Raíssa Jeanine Nothaft

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina. Mestre em Ciência Política e Bacharela em Ciências Jurídicas e Sociais (Direito) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com formação complementar, l?Attestation d?Études Politiques, pelo Institut d?Études Politiques - Sciences Po Rennes. Pesquisadora do Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas sobre Saúde, Sexualidades e Relações de Gênero - NUSSERGE/UFSC e do Núcleo Modos de Vida, Família e Relações de Gênero - Margens/UFSC. Pesquisadora associada ao Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Mulher e Gênero (NIEM/UFRGS). Editora Assistente da Área de Concentração: Estudos de Gênero da Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis, Florianópolis, SC, Brasil. Advogada especializada em violência doméstica e familiar. Desenvolve pesquisas na área de: Violência, Violência de Gênero, Políticas Públicas, Rede de Enfrentamento e Serviços para autores de violência doméstica e familiar, Grupos Reflexivos e Interdisciplinaridade. E-mail: raissajnothaft@gmail.com.

Informações coletadas do Lattes em 21/10/2019

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Doutorado em andamento em Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas

2016 - Atual

Universidade Federal de Santa Catarina
Teresa Kleba Lisboa. Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.

Mestrado em Ciência Política

2014 - 2016

Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Título: Intervenções com autores de violência doméstica e familiar na produção acadêmica nacional (2006-2015),Ano de Obtenção: 2016
Jussara Reis Prá.Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil. Palavras-chave: Intervenções com autores de violência; Violência doméstica e familiar; Violência de Gênero; Lei Maria da Penha.

Graduação em Ciências Jurídicas e Sociais

2008 - 2013

Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Título: A autonomia da mulher na lei Maria da Penha: uma análise da ação declaratória de inconstitucionalidade 4424 do supremo Tribunal Federal
Orientador: Jussara Reis Prá

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação complementar

2018 - 2018

Extensão universitária em Metodologia de Grupos Reflexivos de Gênero - possibilidades de aplicação. (Carga horária: 5h). , Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.

2015 - 2015

5o Curso de Curta Duração em Gênero e Feminismo. (Carga horária: 30h). , Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.

2014 - 2014

Gênero, Representação e Participação Política. (Carga horária: 60h). , Instituto Brasileiro de Administração Municipal, IBAM, Brasil.

2014 - 2014

Medidas de Prevençao da violência contra a mulher. (Carga horária: 20h). , Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil.

2012 - 2012

Seminário 80 anos do voto feminino. (Carga horária: 5h). , Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil.

2011 - 2011

5 anos da Lei Maria da Penha. (Carga horária: 10h). , Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil.

2010 - 2011

Attestation d'Études Poltiques. (Carga horária: 450h). , Institut d'Études Politique, Sciences-Po Toul, França.

2010 - 2010

Tradição e ruptura na formação política brasileira. (Carga horária: 15h). , Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil.

2009 - 2009

Ciclo de debates: Dogmática e Política Criminal. (Carga horária: 16h). , Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Inglês

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Espanhol

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.

Francês

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Organização de eventos

NOTHAFT, R. J. . I Aquenda - Seminário Nacional de Comunicação, Gêneros e Sexualidades. 2018. (Outro).

NOTHAFT, R. J. . 13º Congresso Mundo de Mulheres e Seminário Internacional Fazendo Gênero 11. 2017. (Congresso).

NOTHAFT, RAÍSSA ; LISBOA, T. K. ; BAMBIRRA, N. . Tramas Interseccionais: violências de gênero e étnico raciais. 2017. (Outro).

NOTHAFT, R. J. ; TEBALDI, R. ; SCHUCK, E. ; PAIVA, I. . "O Feminismo é para todas as pessoas.". 2015. (Exposição).

SCHUCK, E. ; VERGO, T. M. W. ; NOTHAFT, R. J. . Niem 30 anos Os desafios contemporâneos do Feminismo, com Nuria Varela-Espanha. 2014. (Outro).

NOTHAFT, R. J. . Semana Cultural: tradição e ruptura na formação política brasileira. 2010. (Outro).

NOTHAFT, R. J. . Inquérito Policial em questão. 2009. (Outro).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

8ª Conferência Latinoamericana e Caribenha de Ciências Sociais.Trabalhando com adolescentes e jovens numa perspectiva interseccional - contribuições das metodologias participativas. 2018. (Outra).

