numa favela à beira-mar em Fortaleza. In: Encontros Universitários UFC 2016 - IX Encontro de Pesquisa e Pós-Graduação, 2017, Fortaleza. Encontros Universitários UFC 2016. Fortaleza: Periódicos UFC, 2017. v. 1.

  • AGUIAR, Deiziane P. . Crianças entre acusações e brincadeiras na comunidade do Serviluz. In: IV Seminário Internacional Violência e Conflitos Sociais: Territorialidades e Negociações - LEV/UFC, 2014, Fortaleza. IV Seminário Internacional Violência e Conflitos Sociais: Territorialidades e Negociações, 2014.

  • SABINO, A. E. ; NASCIMENTO, B. D. ; AGUIAR, Deiziane P. ; FREIRE FILHO, L. E. H. B. . Profissão na cidade: os engraxates da praça José de Alencar. In: III Seminário Internacional Violência e Conflitos Sociais: ilegalismos e lugares morais - LEV - UFC, 2011, FORTALEZA. Revista do III Seminário Internacional Violência e Conflitos. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2011. p. 7-229.

  • AGUIAR, Deiziane. . Conversações e brincadeiras em campo: o ponto de vista das crianças sobre a destruição do vínculo de parentesco numa favela à beira-mar em Fortaleza. 2017. (Apresentação de Trabalho/Outra).

  • AGUIAR, Deiziane P. . Entre brincadeiras, silêncios e conversações: interagindo no campo com crianças numa favela à beira-mar em Fortaleza. 2016. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • AGUIAR, Deiziane P. ; SÁ, Leonardo. . Não matarás? Pessoas indesejáveis e o ponto das crianças sobre crueldade, moralidade e justiça nas favelas de Fortaleza. 2015. (Apresentação de Trabalho/Outra).

  • SÁ, Leonardo. ; ACCIOLY, I. ; AGUIAR, Deiziane P. . Política de escrita e práticas de resistência no espaço prisional: a trajetória de adão. 2015. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

  • AGUIAR, Deiziane P. ; SÁ, Leonardo. . A dimensão do urbano no Serviluz e a configuração socioespacial das guerras e suas fronteiras simbólicas: a perspectiva das crianças. 2015. (Apresentação de Trabalho/Outra).

  • SÁ, Leonardo. ; RODRIGUES, S. H. J. ; AGUIAR, Deiziane P. . Dor, sofrimento e formas de luto das mães nas favelas de Fortaleza. 2014. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • AGUIAR, Deiziane P. . Socialidade Armada, Agência das Armas e Violência Letal entre Jovens de Favelas à beira-mar na cidade de Fortaleza. 2014. (Apresentação de Trabalho/Outra).

  • AGUIAR, Deiziane P. . Crianças entre acusações e brincadeiras na comunidade do Serviluz. 2014. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

  • AGUIAR, Deiziane P. . O que as crianças têm para narrar? Uma etnografia na comunidade do Serviluz. 2014. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • AGUIAR, Deiziane P. . O cotidiano das ruas: violência e estigma contra meninos à beira mar.. 2013. (Apresentação de Trabalho/Outra).

  • AGUIAR, Deiziane P. . Narrativas no cotidiano das ruas: violência e estigma contra meninos à beira mar.. 2013. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • AGUIAR, Deiziane P. ; SÁ, Leonardo. . Meninos à beira-mar: narrativas e cotidiano das/nas ruas. 2013. (Apresentação de Trabalho/Outra).

  • AGUIAR, Deiziane P. ; ROSA, G. K. M. ; SÁ, Leonardo. . Mulheres Enlutadas: narrativas de perda e dor. 2013. (Apresentação de Trabalho/Outra).

  • AGUIAR, Deiziane P. ; SÁ, Leonardo. . Estar ?mirim?: Estigma, ilegalidades e violência (s) à ?meninos de rua?.. 2012. (Apresentação de Trabalho/Outra).

  • AGUIAR, Deiziane P. ; SÁ, Leonardo. . Sociação e Conflito: na interseção da unidade e da anomia social. 2012. (Apresentação de Trabalho/Outra).

