Ricardo Crissiuma

Concluiu a graduação em filosofia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP em 2006, tendo feito iniciação científica de 2005 a 2006 sobre o movimento do reconhecimento na Fenomenologia do Espírito de Hegel. No mestrado, realizado na mesma instituição, investigou a relação entre conhecimento, história e filosofia tomando como objeto de estudo o Hegel de Iena (1800-1803). No doutorado, realizado no Programa de Pós-graduação em Filosofia da Unicamp, investigou a formação do pensamento do jovem Hegel, de Stuttgart a Frankfurt (1770 - 1800), buscando a articulação entre carecimentos, relações intersubjetivas e normatividade. Entre 2004 e 2010, participou do Grupo de Estudo de Filosofia Alemã da USP. Desde 2005, integra o Núcleo de Direito e Democracia do Cebrap. Foi editor da Revista Fevereiro - Teoria, política e cultura e é editor da Revista Eletrônica de Estudos Hegelianos. Desde 2018, é professor adjunto do departamento de filosofia da UFRGS. Suas áreas de interesse envolvem, principalmente, os seguintes temas: classicismo alemão, filosofia hegeliana, fundamentação da teoria crítica, conhecimento e normatividade.

Informações coletadas do Lattes em 27/06/2020

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Doutorado em Filosofia

2011 - 2017

Universidade Estadual de Campinas
Título: A formação do jovem Hegel (1770-1800): do esclarecimento do homem comum ao carecimento da filosofia
Orientador: em Humboldt-Universität Zu Berlin ( Andreas Arndt)
com Marcos Severino Nobre. Bolsista do(a): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, FAPESP, Brasil. Grande área: Ciências HumanasGrande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Teoria Crítica. Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Ética.

Mestrado em filosofia

2007 - 2010

Fac. de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP
Título: Reconhecimento: a relação entre sujeito e objeto nas primeiras seções da Fenomenologia do Espírito de Hegel,Ano de Obtenção: 2010
Ricardo Ribeiro Terra.Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil. Palavras-chave: objeto; reconhecimento; sujeito; vida; consciência; sensível.

Graduação em Filosofia

2002 - 2006

Universidade de São Paulo

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Bandeira representando o idioma Inglês

Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.

Bandeira representando o idioma Espanhol

Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Pouco.

Bandeira representando o idioma Francês

Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.

Bandeira representando o idioma Alemão

Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Áreas de atuação

Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia.

Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: História da Filosofia.

Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Teoria Crítica.

Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Ética.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Organização de eventos

WASZEK, N. ; CRISSIUMA, R. . Conferência "Philosophy in the wake of G.W.F. Hegel". 2019. (Outro).

WASZEK, N. ; CRISSIUMA, R. . Conferência "Eduard Gans on poverty and on the constitutional debatte". 2019. (Outro).

MAUTONE, G. ; WAGNER, T. R. ; CRISSIUMA, Ricardo . VIII Encontro de Pesquisa do PPG em Filosofia da UFRGS. 2019. (Congresso).

BARRA, E. S. O. ; CORREIA, A. ; CRISSIUMA, R. ; RAIZER, L. . Universidade e Escola: Repensando as Licenciaturas de Filosofia e Sociologia a partir da Residência Pedagógica. 2019. (Congresso).

PERTILLE, J. P. ; SILVA, F. G. ; CRISSIUMA, Ricardo . Lançamento do livro: "Como nasce o novo" de Marcos Nobre. 2018. (Outro).

CRISSIUMA, R. ; PERTILLE, J. P. ; STEFFENS, N. ; Silva, M. K. . Junho de 2013+5. 2018. (Congresso).

SHINN, T. ; MARCOVITCH, A. ; CRISSIUMA, R. . Interdisciplinaridade e especialização do conhecimento. 2009. (Outro).

Lacey, Hugh ; Abramovay, Ricardo ; CRISSIUMA, Ricardo . Transgênico: política, ciência e controvérsia. 2008. (Outro).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

Jornada de Estudos Axel Honneth.A virada reconstrutiva na teoria crítica de Axel Honneth: da luta à adesão?. 2018. (Encontro).