Congresso Criminologias Contemporâneas. 2018. (Congresso).

I Seminário Mulheres e Segurança Pública.Discutindo gênero no masculino: serviços para autores de violência doméstica e familiar no sistema de justiça brasileiro. 2018. (Seminário).

Mesa-redonda Reflexões sobre gênero e violência.Reflexões sobre gênero e violência. 2018. (Outra).

XV Seminário Internacional Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea.Lei Maria da Penha e a regulamentação das intervenções com autores de violência doméstica e familiar no Brasil. 2018. (Seminário).

XX Encontro Internacional da Rede Feminista Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisa sobre Mulher e Relações de Gênero (REDOR).Serviços para autores de violência doméstica e familiar no Brasil: análise de duas experiências institucionalizadas. 2018. (Encontro).

13º Congresso Mundo de Mulheres e Seminário Internacional Fazendo Gênero 11.Intervenções com autores de violência doméstica e familiar na produção acadêmica nacional (2006-2015). 2017. (Seminário).

5 th Action Research Network of the Americas (ARNA) Conferencenc.Sexualidade, Gênero e Violências: uma experiência de pesquisa-ação com adolescentes e jovens.. 2017. (Outra).

6a Roda de Conversa sobre Pesquisa Ação Participativa (PAP): Comunidades de Prática e sua interface na PAP.Experiências em Pesquisa Ação Participativa. 2017. (Encontro).

Colóquio Internacional Homens e Masculinidades.Intervenções com autores de violência doméstica e familiar na produção acadêmica nacional (2006-2015). 2017. (Outra).

Congresso Internacional Interdisciplinar em Ciências Sociais e Humanidades -CONINTER. Descolonizando o conhecimento sobre violência doméstica e familiar na prática de pesquisa interdisciplinar. 2017. (Congresso).

Seminário Internacional Violência, Conflitos Sociais e Cidadania.Intervenções com autores de violência doméstica e familiar na produção acadêmica nacional (2006-2015). 2016. (Seminário).

17° Congresso Brasileiro de Sociologia. 2015. (Congresso).

1ª Conferência Internacional [Ssex Bbox]. 2015. (Outra).

V Reunião de Antropologia da Ciência e da Tecnologia. 2015. (Outra).

13º Encuentro Feminista Latinoamericano y del Caribe. 2014. (Outra).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Comissão julgadora das bancas

Luzinete Simões Minella

LISBOA, T. K.;MINELLA, LUZINETE SIMÕES; BORGES, C. A. M.; OLIVEIRA, J. M.. Experiências de Mulheres no Enfrentamento da Violência Doméstica e Familiar e Suas Relações com Serviços para Autores de Violência. 2018. Exame de qualificação (Doutorando em Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Santa Catarina.

HÉLIO RICARDO DO COUTO ALVES

ALVES, Helio Ricardo; CAMPO, C. H.; FACHINETTO, R. F.; PRA, J. R.. Intervenções com Autores de Violência Doméstica e Familiar na Produção Acadêmica Naciona. 2016. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação em Ciência Política) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Teresa Kleba Lisboa

SIMÕES, Luzinete; BORGES, C. A. M.; OLIVEIRA, J. M.;LISBOA, T. K.; BEIRAS, A.. Experiências de Mulheres no enfrentamento da violência doméstica e familiar e suas relações com os serviços para autores de violência. 2018. Exame de qualificação (Doutorando em Curso de Pós-Graduação interdisciplinar em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Santa Catarina.

Adriano Beiras

LISBOA, T. K.;BEIRAS, A.; MINELLA, L. S.; BORGES, Claudia Andrea Mayorca; OLIVEIRA, J. M.. Experiências de mulheres no enfrentamento da violência doméstica e familiar e suas relações com serviços para autores de violência. 2018. Exame de qualificação (Doutorando em Interdisciplinar em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Santa Catarina.