  • AGUIAR, Deiziane P. . Estar 'mirim': Estigmatização e violência à crianças em situação de moradia nas ruas da Beira Mar.. 2012. (Apresentação de Trabalho/Outra).

  • AGUIAR, Deiziane P. . Estar ?mirim?: violência(s) e estigmatização a meninos e meninas em situação de moradia nas ruas da Beira Mar.. 2012. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

  • AGUIAR, Deiziane P. ; RIBEIRO, E. P. . Fortaleza e Medellín: Paradoxos entre Controle e Autocontrole da Violência. 2012. (Apresentação de Trabalho/Outra).

  • AGUIAR, Deiziane P. . Conflito: Forma Pura de Sociação. 2011. (Apresentação de Trabalho/Outra).

  • SABINO, A. E. ; NASCIMENTO, B. D. ; AGUIAR, Deiziane P. ; FREIRE FILHO, L. E. H. B. . Profissão na Cidade: Os Engraxates da Praça José de Alencar.. 2011. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Outras produções

LEAO, R. S. ; AGUIAR, Deiziane. ; SIMOES, J. . Crianças e adolescentes ameaçados de morte. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

AGUIAR, Deiziane. ; QUIXADA, L. . Crianças brincam de ?polícia e ladrão? com capacetes e coletes do Raio improvisados. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

AGUIAR, Deiziane. . Homicídios contra adolescentes no Ceará cresceram 500% em 17 anos. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

AGUIAR, Deiziane. ; SIMOES, J. ; HOLANDA, T. . A situação de ameaça de morte a crianças e adolescentes no contexto da atuação das facções. 2018.

AGUIAR, Deiziane. . Pesquisando violência (s): desafios e contribuições sociais. 2018. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

AGUIAR, Deiziane. . Metodologias de Pesquisa: Entre Experiências e Trocas. 2017. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2017 - Atual

    A destruição violenta do vínculo de parentesco no Nordeste do Brasil, Descrição: O objetivo desta pesquisa é analisar os conflitos sociais, as relações de poder e as formas de sujeição e de subjetivação no contexto dos dramas humanos que se escondem por trás do assassinato de jovens nas periferias, bairros populares e favelas cearenses a partir das maneiras de relatar, de contar, narrar, pensar das mães dos jovens assassinados. É o ponto de vista das mães que interessa ser destacado por este projeto de pesquisa que é uma inflexão de outro projeto de pesquisa que vem sendo realizado desde 2008 em favelas de Fortaleza, focando no ponto de vista dos meninos e rapazes envolvidos em contextos de lutas faccionais armadas, onde as mortes matadas por armas de fogo são recorrentes. Trata-se de uma estratégia de pesquisa que já estava presente de modo coadjuvante na pesquisa onde os filhos eram os interlocutores principais. Com esse deslocamento, a pesquisa pretende não apenas gerar um novo ângulo de observação. É a própria configuração do objeto de pesquisa que passa por uma reformulação, uma vez que o ponto de vista da mãe não é apenas mais um entre vários, é o ponto de vista que se poderia chamar de total, no sentido de permitir metodologicamente a apreensão dos fenômenos estudos como um "fato social total". A compreensão do ponto de vista das mães sobre os eventos de perda do vínculo de parentesco e as formas do luto em torno das dinâmicas dessas mortes violentas é fundamental para o entendimento mais amplo do fenômeno da violência letal no Nordeste.. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.

