Alice Silveira Becker

Médica Veterinária formada pela Universidade Federal de Pelotas, UFPel (2017), especializada em Clínica Médica de Felinos Domésticos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS (2019), e atual mestranda do Laboratório de Virologia e Imunologia, LabVir, da Faculdade de Veterinária, UFPel, atuando na área de medicina veterinária preventiva, com ênfase em virologia e imunologia de cães e gatos.

Informações coletadas do Lattes em 19/10/2019

Acadêmico

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação acadêmica

Mestrado em andamento em Veterinária

2018 - Atual

Universidade Federal de Pelotas
Orientador:Silvia de Oliveira Hübner.Coorientador: Marlete Brum Cleff / Francielle Liz Monteiro. Grande área: Ciências AgráriasGrande Área: Ciências Agrárias / Área: Medicina Veterinária.

Especialização em Clínica Médica de Felinos Domésticos

2017 - 2019

Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Título: Calicivirose Sistêmica: uma enfermidade emergente do calicivírus felino
Orientador: Fernanda Vieira Amorim da Costa

Graduação em Medicina Veterinária

2012 - 2017

Universidade Federal de Pelotas
Título: Clínica Médica de Pequenos Animais
Orientador: Marlete Brum Cleff

Ensino Médio (2º grau)

2000 - 2011

Colégio São José

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Formação complementar

2019 - 2019

Sequenciamento de Sanger automatizado. (Carga horária: 8h). , Universidade Federal de Pelotas, UFPEL, Brasil.

2019 - 2019

Fundamentos Básicos de Redação de Patentes. (Carga horária: 12h). , Universidade Federal de Pelotas, UFPEL, Brasil.

2018 - 2018

Anestesiologia Veterinária. (Carga horária: 19h). , Equalis - Pós Graduação em Medicina Veterinária, EQUALIS, Brasil.

2016 - 2016

Extensão universitária em Workshop neonatologia em pequenos animais. (Carga horária: 4h). , Universidade Federal de Pelotas, UFPEL, Brasil.

2016 - 2016

Black Cat - Atualização em Medicina Felina - Online. (Carga horária: 9h). , Equalis - Pós Graduação em Medicina Veterinária, EQUALIS, Brasil.

2015 - 2015

Emergência e Terapia Intensiva em Anim. Selvagens. (Carga horária: 8h). , Associação Brasileira de Veterinarios de Animais Selvagens, ABRAVAS, Brasil.

2015 - 2015

Atualização: Clínica e Manejo de Animais Selvagens. (Carga horária: 48h). , Pet Fauna Clínica Veterinária, PFCV, Brasil.

2014 - 2014

Falcoaria como Forma de Controle de Pragas Urbanas. (Carga horária: 8h). , Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.

2013 - 2013

Extensão universitária em Fotografia Digital e Tratamento de Imagem. (Carga horária: 20h). , Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - RS, SENAC/RS, Brasil.

2006 - 2008

Curso de Língua Inglesa. (Carga horária: 240h). , Regina Santos English Course, RSEC, Brasil.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Idiomas

Inglês

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Espanhol

Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.

Português

Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Áreas de atuação

    Grande área: Ciências Agrárias / Área: Medicina Veterinária.

    Grande área: Ciências Agrárias / Área: Medicina Veterinária / Subárea: Medicina Veterinária Preventiva/Especialidade: Doenças Infecciosas de Animais.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Participação em eventos

19º Congresso Estadual de Medicina Veterinária da Sociedade Veterinária do Rio Grande do Sul (SOVERGS). Complexo respiratório viral felino: Relato de caso. 2019. (Congresso).

19º Congresso Estadual de Medicina Veterinária da Sociedade Veterinária do Rio Grande do Sul (SOVERGS). Calicivirose Sistêmica: uma breve revisão. 2019. (Congresso).

19º Congresso Estadual de Medicina Veterinária da Sociedade Veterinária do Rio Grande do Sul (SOVERGS). Detecção de calicivirus felino e alphaherpesvirus felino I em animais com doença respiratória. 2019. (Congresso).

III Ciclo de Palestras de Gestão e Empreendedorismo. 2019. (Outra).