Rochele Fellini Fachinetto

FACHINETTO, R. F.; PRA, J. R.; CAMPOS, C. H.; ALVES, H. R. C.. Intervenções com autores de violência doméstica e familiar na produção acadêmica nacional (2006-2015). 2016. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Orientou

Adriana Silveira

CASOS DE VIOLÊNCIA SEXUAL ATENDIDOS PELA POLÍCIA CIVIL DE PRAIA GRANDE EM 2015: UMA ANÁLISE VISANDO À PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA COM A REDE MUNICIPAL DE ENSINO; 2016; Monografia; (Aperfeiçoamento/Especialização em Curso de Especialização Gênero e Diversidade na Escola (GDE)) - Universidade Federal de Santa Catarina; Orientador: Raíssa Jeanine Nothaft;

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

Jussara Reis Prá

Intervenções com autores de violência doméstica e familiar na produção acadêmica nacional (2006-2015); ; 2016; Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior; Orientador: Jussara Reis Prá;

Marcus Vinícius Aguiar Macedo

Os poderes instrutórios do Juiz Penal no sistema acusatório; 2012; Orientação de outra natureza; (ciências jurídicas e sociais) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Orientador: Marcus Vinícius Aguiar Macedo;

Teresa Kleba Lisboa

Homens autores de violência doméstica e familiar - sob o olhar das mulheres em situação de violência; Início: 2016; Tese (Doutorado em Curso de Pós-Graduação interdisciplinar em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior; (Orientador);

Alfredo de Jesus Dal Molin Flores

A ordem constitucional brasileira no período de exceção, 1964-1985; 2008; Iniciação Científica; (Graduando em Ciências Jurídicas e Sociais) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Orientador: Alfredo de Jesus Dal Molin Flores;

Adriano Beiras

Homens autores de violência doméstica e familiar - sob o olhar das mulheres em situação de violência; Início: 2017; Tese (Doutorado em Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior; (Coorientador);

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • 2017 NOTHAFT, R. J. . Reflexões sobre Gênero e Cidadania. COISAS DO GÊNERO: REVISTA DE ESTUDOS FEMINISTAS EM GÊNERO E RELIGIÃO , v. 3, p. 105-113, 2017.

  • 2016 NOTHAFT, R. J. . A judicialização da política como ferramenta dos partidos governistas (1995-2010). MEDIAÇÕES - REVISTA DE CIÊNCIAS SOCIAIS , v. 21, p. 264, 2016.

  • 2015 NOTHAFT, RAÍSSA . QUESTIONANDO BINARISMOS NA PROBLEMATIZAÇÃO DA OPOSIÇÃO SEXO/GÊNERO. Caderno Espaço Feminino (Online) , v. 28, p. 174-179, 2015.

  • LISBOA, T. K. ; NOTHAFT, R. J. . Trabalhando gênero, corpo e sexualidade com adolescentes e jovens do Centro Cultural Escrava Anastácia. In: TAVARES, Márcia Santana; DELGADO, Josimara.. (Org.). Diálogos transversais no Serviço Social: sobre rupturas e continuidades.. 1ed.Salvador: EDUFBA, 2019, v. 1, p. 49-62.

  • NOTHAFT, R. J. . Relações entre gênero e violência na produção acadêmica nacional sobre intervenções com autores de violência doméstica e familiar. In: Paola Stuker; Elisa Girotti Celmer; A. Gustavo da Silva Passos. (Org.). Vidas Críticas: gênero, sexualidades, violências e justiça. 1ed.Porto Alegre: Editora Mikelis, 2019, v. 1, p. 263-284.

  • NOTHAFT, R. J. ; LISBOA, T. K. . LEI MARIA DA PENHA E A REGULAMENTAÇÃO DAS INTERVENÇÕES COM AUTORES DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR NO BRASIL. In: Seminário Internacional Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea, 2018, Santa Cruz do Sul. Seminário Internacional Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea, 2018. v. 2018. p. 1-22.

  • NOTHAFT, R. J. . Intervenções com autores de violência doméstica e familiar na produção acadêmica nacional (2006-2015). In: 13º Congresso Mundo de Mulheres e Seminário Internacional Fazendo Gênero 11, 2017, Florianópolis. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11& 13thWomen?s Worlds Congress (Anais Eletrônicos). Florianópolis, 2017. p. 1-13.

  • NOTHAFT, R. J. . Políticas Públicas voltadas aos autores de violência de gênero e masculinidades violentas.. In: I Seminário Internacional de Ciência Política, 2015, Porto Alegre. GT 09 ? Gênero, Direitos Humanos e Cidadania, 2015.

  • NOTHAFT, R. J. . Repensando violência de gênero e políticas para combatê-la. In: III Simpósio Gênero e Políticas Públicas, 2014, Londrina. Anais do III Simpósio Gênero e Políticas Públicas, 2014.