  • 2016 - Atual

    Sofrimento social, criminalidade e destruição violenta do vínculo de parentesco no Nordeste do Brasil., Descrição: O objetivo desta pesquisa é analisar os conflitos sociais, as relações de poder e as formas de sujeição e de subjetivação no contexto dos dramas humanos que se escondem por trás do assassinato de jovens nas periferias, bairros populares e favelas cearenses a partir das maneiras de relatar, de contar, narrar, pensar das mães dos jovens assassinados. É o ponto de vista das mães que interessa ser destacado por este projeto de pesquisa que é uma inflexão de outro projeto de pesquisa que vem sendo realizado desde 2008 em favelas de Fortaleza, focando no ponto de vista dos meninos e rapazes envolvidos em contextos de lutas faccionais armadas, onde as mortes matadas por armas de fogo são recorrentes. Trata-se de uma estratégia de pesquisa que já estava presente de modo coadjuvante na pesquisa onde os filhos eram os interlocutores principais. Com esse deslocamento, a pesquisa pretende não apenas gerar um novo ângulo de observação. É a própria configuração do objeto de pesquisa que passa por uma reformulação, uma vez que o ponto de vista da mãe não é apenas mais um entre vários, é o ponto de vista que se poderia chamar de total, no sentido de permitir metodologicamente a apreensão dos fenômenos estudos como um "fato social total". A compreensão do ponto de vista das mães sobre os eventos de perda do vínculo de parentesco e as formas do luto em torno das dinâmicas dessas mortes violentas é fundamental para o entendimento mais amplo do fenômeno da violência letal no Nordeste.. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.

  • 2015 - 2016

    A morte matada de crianças, adolescentes e jovens: um estudo da dor e da perda nas redes familiares nas favelas à beira-mar de Fortaleza, Descrição: (Deiziane Aguiar foi integrante, supervisora de equipe em trabalho de campo e colaboradora no relatório final da pesquisa/CNPq). Este projeto dá continuidade ao projeto focado na pesquisa dos sentimentos de dor, perda e sofrimento das mães que perderam filhos de modo violento nas favelas à beira-mar de Fortaleza. Depois da realização de uma série de entrevistas em profundidade com mães e a apresentação de um primeiro resultado da pesquisa PIBIC anterior, na forma de um artigo acadêmico, em anexo, busca-se nesta nova etapa ampliar o número de mães entrevistadas e a realização de entrevistas também com outros membros das redes familiares. A pesquisa de campo etnográfica nas favelas da orla de Fortaleza que vão da Barra do Ceará ao Caça e Pesca é a base da pesquisa. Todavia, outras fontes, como estatísticas criminais, matérias de jornais, documentos de organizações não governamentais, dentre outras, estão evidenciando que o problema da morte matada por arma de fogo em Fortaleza é muito difuso, regular, frequente e tem sofrido um recrudescimento nos últimos anos. O objetivo é compreender do ponto de vista das mães como os casos das perdas de seus filhos afetam a vida coletiva e também explicar as dinâmicas desses assassinatos por meio da observação sociológica de uma quantidade significativa de casos. O objetivo desta pesquisa é analisar os conflitos sociais, as relações de poder e as formas de sujeição e de subjetivação no contexto dos dramas humanos que se escondem por trás do assassinato de jovens nas periferias, bairros populares e favelas cearenses a partir das maneiras de relatar, de contar, narrar, pensar das mães dos jovens assassinados. É o ponto de vista das mães que interessa ser destacado por este projeto de pesquisa que é uma inflexão de outro projeto de pesquisa que vem sendo realizado desde 2008, tendo resultado em capítulos de livros, artigos e outros produtos acadêmicos... , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.