The Critical Theory of Axel Honneth: Reconstruction, Capitalism, and Pathologies. Indignation and reconstruction: the transformative potencial of Axel Honneth's latest model of critical theory. 2018. (Congresso).

Ponto de Vista da Periferia: 20 anos da publicação do Ressentimento da dialética.Questão de tato: a formação da filosofia de Hegel e o projeto de uma nova sociabilidade. 2016. (Simpósio).

31th Internationaler Hegel-Kongress. Die Rolle der Anthropologie in der Aneignung der Kantischen Philosophie beim jungen Hegel. 2015. (Congresso).

Colóquio Rousseau. Considerações sobre a crítica ao iluminismo e liberdade social em Rousseau. 2015. (Congresso).

VIII Congresso Internacional da Sociedade Hegel Brasileira: A Lógica e a Metafísica em Hegel. A formação do sistema, sobretudo com a identificação entre lógica e metafísica, levaria Hegel a perder o solo histórico de sua filosofia?. 2015. (Congresso).

Colóquio Kant e o idealismo alemão: crítica, reflexão e política.The Real Republic: Hegel and Plato. 2013. (Outra).

VII Congresso Interamericano de Filosofia. A Crítica Filosófica em Hegel e Schelling. 2013. (Congresso).

Atualização de Hegel.Trocando o jovem pelo Velho: Honneth leitor de Hegel. 2012. (Outra).

XV Encontro Nacional da ANPOF. O jovem Hegel: tensões e articulações entre filosofia e diagnóstico de época. 2012. (Congresso).

XXIX.Internationaler Hegel -Kongress der Internationalen Hegel-Gesellschaft. The Young Hegel: Tensions and Articulations Between Philosophy and Diagnosis of Time. 2012. (Congresso).

ANPOF.O ceticismo na filosofia do Hegel de Iena. 2010. (Encontro).

Congresso Religião nos Limites da Simples Razão. Superando as cisões da Modernidade. 2010. (Congresso).

ANPOF. A experiência do sensível: o início da Fenomenologia do Espírito de Hegel. 2008. (Congresso).

Dialética do Esclarecimento: Constelações. Esclarecendo a Dialética do Esclarecimento. A figura do senhor e do escravo na Dialética do Esclarecimento. 2006. (Congresso).

SIICUSP.A figura do estoicismo na FE. 2006. (Simpósio).

SIICUSP.O conceito de reconhecimento na FE. 2005. (Simpósio).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em bancas

Aluno: Ranieri Rodrigues Garcia

SILVA, F. G.; MELO, R. S.; SOBOTTKA, E. A.;CRISSIUMA, R.. Crítica reconstrutiva em Axel Honneth. 2020. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Aluno: Lutiero Cardoso Esswein

SILVA, F. G.; Alves, H.R.C.;CRISSIUMA, Ricardo. O papel do desenvolvimento da produtividade do trabalho no processo histórico. 2019. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Aluno: Gustavo Frota Lima e Silva

SILVA, F. G.;CRISSIUMA, R.. Identidades e justiça: sujeitos coletivos e ação política em Iris Marion Young e Axel Honneth. 2018. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Aluno: Lucas Schonhofen Longoni

CRISSIUMA, R.; PERTILLE, J. P.; SILVA, F. G.. Transcendência intramundana na luta por reconhecimento: uma apreciação acerca dos potenciais transformativos na teoria normativa de Axel Honneth em perspectiva com o arquétipo hegelo-marxista. 2018. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Aluno: Rômulo Miguel Alves de Medeiros

CRISSIUMA, R.; FLECK, F. P. A.. O papel do cristianismo na história universal do espírito. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Filosofia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Aluno: ENILSON SILVA GONCALVES

SILVA, F. G.;CRISSIUMA, Ricardo; PERTILLE, J. P.. A Crítica de Hegel ao Fundamento Contratualista do Estado. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Filosofia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Comissão julgadora das bancas

Pedro Paulo Garrido Pimenta

NOBRE, M.; GONCALVES, M. C.; MADUREIRA, M. M. S.; LIMA, E. C.;PIMENTA, P. P. G.. A formação do jovem Hegel: do esclarecimento do homem comum ao carecimento da filosofia. 2017. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

Luiz Sérgio Repa

MADUREIRA, M.; NOBRE, Marcos;REPA, Luiz Sérgio. A formação do jovem Hegel. 2014. Exame de qualificação (Doutorando em doutorado em filosofia) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas/ Unicamp.