  • NOTHAFT, R. J. . Democracia Paritária como realização da Liberdade da Condição de Agente e concretização da paridade participativa. In: XI CONGRESO NACIONAL Y IV CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE DEMOCRACIA, 2014, Rosario. Memorias XI Congreso Nacional y IV Internacional sobre Democracia, 2014.

  • NOTHAFT, R. J. ; VERCH, A. . Reanalisando a Qualidade da Democracia da Costa Rica, Uruguai e Chile segundo os Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos: um debate a partir de Guilhermo O?Donnell. In: V Congreso Uruguayo de Ciencia Politica, 2014, Montevideu. Anais do V Congreso Uruguayo de Ciencia Politica, 2014.

  • NOTHAFT, R. J. ; TEBALDI, R. . POSSIBILIDADES DE UM FEMINISMO QUEER: RELATO SOBRE A EXPOSIÇÃO ?O FEMINISMO É PARA TODAS AS PESSOAS?. In: II Seminário Internacional Desfazendo Gênero, 2015, Salvador. (im)possibilidades queer nas Américas ? políticas, artes e epistemologias/ (im)posibilidades cuír en las Américas: políticas, artes y epistemologías/ queer (im)possibilities in Américas: politics, arts and epistemologies, 2015.

  • NOTHAFT, R. J. . Responsabilidade Civil como mecanismo brasileiro de proteção ao meio-ambiente.. In: XXI Salão de Iniciação Científica, 2009, Porto Alegre. Salão de Iniciação Científica. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

  • NOTHAFT, R. J. ; BEIRAS, A. . O que sabemos sobre intervenções com autores de violência doméstica e familiar?. REVISTA ESTUDOS FEMINISTAS , 2019.

  • NOTHAFT, R. J. . Violência de Gênero: experiências e possibilidades de enfrentamento. 2019. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

  • NOTHAFT, R. J. ; LISBOA, T. K. . Lei Maria da Penha e a regulamentação das intervenções com autores de violência doméstica e familiar no Brasil. 2018. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

  • NOTHAFT, R. J. ; LISBOA, T. K. . Serviços para autores de violência doméstica e familiar no Brasil: análise de duas experiências institucionalizadas. 2018. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

  • CHAVEIRO, M. M. R. S. ; NOTHAFT, RAÍSSA . Reflexões sobre Cuidado e a Cultura da não Violência. 2018. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

  • NOTHAFT, R. J. . Discutindo Gênero no masculino: serviços para autores de violência doméstica e familiar no sistema de justiça brasileiro'. 2018. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

  • NOTHAFT, R. J. . Intervenções com autores de violência doméstica e familiar na produção acadêmica nacional (2006-2015). 2017. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

  • NOTHAFT, R. J. ; LISBOA, T. K. . Descolonizando o conhecimento sobre violência doméstica e familiar na prática de pesquisa interdisciplinar. 2017. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

  • LISBOA, T. K. ; NOTHAFT, R. J. . Trabalhando Gênero, Corpo e Sexualidade com adolescentes e jovens do Centro Cultural Escrava Anastácia (CCEA), em Florianópolis/SC. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

  • NOTHAFT, R. J. ; ESPINDOLA, C. K. ; ZUCCO, L. P. . Sexualidade, Gênero e Violências: uma experiência de pesquisa-ação com adolescentes e jovens. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

  • NOTHAFT, R. J. . Painel América Latina: conflitos políticos. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

  • NOTHAFT, R. J. . Intervenções com autores de violência doméstica e familiar na produção acadêmica nacional (2006-2015). 2016. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

  • NOTHAFT, R. J. . Fechar a Secretaria de Políticas para as Mulheres: O Quê Significa?. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

  • NOTHAFT, R. J. . Possibilidades de um feminismo queer: Relato sobre a exposição 'O Feminismo é para todas as pessoas'. 2015. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

  • NOTHAFT, R. J. . Relatos da Mostra Artística 'O Feminismo é para todas as pessoas'. 2015. (Apresentação de Trabalho/Outra).