VII Simpósio de Biotecnologia: III Mostra Acadêmica. 2019. (Exposição).

VII Simpósio de Biotecnologia: integração entre graduação e pós-graduação. 2019. (Simpósio).

II CAT IN RIO. 2017. (Congresso).

II Simpósio Sul-Americano de Medicina Felina. 2017. (Simpósio).

II Semana Integrada de Ensino, Pesquisa e Extensão UFPel. 2016. (Congresso).

XXXII Semana Acadêmica da Medicina Veterinária - UFPel. 2016. (Outra).

XVIII Congresso ABRAVAS e I Congresso ALVEFAS. 2015. (Congresso).

XXIV Congresso de Iniciação Científica UFPel. Evolução da infecção pelo herpesvírus bovino tipos 1 e 5 e do vírus da diarréia viral bovina em rebanhos infectados e vacinados com uma vacina inativada a partir de cepas autóctones. 2015. (Congresso).

3º Congreso Latinoamericando de Rehabilitación de Fauna Marina. 2014. (Congresso).

VI Simpósio Gaúcho de Animais Selvagens. 2014. (Simpósio).

Dia de Campo: Médico Veterinário Atuando em Inspeção de Produtos de Origem Animal. 2013. (Oficina).

Dia de Campo: Médico Veterinário atuando na Reprodução Animal. 2013. (Oficina).

Pesquisa em animais marinhos e vida animal em ambientes extremos. 2013. (Encontro).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Comissão julgadora das bancas

Ana Raquel Mano Meinerz

MEINERZ, A.R.M.. Estágio Curricular Supervisionado.. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Pelotas.

Sergio Farias Vargas Júnior

Vargas Junior, S. F.; MEINERZ, A. R. M.; ROSA, C. S.. Banca de Avaliação de Estagio Curricular Supervisionado. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Pelotas.

Francielle Liz Monteiro

COSTA, F. V. A.; PACHECO, A. C.;MONTEIRO, F. L.. Calicivirose Sistêmica - Revisão da Literatura. 2019. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Clínica Médica de Felinos Domésticos) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Fernanda Vieira Amorim da Costa

COSTA, FERNANDA VIEIRA AMORIM DA; Araújo, A.C.P.; MONTEIRO, F. L.. Calicivirose sistêmica: uma enfermidade emergente do calicivírus felino. 2019. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Clínica Médica de Felinos Domésticos) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Cristiano Silva da Rosa

ROSA, C. S.; MEINERZ, A. R. M.; VARGAS JUNIOR, S. F.. Estágio Curricular em Clínica Médica de Pequenos Animais. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Pelotas.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Foi orientado por

Rafael Herbstrith Krusser

Projeto Pecuário: Minerais na bovinocultura leiteira; 2015; Orientação de outra natureza; (Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Pelotas; Orientador: Rafael Herbstrith Krusser;

Ana Paula Neuschrank Albano

Relatório de estágio; 2014; Orientação de outra natureza; (Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Pelotas; Orientador: Ana Paula Neuschrank Albano;

Francielle Liz Monteiro

Alphaherpesvirus felino 1 e calicivirus felino em gatos domésticos; Início: 2019; Dissertação (Mestrado em Veterinária) - Universidade Federal de Pelotas; (Coorientador);

Maria Lucia Gomes Lourenco

Estágio Curricular; 2017; Orientação de outra natureza; (Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Pelotas; Orientador: Maria Lucia Gomes Lourenço;

Marcelo de Lima

Evolução da infecção pelo BVDV e BoHV-1 e 5 em rebanhos infectados e vacinados com vacina inativada com adjuvante oleoso a partir de cepas autóctones; 2014; Iniciação Científica; (Graduando em Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Pelotas, Universidade Federal de Pelotas; Orientador: Marcelo de Lima;

Fernanda Vieira Amorim da Costa

Calicivirose sistêmica: uma enfermidade emergente do calicivírus felino; 2019; Monografia; (Aperfeiçoamento/Especialização em Clínica Médica de Felinos Domésticos) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Orientador: Fernanda Vieira Amorim da Costa;

Marlete Brum Cleff

Estagio Curricular Supervisionado; 2017; Trabalho de Conclusão de Curso; (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Pelotas; Orientador: Marlete Brum Cleff;