  • 2014 - 2015

    O que as mães têm a nos contar? Um estudo sociocultural de relatos de mortes matadas e de vidas perdidas de meninos e rapazes nas periferias do Ceará, Descrição: (Deiziane Aguiar foi integrante, supervisora de equipe em trabalho de campo e colaboradora no relatório final da pesquisa/CNPq). O objetivo desta pesquisa é analisar os conflitos sociais, as relações de poder e as formas de sujeição e de subjetivação no contexto dos dramas humanos que se escondem por trás do assassinato de jovens nas periferias, bairros populares e favelas cearenses a partir das maneiras de relatar, de contar, narrar e pensar das mães dos jovens assassinados. O ponto de vista a ser privilegiado é o das mães que perderam filhos em mortes por agressão, principalmente, pelo uso de armas de fogo nas periferias de Fortaleza. Serão feitas 30 entrevistas em profundidade com mães do Vilha Velha, Barra do Ceará, Cristo Redentor, Pirambu, Moura Brasil, Poço da Draga, Serviluz, Castelo Encantado, Vicente Pinzõn, Praia do Futuro e Caça e Pesca, em comunidades que apresentam altíssimas taxas de crimes letais intencionais (homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte) contra adolescentes e jovens adultos, focando nas faixas etárias de 14-19, 20-24 e 25-29 anos, que são as faixas que concentram a maior parte das vítimas em relação à população total, segundo as estatísticas criminais disponíveis. Está pesquisa dá continuidade a uma outra que vem sendo realizada desde 2008 e que já resultou em uma tese, artigos, capítulos de livros e relatórios que focava o ponto de vista dos próprios jovens. O deslocamento para o ponto de vista das mães é mais do que uma mudança de ângulo, é uma reconfiguração do próprio objeto de pesquisa, uma vez que a visão das mães é capaz, de como já testamos na pesquisa exploratória, ampliar consideravelmente os materiais que permitem aos analistas compreender e explicar as dinâmicas da violência que envolvem armas, drogas e confrontos armados. A pesquisa buscará, ao seu término, realizar um seminário de arranque para lançar um fórum público permanente sobre o tema com a participação de mães, movimentos sociais, autoridades públicas, imprensa e outras instituições parceiras da universidade.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.

  • 2013 - 2014

    Socialidade Armada, agência das armas e violência letal entre jovens de favelas à beira-mar na cidade de Fortaleza., Descrição: O objetivo deste projeto é realizar uma cartografia das lutas faccionais armadas entre jovens das favelas à beira-mar da orla marítima de Fortaleza (Vila Velha, Barra do Ceará, Pirambu, Cristo Redendor, Moura Brasil, Poço da Draga, Serviluz, Praia do Futuro e Caça e Pesça). O centro do interesse da pesquisa é o jovem que faz uso de armas de fogo em seus conflitos interpessoais dentre ou fora do mundo do crime. São as redes de jovens armados que se espraiam, movimentando-se por toda a orla marítima, praticando assaltos à mão armada, além da lutas intestinas que incidem em cada comunidade local citada que possibilitam o acesso etnográfico já em andamento em todos os locais referidos. Acesso que vem sendo construído desde 2008 por meio de trabalho de campo etnográfico junto às redes familiares e de parentesco desses jovens. As narrativas de dor, sofrimento e violência das mães, ou de quaisquer figuras próximas que atuem como cuidadores desses jovens que matam e morrem usando armas de fogo são uma forma de aproximação decisiva, metodologicamente, para a construção do objeto em questão. Já estão mapeados 68 óbitos que se coadunam ao objetivo do trabalho. A abordagem qualitativa desses casos e de outros que ainda estão sendo mapeados traz a contribuição de evidenciar a heterogeneidade de motivações para os homicídios por armas de fogo entre os jovens, uma vez que outras equipes já realizaram mapeamento estatístico do fenômeno, cujas bases de dados alimentam com dados secundários o esforço de compreensão dos casos específicos da pesquisa qualitativa. A hipótese da pesquisa parte da ideia de que uma socialidade armada, ligada ao funcionamento de mercados ilícitos de armas, está alavancando o crescente número de homicídios entre jovens em Fortaleza. O intento é superar os discursos gerais que têem negligenciado a riqueza do detalhamento de cada conflito e sua especificidade, o que provoca concepções generalizantes inadequadas à explicação sociológica do fenômeno.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.

  • 2013 - Atual

    Violência, dor e sofrimento social: a socialidade armada entre jovens e a dinâmica dos homicídios por arma de fogo nas favelas à beira-mar de Fortaleza., Descrição: O objetivo deste projeto de pesquisa é analisar etnograficamente a economia simbólica da violência por meio das categorizações simbólicas das vítimas de homicídios decorrentes de variadas práticas de extermínio, envolvendo formas de sofrimento social, exercício de crueldade nas relações sociais, a produção da indiferença e o aniquilamento de inimigos indesejáveis classificados como ?vagabundos?, ?ladrões?, ?assaltantes?, ?drogueiros?, ?noiados?, ?marginais?, entre outras formas de estigma e imputação de violência e criminalidade na Região Metropolitana de Fortaleza. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.