  • NOTHAFT, R. J. . Políticas Públicas voltadas aos autores de violência de gênero e masculinidades violentas.. 2015. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

  • NOTHAFT, R. J. . O Direito e as Mulheres. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

  • NOTHAFT, R. J. ; SCHUCK, E. . Feminismos, Democracia e Direitos Humanos. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

  • NOTHAFT, R. J. . Repensando violência de gênero e políticas para combatê-la.. 2014. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

  • NOTHAFT, R. J. . Democracia Paritária como realização da Liberdade da Condição de Agente e concretização da paridade participativa. 2014. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

  • NOTHAFT, R. J. . A autonomia da mulher na lei Maria da Penha: uma análise da Ação Declaratória de Inconstitucionalidade 4424 do Supremo Tribunal Federal. 2013. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

  • NOTHAFT, R. J. . A Responsabilidade Civil Ambiental brasileira. 2009. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

  • NOTHAFT, R. J. . A Responsabilidade Civil Ambiental brasileira. 2009. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

  • NOTHAFT, R. J. . A autonomia da mulher na lei Maria da Penha : uma análise da ação declaratória de inconstitucionalidade 4424 do supremo Tribunal Federal.. Porto Alegre: Lume Repositório Digital UFRGS, 2013 (Trabalho de Conclusão de Curso).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Outras produções

NOTHAFT, R. J. ; CHAVEIRO, M. M. R. S. ; SOUSA, M. M. . CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA FACILITADORES DE GRUPOS REFLEXIVOS PARA AUTORES DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR. 2019. .

NOTHAFT, R. J. ; CHAVEIRO, M. M. R. S. ; BOSCATTI, A. P. G. . Práticas feministas descoloniais de pesquisa interdisciplinar. 2017. .

DIHL, K. ; NOTHAFT, R. J. ; LISBOA, T. K. . Oficina Situando o corpo - Centro Cultural Escrava Anastácia. 2016. (Relatório de pesquisa).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2018 - Atual

    Projeto Interinstitucional, Descrição: O Projeto WebEducaçãoSexual tem por objetivo contribuir para a formação contínua em educação sexual, abrangendo as áreas das sexualidades, relações de gênero, violência sexual e diversidade sexual. Pretende-se, assim, proporcionar aos/as profissionais de todas as áreas conhecimentos científicos atualizados, recursos pedagógicos e sugestões metodológicas, assim como competências profissionais e pessoais para a educação sexual, numa perspectiva emancipatória. Este projeto pretende utilizar recursos educativos digitais, sempre em mudança e constante inovação, garantindo aos participantes novas aprendizagens nas áreas supracitadas, baseadas na Web. Ler mais: https://www.webeducacaosexual.com/. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (4) / Especialização: (2) / Mestrado acadêmico: (2) / Doutorado: (4) . , Integrantes: Raíssa Jeanine Nothaft - Integrante / Teresa Kleba Lisboa - Integrante / Luciana Patrícia Zucco - Coordenador / Vera Marques - Integrante.

  • 2016 - 2018

    Pesquisa Ação com adolescentes e jovens que participam do Centro Cultural Escrava Anastácia (CCEA) de Florianópolis/SC, Descrição: Trata-se de uma pesquisa ação que envolve um estudo realizado através da aplicação de Oficinas Temáticas (Educativas) com adolescentes e jovens que integram os Programas "Rito de Passagem" e "Jovem Aprendiz" oferecidos pelo Centro Cultural Escrava Anastácia (CCEA). Na primeira etapa da Pesquisa já foram desenvolvidas de forma dinâmica e participativa, 21 Oficinas Temáticas com três grupos de adolescentes e jovens (aproximadamente 60 participantes), a partir de temas sugeridos pelos próprios integrantes, em consonância com a equipe de gestores da ONG, quais sejam: Situando o Território; Situando o Corpo; Relações de Gênero; Sexualidade; Violências; Comunicação não Violenta; Projetos de Futuro. Para a análise e interpretação dos dados do estudo, utilizamos o método de análise temática de conteúdo que ?consiste em descobrir os núcleos de sentido que compõem uma comunicação, cuja presença ou frequência signifiquem alguma coisa para o objetivo analítico visado?(Minayo, 1996). Para o tratamento dos dados, seguem-se três momentos distintos: pré-análise (leitura flutuante dos dados), exploração do material (seleção do conteúdo a ser analisado e organização das categorias) e tratamento dos resultados (interpretação).. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (3) / Doutorado: (4) . , Integrantes: Raíssa Jeanine Nothaft - Integrante / Teresa Kleba Lisboa - Coordenador / Carla Klitzke Espíndola - Integrante / Luciana Patrícia Zucco - Integrante / Catarina Nascimento de Oliveira - Integrante.