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Produções bibliográficas

  • BECKER, A. S. ; RODRIGUES, P. R. C. ; RODRIGUES, M. G. ; ORLANDIN, J. R. ; MENEZES, P. Q. ; MATOS, C. S. ; WILSMANN, D. E. ; VIANA, A. E. . ANTICORPOS NEUTRALIZANTES CONTRA O HERPESVÍRUS BOVINO TIPO 1 E O VÍRUS DA DIARREIA VIRAL BOVINA EM BOVINOS VACINADOS E NÃO VACINADOS DA REGIÃO SUL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. SCIENCE AND ANIMAL HEALTH , v. 3, p. 209-220, 2015.

  • CHAGAS, D. B. ; MONTEIRO, F. L. ; BARCELOS, L. S. ; BECKER, A. S. ; FRUHAUF, M. I. ; FISCHER, G. . Alta ocorrência do vírus da realeira negra em abelhas africanizadas no sul do Brasil. In: XXI Encontro de Pós-Graduação UFPel, 2019, Pelotas. Anais do XXI ENPOS UFPel, 2019.

  • BARBOSA, A. O. ; TOMIO, T. E. ; MONTEIRO, F. L. ; BECKER, A. S. ; RIBEIRO, L. C. ; LIMA, M. . Detecção do gammaherpesvirus equídeo 2 (EHV-2) em equinos na região Sul do Rio Grande do Sul.. In: XXVII Congresso de Iniciação Científica UFPel, 2019, Pelotas. Anais do XXVII CIC UFPel, 2019.

  • BECKER, A. S. ; RODRIGUES, P. R. C. ; LIMA, M. ; HEPPER, I. F. T. . Evolução da Infecção pelo Herpesvírus Bovino Tipos 1 e 5 e Vírus da Diarreia Viral Bovina em Rebanhos Infectados e Vacinados com uma Vacina Inativada a Partir de Cepas Autóctones. In: XXIV Congresso de Iniciação Científica da Universidade Federal de Pelotas, 2015, Pelotas. Anais 2015, 2015.

  • BECKER, A. S. ; MONTEIRO, F. L. ; ESSINGER, B. R. T. ; BARBOSA, A. O. ; LIMA, M. ; FISCHER, G. ; COSTA, F. V. A. ; HUBNER, S. O. . Calicivirose Sistêmica: uma breve revisão. In: 19º Congresso Estadual de Medicina Veterinária da Sociedade Veterinária do Rio Grande do Sul (SOVERGS), 2019, Gramado. Anais do 19º CEMV da SOVERGS, 2019.

  • BECKER, A. S. ; MONTEIRO, F. L. ; ARAUJO, R. B. ; CHAGAS, D. B. ; LIMA, M. ; FISCHER, G. ; HUBNER, S. O. . Detecção de calicivirus felino e alphaherpesvirus felino I em animais com doença respiratória. In: 19º Congresso Estadual de Medicina Veterinária da Sociedade Veterinária do Rio Grande do Sul (SOVERGS), 2019, Gramado. Anais do 19º CEMV da SOVERGS, 2019.

  • MONTEIRO, F. L. ; ALMEIDA, R. B. ; BECKER, A. S. ; BOTTON, N. Y. ; CHAGAS, D. B. ; LIMA, M. ; HUBNER, S. O. ; FISCHER, G. . Detecção do vírus da língua azul em bovinos de corte no sul do Brasil. In: 19º Congresso Estadual de Medicina Veterinária da Sociedade Veterinária do Rio Grande do Sul (SOVERGS), 2019, Gramado. Anais do 19° CEMV da SOVERGS, 2019.

  • TOMIO, T. E. ; MONTEIRO, F. L. ; BECKER, A. S. ; RIBEIRO, L. C. ; BARBOSA, A. O. ; HUBNER, S. O. ; FISCHER, G. ; LIMA, M. . Infecção latente pelos alphaherpesvirus equídeo 1 e 4 na região sul do Rio Grande do Sul. In: 19º Congresso Estadual de Medicina Veterinária da Sociedade Veterinária do Rio Grande do Sul (SOVERGS), 2019, Gramado. Anais do 19º CEMV da SOVERGS, 2019.