  • 2011 - Atual

    E Quando a Polícia paralisa?: Uma análise dos movimentos paredistas da PM de 1997 e 2011., Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (2) / Doutorado: (1) . , Integrantes: Deiziane Pinheiro Aguiar - Integrante / Leonardo Damasceno de Sá - Coordenador / Larissa Jucá de Moraes Sales - Integrante / Daniele Fernandes dos Santos - Integrante / Antonio Sabino da Silva Neto - Integrante.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional

  • 2017 - 2017

    Instituto Dom José

    Vínculo: Professora, Enquadramento Funcional: Professora do Ensino Superior

    Outras informações:
    Professora do Ensino Superior. Disciplinas voltadas para as seguintes áreas: Sociologia, Antropologia e Ciência Política. Principais disciplinas ministradas: 2017.1: Consciência Universitária e Introdução à Universidade (cursos de Educação Física e Gestão de Recursos Humanos); Políticas Públicas em Educação e Educação Física (curso de Educação Física); Filosofia Aplicada à Administração (curso de Administração de Empresas) e Metodologia do Trabalho Científico (curso de Gestão de Recursos Humanos); 2017.2: Responsabilidade Social e Meio Ambiente (curso de Gestão de Recursos Humanos); 2018.1: Metodologia e Redação do Trabalho Científico (curso de Administração de Empresas).

  • 2015 - Atual

    Laboratório de Estudos da Violência

    Vínculo: Pesquisadora, Enquadramento Funcional: Pesquisadora

  • 2012 - 2013

    Programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia

    Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista de Iniciação Científica, Carga horária: 20, Regime: Dedicação exclusiva.

    Outras informações:
    Atuando no Projeto Violência, Democracia e Segurança Cidadã, sob coordenação do Prof. Dr. César Barreira. Laboratório de Estudos da Violência (LEV/UFC).

  • 2013 - 2014

    Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico

    Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista de Iniciação Científica, Carga horária: 20, Regime: Dedicação exclusiva.

    Outras informações:
    Bolsista de iniciação científica no Laboratório de Estudos da Violência (LEV/UFC/PIBIC/FUNCAP), atuando no projeto "Socialidade armada, agência das armas e violência letal entre jovens de favelas à beira-mar na cidade de Fortaleza", sob orientação do Prof. Leonardo Damasceno de Sá. Este projeto tinha como finalidade realizar uma cartografia das lutas faccionais armadas entre jovens das favelas à beira-mar da orla marítima de Fortaleza (Vila Velha, Barra do Ceará, Pirambu, Cristo Redendor, Moura Brasil, Poço da Draga, Serviluz, Praia do Futuro e Caça e Pesça). O centro do interesse da pesquisa era o jovem que faz uso de armas de fogo em seus conflitos interpessoais dentre ou fora do mundo do crime. São as redes de jovens armados que se espraiam, movimentando-se por toda a orla marítima, praticando assaltos à mão armada, além das lutas intestinas que incidem em cada comunidade local citada que possibilitam o acesso etnográfico já em andamento em todos os locais referidos. Acesso que vem sendo construído desde 2008, pesquisa desenvolvida no doutorado do professor Leonardo Damasceno de Sá, por meio de trabalho de campo etnográfico junto às redes familiares e de parentesco desses jovens. As narrativas de dor, sofrimento e violência das mães, ou de quaisquer figuras próximas que atuem como cuidadores desses jovens que matam e morrem usando armas de fogo são uma forma de aproximação decisiva, metodologicamente, para a construção do objeto em questão. Já estão mapeados 68 óbitos que se coadunam ao objetivo do trabalho. A abordagem qualitativa desses casos e de outros que ainda estão sendo mapeados traz a contribuição de evidenciar a heterogeneidade de motivações para os homicídios por armas de fogo entre os jovens, uma vez que outras equipes já realizaram mapeamento estatístico do fenômeno, cujas bases de dados alimentam com dados secundários o esforço de compreensão dos casos específicos da pesquisa qualitativa.

    Atividades

    • 08/2013 - 07/2014

      Pesquisa e desenvolvimento , PIBIC/FUNCAP - Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica, .,Linhas de pesquisa

  • 2014 - 2014

    Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq

    Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista de Iniciação Científica, Carga horária: 20, Regime: Dedicação exclusiva.