  • 2016 - Atual

    Violência na era dos direitos humanos: a questão da invisibilidade social de grupos vulneráveis, Descrição: Este Projeto de Pesquisa foi aprovado pelo CNPq na chamada 22/2016 - "Pesquisa e Inovação em Ciências Humanas, Sociais e Aplicadas", tema: "Cidadania, Violência e Direitos Humanos". É um Projeto Inter-institucional proposto por dois professores pesquisadores da Universidade Federal do Paraná e integra docentes de várias Instituições de Ensino do Brasil e da Argentina. A Pesquisa tem como objetivo central realizar um estudo sobre as ressonâncias da violência praticada em governos e sistemas autoritários que afetaram e ainda afetam os segmentos da sociedade ditos vulneráveis -indígenas, imigrantes diaspóricos (em relevo o caso dos haitianos) e mulheres em situação de violência, relativamente à aquisição de bens e cidadania. Pretende-se criar um banco de dados com o objetivo de dotar de visibilidade a história destas populações, promovendo ações educativas de reconhecimento, ampliação do seu espaço público por meio de debate e recomendação de políticas públicas de reparação e de prevenção contra a violação dos direitos humanos.. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Especialização: (2) / Mestrado acadêmico: (6) / Doutorado: (4) . , Integrantes: Raíssa Jeanine Nothaft - Integrante / Teresa Kleba Lisboa - Integrante / Marionilde Dias Brepohl de Magalhães - Coordenador.

  • 2015 - 2017

    Violência de gênero, políticas públicas para o seu enfrentamento e o papel do Serviço Social, Descrição: O debate sobre violências de gênero tem ocupado um lugar central no âmbito das pesquisas feministas no país e na América Latina. Estudos recentes do Banco Americano de Desenvolvimento (BID) constatam que a violência doméstica é uma das formas mais comuns de violência na América Latina e Caribe, um desafio importante para a saúde pública da região. As e os Assistentes Sociais têm como campo prioritário a gestão e operacionalização de programas e projetos sociais, fato que requer um debate mais amplo sobre as políticas de enfrentamento às violências de gênero, especialmente no que diz respeito às três medidas previstas pela Lei Maria da Penha: Prevenção, Proteção (Assistência), e Sanção (Punição). Com base neste pressuposto, o presente projeto tem como objetivos: 1) levantar dados sobre o perfil sócio econômico e cultural das mulheres em situação de violência, bem como dos autores das agressões, nos cinco municípios do Estado de Santa Catarina com maior índice de violência, a saber: Lages, Criciúma, Chapecó, Joinville e Florianópolis. 2) mapear as principais conquistas (políticas publicas) bem como os difíceis percursos (desafios) que têm marcado os 10 anos da Lei Maria da Penha (Lei N. 11.340), em relação aos mecanismos de implementação da referida Lei. 3) (re)conhecer os serviços prestados pelos profissionais de Serviço Social no atendimento a mulheres em situação de violência, bem como junto a homens autores de violência (grupos terapêuticos entre outros) nestes Municípios. 4) visibilizar a atuação das/os profissionais de Serviço Social como operadores de direito e como agentes decisivos no âmbito da formulação, implementação, monitoramento e avaliação das políticas de enfrentamento às violências de gênero. As/os profissionais têm enfrentado muitos desafios junto aos serviços ? tanto especializados como não especializados, da rede de atendimento: 1) Nos serviços especializados de atendimento à mulher como Centros de Atendimento à Mulher em situação de violência (CREMV); Casas Abrigo; Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher; Núcleos da Mulher nas Defensorias Públicas; Juizados Especiais de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, entre outros; 2) nos serviços não especializados de atendimento à mulher como Centros de Referência de Assistência Social (CRAS); Centros de Referência Especializados de Assistência Social (CREAS); Ministério Público; Defensoria Pública; hospitais gerais; serviços de atenção básica; programa saúde da família, entre outros. Neste sentido, pretende-se verificar os mecanismos de aplicação da Lei Maria da Penha (Lei N. 11.340) nos cinco Municípios com maior índice de violência, no Estado de Santa Catarina, com vistas a mapear uma rede de serviços articulados, um ?Protocolo da Violência? que integre os serviços de atenção às pessoas em situação de violência e demais políticas publicas no enfrentamento desta questão, numa perspectiva de intersetorialidade.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (1) / Doutorado: (4) . , Integrantes: Raíssa Jeanine Nothaft - Integrante / Teresa Kleba Lisboa - Coordenador.