Luiz Sérgio Repa

REPA, Luiz Sérgio; NOBRE, Marcos; TERRA, Ricardo. RECONHECIMENTO: A RELAÇÃO SUJEITO-OBJETO NA FILOSOFIA HEGELIANA DE JENA. 2009. Exame de qualificação (Mestrando em FILOSOFIA) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP.

Erick Calheiros de Lima

LIMA, E. C.; TERRA, R. R.; GONCALVES, A.. Reconhecimento: a relação entre sujeito e objeto nas primeiras seções da Fenomenologia do Espírito de Hegel. 2010. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade de São Paulo.

Erick Calheiros de Lima

NOBRE, M. S.; MADUREIRA, M.; PIMENTA, P. P.; GONCALVES, M.;LIMA, E. C.. A FORMAÇÃO DO JOVEM HEGEL (1770-1800): DO ESCLARECIMENTO DO HOMEM COMUM AO CARECIMENTO DA FILOSOFIA. 2017. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

Marcos Severino Nobre

NOBRE, MARCOS; GONCALVES, M. C. F.; MADUREIRA, M. M. S.; LIMA, E. C.; PIMENTA, P. P. G.. A formação do jovem Hegel (1770-1800) : do esclarecimento do homem comum ao carecimento da filosofia. 2017. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

Marcos Severino Nobre

NOBRE, M.. A formação do jovem Hegel: dos carecimentos da sociedade moderna ao carecimento da filosofia (28/05). 2014. Exame de qualificação (Doutorando em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

Marcos Severino Nobre

NOBRE, M.. Reconhecimento: a relação entre sujeito e objeto nas primeiras seções da Fenomenologia do Espírito de Hegel. 2009. Exame de qualificação (Mestrando em Filosofia) - Universidade de São Paulo.

Anderson Gonçalves da Silva

TERRA, Ricardo R.; LIMA, Erick Calheiros;GONÇALVES, A.. Será mesmo que a revolução terminou? Filosofia e história nos primeiros escritos hegelianos de Iena (1801-1803). 2010. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade de São Paulo.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Orientou

Gustavo Bosco de Oliveira Silva

A autorreferencialidade da lógica hegeliana e suas implicações à obra da Ciência da Lógica; Início: 2019; Dissertação (Mestrado profissional em Filosofia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior; (Orientador);

Rozane Curto Moraes

As origens filosóficas do conceito de inconsciente em Sigmund Freud; Início: 2019; Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Filosofia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul; (Orientador);

Isadora Brasil Leal Brendler

Reconhecimento e Vulnerabilidade: a leitura de Honneth da figura do senhor e do servo; Início: 2019; Iniciação científica (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul; (Orientador);

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

Ricardo Ribeiro Terra

Será mesmo que a revolução terminou? Filosofia e história nos primeiros escritos hegelianos de Iena (1801-1803); 2010; Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade de São Paulo, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; Orientador: Ricardo Ribeiro Terra;

Marcos Severino Nobre

Ricardo Cr?A formação do jovem Hegel (1770-1800): do esclarecimento do homem comum ao carecimento da filosofia?; 2017; Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo; Orientador: Marcos Severino Nobre;

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • CRISSIUMA, R. . A conciliação entre história e saber absoluto na primeira concepção hegeliana de filosofia: em torno da articulação dos conceitos pressuposto, introdução e carecimento da filosofia. Revista Eletrônica de Estudos Hegelianos , v. 14, p. p. 209-238, 2017.

  • CRISSIUMA, R. . The young Hegel: Tensions and articulations between philosophy and diagnosis of time. Hegel-Jahrbuch , v. 14, p. 12, 2014.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Outras produções

CRISSIUMA, R. ; Nolasco, F. M. ; Nakamura, E. ; TIDRE, P. . Revista Eletrônica Estudos Hegelianos. 2019. (Editoração/Periódico).