  • CHAGAS, D. B. ; MONTEIRO, F. L. ; BARCELOS, L. S. ; BECKER, A. S. ; FRUHAUF, M. I. ; SAALFELD, M. H. ; WOLFF, L. F. ; LIMA, M. ; HUBNER, S. O. ; FISCHER, G. . Molecular detection of honey bee viruses in apiaries of southern Brazil. In: XXX Congresso Brasileiro de Virologia, 2019, Cuiabá. Anais do XXX CBV, 2019.

  • BECKER, A. S. ; BARCELOS, L. S. ; MONTEIRO, F. L. ; ARAUJO, R. B. ; SCARIOT, A. C. A. ; LIMA, M. ; FISCHER, G. ; HUBNER, S. O. . Complexo respiratório viral felino: Relato de caso. In: 19º Congresso Estadual de Medicina Veterinária da Sociedade Veterinária do Rio Grande do Sul (SOVERGS), 2019. Anais do 19° CEMV da SOVERGS, 2019.

  • BECKER, A. S. . Problemas Comportamentais em Felinos. 2019. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

  • BECKER, A. S. ; RODRIGUES, P. R. C. ; LIMA, M. ; HEPPER, I. F. T. . Evolução da infecção pelo herpesvírus bovino tipos 1 e 5 e do vírus da diarréia viral bovina em rebanhos infectados e vacinados com uma vacina inativada a partir de cepas autóctones.. 2015. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Projetos de pesquisa

  • 2019 - Atual

    Pesquisa de vírus entéricos em cães da região de Pelotas, Descrição: Embora existam relatos de ampla distribuição de infecções por CDV, CPV, e CCoV no Brasil, não há relatos de isolamentos realizados na região de Pelotas. Além disso, há poucas informações a respeito destas infecções em ambientes com alta densidade populacional e frequentes entradas e saídas de animais, como ocorre em abrigos e canis. A descoberta de NoVs em carnívoros e a relação genética entre eles e alguns vírus humanos levantam questões interessantes inerentes à ecologia destes vírus e as possibilidades de transmissão interespécies. Além disso, é interessante avaliar se e em que medida os NoVs afetam a saúde dos animais de estimação. Será utilizado detecção de ácido nucléico a partir de suabe retal e fezes dos animais.. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Alice Silveira Becker - Integrante / Marcelo de Lima - Integrante / Silvia de Oliveira Hubner - Coordenador / Geferson Fischer - Integrante / Ana Carolina de Assis Scariot - Integrante.

  • 2019 - Atual

    Investigação da atividade antineoplásica e da toxicidade in vitro de compostos fitoquímicos isolados, Descrição: Os produtos naturais têm sido pesquisados recentemente como promissores agentes para prevenção e tratamento do câncer. Muitos tipos de câncer destacam-se pela alta malignidade e potencial metastático, sendo que a quimioterapia ainda é a principal modalidade de tratamento farmacológico, porém, a mesma promove citotoxicidade e efeitos deletérios ao organismo dos pacientes. Vários fatores, incluindo os efeitos adversos e toxicidade, impulsionam a pesquisa por alternativas para o tratamento das neoplasias em medicina, com eficácia e segurança. Neste âmbito, o objetivo do estudo será avaliar a atividade citotóxica in vitro dos compostos fenólicos, terpênicos e flavonoide em células neoplásicas e em células de linhagem, além de avaliar as associações entres estes compostos químicos e quimioterápico convencional utilizado para tratamento de pacientes com câncer. Os compostos fitoquímicos serão obtidos comercialmente e, serão testados em diferentes concentrações que após diluição em meio de cultivo celular serão distribuídos em placas de cultivo celular, sobre as linhagens celulares, que serão mantidas e incubadas por 24 horas, a 37°C com atmosfera úmida e 5% de CO2. Após o contato com os compostos a viabilidade celular será avaliada pelo ensaio MTT sendo a leitura realizada por espectrofotômetro após 24 horas. Após os testes, serão determinadas as concentrações dos compostos que apresentaram efeito citotóxico para as células neoplásicas, assim como para as células somáticas. Após esta avaliação também serão realizados os mesmos ensaios utilizando dois ou mais compostos, assim como associação destes com antineoplásicos comerciais para avaliar o efeito sinérgico e tóxico para as células. Ao final do projeto espera-se que os compostos fitoquímicos apresentem alta citotoxicidade pra as células neoplásicas e baixa ou moderada toxicidade para as células somáticas, assim como para as associações.. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Alice Silveira Becker - Integrante / Paulo Ricardo Centeno Rodrigues - Integrante / Marlete Brum Cleff - Coordenador / Silvia de Oliveira Hubner - Integrante.