  • 2014 - 2016

    MEMORIAS E TRAJETORIAS DO FEMINISMO NO BRASIL, Descrição: O projeto Memórias e Trajetórias do Feminismo no Brasil atende a um duplo propósito: 1) promover, fomentar e difundir o estudo e a produção acadêmica nas temáticas das relações de gênero, mulheres e feminismo e; 2) fortalecer e divulgar a atuação do Núcleo Indisciplinar de Estudos sobre Mulher e Gênero/NIEM no âmbito da Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS, de seus respectivos Institutos de Ensino, Departamentos de Graduação e Programas de Pós-Graduação. Memórias e Trajetórias do Feminismo no Brasil prevê ações de catalogação, digitalização e publicização de dois acervos documentais atualmente depositados no NIEM: o arquivo pessoal da psicóloga, jornalista e representante do movimento feminista do Rio Grande do Sul, Carmen da Silva e o Acervo Themis de mobilização pelos direitos humanos das mulheres.Pretende-se organizar a documentação segundo técnicas arquivistas modernas, elaborar um inventário que o descreva, digitalizar os materiais do acervo e disponibilizá-lo através da internet e do sistema SABi- UFRGS ? catálogo eletrônico do sistema de bibliotecas UFRGS - permitindo o acesso de pesquisadoras/es e da comunidade em geral ao acervo documental. Pretende-se, também, realizar 12 seminários locais e regionais para apresentação dos resultados da pesquisa no acervo e recuperação da memória histórica do feminismo no Brasil. Produtos do projeto: biblioteca digital e publicação tanto digital quanto impressa sobre o acervo.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) Doutorado: (3) . , Integrantes: Raíssa Jeanine Nothaft - Integrante / Elena Schuck - Integrante / Terezinha M. W. Vergo - Integrante / Jussara Reis Prá - Coordenador.

  • 2006 - 2015

    GÊNERO E JUVENTUDE NO PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA, Descrição: A proposta deste projeto é examinar temas da socialização e da cidadania, relacionando-os às construções de gênero que se estabelecem entre jovens e adolescentes. Subjacente a proposta apresentada está a idéia de que o estudo da socialização de gênero permite entender os processos de hierarquização sexual, que falsamente se sustentam em fundamentos biológicos, impondo à população juvenil princípios e códigos de conduta que configuram situações de desigualdade e de dominação. Dessa perspectiva, estima-se: Identificar como se estabelecem redes de relações sociais e políticas por e entre os gêneros; Dimensionar os valores atribuídos às atividades cotidianas relacionadas ao espaço doméstico; Analisar o tipo de construção social que sustenta a dicotomia entre público e privado no âmbito escolar; Identificar o nível de empoderamento e de cidadania existentes na população juvenil; Construir indicadores empíricos de empoderamento para a população juvenil; Elaborar instrumentos e mecanismos que permitam desenvolver estratégias para o empoderamento de gênero pela criação ou reconstituição de um ambiente estimulante para a participação cidadã da juventude.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (6) / Mestrado acadêmico: (1) / Doutorado: (3) . , Integrantes: Raíssa Jeanine Nothaft - Integrante / Elena Schuck - Integrante / Terezinha M. W. Vergo - Integrante / Jussara Reis Prá - Coordenador.

  • 2002 - 2015

    CIDADANIA DE GÊNERO E POLÍTICAS PÚBLICAS: CAPITAL SOCIAL E EMPODERAMENTO, Descrição: O presente projeto examina o tema da cidadania, direcionando o enfoque para o processo de elaboração de políticas publicas com perspectiva de gênero nos contextos brasileiro, chileno e uruguaio atuais. Seu objetivo é dimensionar os ganhos obtidos por brasileiras, chilenas e uruguaias em sua capacidade de influir na formulação de políticas públicas, visando realçar os limites que ainda se impõem às mulheres para conquistar a equidade social e garantir seus direitos de cidadania, assim como dimensionar ações que possibilitem a politização e o empoderamento das mulheres; e identificar estratégias de participação que permitem publicizar as desigualdades de gênero e torná-las efetivas no desenho e na aplicação de políticas públicas.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (1) . , Integrantes: Raíssa Jeanine Nothaft - Integrante / Jussara Reis Prá - Coordenador.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Prêmios

2009

Destaque do Salão de Iniciação Científica da UFRGS, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

2009

Indicação ao Prêmio Jovem Pesquisador, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional

  • 2018 - Atual

    Universidade do Estado de Santa Catarina

    Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Pesquisadora associada

  • 2016 - Atual

    Universidade Federal de Santa Catarina

    Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista de Doutorado CAPES, Regime: Dedicação exclusiva.