Madureira, M. M. S. ; ARNDT, A. ; MULLER, M. L. ; WASZEK, N. ; TYDRE, P. ; ROSA, B. ; ASSALONE, E. ; CRISSIUMA, R. . Revista Eletrônica Estudos Hegelianos. 2018. (Editoração/Periódico).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2015 - Atual

    Esfera Pública e Reconstrução: Sobre a constituição de um paradigma reconstrutivo no campo da Teoria Crítica, Descrição: O presente projeto pretende investigar a constituição ampla do que se entende por "paradigma crítico reconstrutivo". Tal paradigma será avaliado aqui tendo em vista suas formulações nos debates póshabermasianos, isto é, partindo do fato de que Habermas inaugura um paradigma que passou a ser disputado pelos novos modelos de Teoria Crítica, os quais lançam mão, de forma mais ou menos explícita, de recursos reconstrutivos com o intuito de dar continuidade e superar o deslocamento iniciado por ele em termos tanto teóricos quanto práticos. O primeiro dos dois subprojetos que compõem este Projeto Temático é dedicado tanto às origens desse paradigma - da Fenomenologia do espírito de Hegel à própria obra de Habermas - quanto à plausibilidade mesma de um paradigma reconstrutivo, ou seja, procura compreender autores e obras mais significativos que poderiam ser classificados nesse paradigma, ressaltando um certo retorno da psicanálise como modelo reconstrutivo. Procuramos no segundo subprojeto também examinar suas características prático-políticas mais importantes tendo em vista compreender qual é o papel que a esfera pública desempenha em um tal paradigma. Trata-se de conceber com o conceito de esfera pública uma composição equilibrada entre categorias teóricas e diagnóstico de tempo, uma preocupação com o caráter reconstrutivo dos referenciais crítico-normativos e os contextos sociais e políticos em disputa.. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Ricardo Crissiuma - Integrante / Marcos Severino Nobre - Coordenador / Sergio Costa - Integrante / Rúrion Soares Melo - Integrante / Luiz Sergio Repa - Integrante / Nathalie de Almeida Bressiani - Integrante., Financiador(es): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - Auxílio financeiro.

  • 2012 - 2017

    A formação do jovem Hegel: dos carecimentos da sociedade moderna ao carecimento da filosofia, Descrição: Este projeto pretende propor uma leitura do jovem Hegel que busque superar a dicotomia presente nas contribuições mais recentes da Hegelsforschung - que ou bem reconstroem o percurso hegeliano de Stuttgart a Iena a partir da relação que Hegel estabelece com as correntes filosóficas vigentes na Alemanha da virada para o século XIX; ou bem o reconstroem a partir das modificações da apreensão hegeliana da economia política e dos acontecimentos políticos próprios à sua época. Nesse sentido, intenta-se investigar como o projeto de uma religião popular visando a superação das cisões da modernidade (esboçado por Hegel ainda no ginásio de Stuttgart) vai se modificando a partir das tensões resultantes da tentativa (empreendida a partir de Tübingen e perseverada em Berna e Frankfurt) de conciliar os carecimentos (Bedürfnis) da sociedade moderna com o conceito, de matriz kantiana, de carecimento da razão. Ainda está dentro das aspirações deste projeto, investigar como, pouco depois de se mudar para Iena, Hegel acaba abandonando seu projeto de uma religião popular como forma de mediação das cisões da modernidade e abraçando um projeto mais complexo que busca corrigir a dinâmica dilaceradora dos carecimentos por meio dos media trabalho e reconhecimento. (AU). , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Doutorado: (1) . , Integrantes: Ricardo Crissiuma - Integrante / Marcos Severino Nobre - Coordenador.