  • 2018 - Atual

    Caracterização da atividade imunomoduladora de compostos naturais, Descrição: Imunomoduladores são moléculas com capacidade de atuar nos mecanismos de resposta imune visando estimular a resposta natural e ou específica e moderar a resposta hiperativa. Linfócitos TCD4+ (células TH) podem diferenciar-se em fenótipos denominados TH1, TH2, TH17 e TH regulador (Treg), distinguidos em função das diferentes citocinas sintetizadas. TH1 produzem citocinas envolvidas na estimulação de proliferação e ativação de linfócitos T e células NK, importantes efetoras da imunidade celular. TH2 secreta citocinas (IL-4, IL-5, IL-10 and IL-13) que auxiliam os linfócitos B para o desenvolvimento da imunidade humoral. LTH 17 tem importante papel no combate a infecções bacterianas, e está associado a doenças inflamatórias crônicas. Os linfócitos T reguladores são uma população de linfócitos T que agem para suprimir a ativação do sistema imune, mantendo-o em homeostase e tolerante a antígenos próprios. Os imunomodulares atuam principalmente na diferenciação desses linfócitos, modificando o tipo e nível de citocina secretada. Imunomoduladores naturais incluem alguns compostos nutricionais, moléculas extraídas de plantas, extratos vegetais, própolis, probióticos, ou até mesmo peptídeos antimicrobianos. Os imunomoduladores podem ser classificados quanto a função como: imunossupressores ou imunoestimulantes. Alguns deles podem ter ambas propriedades, dependendo do contexto. Embora existam muitas investigações sendo conduzidas a respeito de imunomoduladores naturais em algumas espécies animais, são escassos os estudos conduzidos em cães e gatos. O presente projeto pretende avaliar o efeito imunomodulador de diferentes compostos naturais em macrófagos e linfócitos de linhagens celulares caninas e felinas.. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Alice Silveira Becker - Integrante / Marcelo de Lima - Integrante / Silvia de Oliveira Hubner - Coordenador / Geferson Fischer - Integrante / Renata Nobre da Fonseca - Integrante.

  • 2018 - Atual

    Frequência e caracterização molecular de herpesvírus felino tipo 1 (FeHV-1) e calicivírus felino (FCV) na cidade de Pelotas, RS, Descrição: O projeto proposto visa realizar a identificação e caracterização molecular de herpesvírus felino tipo 1 (FeHV-1) e calicivírus felino (FCV), responsáveis por grande parte das enfermidades que acometem o trato respiratório superior dos gatos, na região de Pelotas, RS. Por serem facilmente transmitidos através de secreções orais, nasais e oculares, principalmente em locais de alta densidade populacional de felinos, sua frequência relatada por outros estudos é bastante alta, ocorrendo de forma cosmopolita. Além do quadro respiratório altamente contagioso causado por estes agentes, estudos recentes sugeriram também o desenvolvimento de uma enfermidade mais grave causada pelo FCV, a calicivirose virulenta sistêmica, que leva a altas taxas de mortalidade. Diversos estudos realizando o sequenciamento genético das cepas envolvidas nesta enfermidade, que parece ocorrer em surtos, não encontraram ainda uma característica em comum entre as variantes, fato que preocupa em relação a prevenção frente a este agente. O presente projeto visa contribuir com a comunidade científica de forma a apresentar dados de ocorrência destes agentes virais na cidade de Pelotas, além de realizar o sequenciamento genético das variantes encontradas e compará-las com outras previamente descritas, tanto dentro como fora do Brasil. É de suma importância a identificação destes agentes na cidade de Pelotas, RS, onde não existem estudos prévios realizados pela identificação direta dos agentes.. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Alice Silveira Becker - Integrante / Marcelo de Lima - Integrante / Silvia de Oliveira Hubner - Coordenador / Francielle Liz Monteiro - Integrante / Geferson Fischer - Integrante.