  • 2018 - 2018

    Universidade Federal de Santa Catarina

    Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Estagiária Docente, Carga horária: 4

    Outras informações:
    Semestre: 2019/1 Disciplina: PSI7503 - Prática e Pesquisa orientada V: Pesquisa em Psicologia Fase: 05 Créditos: 4 Curso: PSICOLOGIA Prof(a): ADRIANO BEIRAS

  • 2017 - 2017

    Universidade Federal de Santa Catarina

    Vínculo: Estágio Docência, Enquadramento Funcional: Estagiária docente, Carga horária: 4

    Outras informações:
    Semestre: 2017/1 Disciplina: DIR6001 - Direito e Feminismos Fase: 09 Curso: DIREITO Prof(a): Grazielly Alessandra Baggenstoss

    Atividades

    • 03/2016

      Pesquisa e desenvolvimento , UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - UFSC, Centro de Filosofia e Ciências Humanas.,Linhas de pesquisa

    • 03/2017 - 12/2017

      Extensão universitária , NUSSERGE/UFSC, .,Atividade de extensão realizada, Assessoria a equipe de gestão do Centro Cultural Escrava Anastácia (CCEA) - RENOVAÇÃO.

    • 05/2016 - 12/2016

      Extensão universitária , NUSSERGE/UFSC, .,Atividade de extensão realizada, Assessoria a equipe de gestão do Centro Cultural Escrava Anastácia (CCEA).

  • 2016 - Atual

    Universidade Federal do Paraná

    Vínculo: , Enquadramento Funcional:

  • 2014 - 2016

    Universidade Federal do Rio Grande do Sul

    Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista de Mestrado CAPES, Regime: Dedicação exclusiva.

    Atividades

    • 03/2014 - 04/2016

      Pesquisa e desenvolvimento , Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós Graduação em Ciência Política.,Linhas de pesquisa

  • 2012 - Atual

    Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre Mulher e Gênero

    Vínculo: Pesquisadora associada, Enquadramento Funcional: Mestranda

    Outras informações:
    Atuação na linha de pesquisa Gênero, Feminismo, Cultura Política e Políticas Públicas. As principais linhas de estudo do grupo são relações de gênero, cidadania, políticas públicas, socialização, cultura política, empoderamento, comportamento político, capital social, novas institucionalidades e mecanismos internacionais de promoção dos direitos humanos das mulheres. Os integrantes do referido grupo atuam de forma mais direta em pesquisa sobre gênero e juventude no processo de socialização e construção da cidadania, referenciando o caso brasileiro.

  • 2012 - 2012

    Editora Verbo Jurídico

    Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista pesquisador, Carga horária: 10

  • 2013 - 2014

    Poder Judiciário - Comarca de Porto Alegre

    Vínculo: , Enquadramento Funcional: Oficial Escrevente, Carga horária: 40

  • 2012 - 2013

    BANCO DO RIO GRANDE DO SUL

    Vínculo: , Enquadramento Funcional: Escriturária, Carga horária: 30

  • 2012 - 2012

    Ministério Público Federal

    Vínculo: Estágio remunerado, Enquadramento Funcional: estagiária de Direito, Carga horária: 20

  • 2009 - 2010

    Justiça Federal

    Vínculo: Estagiária de Direito, Enquadramento Funcional: Estagiária de Direito, Carga horária: 25

    Atividades

    • 08/2009 - 05/2010

      Estágios , 2ª Vara Federal Previdenciária de Porto Alegre, .,Estágio realizado, Confecção de ofícios, mandados, cartas precatórias, análise de iniciais, procedimentos como traslados de agravos, pagamento de peritos e decurso de prazos, dentre outros..

  • 2014 - 2016

    Serviço de Assessoria Jurídica Universitária da UFRGS

    Vínculo: Voluntário, Enquadramento Funcional: Advogada

    Outras informações:
    Advogada voluntária do G8-Generalizando