  • 2009 - 2013

    Moral, política e direito: autonomia e teoria crítica, Descrição: A presente proposta ancora-se em um trabalho anterior de oito anos, financiado por dois projetos temáticos FAPESP sucessivos (processos 99/09544-4 e 03/11860-9). Com base nessa experiência de pesquisa, o que se busca aqui não é apenas uma investigação sobre a tradição da Teoria Crítica e seus problemas, mas também uma investigação a partir dos desenvolvimentos dessa vertente intelectual. O fio condutor escolhido foi o conceito de autonomia, uma noção cujo exame crítico permite não só articular os diferentes domínios da Moral, da Política e do Direito na atualidade, mas igualmente operar com diferentes propostas críticas em investigações aplicadas. O projeto em uma caracterização geral compõe-se dos seguintes momentos: 1) posição do conceito de autonomia na tradição filosófica e na teoria social; 2) posição da noção de autonomia em diferentes concepções de teoria social e em diferentes modelos de Teoria Crítica da atualidade; 3) investigações aplicadas nos campos do Direito, da Política e da Moral tendo como pressuposto um escrutínio crítico da noção de autonomia. (AU). , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Ricardo Crissiuma - Integrante / Marcos Severino Nobre - Integrante / Rúrion Soares Melo - Integrante / Nathalie de Almeida Bressiani - Integrante / Ricardo Ribeiro Terra - Coordenador / Felipe Gonçalves Silva - Integrante.

  • 2006 - 2010

    Será mesmo que a revolução terminou? Filosofia e história nos primeiros escritos hegelianos de Iena (1801-1803), Descrição: Na Alemanha, a Crítica da Razão Pura, em 1781, inaugura uma nova forma de se pensar a metafísica; na França, a queda da Bastilha, em 1789, expressa uma nova forma de se atuar na história. Muita esperança foi depositada nesses dois acontecimentos, mas pouco depois da virada para o século XIX, são diversas as vozes que afirmam que eles já teriam chegado ao um final. A filosofia hegeliana tenta conferir uma resposta a essas vozes. Para tanto, Hegel busca rearticular a relação entre filosofia e história a partir do conceito de carecimento da filosofia. Se, por certo, este conceito é retirado da própria filosofia kantiana, o significado que Hegel lhe confere é significativamente diferente, ligando, antes, a um problema no interior da formação cultural do que a uma faculdade do conhecimento humano. Retrabalhando dois temas centrais da filosofia crítica kantiana a relação da filosofia com o senso comum e a relação do ceticismo com a filosofia Hegel poderá mostrar como o conceito de carecimento de época tem de estar no cerne de toda a filosofia. Evitando, ao mesmo tempo, alçar seja a objetividade, em si mesma, seja a subjetividade, em si mesma, como artífices da unificação entre sujeito e objeto. Paralelamente, para se apreender o verdadeiro significado da Revolução Francesa seria necessário radicalizar o conceito de representação, evitando tanto o conformismo com o Estado máquina, em que a sociedade perde toda a sua liberdade, quanto a nostalgia pelo ideal da liberdade primitiva, em que poderia se viver em uma comunidade sem lei e sem Estado. Para Hegel, somente na medida em que não se compreendeu o verdadeiro significado de cada uma dessas revoluções, seria possível atribuir-lhes um final.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) . , Integrantes: Ricardo Crissiuma - Integrante / Ricardo Ribeiro Terra - Coordenador.

  • 2005 - 2006

    O movimento do reconhecimento na Fenomenologia do Espírito de Hegel exposto nos capítulos da "consciência" e da "consciencia-de-si", Descrição: Tomando como base o movimento do reconhecimento exposto na seção da "independência e dependência da consciência-de-si", pretende-se examinar a primeira parte da fenomenologia do espírito, como correspondente ao momento do vir para fora de si da consciência, em que a essência é colocada em seu ser-outro. Em seguida, pretende-se mostrar como a dicotomia entre consciência escrava e consciência do senhor, que resulta ao final do desenvolvimento do conceito de consciência-de-si na seção analisada, impede que o processo de retorno da consciência a si seja completado, representando um impasse para o movimento do reconhecimento. A tentativa de superar esse impasse e levar a cabo o movimento do reconhecimento poderia ser vista como o pano de fundo das subsequentes figuras do livro. (AU). , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) . , Integrantes: Ricardo Crissiuma - Integrante / Ricardo Ribeiro Terra - Coordenador.