  • 2015 - 2017

    Evolução da infecção do herpesvírus bovino, tipo 1 e 5 e do vírus da diarreia viral bovina em rebanhos infectados e vacinados com uma vacina inativada com adjuvante oleoso a partir de cepas autóctones., Descrição: Rebanhos infectados com Herpes tipo 1ou 5, e ou diarréia viral dos bovinos, diagnosticado pelo isolamento de vírus ou sorologia, serão vacinados com uma vacina desenvolvida pelo Laboratório de Virologia e Imunologia, a partir de cepas de vírus autóctone. Os animais receberão três doses com intervalo de 30 dias e após semestralmente. O monitoramento sorológico indicará o atendimento ou não aos dois critérios de avaliação do estado imunológico do rebanho descritos no projeto. O projeto se desenvolverá em regime de parceria com os produtores que desejarem entrar para o projeto e somente eles poderão utilizar as vacinas. Resultados preliminares demonstram que existe uma relação do estado imunitário do rebanho e os índices reprodutivos. Rebanhos que atendem os dois critérios de avaliação ganharam um mínimo de 15% de vacas prenhes a mais. O projeto deverá ter uma duração mínima de 6 anos, para que seja possível avaliar várias temporadas reprodutivas.. , Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Alice Silveira Becker - Coordenador / Marcelo de Lima - Integrante / Silvia de Oliveira Hubner - Integrante / Geferson Fischer - Integrante / Gilberto D'avila Vargas - Integrante.

  • 2015 - Atual

    Herpesvírus equino: isolamento, caracterização molecular de amostras de campo e desenvolvimento de um teste sorológico a partir de antígeno recombinante, Descrição: Surtos de enfermidades com sinais de doença respiratória, reprodutiva e neurológica em equinos têm sido relatados em diferentes regiões do país e, embora se tenha o conhecimento da associação dos herpesvírus com estes tipos de manifestações clínicas, têm sido frequentemente observado na prática que uma parcela dos casos permanece sem diagnóstico etiológico conclusivo. Neste sentido, é essencial o conhecimento regional da situação epidemiológica bem como da circulação dos principais agentes infecciosos associados com prejuízos econômicos à indústria equina. No Brasil, vários estudos, principalmente sorológicos e de caráter regional, têm demonstrado a circulação do EHV-1/EHV-4 no território nacional. Cabe ainda ressaltar que no Brasil, apenas em uma pequena parcela dos casos, tem sido realizado o isolamento viral e a identificação precisa do agente envolvido, além de não existirem estudos demonstrando a circulação de outros herpesvírus de equinos na população equina do país. Neste sentido, o isolamento constante de amostras de campo e o desenvolvimento de técnicas para a identificação molecular de rotina dos principais herpesvírus, associado ao desenvolvimento de um teste sorológico alternativo às técnicas convencionais de diagnóstico sorológico, seria de fundamental importância para o diagnóstico rápido e monitoramento constante destas enfermidades. Os objetivos do projeto são: 1) o conhecimento detalhado sobre a prevalência e circulação dos diferentes tipos de herpesvírus no rebanho equino do RS e outros estados; 2) padronização e implementação do diagnóstico molecular dos diferentes herpesvírus de equinos na rotina laboratorial; 3) expressão e caracterização de uma glicoproteína recombinante do herpesvírus equino tipo 1 e 4) desenvolvimento, padronização e utilização na rotina laboratorial de diagnóstico de um teste sorológico do tipo ELISA indireto contendo como antígeno uma proteína recombinante. Deve ainda ser enfatizado que, além de preencher uma lacuna na caracterização e diagnóstico dos principais herpesvírus associados com enfermidades em equinos, o desenvolvimento do presente projeto contribuirá para o monitoramento constante destes vírus na população de equinos em nível regional, além de possibilitar estudos posteriores relacionados ao potencial de utilização de proteínas recombinantes na elaboração de reagentes, testes adicionais de diagnóstico e, eventualmente, a elaboração de novos imunógenos.. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Alice Silveira Becker - Integrante / Paulo Ricardo Centeno Rodrigues - Integrante / Marcelo de Lima - Coordenador / Silvia de Oliveira Hubner - Integrante / Geferson Fischer - Integrante.