    Outras informações:
    O que as mães têm a nos contar? Um estudo sociocultural de relatos de mortes matadas e de vidas perdidas de meninos e rapazes nas periferias do Ceará. Sob coordenação do Prof. Dr. Leonardo Damasceno de Sá. O objetivo deste projeto de pesquisa é analisar etnograficamente a economia simbólica da violência por meio das categorizações simbólicas das vítimas de homicídios decorrentes de variadas práticas de extermínio, envolvendo formas de sofrimento social, exercício de crueldade nas relações sociais, a produção da indiferença e o aniquilamento de inimigos indesejáveis classificados como vagabundos , ladrões , assaltantes , drogueiros , noiados , marginais , entre outras formas de estigma e imputação de violência e criminalidade na Região Metropolitana de Fortaleza.

  • 2010 - 2010

    Laboratório de Estudos de Política e Cultura

    Vínculo: PESQUISADORA, Enquadramento Funcional: PESQUISADORA VOLUNTÁRIA, Carga horária: 2

    Outras informações:
    PARTICIPAÇÃO VOLUNTÁRIA EM LEITURAS E DISCUSSÕES DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PPGS-UFC NO PROJETO DE PESQUISA "CIDADE E POLÍTICA: PERCEPÇÕES A PARTIR DO DISCURSO ACADÊMICO", E COORDENADO PELA PROFA. DRA. IRLYS ALENCAR FIRMO BARREIRA (PROFA. DRA. TITULAR NA ÁREA DE SOCIOLOGIA - UFC) E PROFA. DRA. GEÍSA MATTOS DE ARAÚJO LIMA (PROFA. DRA. ADJUNTA NA ÁREA DE SOCIOLOGIA - UFC).

  • 2010 - 2011

    EMPRESA JORNALÍSTICA O POVO S/A.

    Vínculo: ESTAGIÁRIA, Enquadramento Funcional: ESTAGIÁRIA, Carga horária: 30, Regime: Dedicação exclusiva.

    Outras informações:
    DESENVOLVENDO ATIVIDADES COMO PESQUISADORA DE NOTÍCIAS EM BANCO DE DADOS DIGITAL, ACERCA DO FUTEBOL LOCAL CEARENSE DA DÉCADA DE 30 AO ANO DE 2011, RELACIONANDO POR DATA E RELEVÂNCIA. ELABORANDO PLANILHAS, RESULTADOS E MELHORAMENTO DAS IMAGENS E DIGITALIZAÇÃO PELOS PROGRAMAS "GIMP" E "PHOTOSHOP" ETC. TRABALHO APRESENTADO NA PÁGINA ON-LINE DO JORNAL O POVO NOS ANOS DE 2010 E 2011.

  • 2011 - 2012

    Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis - UFC

    Vínculo: BOLSISTA, Enquadramento Funcional: BOLSISTA DE INICIAÇÃO ACADÊMICA - PRAE - UFC., Carga horária: 12, Regime: Dedicação exclusiva.

    Outras informações:
    EXECUTANDO ATIVIDADES DE APOIO ADMINISTRATIVO NA SECRETARIA DO DEPARTAMENTO DO CURSO DE FARMÁCIA - UFC (CAMPUS PORANGABUÇU). ATENDIMENTO AOS ALUNOS E PROFESSORES, DIGITAÇÃO DE AVISOS ETC., ATENDIMENTO TELEFÔNICO, XEROX, ENTREGA DE DOCUMENTOS, E RELATÓRIO DE PRODUTOS DE AULAS E DA FARMÁCIA ESCOLA: MEIOS DE CULTURA E REAGENTES NO LABORATÓRIO DE CONTROLE MICROBIOLÓGICO.

  • 2017 - 2018

    Anistia Internacional Brasil

    Vínculo: Consultoria, Enquadramento Funcional: Consultoria de Pesquisa

    Outras informações:
    Organização das atividades de campo no marco da pesquisa realizada pela Anistia Internacional sobre segurança pública no Ceará.