  • 2004 - 2008

    Moral, política e direito: modelos de teoria crítica, Descrição: Tendo como pressuposto a constatação da necessidade da criação, no Brasil, de grupos de pesquisa de orientação interdisciplinar, o projeto temático "Moral, política e direito: modelos de teoria crítica" aqui proposto busca apresentar-se não apenas como investigação sobre a tradição da teoria crítica e seus problemas, mas também como investigação a partir dos desenvolvimentos dessa vertente intelectual. O projeto articula diferentes ordens de problemas da moral, da política e do direito, não obstante a preeminência da perspectiva filosófica. A presente proposta ancora-se em um trabalho anterior de quatro anos, financiado por um projeto temático Fapesp (processo no. 99/09544-4), que teve nos escritos de Jürgen Habermas (especialmente a obra Direito e Democracia) o ponto de fuga do trabalho coletivo. O projeto busca mapear em sua diversidade os diferentes modelos críticos de teoria social em suas vertentes morais, jurídicas e políticas para, com isso, divisar aplicações relevantes a problemas prementes da atualidade. Nesse sentido, este projeto temático, em uma caracterização geral, compõe-se dos seguintes momentos: 1) relação da tradição da teoria crítica com a tradição filosófica, em especial com sua fonte kantiana; 2) reconstrução dos diversos modelos de teoria crítica em sua relação com as dimensões da moral, do direito e da política; bem como 3) investigações aplicadas nos campos do direito, da política e da moral. (AU). , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Ricardo Crissiuma - Coordenador / Marcos Severino Nobre - Integrante / Sergio Costa - Integrante / Rúrion Soares Melo - Integrante / Nathalie de Almeida Bressiani - Integrante / Ricardo Ribeiro Terra - Integrante / Felipe Gonçalves Silva - Integrante / Mariana Oliveira do Nascimento Teixeira - Integrante.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Endereço profissional

  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. , AC Campus UFRGS, Agronomia, 91501970 - Porto Alegre, RS - Brasil - Caixa-postal: 15055, Telefone: (19) 30913765

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional

2018 - Atual

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professor Adjunto I, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

2005 - Atual

Centro Brasileiro de Análise e Planejamento

Vínculo: Pesquisador, Enquadramento Funcional: Pesquisador colaborador

Atividades

  • 01/2005

    Pesquisa e desenvolvimento , Câmara de Pesquisadores, Filosofia, Direito e Democracia.,Linhas de pesquisa

2017 - 2017

Universidade Federal de São Carlos

Vínculo: Professor Visitante, Enquadramento Funcional: Professor, Carga horária: 30

Outras informações:
Aprovado em concurso em dezembro de 2016. Início previsto: março de 2017.

Atividades

  • 07/2017

    Ensino, Filosofia, Nível: Graduação,Disciplinas ministradas, FORMAÇÃO DO PENSAMENTO MODERNO

  • 07/2017

    Ensino, Filosofia, Nível: Graduação,Disciplinas ministradas, LÓGICA II

  • 03/2017 - 07/2017

    Ensino, Filosofia - Licenciatura Ou Bacharelado, Nível: Graduação,Disciplinas ministradas, Ensino da história da filosofia I

  • 03/2017 - 07/2017

    Ensino, Química, Nível: Graduação,Disciplinas ministradas, Filosofia e lógica

  • 03/2017 - 07/2017

    Ensino, Fisioterapia, Nível: Graduação,Disciplinas ministradas, Filosofia da ciência

2012 - 2017

Universidade Estadual de Campinas

Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Pesquisador bolsista, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

Atividades

  • 03/2012 - 02/2017

    Pesquisa e desenvolvimento , Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, .,Linhas de pesquisa

2005 - 2010

Universidade de São Paulo

Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Pesquisador bolsista, Regime: Dedicação exclusiva.

Atividades

  • 01/2007 - 08/2010

    Pesquisa e desenvolvimento , Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, .,Linhas de pesquisa

  • 08/2008 - 07/2009

    Conselhos, Comissões e Consultoria, Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, .,Cargo ou função, Membro da Comissão Coordenadora de Programa de Pós-graduação da Filosofia.

  • 08/2008 - 07/2009

    Conselhos, Comissões e Consultoria, Reitoria, .,Cargo ou função, Membro do Conselho de pós-graduação.

  • 07/2005 - 12/2006

    Pesquisa e desenvolvimento , Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, .,Linhas de pesquisa

2013 - 2013

Escola Antonietta e Leon Feffer

Vínculo: , Enquadramento Funcional: Professor, Carga horária: 6

Atividades

  • 01/2013 - 12/2013

    Ensino,,Disciplinas ministradas, Pensamento moderno