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Prêmios

2014

International English Language Testing System (overall band score 6,0), British Council.

2009

Preliminary English Test - Council of Europe Level B1, Universidade de Cambridge.

Histórico profissional

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Endereço profissional

  • Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Veterinária. , Prédio 1, Campus Universitário, 96010900 - Capão do Leão, RS - Brasil, Telefone: (53) 32757412

Seção coletada automaticamente pelo Escavador

Experiência profissional

  • 2014 - 2015

    Núcleo de Reabilitação de Fauna Silvestre

    Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Estágio voluntário

    Outras informações:
    Colaboradora no Núcleo de Reabilitação de Fauna Silvestre (NURFS) e Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS) da UFPel, totalizando 560 horas de estágio.

  • 2016 - 2016

    Universidade Federal de Pelotas

    Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Estagiário, Carga horária: 4

    Outras informações:
    Estagiária do Laboratório de Patologia Clínica Veterinária - UFPel

  • 2014 - 2015

    Universidade Federal de Pelotas

    Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Estagiário, Carga horária: 20

    Outras informações:
    Bolsista de Iniciação Científica do Laboratório de Virologia e Imunologia (Labvir) da Faculdade de Veterinária (UFPel)

  • 2014 - 2014

    Universidade Federal de Pelotas

    Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Estagiário

    Outras informações:
    Colaboradora do Laboratório de Virologia e Imunologia (Labvir) da Faculdade de Veterinária - UFPel

  • 2016 - 2016

    Clínica Veterinária Dr. Paulo Sampaio

    Vínculo: Estagiário, Enquadramento Funcional: Estágio Voluntário, Carga horária: 4

  • 2013 - 2014

    Clínica Veterinária Dr. Paulo Sampaio

    Vínculo: Estagiário, Enquadramento Funcional: Estágio voluntário, Carga horária: 4

  • 2016 - 2016

    Chatterie Centro de Saúde do Gato

    Vínculo: Estagiário, Enquadramento Funcional: Estagiário, Carga horária: 50, Regime: Dedicação exclusiva.

    Outras informações:
    Estágio extracurricular na clínica veterinária Chaterrie Centro de Saúde do Gato, em Porto Alegre (RS), durante o período de férias em fevereiro de 2016, totalizando 150 horas.

  • 2017 - 2017

    Gatos&Gatos

    Vínculo: Estagiário, Enquadramento Funcional: Estagiário, Carga horária: 60, Regime: Dedicação exclusiva.

    Outras informações:
    Estágio curricular desenvolvido na clinica veterinária Gatos&Gatos, no Rio de Janeiro (RJ), na área de clínica médica de felinos, durante março e abril de 2017, totalizando 420 horas.

  • 2016 - 2016

    Gatos&Gatos

    Vínculo: Estagiário, Enquadramento Funcional: Estagiário, Carga horária: 60, Regime: Dedicação exclusiva.

    Outras informações:
    Estágio extracurricular na clinica veterinária Gatos&Gatos, no Rio de Janeiro (RJ) durante o período de férias em julho de 2016, totalizando 180 horas.

  • 2017 - 2017

    Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

    Vínculo: Estagiário, Enquadramento Funcional: Estagiário, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

    Outras informações:
    Estágio curricular desenvolvido no Hospital Veterinário da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) - campus de Botucatu, na área de clínica médica de pequenos animais, durante maio e junho de 2017, totalizando 216 horas.

  • 2019 - 2019

    Universidade Federal do Rio Grande do Sul

    Vínculo: Estagiário, Enquadramento Funcional: Estagiário

    Outras informações:
    Estágio obrigatório para obtenção do título de especialista em clínica médica de felinos domésticos, realizado exclusivamente no Serviço de Medicina Felina (MEDFEL) do Hospital de Clínicas Veterinárias da Universidade Federal do RIo Grande do Sul, no período de janeiro e fevereiro de 2019, totalizando 150 horas.